Archive for abril, 2013

Chumbo-Grosso – Paulo Fernando – 22.04.13

– FALTA DE RESPEITO – Tenho acompanhado a reação de alguns torcedores tanto na rádio, TV e redes sociais e tenho visto que alguns perderam a noção do respeito com o seu próprio time, como pode alguém abrir a boca para dizer que houve MARMELADA, no jogo de domingo, quem foi ao mangueirão viu que no primeiro tempo o Paysandu estava totalmente perdido em campo contra um Remo que disputou cada dividida como se fosse um prato de comida, já no segundo tempo os Bicolores voltaram com tudo e se não fosse os milagres do goleiro Fabiano, contra Iarley e Rafael Oliveira, a história da partida poderia ter sido bem diferente, PARA REMISTAS E BICOLORES, ATÉ NA HORA DA DERROTA TEM QUE SE TER ALTIVEZ E DIGNIDADE PARA SE CAIR DE PÉ,……..

– É MOTIVO DE RISO – Amigos vocês já reparam que tem gente na imprensa que trata o torcedor como se ele fosse RETARDADO, simplesmente passaram o final de semana todinho querendo empurrar goela abaixo do torcedor que o grande responsável pela vitoria azulina foi o senhor Zeca Pirão, devagar com andor que o santo é de barro, é muito achar que o torcedor é idiota, vamos se mancar e respeitar o torcedor do Paraense,………………………….

– COMPLICOU – A vida da Tuna complicou no Parazão, a Elite do Norte teve tudo para sair com uma vitória diante do Paragominas jogando dentro do Souza, até pênalti a Lusa desperdiçou fora as enumeras chances perdidas de cara com o goleiro do P.F.C, agora a coisa ficou mais difícil pois o jogo de volta é na casa do Paragominas e a Tuna tem que vencer para classificar e tentar fugir do rebaixamento, FORÇA ÁGUIA GUERREIRA DO BRASIL,………..

– VOU AVISAR DE NOVO – Quem lê a CHUMBO GROSSO sabe que venho avisando que o Paysandu tem que se reforçar para a série B, esta ai na cara de todo mundo que este time do Paysandu tem compartimentos que precisam urgentemente de reforços, já se fala em Fábio Sanches que disputou a série C do ano passado pelo próprio Paysandú e outros nomes também estão sendo especulados pelo vovô da cidade, mais o certo é que quem avisa amigo é, O BICOLOR PRECISA DE REFORÇOS,……………….

– DA NOJO – Toda vez que escuto a MÚMIA da FEDERAÇÃO falando da NOJO, será que o MUN-HÁ pensa que o povo do Pará é burro, do jeito que ele fala até parece que aquele saco de gato que é a F.P.F funciona as mil maravilhas, outro detalhe que me chama atenção foram os defensores do microfone que surgiram em defesa da MÚMIA, TORCEDOR VOCÊ É INTELIGENTE NÃO SE DEIXE LEVAR POR PAUS MANDADOS, PESSOAS QUE VENDEM A ALMA PARA DIABO POR CAUSA DE PONTA, FIQUE DE OLHO NA “IMPRENSA MARRON”,…………………………

– PARABÉNS – Os IDIOTAS que infelizmente comandam o nosso futebol estão conseguindo afastar o torcedor do estádio, sábado foi uma prova cabal que estes BUCEFALOS não estão nem ai para o torcedor, em um jogo decisivo como foi o de sábado tivemos menos de 15 mil pagantes no estádio olímpico, e após a partida um dos ASNOS ainda da entrevista e afirma só por pirraça e capricho que o jogo do próximo final de semana será no mesmo dia e no mesmo horário só por vaidade, É MEUS AMIGOS FO…….-SE O TORCEDOR,……………………..

– A COLUNA DE HOJE É DEDICADA AOS 85 ANOS DA PODEROSA RADIO CLUBE DO PARÁ,……………

– ESCREVO ESTA COLUNA PARA QUEM GOSTA DA VERDADE, AQUI O COURO COME DOA A QUEM DOER, ATÉ AMANHÃ, FUI IIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII

22 de abril de 2013 at 4:45 pm 1 comentário

Coluna do Gerson Nogueira – 22.04.13

O renascimento do Leão

Não se sabe até onde vai a nova postura, mas o Remo de sábado foi muito diferente do time que vinha capengando no campeonato e que se deixou vencer pelo Flamengo de forma tão débil. Com um esquema não utilizado até então e aparentemente medroso, com seis homens no meio e um atacante, diminuiu a distância entre os setores e valorizou a posse de bola no primeiro tempo, fazendo por merecer a vantagem de dois gols.

Como é rotineiro nas atuações do Remo, notou-se acentuada queda de produção no segundo tempo, com excessiva timidez na marcação e pouca agilidade na saída de bola, o que quase permitiu que a vitória escapasse.

É importante, porém, registrar a reação e a disciplina tática do time. Depois do desgaste causado pela derrota na quarta-feira e as hostilidades sofridas na volta a Belém, os jogadores seguiram as determinações de Flávio Araújo e desfizeram o anunciado favoritismo do Paissandu. Prova de determinação e comprometimento.

A marcação rígida no meio, comum aos esquemas de Araújo, foi substituída desta vez por movimentação e prioridade para a transição. Essas virtudes deixaram o time mais ágil na frente porque Jonathan, Capela e Alex Ruan faziam com que a bola chegasse sempre a Val Barreto. Apesar de sozinho na frente, o atacante se mexia e dava muito trabalho à zaga do Paissandu com arrancadas e tentativas de chutes de média distância.

Não se pode desconsiderar, porém, o peso que o gol logo aos 10 minutos teve para a atuação do Remo. Inseguro nos primeiros minutos, o time ganhou confiança depois do gol e ficou ainda mais atento em campo. Cedeu algum espaço, mas os bicolores não souberam aproveitar, principalmente Pikachu e Iarley. Veio, então, o segundo gol, em lance de contragolpe que teve Jonathan como homem-surpresa.

Lecheva percebeu a lentidão excessiva de seu time e trocou Vânderson por João Neto, incendiando o jogo, pois passou a ter três atacantes em cima da defensiva remista. As alternativas criadas a partir daí confundiram a marcação e proporcionaram ao Paissandu seus melhores momentos na partida. O gol (de Pablo) saiu depois de seguidas tentativas aéreas e o empate poderia ter acontecido, não fosse a imperícia de Rafael na melhor chance criada nos instantes finais.

Do lado azulino, com a troca de Capela por Ramon houve uma evolução na qualidade do passe e na organização do jogo, embora a mobilidade tenha diminuído. Bem mais participativo do que em outras oportunidades, Ramon ainda conduz muito e não ajuda na marcação. Teve nos pés a bola do jogo e errou o arremate. Depois, Branco também desperdiçou outro contra-ataque fulminante.

O jogo deixou a certeza de que a próxima batalha pode ser a mais encarniçada que os rivais já travaram nesta temporada. Certeza de um duelo ainda mais empolgante no próximo sábado.

Surge um candidato a titular

Alex Ruan, jovem valor esquecido na reserva e às vezes lembrado apenas nos coletivos, confirmou qualidades para ser titular da lateral-esquerda remista. Depois de atuar bem contra o Flamengo, no Rio, apareceu com destaque no Re-Pa de sábado. Foi aplicado na marcação e muito útil na troca de passes no meio-de-campo. Em comparação com o atual dono da posição, Berg, tem a vantagem de ser muito mais ousado ofensivamente.

Um século de futebol remista

Foram 4.065 jogos, 2.194 triunfos, 955 empates, 890 derrotas, 8.189 gols marcados e 4.405 gols sofridos. O Remo completou ontem 100 anos de futebol. Não é uma marca qualquer. Poucos clubes podem ostentá-la. Prova incontestável da grandeza histórica de uma das maiores agremiações brasileiras. Pena que a data tenha sido pouco festejada pela própria diretoria. De qualquer modo, parabéns a todos os azulinos.

PFC encaminha classificação

A Tuna tem motivos de sobra para lastimar o empate de ontem, no Souza. Precisava da vitória para fugir ao rebaixamento e para inverter a vantagem do PFC nas semifinais. A Lusa não jogou bem, falhou em momentos importantes, mas teve um pênalti a seu favor em instante crucial do jogo. Desperdiçou e viu o PFC sair de Belém comemorando e ainda mais favorito à vaga na decisão do returno. Mais que isso: viu se aproximar, em cores vivas, o fantasma do rebaixamento. Será uma jornada dificílima para a Águia Guerreira em terras de Paragominas no próximo domingo.

22 de abril de 2013 at 4:41 pm Deixe um comentário

Papo do 40º – Ronaldo Porto – 22.04.13

E DISSERAM QUE O LEÃO ESTAVA MORTO…

Muitos bicolores tinham a certeza de que o Paysandu venceria facilmente o maior rival no sábado, depois do Remo ter perdido o jogo de volta para o Flamengo na Copa do Brasil, combinado com o cansaço de jogar e viajar sem treinar. Esqueceram esses torcedores que do outro lado existiam 11 homens e um destino, que era a classificação do Remo às finais do 2º turno e consequentemente a conquista da vaga à 4ª divisão. Pois é, o time remista se vestiu de homem e derrotou o Paysandu, invertendo a vantagem, passando agora a jogar pelo empate no outro sábado. Foi o Remo quem cresceu ou o Paysandu que diminuiu? Todos sabem que em clássico não há favorito, mesmo com o time bicolor posando ao lado desse favoritismo em função da má fase do Remo. O que se viu foi muita garra do Leão no 1º tempo, quando construiu a vitória e um time bicolor atabalhoado, abatido pelos dois gols do adversário. E sábado agora, alguém arrisca um prognóstico?

ALTA TEMPERATURA

O mistério do técnico Flávio Araújo deixou muita gente de orelha em pé, quando ele escalou sua equipe no sistema 3-6-1, mudando sua filosofia anterior. E deu certo. A garra e o bom desenvolvimento de jogo de alguns atletas azulinos foram fatais para o Paysandu, perdido em campo, só recuperando o fôlego no 2º tempo, quando conseguiu marcar seu gol, diminuindo a vantagem do rival. Na 2ª etapa, o Remo caiu muito e mesmo assim Ramon desperdiçou uma grande chance.

BAIXA TEMPERATURA

Ontem a Tuna perdeu a chance também de inverter a vantagem contra o Paragominas, mas o placar de 0 x 0 foi ideal para o que os dois times fizeram, terminando ambos esgotados pelo calor da manhã. Agora a Lusa terá que vencer o Paragominas lá dentro para se classificar e escapar do rebaixamento, parada difícil, mas não impossível.

NO TERMÔMETRO

As encenações políticas do Santa Cruz contra a FPF, mais especificamente contra o Cel. Nunes, além da chuva forte que caiu desde às 14 horas do sábado, foram fatores fundamentais para o pouco público no Mangueirão. Não tivemos 15 mil pessoas numa semifinal. /// Em função disso, Remo e Paysandu, que dividem a renda dos clássicos, amargaram um belo prejuízo que 10 mil reais cada, pagando para jogar. Os 10% da Federação não foram tocados. /// Leão e Papão com desfalques para o próximo sábado, perdendo o Remo dois bons zagueiros, Mauro e Carlinhos, mais o artilheiro Val Barreto, enquanto o maior rival ficará sem Raul, Ricardo Capanema e Helinton. Quem perde mais? Acho que os dois perdem por igual. /// Cel. Nunes nunca tinha aberto seu vocabulário contra os dois candidatos que querem também comandar a FPF, Artur Tourinho e Luís Omar Pinheiro. Foi sábado, no microfone do timão campeão do Rádio. Aproveitou e disparou sua metralhadora contra o senador Mário Couto, seu ex-amigo e hoje inimigo fidagal. Aliás, o Diário do Pará de ontem fez sérias denúncias contra o senador, envolvendo sua participação no caçula Santa Cruz de Salinópolis. É desse jeito que anda nosso futebol. /// Ainda não consegui digerir direito a partida precoce do amigo José Olívio Câmara, bicolor de quatro costados e um dos grandes responsáveis pelas novas arquibancadas do Papão na Curuzú. Olívio vai fazer muita falta para os amigos, bem como para sua família, que está sentindo muito mais. /// Quem viu o jogo Tuna x Paragominas disse que o jogo deu dor de dente em serrote; muitos jogadores estavam acabados no final da contenda, alguns acusando câimbras, fruto do preparo físico errado. /// A tarde de ontem ficou maravilhosa para a prática do futebol, mas os brilhantes dirigentes do futebol paraense bateram o pé e não trocaram a rodada. Se fosse realizado ontem à tarde, o clássico teria levado pelo menos 25 mil pagantes ao Estádio Olímpico Edgar Proença. E adiantou o jogo da Tuna e Paragominas ser no domingo pela manhã? Enquanto esses coveiros existirem, Remo e Paysandu vão sofrer muito, eles que são os grandes protagonistas do Parazão. Todos os outros são meros figurantes e querem aparecer demais. /// Uma boa semana a todos e viva Jesus.

E-mails: rporto@supridados.com.br

22 de abril de 2013 at 4:39 pm Deixe um comentário

Chumbo-Grosso – Paulo Fernando – 16.04.13

– OS TRAPALHÕES – Quem lembra do quarteto trapalhão que embalava as noites de domingo nos anos 70 e 80, ontem na sede da F.P.F pode curtir uma espécie de REMAKE deste programa, armaram um PICADEIRO por lá e ainda tiveram a cara de pau de dizer que estavam cumprindo o regulamento, ora vejam só eles F.P.F foram os primeiros a rasgar o regulamento quando desmembraram a ultima rodada do segundo turno, o certo é que mais uma vez o futebol do PARÁ sai prejudicado o torcedor paraense é desrespeitado, acompanhem como ficou a programação organizada pelos INTELIGENTES, Remo e Paysandu se enfrentam no sábado, às 18h30, no Mangueirão, enquanto Tuna e Paragominas se enfrentam no Souza, domingo, às 09h30, POBRE FUTEBOL DO PARÁ, FINAL DE COPA É DOMINGO Á TARDE, FINAL DO CARIOCA, PAULISTA, MINEIRO, GAUCHO, BAIANO TAMBÉM É DOMINGO Á TARDE E AQUI AS ANTAS MAIS UMA ENSINAM O BRASIL Á FAZER FUTEBOL,……………………………

– QUERIA MAIS NÃO LEVOU – O jogador Thiago Potiguar teve sua sentença contra o Paysandu julgada e tem a receber uma quantia de R$ 50 mil, com relação a salários atrasados, esta decisão não é final e o clube ainda vai recorrer,“O Thiago Potiguar entrou com uma ação pleiteando R$ 461 mil e nós não fizemos acordo. Agora saiu a sentença nos condenando a pagar R$ 50 mil, o Paysandu também fez acordo com a sua ex-cozinheira, Maria de Lourdes, a quem pagou uma quantia de R$ 25 mil, na última sexta-feira, os bicolores pagaram mais uma parcela de R$ 60 mil do acordo com o ex-jogador Arinelson, A CADA DIA UM PROBLEMA,……………….

– TRADIÇÃO PODE PESAR – A Tuna começa a colocar tudo em ordem para a primeira partida da semifinal contra o Paragominas Futebol Clube, neste domingo (21), às 9h30, no estádio do Souza. Os treinos seguem na sua normalidade, apenas esperando a volta do técnico Cacaio, que aproveitou o intervalo no campeonato para viajar ao Rio de Janeiro e visitar a família, na parte tática, os jogadores seguem sob o comando de Marabá, que comanda a equipe enquanto Cacaio se restabelece após a longa viagem do Rio de Janeiro. O técnico deve voltar à ativa ainda nesta terça-feira, onde já começa os treinos que definirão a equipe titular visando mais uma partida decisiva, A CAMISA PODE PESAR NA HORA DO VAMOS VER,…………………………………..

– O EMERGENTE ATREVIDO – Com menos de um ano como clube profissional o JACARÉ do nordeste Paraense vem colando banca junto a F.P.F dizendo eu quero isso, eu quero aquilo, alheio a tudo isso, Charles Guerreiro, técnico do PFC, fez os treinos pela parte da manhã virarem rotina no PFC, para poder ajudar na adaptação do clima. “Nós já estávamos treinando de manhã antes da paralisação, justamente para se adaptar à esse clima mais abafado da manhã. Demos uma pausa por conta da suspensão no campeonato, pois ficava muito puxado para os atletas. De certa forma isso foi melhor por nos dar mais tempo para estes treinos. A equipe vinha jogando sempre pela tarde e noite e agora é uma experiência nova. O clima de Belém não é muito diferente de Paragominas, então isso ajuda um pouco”, PALAVRA DO PRINCIPE,………………………………..

– O QUE SE PASSA NA CABEÇA DO PROFESSOR PARDAL – Flávio Araújo fez vários treinos táticos com o esquema no 4-4-2, com a presença de Clebson e Thiago Galhardo na armação, depois, o INDECISO PARDAL realizou a variação para o esquema 3-5-2, tirando a dupla e colocando Diogo Capela e Henrique no setor defensivo. A novidade foi a presença de Endy na lateral direita, no lugar de Válber, que não vêm agradando a torcida nas últimas partidas. O técnico também utilizou Paulista no ataque no lugar de Val Barreto, Berg sentiu uma lesão e esta fora do jogo contra o Flamengo, Alex Ruan será o titular, de resto mesmo Flávio só definirá a equipe minutos antes da partida de amanhã em Volta Redonda, que os Deuses do futebol iluminem a cabeça, DO PROFESSOR PARDAL,……………

– É UMA PENA – Uma cidade do tamanho de Marabá infelizmente tenha que suportar uma situação VERGONHOSA como está vivida pelo representante Marabaense, rebaixado no Parazão, eleiminado na primeira fase da Copa do Brasil perdendo dentro e fora de casa, com números insignificantes nestes primeiros meses, o torcedor Marabaense ainda teve que escutar sobe um possível saída do treinador João Galvão a seguinte frase do presidente aguiano “isso não vai acontecer, a situação precisa ser analisada friamente. “Volto a dizer que a nossa equipe não tem estrutura, não temos lugar para treinar aqui em Marabá”, QUE VERGONHA PARA UMA DAS CIDADES MAIS RICAS DO BRASIL,………………………………….

– ESCREVO ESTA COLUNA PARA QUEM GOSTA DA VERDADE, AQUI O COURO COME DOA A QUEM DOER, ATÉ AMANHÃ, FUI IIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII

16 de abril de 2013 at 3:11 pm 2 comentários

Coluna do Gerson Nogueira – 16.04.13

Sob um mar de incertezas

O Remo viaja ao Rio para enfrentar o Flamengo, na partida de volta pela primeira rodada da Copa do Brasil, deixando atrás de si uma torcida apreensiva a respeito de suas chances. Mesmo os fãs mais otimistas, duvidam da força de um time que sofreu grave pane técnica depois de perder o primeiro turno do campeonato para o maior rival.

A derrota no primeiro jogo nem representa a fonte maior de preocupação dos torcedores. O que semeia dúvidas é a crônica dificuldade que o time tem para se impor em campo. Escalado pelo técnico Flávio Araújo quase sempre no 3-5-2, o Remo não aprendeu a jogar nesse sistema.

O problema está na origem. Quando um time opta pelo esquema de três zagueiros deve, como válvula de escape para o ataque, contar com dois alas qualificados. São jogadores encarregados de fechar espaços pelos lados e, principalmente, auxiliar nas ações ofensivas.

O Remo não tem alas, nem mesmo laterais razoavelmente habilitados a desempenhar essas funções. Tanto que a ausência do titular do lado esquerdo, Berg, não deve causar nenhum grande abalo, pelo simples fato de que ele não produziu nada nos últimos jogos.

Não chega a ser um desespero porque raras equipes no Brasil têm laterais qualificados. O problema é que, contra um adversário que jogará em casa e com vantagem, o Remo precisará atacar para reverter o placar. Só a vitória interessa, mas o desenho da equipe não permite maiores ilusões.

Com debilidades no meio-de-campo e nas alas, o Remo ataca pouco, bem menos do que deveria, embora tenha bons atacantes. Curiosamente, na partida realizada no Mangueirão, o Remo desfrutou de várias oportunidades para marcar. Isso ocorreu, na maioria das vezes, graças à ação individual de seus atacantes e muito em função da confusão existente na zaga rubro-negra.

O Remo nem fez por merecer no aspecto da produção de jogo, mas os gols desperdiçados naquela noite, principalmente por Leandro Cearense, irão fazer muita falta agora.

Chega ao fim a última novela

Conforme previa a tabela original, o Re-Pa das semifinais foi confirmado para o sábado, ficando o Tuna x PFC para domingo. Contraria a lógica natural das coisas, afinal o domingo é o dia nobre dos grandes clássicos, mas quem a essa altura está preocupado em ser lógico num campeonato tão bagunçado? Na prática, a confirmação definida ontem termina por evitar novos problemas ou zangas que possam atrasar ainda mais o Parazão, depois de 15 dias de paralisação desnecessária.

A torcida agora é para que os quatro semifinalistas justifiquem a expectativa, proporcionando bons jogos e fazendo o público esquecer rapidamente as papagaiadas que quase inviabilizaram a competição.

A Edgar o que é de Edgar

Lúzio Ramos escreve à coluna levantando questão importante, que tem sido frequentemente escamoteada pelos interesses políticos diversos que rondam o futebol no Pará. Refere-se ao nome do estádio estadual, apelidado de Mangueirão desde o nascimento. Depois de parcialmente construído, ganhou a denominação de Estádio Alacid Nunes, mas acabou sendo batizado oficialmente – com aprovação através da Assembleia Legislativa – como Estádio Jornalista Edgar Proença, em justa homenagem ao pioneiro do rádio esportivo no Pará.

Veio, porém, uma reforma estrutural no estádio e aproveitaram para tascar um “olímpico” ao nome oficial. “Esta situação me levou à seguinte reflexão: por que acrescentar esse termo ‘olímpico’ ao nome do estádio? O que temos de tradição nos esportes olímpicos? Acaso Belém já sediou alguma olimpíada? Temos alguma chance de algum dia sediarmos esse grandioso evento? Nada contra os esportes olímpicos, sobretudo o atletismo que tanto aprecio, mas não temos nenhuma identidade com eles”, argumenta Lúzio.

Ele acrescenta que o futebol, sim, é uma tradição popular no Estado. “A preocupação é que a situação tende a se delinear da seguinte maneira: o nome Edgar Proença está ofuscado pela denominação ‘Olímpico’. E, pouco a pouco, o hábito de abreviar levará o nome do grande homenageado ao esquecimento. Assim, perder-se-á a oportunidade de prestar a tão justa homenagem. E aí chegará um tempo em que apagamos o nome do jornalista sem sermos olímpicos. Assim como o Maracanã é Mário Filho, o Mangueirão não pode deixar de ser Edgar Proença”, sentencia Lúzio. Com carradas de razão.

Baião nas telas

Stéfano Paixão, um ilustre filho de Baião lança hoje, às 20h, no teatro Cláudio Barradas (da UFPA), o documentário “Velhos Baionaras, Tesouros Vivos”. Recorte poético e visual da memória afetiva de sua gente, o filme celebra os 318 anos de existência de Baião, com depoimentos de personagens que representam a memória viva do lugar. “A grandeza do povo pede passagem e convida vossos olhos a penetrar neste universo ímpar, de um povo moreno, brejeiro e amazônida”, sintetiza o diretor.

16 de abril de 2013 at 2:52 pm 1 comentário

BOLA PRA FRENTE – Cláudio Guimarães – 16.04.13

POSITIVO – FEFUSPA completando amanhã 25 anos de sucesso e faz festa, 19 h, na sede do Remo, inclusive com premiação aos melhores de 2012. ESMAC comemora subida à Série Especial Sub 20 Feminina. Viva o Futsal!

NEGATIVO – Na AG geral de amanhã de prestação de contas da CBF, as federações (conforme ranking) receberão ajuda de 100 a 400 mil. E cada presidente uma mesada de no mínimo 50 mil. Já os clubes endividados!

Lá e Cá

Decidido: RE x PA, sábado, 18:30 h (árbitro Joelson Santos) e, Tuna x PFC, domingo, 9:30 h (apito de Andrey Silva). Reunião serena na FPF e, quem fazia mal já está fora. Aliás, Santa Cruz rescindindo com jogadores.

Esse torneio durante a Copa das Confederações, em Belém, reunindo Vasco, Flamengo, Remo e Paysandu só vai valer pelos de 320 mil limpos e quatro placas estáticas a cada um daqui. Sucesso financeiro discutível. Datas serão 18 e 21.6 para não conflitar com jogos do Papão na Série B.

Filme “La Bombonera É Nosssa” retirado da festa dos 10 anos da vitória sobre o Boca Juniors, dia 24.4, na sede, para 400 pessoas. Vai ser como comer o bombom sem tirar o papel!

Morte do grande bicolor José Olívio Câmara adiou reunião do CONDEL do Paysandu. Na pauta a dívida geral de 12 milhões, provinda de várias administrações; atletas de basquete bicolor reclamando precariedade dos vestiários do Ginásio Moura Carvalho.

Na boate K&F, na Benjamin c/ Gaspar Viana (Reduto), sexta-feira passada, dava para fazer um treino de tantos jogadores de um grande da cidade. Tinha ate integrante de CT. Viva a vida!

Remo tem a melhor média de público em todas as competições em Belém nos últimos cinco anos, alcançando 12.215 pagantes, contra 9.984 do Paysandu; Fred Carvalho novo gerente da Tuna (fez curso no Paraná).

Deputado Romário contatando com Remo e Paysandu sobre seu projeto de quitar dívidas federais dos clubes. Ele preside Comissão de Turismo e Desporto da Câmara, da qual fazem parte ex-jogadores Delei (ex-Flu), Danrlei (ex-Grêmio e Remo) e Asdrúbal Bentes (ex-pte do Paysandu).

Paysandu ameaçado de perder Ricardo Capanema (Vitória-BA) e Eduardo Ramos (Cruzeiro-MG). Recisão deste custa um milhão, sendo 300 mil do Papão. Se Eduardo sair poderá vir Fumagalli.

Águia, Cametá e Remo já fizeram jus a 150 mil cada na Copa Brasil. Paysandu pulou para 2ª fase e embolsará 300 mil. Quem chegar a 3ª fase levará 400 mil, à 4ª 500 mil e, assim se vai.

Alex Juan titular pelo Remo contra Flamengo, face contusão de Berg (nem viajou). Endy retornará à lateral direita. Leão Azul no Sider Pálace Hotel de Volta Redonda – RJ (3 estrelas, fone 24-33481032). Em quatro meses Flávio Araujo ainda não tem time base. Muda muito!

Zeca Xaud o presidente de federação mais antigo do Brasil (39 anos). Futebol do seu estado, Roraima, o pior o país. Estará hoje, na CBF, entre os que receberão benesses pelo seu “trabalho”.

Hoje, sai adversário do Paysandu na Copa BR, entre Portuguesa-SP x Naviraiense-MS. Base da Lusa: Gledson, Ivan, Moisés Moura, Valdomiro e Marcelo Cordeiro, Muralha, Corrêa, Luis Ricardo e Moisés, Héverton e Diego Viana. Técnico interino Edson Pimenta. Canindé mede 106mx70m.

Base do Naviraiense: Washington, Robinho, Williams, Rafael e Joel, Robenval, Sorbara, Ciel e Jean Batatais, Campanário e Pequi. Técnico Paulo Resende. Estádio Virotão mede 105mx70m e pega 6 mil pessoas.

Resultados: Vila Teta 4×3 G. Família, Mapuera 5×2 Guanabara, Amigão 2×1 Barca Furada, Bola Presa 4×2 Beer And Ball, Cruzeiro Curió 3×7 Inter e Faz Raiva 3×2 Alquinho. No Bancrévea, Astro 6×3 no Juventus, no máster, e 9×1 nos novos.

HOMENAGEM – Paulo Roberto Gaia da Rocha, ex-árbitro da FPF nos anos 80-90. É taxista e reside no bairro Tapanã, distrito de Icoaraci.

16 de abril de 2013 at 2:16 pm Deixe um comentário

CHUMBO-GROSSO – Paulo Fernando – 12.04.13

– QUE SIRVA DE EXEMPLO – Os dirigentes do Paysandu que fiquem de olhos bem abertos para o que aconteceu com o Cametá pela Copa do Brasil, eu não estou falando aqui do placar do jogo e sim da diferença técnica da equipe Goiana para equipe do Pará, os dirigentes do Bicolor estadual tem que entender que a série B, é uma competição de nível técnico bem puxado que o Papão terá que contar com um elenco mais forte e mais qualificado, fica aqui a dica, e de sua opinião AMIGO BICOLOR,……………………………………..

– FALTA ATITUDE – Até quando esta DIRETORIA DO REMO vai esperar para mandar este come dorme do Ramon embora, isto é uma vergonha e uma afronta a imensa nação azulina, como pode um jogador que ganha R$ 24.000,00 por mês não da um chute não aparece para treinar e ninguém faz nada, enquanto isso os funcionários do clube estão com seus salários atrasados, que DIRETORIA é esta, PIRA PAZ NÃO QUERO MAIS, de sua opinião AMIGO AZULINO,……………………………………….

– O MAESTRO HUMILDE – Ele não tem dois assessores de imprensa e nem vive falando um monte besteira por ai, mais ele é respeitado pela imensa fiel torcida bicolor, Eduardo Ramos comando e dita o ritmo da equipe alvi-celeste com muita categoria e sem fazer estardalhaço, há muito tempo que o Paysandu não tinha um camisa 10 desta envergadura, HUMILDADE NO SER HUMANO É TUDO,………………………………………

– FALTA VERGONHA NA CARA – á quanto tempo que os profissionais de Remo e Paysandu reclamam a falta de uma academia decente em seus estádios, como pode estes clubes só nos primeiros três meses do ano arrecadaram mais de Dois Milhões Reais cada um, pelo amor de DEUS até quando estes incompetentes vão ficar por ai sem saber administrar o dinheiro que sai do bolso do apaixonado torcedor paraense, já esta na hora de vocês criarem VERGONHA NA CARA DE VOCÊS,…………………….

– C.P.I DO FUTEBOL DO PARÁ – Acho muito justo já passou da hora de mostrar quem é quem no futebol do Pará, está na hora de varrer de uma vez por todas os incompetentes e atrasados que insistem em ficarem a frente do nosso futebol, só acho uma pena que esta C.P.I também não possa apurar o envolvimento de membros da “IMPRENSA” que não sei por que cargas d’águas insistem em defender o MUN-HÁ, muito esquisito não acham,……….

– A LIÇÃO – Hoje o Santa Cruz de Cuirana vai retirar do TJD todas as reclamações contra a F.P.F, tudo por que o Santa Cruz entendeu que o maior prejudicado com todo este imbróglio é o torcedor do Pará que fica sem poder assistir sua maior Paixão que é o futebol, por que LIÇÃO é simples o Santa Cruz de Cuiarana mostrou para MUN-HÁ E O SEU PAU MANDADO que eles não são os donos do mundo como eles pensavam, fica a LIÇÃO e vocês da federação que insinam o Brasil a fazer futebol pelo amor de DEUS não façam mais lambança e acabem o campeonato com dignidade,………………

– ESCREVO ESTA COLUNA PARA QUEM GOSTA DA VERDADE, AQUI O COURO COME DOA A QUEM DOER, ATÉ AMANHÃ, FUI IIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII

12 de abril de 2013 at 5:46 pm Deixe um comentário

BOLA PRA FRENTE – Cláudio Guimarães – 12.04.13

POSITIVO – Finalmente, hoje, o esperado julgamento dos recursos do Santa Cruz-Cuiarana, pelo TJD. O que vai acontecer daqui pra frente não se sabe, mas só a marcação da reunião do órgão judicante já é um alento.

NEGATIVO – Cametá e Águia provaram o veneno da falta de estrutura. Emergiram sem base e ai está o resultado. O primeiro ao sabor da política e o segundo a reboque dos dois donos. Futuro sombrio para ambos!

Lá e Cá

Remo tem trabalhado nos sistemas 3-5-2, 4-4-2 e até 4-3-3. Torcedores barrados nos treinos. Movimento de ontem durou duas horas. Leão tentará reconhecer o gramado do Estádio da Cidadania (Volta Redonda) antes de enfrentar o Flamengo.

Jogo Portuguesa x Naviraiense, terça, definindo adversário do Paysandu na Copa do Brasil terá transmissão da Rádio Clube. Dando Lusa, primeiro jogo aqui e se for Naviraiense o Papão inverte e decidirá em casa. Estádio do clube sul-matogrossense se chama Virotão.

Estádios Arena Verde, Mangueirão e Zinho Oliveira aprovados com datas variadas, mas têm restrições no quesito segurança. Laudos da Curuzu e Baenão chegaram sem assinatura dos engenheiros.

Alunorte Rain Forest fará novo amistoso Sub 20 contra Tuna, amanhã, 10 h, no Estádio Municipal de Barcarena. No primeiro embate o ARN venceu de 2×0.

Torneio Cidade de Belém de Basquetebol Máster começará dia 18.4, no Ginásio Altino Pimenta (Doca), 20 h, reunindo Galega x Rui Noronha e Augusto Teixeira x Ronaldo Passarinho. Competição vai até 15.5.

Manhã alegre, domingo, 10 h, no campo do Cruzeiro, em Carananduba-Mosqueiro, quando os Másteres do Estrela receberão Amigos do Edil (Highlander). Depois, almoço na barra Rio Pará.

Dias Renato, ex-jogador, técnico e agora supervisor do Paysandu, meu entrevistado Bola Pra Frente de domingo. No Bola Na Torre, desta feita estarão mesmo Raul (Paysandu) e Jonathan (Remo).

Demora nos julgamentos de Válber e Leandro Cearense, do Remo, impacientando bicolores. Até porque Djalma, expulso depois, já foi julgado e absolvido. Diretor azulino Zeca Pirão será julgado na outra semana.

Manchete do jornal “O Popular” de Goiânia, sobre o jogo Cametá 0x7 Atlético Goianiense: “Dragão Sem Piedade no Bacurau”. Goianos reclamaram bastante das ridículas travessias e Ig. Miri e Meruú. Aliás, aquilo é o suprassumo do atraso.

Rafael Oliveira passou a ser a 3º opção de ataque do Paysandu. Pior é que se acomoda e não reage, mesmo tendo potencial para isso; Rodrigo Alvim ganhou licença para ir ao RJ, onde está também técnico Cacaio (Tuna).

Em Boa Vista-RR o esporte preferido atualmente é Corrida de Cavalo, seguido de MotoCross e Canoagem. Futebol em 4º na preferência. Stanley, atacante d S. Raimundo é bamba no MotoCross.

Quatro emissoras de Belém transmitindo jogo São Raimundo 0x2 Paysandu e nenhuma de Boa Vista-RR; depois de 50 anos voltei a transmitir à beira do gramado; Águia à frente do Remo no ranking da CBF; hoje 2ª parcial do Troféu Camisa 13.

Dois ex-presidentes do Paysandu candidatos na FPF: Artur Tourinho e LOP. Surge também o nome do coronel PM, Osmar Nascimento, apoiado pelo coronel Nunes.

Amanhã: América PV x União, Faz Raiva x Alquinho, Bota Show x 25º ZPOL, Urucubarca x Boleragem, Só Ressaca x Sempre Verde, AD Genos x Só Mancada, Milan x Mamonas, CRAP x Hoolligans, Gleba Um x Comercial, Real Maguari x PEC, Bagaceiros x Caldeirão, Vila Teta x Grande Família e Cruzeiro Curió x Inter-Telégrafo.

HOMENAGEM – Ricardo Barbosa, o Metralha, ex pivô e ala do basquetebol do Paysandu e Sel. Paraense nos anos 70-80. É empresário.

12 de abril de 2013 at 5:46 pm Deixe um comentário

Coluna do Gerson Nogueira – 12.04.13

A fina arte de desequilibrar

O futebol tal como o conhecemos é cada vez mais surpreendente e imprevisível. Se no passado o acaso já conduzia as coisas, em pelo menos 50% dos casos, o equilíbrio reinante hoje entre as equipes permite avaliar que a maioria dos jogos é decidida num descuido qualquer. Ao mesmo tempo, esse nivelamento técnico (por baixo) acaba por ressaltar ainda mais o papel dos jogadores mais qualificados.
Com uma perna só, como bem relatou o jornal El País, o craque Lionel Messi determinou a passagem do Barcelona pelo PSG, anteontem. Até a metade do segundo tempo o confronto era vencido com galhardia pelos franceses, apesar da incansável pressão catalã. A entrada em cena de um talento especial desequilibrou a ordem natural.
Ficou mais uma provado que o craque, mesmo que não esteja em plenas condições, é capaz de mover montanhas. Messi recebeu algumas bolas, manteve-se parado, sem girar as jogadas ou buscar arrancadas. Quando pegou na bola à altura da meia-lua e lançou Villa a sorte do Barça começou a mudar. Daí nasceu o passe recuado para Pedro fuzilar no canto esquerdo de Sirigu.
Falando assim parece simples. E foi. A questão é que simplificar é uma arte. Messi é um artista. Vai daí…
Quando uma parada enrascada é resolvida de maneira tão didática como o duelo do Camp Nou aprendemos que a glória no esporte bretão vai permanecer sempre refém dos talentosos. Felizes os que contam com esses seres privilegiados, como os argentinos hoje em relação a Messi. Como o Brasil nos anos 60 em relação a Pelé e Garrincha.
No rabo da fila das melhores seleções do mundo, amargando um inacreditável (mas justo) 19º lugar, o Brasil precisa desesperadamente encontrar alguém que possa significar o desequilíbrio, estabelecer a dissonância. Não vai ser fácil.

Copa BR escancara realidade

O Paissandu foi a Boa Vista e arrancou uma vitória tranquila, suficiente para eliminar o segundo jogo. A rigor, podia ter saído de Roraima com um placar mais folgado, embora tenha se deixado pressionar no segundo tempo. No fim das contas, uma vitória que representou a salvação da lavoura para o futebol paraense nesta primeira rodada da Copa do Brasil.
Depois que o Remo perdeu em casa para um descalibrado Flamengo, os outros três representantes paraenses tinham responsabilidades bem distintas. O Paissandu era favoritíssimo contra o São Raimundo e cumpriu seu papel, com autoridade.
O Águia, que havia sido derrotado na primeira partida contra o Nacional, precisava se recuperar no Zinho Oliveira. Ao contrário de outros tempos mais garbosos, o Azulão marabaense sucumbiu ao apenas mediano time manauara, caindo por 2 a 1.
A tragédia, porém, se revelaria em todas as cores no estádio Parque do Bacurau. O Cametá, atual campeão paraense, foi fragorosamente aniquilado pelo Atlético Goianiense, com requintes de crueldade. O placar de 7 a 0 soou como sentença fúnebre do estágio do futebol por aqui.
Pelo andar da carruagem, a situação ainda pode ficar pior.

Direto do Facebook:

“Eu levo a minha vida com a direção de Deus e depois como se cada dia fosse uma partida de futebol. Quando o time joga de forma equilibrada, tendo uma zaga boa, meio-campo bom e um ataque bom, e não precisa ser um time de estrelas, o que precisa é confiar em Deus e jogar cada partida com muito esforço e sabedoria.”

De Ewerton Coqueiro, dando a receita exata de um torcedor misericordioso.

12 de abril de 2013 at 5:45 pm Deixe um comentário

Coluna do Gerson Nogueira – 10.04.13

Ainda o debate sobre a Série D

A querela em torno do prosseguimento do Campeonato Estadual não se resolve, nas a torcida segue discutindo a palpitante sobre o time a ser indicado para a Série D 2013. Depois do ocorrido no ano passado, com um acordo espúrio envolvendo o Cametá, o Remo se candidata por direito a essa indicação, mas clubes com o PFC já se manifestam dispostos a reclamar na Justiça o direito a participar do torneio nacional.

Publiquei ontem, aqui na coluna, o posicionamento do leitor Ricardo Camarão, segundo o qual a FPF deveria ter incluído no regulamento do campeonato a informação sobre o critério de escolha do time indicado à Série D.

Hoje, abro espaço para o também leitor Antonio Oliveira questionar o ponto de vista de Camarão. “O que vocês me dizem destas duas regras que destaco abaixo, tiradas do Estatuto do Torcedor e do Regulamento do Campeonato Paraense de 2013, respectivamente?”, provoca Oliveira.

Ele reproduz, então, artigos do Estatuto do Torcedor e do Regulamento do Parazão para embasar sua convicção de que o Remo merece ser indicado. “Art. 10. É direito do torcedor que a participação das entidades de prática desportiva em competições organizadas pelas entidades de que trata o art. 5o seja exclusivamente em virtude de critério técnico previamente definido. § 1o Para os fins do disposto neste artigo, considera-se critério técnico a habilitação de entidade de prática desportiva em razão de colocação obtida em competição anterior”.

Em seguida, Oliveira transcreve o artigo 51 do regulamento do Campeonato Paraense de 2013: “Desde que não tenha(m) vaga(s) assegurada(s) em Competição Nacional organizada pela CBF, o (s) representante (s) do Estado do Pará será (ão) o (s) melhor (es) colocado (s) no Paraense 2013, observados os critérios técnicos”.

O leitor argumenta, então, que o critério da melhor colocação no campeonato de 2013 está previamente estabelecido no regulamento, como orienta o Estatuto do Torcedor. “Caso o campeonato não vá adiante, depois do Paissandu, que já tem vaga assegurada em competição nacional, quem é o melhor colocado no campeonato paraense de 2013?”.

Oliveira acrescenta: “O fato de o regulamento do campeonato e do próprio Estatuto do Torcedor não se referirem ao campeão, e nem ao melhor colocado depois do campeão que eventualmente já tenha um vaga assegurada em competição nacional, não revela implicitamente a intenção de que o melhor colocado possa representar o Estado independentemente da competição ainda não ter chegado ao final e por isso ainda não ter um campeão definido?”.

Lança, por fim, o seguinte questionamento: “Na hipótese nada improvável de o campeonato seguir paralisado, quem seria então, dentre os três semifinalistas que não tem vaga garantida, ou mesmo dentre outros, aquele que deveria representar o Pará na Série D?”.

A troca de argumentos entre os dois leitores da coluna sinaliza que esta é uma outra frente em aberto, a partir da possibilidade de paralisia definitiva do Parazão, hipótese cada vez mais provável.

A estreia bicolor na Copa BR

O Paissandu, melhor time do campeonato estadual, tem grande chance de eliminar o jogo de volta no confronto com o São Raimundo de Roraima pela Copa do Brasil. Sem Capanema e João Neto, substituídos por Esdras e Héliton, o time é superior ao adversário e tem tudo para encaminhar sua classificação já no confronto desta noite, em Boa Vista.
A dúvida é se vale a pena desperdiçar a possibilidade de uma boa arrecadação no jogo de volta em Belém, principalmente neste período de interrupção do Parazão.

Promessa de cartola não se escreve

A gestão do futebol no Pará continua a ser algo misterioso e até surpreendente. Depois de embolsar quase R$ 700 mil no confronto com o Flamengo, pela Copa do Brasil, a diretoria do Remo não conseguiu cumprir a promessa de pagar cinco meses de salários atrasados aos funcionários.
A presidência do clube deveria explicar, detalhadamente, os motivos do não cumprimento do acordo. Afinal, o débito com os colaboradores é inferior a R$ 500 mil. É lícito perguntar o que ocorreu com a grana toda? Situações como essa, que já se repetem há tempos, empurram para o lixo a credibilidade dos dirigentes.
Notícias sobre a possível quitação de débitos com ex-dirigentes, longe de tranquilizar os funcionários, só fazem aumentar a revolta e a frustração. Colaboradores do clube deveriam ser magnânimos e capazes de esperar que a diretoria quitasse débitos urgentes.

10 de abril de 2013 at 4:25 pm Deixe um comentário

Posts antigos Posts mais recentes


Clube no Twitter

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.