Archive for março, 2010

O QUE O PARÁ TEM? (CARLOS CASTILHO)

O comentário não é meu, mas sim do consagrado Juca Kfouri, uma palavra que pesa muito na crônica esportiva brasileira. Decidi transcrevê-la, pois enaltece a qualidade do futebol paraense e coloca em discussão o atual estágio do nosso conterrâneo, Paulo Henrique, Ganso, o cracão de bola que brilha intensamente no Santos, ao lado de Robinho, Newmar, André e o Pará. Vamos, portanto, ao texto do Juca:
“O que têm em comum Sócrates, o Doutor, Giovanni, o Messias, e Paulo Henrique, o Ganso?
Sim, os três vestiram ou vestem a camisa do Santos.
Sim, os três são longilíneos, jogam ou jogaram um futebol clássico, com extrema visão de jogo e todos os três são, ao menos aparentemente, tímidos e sossegados.
Sócrates nasceu em Belém.
Giovanni nasceu em Abaetetuba.
Paulo Henrique nasceu em Ananindeua.
E o que estas três cidades têm em comum?
As três ficam no Pará.
O que tem no Pará que faz nascerem craques tão originais?”
Em compleemto ao que disse o Juca,afirmo que deve ser o Açai, hoje objeto de exportação, as praias paradisíacas, quer de água de mar ou de rio, principalmente aqueles que fazem ondas. E, notoriamente, por causa do prazer de jogar bola em qualquer local. Basta colocar duas traves feitas de qualquer produto, até mesmo de pedras, para que um papachibé saia chutando a bola e mostrando todo o seu talento.
Espero que Dunga tenha lido ou ouvido a opinião do Juca e de muitos outros cronistas respeitados, pois seria chato se ele, por birra, esquecesse o Ganso em seu terreiro na Vila durante a Copa do mundo da África. .

Anúncios

30 de março de 2010 at 8:54 pm 8 comentários

Porque não acreditar? (João Cunha)

Amanhã, o Paysandu travará uma verdadeira batalha, em São Paulo, diante do Palmeiras, no jogo de volta da Copa do Brasil. Precisará reverter um placar negativo de dois tentos a um, do jogo cá de casa. Parada das mais difíceis para a equipe Bicolor Paraense, sem sombra de duvidas. Mesmo com os paulistas atravessando um verdadeiro inferno astral dentro e fora de campo, a equipe Palmeirense continua sendo um grande time, forte e capaz. De todo modo, serão 90`(noventa minutos) de futebol, onde tudo pode acontecer. Particularmente, estou levando muita fé na postura que Charles Guerreiro leva para esse jogo. Apesar de não termos muita pratica  no sistema 3x5x2, diante das circunstancias, aprovo! Favaro é sempre uma segurança lá atrás. Os 3 zagueiros: Paulão, Leandro Camilo e Rogério Corrêa já mostraram que são confiáveis. Os alas, Cláudio Allax e Zeziel, bem orientados, podem muito bem surpreender pelos lados do campo. Enquanto Tácio reforça a marcação, Sandro e Marquinhos deverão atuar tanto no combate quanto no fomento e apoio ao ataque, onde Moisés e Didi ou Bruno Rangel, devem ter uma movimentação constante, procurando os espaços vazios. O jogo passará para todo o Brasil. Quem tem a maior vantagem e obrigação é o “Porco”, mas o Papão não está em São Paulo à toa. Nosso representante tem que atuar tranqüilo, deixando o desespero para eles, que precisarão jogar bem para agradar e acalmar a sua torcida, caso contrario… Sabendo que quem morre de véspera é peru, pergunto: porque não acreditar?

30 de março de 2010 at 8:52 pm 1 comentário

COMO SERÁ O AMANHÃ? (CARLOS CASTILHO)

Uma música famosa inicia assim: Como será o amanhã, responda se souber? Isso pode muito bem ser aplicado ao jogo do Paysandu contra o Palmeiras pela copa do Brasil nesta quarta em Parque Antértica.
Eu, sinceramente, não sei como será o amanhã do Papão. Convenhamos que a parte principal do script já foi bem cumprida. Afinal o clube bicolor provocou o segundo jogo, o que para muitos era quase impossível de acontecer e em partida que poderia até mesmo ter terminado com um empate.
Neste novo embate o Palmeiras joga com uma grande vantagem, pois pode até mesmo perder por 1 x 0 e estará na próxima fase da competição, já que tendo feito dois gols fora de casa tem esse grande trunfo.
Só uma coisa favorece o Papão. O seu retrospetco em outras ocasiões. A mais recente foi a decisão da sempre lembrada copa dos campeões contra o Cruzeiro. No jogo de ida, aqui em Belém, o time mineiro venceu e foi dado como virtual vencedor da Copa. Na partida de volta houve a monumental vitoria em Fortaleza e a decisão por penaltis que deu a glória de levar o Paysandu a Libertadores.
Quem sabe hoje a história não se repete.
Ainda acredito nos bicolores, já que o Porco normalmente joga mal no Parque Antártica e com a pressão da galera pode ficar desestabilizado.

30 de março de 2010 at 8:50 pm Deixe um comentário

DE OLHO NO GIBA. (CARLOS CASTILHO)

Será a missão do Giba quase impossível? Como diria um amigo meu que gosta muito de expressões inglesas: It”s depends!
A imagem que ficou para torcida remista, tanto a que foi ao Baenão, como a que ficou em casa vendo a TV e ouvindo a Rádio Clube, sim. Afinal a melhor equipe do campeonato até o início das semi finais e finais do primeiro turno desandou pra valer. Do time competitivo que tinha do meio pra frente um bom conjunto, tanto que fez a maior artilharia da disputa e mesmo defensivamente vinha se aguentando, não pode ter desaprendido do dia para noite.
Acho que algo muito mais complexo deve ter acontecendo no Baenão. E não é coisa boa. Como não faz muito tempo vou recordar o que aconteceu há dois anos quando Remo que vinha bem na série C do brasileiro, dispensou o técnico Artur Oliveira e em duas ou três partidas foi arrastado para o inferno que está até hoje.
Giba tem de saber contornar os problemas no seu elenco, principalmente procurando o dialogo. Os dez dias que separam a partida contra o Santa Rosa podem ser muito úteis para Giba contorná-los.. Claro que o elenco é fraco, mas não tanto que não dê para garantir vaga nas semi finais e principalmente lutar pela vaga na série D.
Seria o fim se o desastre do ano passado voltasse a se repetir.

30 de março de 2010 at 8:46 pm 1 comentário

Deu a lógica! (João Cunha)

Diferente a 1ª rodada do turno, onde tivemos alguns resultados que poderiam ser considerados “zebras”, como a vitória do Stª Rosa sobre o São Raimundo e do Cametá sobre o Àguia. No início do returno, tirando o jogo do Remo, que, mesmo no “aperreio”, conseguio vencer, outra vez, ao Ananindeua, nos outros jogos complementares, tivemos resultados diferentes: O Paysandu, que resolveu escalar um time misto contra o Independente, não fosse a expulsão de Canu, eu não sei não! O empate ficou até de bom tamanho, diante das circunstâncias. Já Àguia de Marabá e São Raimundo, de Santarém, mesmo com algumas dificuldades, passaram por Cametá e Stª Rosa, revertendo, assim, o quadro do 1º turno. Agora, na 2ª rodada do returno, O Papãp pega o Stª; Àguia e Ananindeua estarão frente a frente; O Independente, Tucurui, recebe o São Raimundo, no jogo mais equilibrado da rodada e, o Remo, com o Giba no comando terá que melhorar muito para abater o ferido Cametá. Paysandu e Àguia são favoritos. Teremos lógica novamente na 2ª rodada do returno? Façam as suas apostas!

26 de março de 2010 at 7:18 pm 1 comentário

SERÁ QUE ESTÁ CERTO? (CARLOS CASTILHO)

O Paysandu decidiu estrear no segundo turno, hoje, em Tucurui, com um time meia boca. Cerca de 8 jogadores considerados titulares estarão de fora na partida contra o Independente. Qual teria sido o motivo que levou os cartolas a optarem por levar uma equipe que não representa o verdadeiro potencial bicolor no campeonato? Os integrantes da comissão técnica deram várias explicações, mas nenhuma delas colou. Entendo que o Papão já tem assegurada sua participação na final, com a conquista do titulo do primeiro turno no domingo passado, mas subestimar o adversário ou dar chance aos outros concorrentes pode , mais tarde, ser prejudicial ao próprio clube.
Melhor, teoricamente, para o clube de Tucurui, que, em princípio, leva uma boa vantagem em pegar o campeão desfalcado.
Uma tese levantada por um ouvinte da Rádio Clube, foi o possível interesse de prejudicar o Remo na sua luta para conquistar a vaga na série D, pois o Galo seria o concorrente mais direto. Mas ai a coisa seria bem pior.

24 de março de 2010 at 1:23 am 3 comentários

COMEÇAR DE NOVO (CARLOS CASTILHO)

E a história se repete. Primeiro são os sonhos sonhados: time regional, técnico também, alguns poucos reforços e esperança de que tudo dê certo. Com o passar do tempo todos caem na real. Não é que não dê, não dá. Com o Remo, agora, não foi diferente. O sonho esperado não aconteceu. O time não aguentou o tranco e na hora mais importante pisou na bola. Sinomar, o técnico formador e que parecia com estrela para quebrar a velha escrita não passou no teste. Agora é hora de começar de novo. Ou melhor, recomeçar. Pois o sonho de hoje, Giba, também já foi sonho sonhado que só aconteceu numa fase. Na segunda vez foi um fracasso e exatamente no campeonato regional. Certo ou errado, trazê-lo de volta só o tempo vai confirmar. Acho que a vantagem do Giba era trazer dentre os disputantes do Paulistão 3 ou 4 reforços para ajustar a equipe. Entre eles zagueiros já que um time que leva em apenas uma semana, com três jogos, 11 gols é um desastre. Só que nao virão mais reforços, ficando só no deconhecido Didão, um volante, posição já inflacionada no elenco azul, que veio quando nao deveria ter vindo. A torcida vai rezar todos os terços necessários, já que sofrer no segundo semestre o mesmo inferno astral do ano passado é impossível. Pior é que já nesta quarta começa o segundo turno e o tempo corre célere.

24 de março de 2010 at 1:12 am 1 comentário

Posts antigos


Clube no Twitter

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.