Archive for setembro, 2013

BOLA PRA FRENTE – Cláudio Guimarães – 26.09.13

POSITIVO – Bom estado do gramado, conservação e reforma das demais dependências do Estádio Maximino Porpino (Castanhal) se deve ao trabalho do Sec. de Esporte Helinho e coordenador Gian, ex-jogadores.

NEGATIVO – Outro açodamento do presidente Zeca Pirão provocou constrangimento ao diretor amador, José Luiz Silva, com excelente trabalho no Remo, resposta dada pelo Sub 20 na Copa BR. Cabe desculpa!

Lá e Cá

Na Série B de 2012 o Goiás foi campeão (78 pontos), subindo ainda Criciúma (73), Atlético-PR e Vitória-BA (71). Caíram o CRB (42), Guarani-SP (41), Ipatinga (31) e Grêmio Barueri (30).

Escaparam, mas brigaram palmo a palmo até a última rodada, Guaratinguetá (43), Boa, Bragantino e ASA (44), ABC (45) e Ceará (47). Isso poderá servir de balizamento ao Paysandu este ano.

Ninguém com 3º cartão no Papão; Pablo, Djalma, Gaibu e Héliton, novos titulares de Benazzi; viagem para SP domingo à noite; clube arrecadou líquidos em 13 jogos, aqui, 1 milhão e 99 mil, média de 5.784 torcedores.

Ted (recém- contratado) e Raylan (15 anos) entre os relacionados do Remo para amistoso de hoje contra o Ananindeua; dia 1.10, aqui, Remo x Flamengo, Copa BR Sub 20. Volta dia 8.10, no Los Larios, Duque de Caxias.

Sem chorar leite derramado pela perda de Jr Timbó, Galvão já escalou o Águia para domingo (Baraúnas): Jair, Ceará, Bernardo, Fred e Anderson Luiz, Mael, Marcel, Flamel e Palinha, Keno e Wando. Danilo Galvão banco.

Time Negra e Vila Rica (Chave A2), Santa Rosa e Izabelense (Chave A1) lideram Segundinha; Tainá Domingues, do Paysandu, convocada pela Seleção Brasileira de Basquetebol Sub 17 para Sul-Americano.

Pinheirense estreou goleando Tiradentes-PI por 4×1 na Copa Brasil de Futebol Feminino, enquanto a Tuna (na 2ª partida) meteu 6×0 no Viana, lá no Maranhão. Agora, o clássico regional Tuna x Pinheirense.

Associação Zezé do Boxe festejando 40 anos, sábado, no Mormaço, com almoço e show de artistas da terra. Lema: “na luta pelo esporte, preparando cidadãos e fazendo campeões”.

Instituto do Joelho do Dr. Érick Nunes realizará sábado, a partir de 8 h, na Arena dos Campeões (Oliveira Belo 802-Umarizal), a 9ª a edição da Copa do Joelho Operado. Imperdível!

Amanhã final do Copão Castanhalense de Futsal com S. Domingos do Capim x Celebridade de Terra Alta (112 times, 110 jogos e média de 9,13 gols); hoje encerra inscrição da IV Corrida e Caminhada do Engenheiro.

HOMENAGEM – João Braga da Silva, o Joãozinho, ex- atacante de polo-aquático do Colégio Nazaré e ex- remador do Paysandu (proa do 4 com) nos anos 80. É administrador de empresas e corretor de seguros.

Anúncios

26 de setembro de 2013 at 12:34 pm Deixe um comentário

Coluna do Gerson Nogueira – 25.09.13

Primeiro tempo arrasador

Parecia outro time, embora os jogadores fossem os mesmos de sempre. Com desembaraço e ousadia, o Paissandu começou insinuante, explorando as jogadas rápidas distribuídas por Eduardo Ramos. Em ritmo intenso, o time atacava e forçava erros da Chapecoense com a movimentação de todos os homens de meio-campo e ataque. Em seis minutos, saíram os dois gols, ambos com participação inspirada de Ramos.

Aos 4 minutos, em contra-ataque fulminante, Héliton foi lançado por Ramos e cruzou da esquerda para o cabeceio mortal de Pikachu. A torcida nem havia parado de festejar e já veio o segundo. Ramos cobrou falta e contou com a grandiosa colaboração do goleiro Juliano, que aceitou o chute e a bola terminou nas redes da Chapecoense.

A pegada forte do Paissandu no começo da partida surpreendeu a todos, principalmente aos defensores catarinenses, que pareciam espantados a cada nova investida. Alex Gaibu trabalhava como verdadeiro ala esquerdo, aproximando-se bastante do ataque. Quando se aventurava nos contragolpes, também levava perigo.

Nessa balada, antes dos 20 minutos, mais duas grandes oportunidades foram construídas, mas Nicácio e Zé Antonio não aproveitaram. Aos 21 minutos, novamente Ramos apareceu com destaque, batendo cruzado, rente à trave.

A não ser por duas escapadas de Soares, que criaram alguma dificuldade para Pablo e Fábio Sanches, os visitantes não exibiam futebol de vice-líder. O goleador Bruno Rangel ficou muito isolado entre os zagueiros. O motivo básico dessa timidez estava na intensa movimentação dos bicolores, que concentravam as ações laterais e não permitiam folga aos meio-campistas da Chapecoense.

Djalma fazia dupla com Pikachu pela direita. Gaibú e Héliton agiam pela esquerda. No meio, com liberdade para criar, Ramos pontificava, lançando e aproximando-se da zona de chute. A rigor, o jogo se passava quase todo no campo de defesa dos visitantes, pois Pikachu e Héliton não davam trégua, ajudando também a marcar a saída de bola.

A dinâmica de jogo funcionava tão bem que o volante Zé Antonio também surgia como opção no ataque, revezando-se com Ramos nas subidas. Algo tão automático que parecia longamente treinado. Esse milagre da transformação só pode ser atribuído aos talentos motivacionais de Benazzi, pois tempo não houve para que as inversões de posicionamento fossem assimiladas pelos jogadores.

Quando o jogo chegou aos 30 minutos a impressão era de que tudo estava consumado, tamanha a superioridade do Paissandu, demonstrada no placar e na distribuição em campo. As manobras só não resultavam em gol devido à precipitação de Nicácio, que destoava no miolo do ataque.

Depois do intervalo, a Chapecoense se reestruturou e passou a pressionar a zaga do Papão. Aos 5 minutos, Neném e Soares chutaram duas vezes para defesas seguras de Paulo Rafael. Em seguida, Fabiano quase aproveitou cochilo de Pablo e Sanches, mas a noite era mesmo alviceleste e esses pecadilhos não tiveram maior consequência.

Benazzi trocou Héliton por Aleílson para tentar frear o crescimento da Chapecoense, que havia tomado conta do meio, marcando Ramos de perto. A mudança surtiu efeito e logo de cara Aleilson lançou Nicácio, que mandou no travessão. A troca de passes e a insistência com as jogadas aéreas pelos catarinenses faziam o Paissandu se resguardar, sem repetir a postura avassaladora do primeiro tempo.

Augusto ainda foi expulso, mas Eduardo Ramos já havia saído e o Papão não tinha como explorar a vantagem numérica. Antes do fim, Bruno Rangel ainda teve tempo de diminuir, aproveitando falha de Bispo. Foi, a rigor, sua única chance clara na partida.

Rendimento acima da média

Eduardo Ramos e Pablo foram os melhores. Cada um, à sua maneira, contribuiu decisivamente para o triunfo. Pablo foi o esteio da defesa, atuando com firmeza e segurança. Ramos deu ritmo ao Paissandu e jogou de cabeça erguida, envolvendo a zaga inimiga e fazendo a bola chegar aos atacantes. Deveu-se a ele, principalmente, a grande atuação do Paissandu nos primeiros 45 minutos. Quando cansou, na etapa final, o time todo sentiu o baque.

Outros jogadores também se sobressaíram, embora em nível ligeiramente abaixo. Gaibú, Pikachu e Djalma tiveram desassombro, respondendo pela intensidade com que o Papão se lançou ao jogo. Todos caíram de rendimento no final, mas a produção inicial quase impecável garantiu o resultado que interessava.

25 de setembro de 2013 at 12:30 pm 1 comentário

BOLA PRA FRENTE – Cláudio Guimarães – 25.09.13

POSITIVO – Hoje, a partir de 19 h, no Ginásio Altino Pimenta, a Super Noite do Boxe, com os paraenses Tadeu Pantoja, Ricardinho e Isaac Rodrigues defendendo cinturões. Presença de Acelino Popó Freitas.

NEGATIVO – Na Série C, Santa Cruz-PE já comprou mando de campo e venceu Baraúnas (3×1). Agora, fez o mesmo com o Rio Branco-AC (jogo 2.10) por 200 mil, com beneplácito da CBF. Águia e FPF só assistindo?

Lá e Cá

Paysandu não viu nada nele, mas ABC-RN, para fugir do rebaixamento na Série B tirou meia Jr Timbó, do Águia de Marabá; com a vitória sobre a Chapecoense, Papão fora da Z4.

Quiosque facilitador para inscrições à IV Corrida e Caminhada do Engenheiro (29.9) funcionando do 4º piso do Boulevard Shopping. Bela sacada do Daniel Sobrinho (Clube de Engenharia) e Zêefe Comunicação.

Técnico Benazzi tem no seu planejamento fazer com que no jogo contra o Sport, em Recife, dia 30.11, o Paysandu já esteja livre da possibilidade de rebaixamento. Prometeu em fez isso em 2004 com o Papão, na Série A.

SEMEL de Marabá adiou Jogos Abertos e tratará dia 27.9 da Corrida da Fé. Cumprirá intensa programação até o final do ano, culminando com os Jogos da Castanha, de 16 a 30.12.

William Gomes, de Ulianópolis, medalha de ouro no Campeonato Norte-Nordeste de Atletismo, mesmo lesionado ainda foi 5º lugar nos 3.000 metros do Campeonato Brasileiro Juvenil, em SP.

Hoje, na 3ª etapa do Campeonato Paraense de Tênis de Mesa, a disputa masculina adulta na Toca do Lobo (Lomas-Pedreira). Sérgio Rodrigues (AP) perto do 5º título consecutivo e AABB do bi por equipe.

Em troca de uma casa no Guamá (80 mil), de propriedade do presidente remista Zeca Pirão, Dona Nazaré finalmente deixando a área do Carrossel (anexo ao Baenão) depois de 34 anos. No local brevemente torres da LM.

Bicolores já compraram 4 alas para o desfile no carnaval do Rancho, que vai homenagear os 100 anos do Paysandu; meia William Leandro, ex- Coritiba, 29ª contratação da administração Vandick. Com as CT são 40.

Leandro Cearense voltou, indicou volante Lídio, do Nacional-AM e Baenão está liberado para amistoso de amanhã, Remo x Ananindeua. Tartaruga jogará também hoje na Segundinha liderança contra Santa Rosa.

Sábado: Racing x Viracopos e América PV x Silva Castro do Guamá.

HOMENAGEM – Simão Salim Jr, o Salim, ex- campeão paraense de judô peso médio pelo Pará Clube e Hidroterápico, além de estudantil pelo Moderno (1970-80). É Tenente Coronel e Sub Comandante da CME da PM.

25 de setembro de 2013 at 12:27 pm Deixe um comentário

Coluna do Gerson Nogueira – 24.09.13

Às portas da redenção

Depois do empate com o Atlético-GO, o técnico Vagner Benazzi pôs o dedo na ferida da má preparação do Paissandu para disputar o Brasileiro da Segunda Divisão. Observou que as exigências do calendário impõem cada vez mais providências nem sempre fáceis de aceitar. Exemplificou com sua experiência no futebol catarinense, quando dirigia o Avaí e apostou suas fichas na competição nacional, deixando de lado o certame estadual.

Mesmo sem ter acompanhado a temporada do Paissandu, Benazzi acabou fazendo o diagnóstico preciso. De fato, a preocupação com o Parazão afetou seriamente os preparativos do clube para a Série B. Ao invés de reforçar a equipe ao longo do estadual, optou por disputar a competição com um time mais caseiro e se empolgou com a conquista do título, abrindo mão de cuidados com a montagem do elenco.

Com isso, sobreveio a ilusão de que seria possível disputar o torneio sem grandes gastos. Ocorre que o erro estratégico na formação do elenco e a dificuldade para contratar em tão curto espaço de tempo gerou o efeito contrário. O clube foi obrigado a gastar mais do que esperava, contratando jogadores disponíveis no mercado, mas de baixa qualidade.

A vinda do gerente Oscar Yamato fez crer que os maus passos iniciais seriam compensados pela capacidade de observação e a experiência do executivo. Infelizmente, Yamato até listou um grande número de atletas, mas não havia suporte financeiro para trazer todos os indicados. Com o tempo, as carências começaram a aparecer e refletir na campanha caótica que o time ora cumpre na Segundona.

Foi justamente sobre isso que Benazzi discorreu na entrevista pós-jogo. Lembrou que clubes de massa têm dificuldades em priorizar competições, mas destacou que não há outra alternativa para quem pretende ir longe. Não citou, mas o exemplo do Atlético-PR é obrigatório. Disposto a brilhar na Série A, disputou o certame estadual com o time sub-20. Até o momento, a estratégia vem dando certo, pois chegou ao G4 e está em ascensão no torneio.

Alguém só precisa dizer a Benazzi que o campeonato aproxima-se de sua reta final e não há mais tempo para chorar o leite derramado. É preciso, acima de tudo, agir rápido. Mais ou menos como ele próprio fez no segundo tempo da partida de sábado, ao perceber que precisava entrar em cena para evitar que o desastre se consumasse.

Suas orientações nos vestiários e à beira do gramado mudaram a face do Paissandu, fazendo com que alguns jogadores passassem a jogar de forma diferente, com mais aplicação e objetividade. De uma postura apática nos primeiros 45 minutos, o técnico conseguiu fazer com que o time adquirisse vida e personalidade. Criou várias chances e podia ter vencido.

Graças a essa pequena mágica, o tropeço em casa foi absorvido sem maiores cobranças. A pronta intervenção de Benazzi foi suficiente para restituir a confiança na recuperação do time. Hoje, diante da vice-líder Chapecoense, essa convicção será posta à prova.

É preciso levar em conta que o retorno de Eduardo Ramos vai contribuir para que o meio-de-campo ganhe em criatividade, deixando o esquema mais eficiente ofensivamente. Pelo grau de dificuldades, é o tipo de jogo que pode representar a redenção, apagando a imagem ruim e abrindo caminho para uma campanha de recuperação.

Um visitante muito perigoso

A Chapecoense não é vice-líder (quase classificada para a Série A 2014) por acaso. Com 46 pontos, a equipe catarinense fez 12 jogos como visitante, vencendo seis vezes, empatando duas e perdendo quatro. O aproveitamento é de 55%. Números capazes de fazer inveja ao Paissandu, que só conseguiu um empate fora de casa.

De todo modo, o time do artilheiro Bruno Rangel sabe – por experiência própria – que vai encarar um tremendo desafio na Curuzu. Afinal, no primeiro turno, lá em Chapecó, o Paissandu teve grande atuação e vendeu caro a derrota, surgida no minuto final.

Além do respeito pela tradição do Papão e a experiência de Benazzi, ajuda também a refrear o entusiasmo dos visitantes o inesperado tropeço na última partida, contra o lanterna ABC.

24 de setembro de 2013 at 12:46 pm Deixe um comentário

BOLA PRA FRENTE – Cláudio Guimarães – 24.09.13

POSITIVO – Faltando 14 jogos, 7 em casa e 7 fora, Paysandu precisará do apoio da “Avalanche”, hoje, em busca dos 45 pontos (já tem 24) visando escapar do rebaixamento. Lugar de torcedor bicolor é na Curuzu!

NEGATIVO – Quando Zeca Pirão era diretor disse o que quis contra o árbitro Nadilson Souza dos Santos. Agora, como presidente do Remo vai ter de indenizá-lo, pois mediador não quis acordo. Língua afiada dá nisso!

Lá e Cá

Depois do Salgueiraço de 2010, quando fez gol pelo Paysandu e dupla de ataque com Fernandão (hoje no Bahia), Bruno Rangel (21 gols na Série B) estará de volta logo mais ao gramado da Curuzu, pela Chapecoense.

Novidades do Papão: atacante Dennis relacionado, Gílton e Leonardo fora (da turma do Arturzinho só ainda resta o Jaílton) e Eduardo Ramos retornando para o jogo mais importante do bicolor até agora, na Série B.

Chapecoense sem o goleiro titular Rodolfo (é sobrinho do agrônomo Natalino Correia, do Paraíso Verde-Mosqueiro). Vai o reserva Juliano. Também ausentes atacantes Fabinho Alves e Tiago Luís.

Paysandu e Chapecoense só jogaram uma vez, aquela derrota bicolor de 3×2, em Chapecó. Aliás, só Paysandu e ABC ainda não venceram fora de casa pela Segundona deste ano.

Fernando Robalo de volta à presidência do Pedreira do Mosqueiro e já recuperando a sede; ex- atacante Fábio Oliveira (Remo e Santa Cruz-Cuiarana) agora é administrador da orla de Salvaterra.

Pelas entrevistas e insinuações sobre contratações, Charles Guerreiro (Remo) parece não estar entusiasmado com garotos do Sub 20. Se Leãozinho continuar fazendo sucesso na Copa BR, Waltinho o ameaçará.

Agora se fala num Remo x Londrina-PR (atração?), aqui, sem ônus para o Leão; também cogitado por empresários o Vasco x Fluminense (caindo pelas tabelas), da Série A, do dia 9.10 (Semana do Círio), no Mangueirão.

Águia com dois jogos seguidos em casa (Baraúnas e Treze) para definir chance de subir ou manter-se na Terceirona. Domingo, Ceará, Flamel e Danilo Galvão deverão começar jogando.

Agremiação Filhos e Amigos de Abaetetuba realizará encontro festivo dia 28.9, na Associação Nipo-Brasileira. Atrações Banda Lado B abaetubense e Beatles Forever. Contatos: 32236026 e 91173728.

Resultados: Racing 1×0 São José e Faz Raiva 2×2 Verdão; sábado próximo, Portuguesa x Veiga Cabral-Mosqueiro; domingo o Torneio Início da VI Copa Idade do Lobo do Bancrévea.

HOMENAGEM – Cícero Alves Oliveira Lopes, o Ceará, ex- campeão paraense de karatê interestilos (Academia Jachynto Castro) e de Muay Thai (Academia Boxe e Thai) nos anos 80-90. É empresário de joias.

24 de setembro de 2013 at 12:44 pm Deixe um comentário

Coluna do Gerson Nogueira – 23.09.13

Abre o olho, Benazzi!

O Paissandu segue na balada de sempre. Ou seja, devagar quase parando. Ainda sem a influência prática do novo comandante, no sábado à noite os pouco mais de 4 mil espectadores pagaram para ver na Curuzu um arremedo de time. Nada que surpreendesse, pois tem sido esse o prato servido à torcida ao longo desta Série B.

Contra um adversário pouco mais que esforçado e visivelmente armado para buscar o empate, o Papão desperdiçou outra vez a oportunidade de se safar da zona do rebaixamento e iniciar uma sequência vitoriosa. O jogo era previsivelmente para ser decidido pela força dos ataques. Quem tivesse mais poderio ofensivo, levaria a melhor.

Nenhum dos lados pareceu a fim de demonstrar isso, por acomodação ou impotência, embora no primeiro tempo o Atlético tenha obrigado Paulo Rafael a três importantes intervenções.

Do lado alviceleste, Marcelo Nicácio até que tentou correr um pouco mais do que habitualmente faz, porém em ritmo e intensidade insuficientes para superar a barreira defensiva goiana. Aleilson, saudado por mim e tanta gente como esperança de redenção para o ataque bicolor, está cada vez mais se afundando na mesmice, contaminado por este vírus que assola o elenco bicolor: a apatia. Deu um chute a gol num lance rápido na etapa final.

Some-se a isso o crônico problema de condicionamento físico. A equipe só tem gás para 30 minutos, e olhe lá. Aguenta bem os primeiros movimentos, até dá a falsa impressão de que vai imprimir um ritmo vertiginoso, mas aos poucos se impõe a dura realidade e o time simplesmente freia, estanca.

Nem escanteios ou faltas às proximidades da área são explorados com o mínimo de apuro que só treinos intensos permitem adquirir. Como Eduardo Ramos não estava em campo, a ligação entre meio e ataque ficou prejudicada. Pior ainda: a equipe ficou sem o seu único jogador que arrisca chutes de média e longa distância.

Concentrei minhas observações na inoperância do ataque, mas é preciso observar também que a defesa não prima pela excelência. Pablo, que tinha jogado muito bem diante do Ceará, reapareceu na zaga e mostrou o futebol que o relegou ao banco de reservas durante tanto tempo. Falhou em vários momentos e deu sustos seguidos no torcedor.

Apesar de todas as limitações individuais e da desarrumação coletiva do time, os deuses do futebol ainda tentaram ajudar. Com Djalma e Héliton em campo, no segundo tempo, o Paissandu foi mais ousado e chegou a sufocar o adversário. Iarley e Djalma ainda perderam boas chances

Benazzi, que botou a mão na massa e orientou alguns jogadores à beira do campo, deve ter sentido o drama. Técnico rodado, conhecedor dos macetes do mundo da bola, deve ter percebido que a tarefa será indigesta, talvez uma das mais espinhosas de sua carreira.

A rigor, o Paissandu de hoje não consegue ser um time, age mais como bando. Alguns jogadores tentam arrumar as coisas, mas a distância entre os setores e o cansaço comprometem o desenvolvimento da equipe.

Como aconteceu com Givanildo e Arturzinho, a questão crucial do grupo é a parte física e atlética. É fundamental que Benazzi invista seriamente nisso, sob pena de ser mais um a fracassar neste complicado ano bicolor.

De tropeço em tropeço…

Há coisas que normalmente só acontecem ao Botafogo, mas o time alvinegro não precisava exagerar. O que ocorreu ontem diante do Bahia é bem mais do que um acidente futebolístico. Foi o reflexo do preciosismo absurdo de um ataque. No primeiro tempo, foram desperdiçadas – por baixo – cinco chances claríssimas de gol, duas delas com o garoto Hyuri.

Times que se habilitam ao título de uma competição tão difícil quanto o Brasileiro não podem se dar ao luxo de tropeçar tanto. A derrota de ontem vem se juntar a vacilos como os empates com São Paulo, Internacional e Goiás. O revés dificulta tremendamente o sonho do título e atrapalha também o projeto de classificação à Libertadores.

Como consolo, o time tem a grande oportunidade de se redimir já nesta semana, quando começa o confronto com o Flamengo, valendo pela Copa do Brasil.

Entre a cruz e a espada

O Águia está a quatro passos do paraíso e a três do inferno. Posicionado em oitavo lugar depois da derrota frente ao Brasiliense, distanciou-se do G4 e ficou nas cercanias do Z3. Faltou agressividade ao time em Brasília e sobrou indecisão na zaga, que falhou nos dois gols do Jacaré.

As duas partidas em casa, contra Baraúnas e Luverdense, adquirem caráter decisivo para as pretensões do Águia na Série C. Vencer ambas é missão obrigatória para pelo menos evitar a queda.

23 de setembro de 2013 at 1:25 pm Deixe um comentário

Papo do 40º – Ronaldo Porto – 23.09.13

PAPÃO SE ENTALOU DE NOVO

A vitória apagaria a maioria dos problemas que existem dentro da Curuzú, até porque Arturzinho foi embora e Vagner Benazzi chegou com fama de salvador, mas o Paysandu se entalou novamente dentro de casa contra um time mediano e lá se foram mais dois pontos que deixariam o time bicolor fora da zona. Esse empate não estava nos planos e agora todos estão voltados para o time da Chapecoense-SC amanhã. Não pode acontecer outro resultado que não seja a vitória, senão eu também acabo acreditando em série C no ano que vem. Um primeiro tempo improdutivo e um segundo de luta, tanto que ao final da primeira etapa era uma vaia só e quando acabou o jogo eu ouvi aplausos, não pelo resultado, mas pela vontade que o time demonstrou em campo. Benazzi ficou muito aborrecido e amanhã vai comandar o time com possíveis mudanças. Na verdade, o Paysandu continua precisando urgentemente de um “matador”, aquele cara que saiba colocar a bola p’ra dentro. O sinal amarelo apagou e agora está aceso o vermelho. Te cuida, Papão!

ALTA TEMPERATURA

Magistral a vitória do sub 20 do Remo no Barradão diante do Vitória, matando todos os prognósticos contrários à classificação azulina. Confesso que achava muito difícil pelo passado do time baiano, mas no fundo ficava a esperança da classificação, que veio de modo simples e objetivo. Jogando bola, o time de Valter Lima garantiu-se na próxima fase contra o Flamengo e ensinou aos grandalhões como se deve fazer.

BAIXA TEMPERATURA

Todos já sabem que Rui Guilherme Messias Castro, com quase 30 anos de atleta e árbitro a serviço do voleibol paraense, é o novo mandatário da modalidade aqui no Pará com a criação da Federação de Voleibol do Pará. Agora muitos querem saber no que vai dar o “catrepa” dado pelo Poupa Ganha, que usou o nome da FPV, antiga entidade, de quase três milhões de reais, contra a Secretaria da Fazenda do Estado.

NO TERMÔMETRO

Parabéns aos sócios atletas do América, comandado pelo amigo José Luís Salame, pela conquista do 1º turno da Copa Sênior (alguns, na gozação, dizem que é o Sub 100) na AP; Tatá Barbalho e esse amigo que vos escreve, com safena e tudo, foram os autores dos gols da vitória diante do Vermelhinho do Rui Noronha. /// Tenho informações seguras que o técnico Arturzinho já tinha caído antes do jogo contra o Paraná, fosse qual fosse o resultado, pela instabilidade junto ao plantel. Com a derrota acachapante ficou bem mais fácil. /// Logo mais à noite, a partir das 19h30min em 1ª convocação, mais uma reunião ordinária do CD do Clube do Remo. Com certeza, o caso da venda do “Carrossel” será o principal assunto em pauta. /// Dos oito clubes que disputam a “Segundinha”, o Vila Rica é o que tem a melhor história na competição; foi campeão em 1995, 2001 e 2007, seguido do Pedreira, em 1994 e 2000 e do Bragantino em 2002 e 2011. Informações do leitor Diego Gonçalves. /// O que será que aconteceu com essa tal Copa Verde, que só existirá a partir de 2014? Por interesses eleitoreiros, cada Estado do norte terá representante, mas a CBF incluiria também times do Maranhão, Piauí, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, Espirito Santo e Distrito Federal. Avacalhou? /// E o Águia de Marabá não conseguiu a proeza de ganhar o Brasiliense-DF lá fora e saiu do G4; nada que pareça que tudo está perdido, pois o Azulão vem p’ra casa agora enfrentar Baraúnas-RN dia 29 e o Treze-PB no dia 06 de outubro. Seis pontos que não podem ser desperdiçados, sob pena da série B de 2014 ficar mais longe. /// Salgueiro-PE tirou o Plácido de Castro-AC do seu caminho e vai disputar a série C ano que vem, podendo ainda levar o título da série D deste ano, o mesmo podendo acontecer com o Botafogo-PB, que ontem eliminou o Tiradentes-CE. E pensar que o Paragominas saiu por incompetência da sua diretoria. /// Clube do Remo foi à Ipixuna e derrotou a Seleção local, recebendo a cota de 20 mil reais. Val Barreto (duas vezes), Branco e Ratinho, todos atacantes e goleadores deixaram suas marcas. O Remo tem de sobra o que o Paysandu está necessitando com urgência: homem gol! /// Uma semana abençoada a todos e viva Jesus!

E-mails: rporto@supridados.com.br

23 de setembro de 2013 at 1:23 pm Deixe um comentário

Posts antigos Posts mais recentes


Clube no Twitter

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.