Archive for setembro, 2013

Coluna do Gerson Nogueira – 24.09.13

Às portas da redenção

Depois do empate com o Atlético-GO, o técnico Vagner Benazzi pôs o dedo na ferida da má preparação do Paissandu para disputar o Brasileiro da Segunda Divisão. Observou que as exigências do calendário impõem cada vez mais providências nem sempre fáceis de aceitar. Exemplificou com sua experiência no futebol catarinense, quando dirigia o Avaí e apostou suas fichas na competição nacional, deixando de lado o certame estadual.

Mesmo sem ter acompanhado a temporada do Paissandu, Benazzi acabou fazendo o diagnóstico preciso. De fato, a preocupação com o Parazão afetou seriamente os preparativos do clube para a Série B. Ao invés de reforçar a equipe ao longo do estadual, optou por disputar a competição com um time mais caseiro e se empolgou com a conquista do título, abrindo mão de cuidados com a montagem do elenco.

Com isso, sobreveio a ilusão de que seria possível disputar o torneio sem grandes gastos. Ocorre que o erro estratégico na formação do elenco e a dificuldade para contratar em tão curto espaço de tempo gerou o efeito contrário. O clube foi obrigado a gastar mais do que esperava, contratando jogadores disponíveis no mercado, mas de baixa qualidade.

A vinda do gerente Oscar Yamato fez crer que os maus passos iniciais seriam compensados pela capacidade de observação e a experiência do executivo. Infelizmente, Yamato até listou um grande número de atletas, mas não havia suporte financeiro para trazer todos os indicados. Com o tempo, as carências começaram a aparecer e refletir na campanha caótica que o time ora cumpre na Segundona.

Foi justamente sobre isso que Benazzi discorreu na entrevista pós-jogo. Lembrou que clubes de massa têm dificuldades em priorizar competições, mas destacou que não há outra alternativa para quem pretende ir longe. Não citou, mas o exemplo do Atlético-PR é obrigatório. Disposto a brilhar na Série A, disputou o certame estadual com o time sub-20. Até o momento, a estratégia vem dando certo, pois chegou ao G4 e está em ascensão no torneio.

Alguém só precisa dizer a Benazzi que o campeonato aproxima-se de sua reta final e não há mais tempo para chorar o leite derramado. É preciso, acima de tudo, agir rápido. Mais ou menos como ele próprio fez no segundo tempo da partida de sábado, ao perceber que precisava entrar em cena para evitar que o desastre se consumasse.

Suas orientações nos vestiários e à beira do gramado mudaram a face do Paissandu, fazendo com que alguns jogadores passassem a jogar de forma diferente, com mais aplicação e objetividade. De uma postura apática nos primeiros 45 minutos, o técnico conseguiu fazer com que o time adquirisse vida e personalidade. Criou várias chances e podia ter vencido.

Graças a essa pequena mágica, o tropeço em casa foi absorvido sem maiores cobranças. A pronta intervenção de Benazzi foi suficiente para restituir a confiança na recuperação do time. Hoje, diante da vice-líder Chapecoense, essa convicção será posta à prova.

É preciso levar em conta que o retorno de Eduardo Ramos vai contribuir para que o meio-de-campo ganhe em criatividade, deixando o esquema mais eficiente ofensivamente. Pelo grau de dificuldades, é o tipo de jogo que pode representar a redenção, apagando a imagem ruim e abrindo caminho para uma campanha de recuperação.

Um visitante muito perigoso

A Chapecoense não é vice-líder (quase classificada para a Série A 2014) por acaso. Com 46 pontos, a equipe catarinense fez 12 jogos como visitante, vencendo seis vezes, empatando duas e perdendo quatro. O aproveitamento é de 55%. Números capazes de fazer inveja ao Paissandu, que só conseguiu um empate fora de casa.

De todo modo, o time do artilheiro Bruno Rangel sabe – por experiência própria – que vai encarar um tremendo desafio na Curuzu. Afinal, no primeiro turno, lá em Chapecó, o Paissandu teve grande atuação e vendeu caro a derrota, surgida no minuto final.

Além do respeito pela tradição do Papão e a experiência de Benazzi, ajuda também a refrear o entusiasmo dos visitantes o inesperado tropeço na última partida, contra o lanterna ABC.

24 de setembro de 2013 at 12:46 pm Deixe um comentário

BOLA PRA FRENTE – Cláudio Guimarães – 24.09.13

POSITIVO – Faltando 14 jogos, 7 em casa e 7 fora, Paysandu precisará do apoio da “Avalanche”, hoje, em busca dos 45 pontos (já tem 24) visando escapar do rebaixamento. Lugar de torcedor bicolor é na Curuzu!

NEGATIVO – Quando Zeca Pirão era diretor disse o que quis contra o árbitro Nadilson Souza dos Santos. Agora, como presidente do Remo vai ter de indenizá-lo, pois mediador não quis acordo. Língua afiada dá nisso!

Lá e Cá

Depois do Salgueiraço de 2010, quando fez gol pelo Paysandu e dupla de ataque com Fernandão (hoje no Bahia), Bruno Rangel (21 gols na Série B) estará de volta logo mais ao gramado da Curuzu, pela Chapecoense.

Novidades do Papão: atacante Dennis relacionado, Gílton e Leonardo fora (da turma do Arturzinho só ainda resta o Jaílton) e Eduardo Ramos retornando para o jogo mais importante do bicolor até agora, na Série B.

Chapecoense sem o goleiro titular Rodolfo (é sobrinho do agrônomo Natalino Correia, do Paraíso Verde-Mosqueiro). Vai o reserva Juliano. Também ausentes atacantes Fabinho Alves e Tiago Luís.

Paysandu e Chapecoense só jogaram uma vez, aquela derrota bicolor de 3×2, em Chapecó. Aliás, só Paysandu e ABC ainda não venceram fora de casa pela Segundona deste ano.

Fernando Robalo de volta à presidência do Pedreira do Mosqueiro e já recuperando a sede; ex- atacante Fábio Oliveira (Remo e Santa Cruz-Cuiarana) agora é administrador da orla de Salvaterra.

Pelas entrevistas e insinuações sobre contratações, Charles Guerreiro (Remo) parece não estar entusiasmado com garotos do Sub 20. Se Leãozinho continuar fazendo sucesso na Copa BR, Waltinho o ameaçará.

Agora se fala num Remo x Londrina-PR (atração?), aqui, sem ônus para o Leão; também cogitado por empresários o Vasco x Fluminense (caindo pelas tabelas), da Série A, do dia 9.10 (Semana do Círio), no Mangueirão.

Águia com dois jogos seguidos em casa (Baraúnas e Treze) para definir chance de subir ou manter-se na Terceirona. Domingo, Ceará, Flamel e Danilo Galvão deverão começar jogando.

Agremiação Filhos e Amigos de Abaetetuba realizará encontro festivo dia 28.9, na Associação Nipo-Brasileira. Atrações Banda Lado B abaetubense e Beatles Forever. Contatos: 32236026 e 91173728.

Resultados: Racing 1×0 São José e Faz Raiva 2×2 Verdão; sábado próximo, Portuguesa x Veiga Cabral-Mosqueiro; domingo o Torneio Início da VI Copa Idade do Lobo do Bancrévea.

HOMENAGEM – Cícero Alves Oliveira Lopes, o Ceará, ex- campeão paraense de karatê interestilos (Academia Jachynto Castro) e de Muay Thai (Academia Boxe e Thai) nos anos 80-90. É empresário de joias.

24 de setembro de 2013 at 12:44 pm Deixe um comentário

Coluna do Gerson Nogueira – 23.09.13

Abre o olho, Benazzi!

O Paissandu segue na balada de sempre. Ou seja, devagar quase parando. Ainda sem a influência prática do novo comandante, no sábado à noite os pouco mais de 4 mil espectadores pagaram para ver na Curuzu um arremedo de time. Nada que surpreendesse, pois tem sido esse o prato servido à torcida ao longo desta Série B.

Contra um adversário pouco mais que esforçado e visivelmente armado para buscar o empate, o Papão desperdiçou outra vez a oportunidade de se safar da zona do rebaixamento e iniciar uma sequência vitoriosa. O jogo era previsivelmente para ser decidido pela força dos ataques. Quem tivesse mais poderio ofensivo, levaria a melhor.

Nenhum dos lados pareceu a fim de demonstrar isso, por acomodação ou impotência, embora no primeiro tempo o Atlético tenha obrigado Paulo Rafael a três importantes intervenções.

Do lado alviceleste, Marcelo Nicácio até que tentou correr um pouco mais do que habitualmente faz, porém em ritmo e intensidade insuficientes para superar a barreira defensiva goiana. Aleilson, saudado por mim e tanta gente como esperança de redenção para o ataque bicolor, está cada vez mais se afundando na mesmice, contaminado por este vírus que assola o elenco bicolor: a apatia. Deu um chute a gol num lance rápido na etapa final.

Some-se a isso o crônico problema de condicionamento físico. A equipe só tem gás para 30 minutos, e olhe lá. Aguenta bem os primeiros movimentos, até dá a falsa impressão de que vai imprimir um ritmo vertiginoso, mas aos poucos se impõe a dura realidade e o time simplesmente freia, estanca.

Nem escanteios ou faltas às proximidades da área são explorados com o mínimo de apuro que só treinos intensos permitem adquirir. Como Eduardo Ramos não estava em campo, a ligação entre meio e ataque ficou prejudicada. Pior ainda: a equipe ficou sem o seu único jogador que arrisca chutes de média e longa distância.

Concentrei minhas observações na inoperância do ataque, mas é preciso observar também que a defesa não prima pela excelência. Pablo, que tinha jogado muito bem diante do Ceará, reapareceu na zaga e mostrou o futebol que o relegou ao banco de reservas durante tanto tempo. Falhou em vários momentos e deu sustos seguidos no torcedor.

Apesar de todas as limitações individuais e da desarrumação coletiva do time, os deuses do futebol ainda tentaram ajudar. Com Djalma e Héliton em campo, no segundo tempo, o Paissandu foi mais ousado e chegou a sufocar o adversário. Iarley e Djalma ainda perderam boas chances

Benazzi, que botou a mão na massa e orientou alguns jogadores à beira do campo, deve ter sentido o drama. Técnico rodado, conhecedor dos macetes do mundo da bola, deve ter percebido que a tarefa será indigesta, talvez uma das mais espinhosas de sua carreira.

A rigor, o Paissandu de hoje não consegue ser um time, age mais como bando. Alguns jogadores tentam arrumar as coisas, mas a distância entre os setores e o cansaço comprometem o desenvolvimento da equipe.

Como aconteceu com Givanildo e Arturzinho, a questão crucial do grupo é a parte física e atlética. É fundamental que Benazzi invista seriamente nisso, sob pena de ser mais um a fracassar neste complicado ano bicolor.

De tropeço em tropeço…

Há coisas que normalmente só acontecem ao Botafogo, mas o time alvinegro não precisava exagerar. O que ocorreu ontem diante do Bahia é bem mais do que um acidente futebolístico. Foi o reflexo do preciosismo absurdo de um ataque. No primeiro tempo, foram desperdiçadas – por baixo – cinco chances claríssimas de gol, duas delas com o garoto Hyuri.

Times que se habilitam ao título de uma competição tão difícil quanto o Brasileiro não podem se dar ao luxo de tropeçar tanto. A derrota de ontem vem se juntar a vacilos como os empates com São Paulo, Internacional e Goiás. O revés dificulta tremendamente o sonho do título e atrapalha também o projeto de classificação à Libertadores.

Como consolo, o time tem a grande oportunidade de se redimir já nesta semana, quando começa o confronto com o Flamengo, valendo pela Copa do Brasil.

Entre a cruz e a espada

O Águia está a quatro passos do paraíso e a três do inferno. Posicionado em oitavo lugar depois da derrota frente ao Brasiliense, distanciou-se do G4 e ficou nas cercanias do Z3. Faltou agressividade ao time em Brasília e sobrou indecisão na zaga, que falhou nos dois gols do Jacaré.

As duas partidas em casa, contra Baraúnas e Luverdense, adquirem caráter decisivo para as pretensões do Águia na Série C. Vencer ambas é missão obrigatória para pelo menos evitar a queda.

23 de setembro de 2013 at 1:25 pm Deixe um comentário

Papo do 40º – Ronaldo Porto – 23.09.13

PAPÃO SE ENTALOU DE NOVO

A vitória apagaria a maioria dos problemas que existem dentro da Curuzú, até porque Arturzinho foi embora e Vagner Benazzi chegou com fama de salvador, mas o Paysandu se entalou novamente dentro de casa contra um time mediano e lá se foram mais dois pontos que deixariam o time bicolor fora da zona. Esse empate não estava nos planos e agora todos estão voltados para o time da Chapecoense-SC amanhã. Não pode acontecer outro resultado que não seja a vitória, senão eu também acabo acreditando em série C no ano que vem. Um primeiro tempo improdutivo e um segundo de luta, tanto que ao final da primeira etapa era uma vaia só e quando acabou o jogo eu ouvi aplausos, não pelo resultado, mas pela vontade que o time demonstrou em campo. Benazzi ficou muito aborrecido e amanhã vai comandar o time com possíveis mudanças. Na verdade, o Paysandu continua precisando urgentemente de um “matador”, aquele cara que saiba colocar a bola p’ra dentro. O sinal amarelo apagou e agora está aceso o vermelho. Te cuida, Papão!

ALTA TEMPERATURA

Magistral a vitória do sub 20 do Remo no Barradão diante do Vitória, matando todos os prognósticos contrários à classificação azulina. Confesso que achava muito difícil pelo passado do time baiano, mas no fundo ficava a esperança da classificação, que veio de modo simples e objetivo. Jogando bola, o time de Valter Lima garantiu-se na próxima fase contra o Flamengo e ensinou aos grandalhões como se deve fazer.

BAIXA TEMPERATURA

Todos já sabem que Rui Guilherme Messias Castro, com quase 30 anos de atleta e árbitro a serviço do voleibol paraense, é o novo mandatário da modalidade aqui no Pará com a criação da Federação de Voleibol do Pará. Agora muitos querem saber no que vai dar o “catrepa” dado pelo Poupa Ganha, que usou o nome da FPV, antiga entidade, de quase três milhões de reais, contra a Secretaria da Fazenda do Estado.

NO TERMÔMETRO

Parabéns aos sócios atletas do América, comandado pelo amigo José Luís Salame, pela conquista do 1º turno da Copa Sênior (alguns, na gozação, dizem que é o Sub 100) na AP; Tatá Barbalho e esse amigo que vos escreve, com safena e tudo, foram os autores dos gols da vitória diante do Vermelhinho do Rui Noronha. /// Tenho informações seguras que o técnico Arturzinho já tinha caído antes do jogo contra o Paraná, fosse qual fosse o resultado, pela instabilidade junto ao plantel. Com a derrota acachapante ficou bem mais fácil. /// Logo mais à noite, a partir das 19h30min em 1ª convocação, mais uma reunião ordinária do CD do Clube do Remo. Com certeza, o caso da venda do “Carrossel” será o principal assunto em pauta. /// Dos oito clubes que disputam a “Segundinha”, o Vila Rica é o que tem a melhor história na competição; foi campeão em 1995, 2001 e 2007, seguido do Pedreira, em 1994 e 2000 e do Bragantino em 2002 e 2011. Informações do leitor Diego Gonçalves. /// O que será que aconteceu com essa tal Copa Verde, que só existirá a partir de 2014? Por interesses eleitoreiros, cada Estado do norte terá representante, mas a CBF incluiria também times do Maranhão, Piauí, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, Espirito Santo e Distrito Federal. Avacalhou? /// E o Águia de Marabá não conseguiu a proeza de ganhar o Brasiliense-DF lá fora e saiu do G4; nada que pareça que tudo está perdido, pois o Azulão vem p’ra casa agora enfrentar Baraúnas-RN dia 29 e o Treze-PB no dia 06 de outubro. Seis pontos que não podem ser desperdiçados, sob pena da série B de 2014 ficar mais longe. /// Salgueiro-PE tirou o Plácido de Castro-AC do seu caminho e vai disputar a série C ano que vem, podendo ainda levar o título da série D deste ano, o mesmo podendo acontecer com o Botafogo-PB, que ontem eliminou o Tiradentes-CE. E pensar que o Paragominas saiu por incompetência da sua diretoria. /// Clube do Remo foi à Ipixuna e derrotou a Seleção local, recebendo a cota de 20 mil reais. Val Barreto (duas vezes), Branco e Ratinho, todos atacantes e goleadores deixaram suas marcas. O Remo tem de sobra o que o Paysandu está necessitando com urgência: homem gol! /// Uma semana abençoada a todos e viva Jesus!

E-mails: rporto@supridados.com.br

23 de setembro de 2013 at 1:23 pm Deixe um comentário

Coluna do Gerson Nogueira – 22.09.13

Como nas melhores famílias

Todos sabiam que o reencontro era inevitável, mas poucos esperavam que acontecesse logo. São Paulo e Muricy Ramalho parecem ter nascido um para o outro, como aqueles casais cuja sintonia sobrevive até aos solavancos normais do dia-a-dia. Depois de uma relação inicial nos anos 90, ainda como auxiliar técnico de mestre Telê Santana, o treinador assumiu o Tricolor em 2006 para um reinado glorioso que foi até 2009. É uma saga de profunda (e rara) identificação de um técnico com um clube.

A vinculação afetiva de Muricy com o São Paulo, cuja origem data dos tempos de boleiro, levou à escolha óbvia dos dirigentes no momento em que o time viveu a ameaça real e imediata de rebaixamento. Mergulhado em crise política das mais turbulentas, o clube queimou dois técnicos (Ney Franco e Paulo Autuori) antes de se render ao previsível revival.

Depois de períodos razoavelmente bons em Palmeiras, Fluminense e no Santos de Neymar, o resmungão se recolheu à espera de um convite. Parecia cansado de guerra e com jeitão de aposentado. Quando Autuori caiu em meio a uma sequência quase inacreditável de derrotas do São Paulo, todas as fichas começaram a ser jogadas em seu nome.

Bastaram três rodadas no comando para que Muricy imprimisse ao combalido São Paulo o ânimo que faltava. Dali em diante, foram três vitórias no melhor estilo Muricybol: todas pelo placar mínimo, sobre Ponte Preta, Vasco e Atlético-MG. Estava oficialmente reinaugurada a era Muricy.

A ameaça de queda foi parcialmente sustada, embora o estilo de jogar do São Paulo seja sempre uma aposta temerária. Teoricamente, quem entra para fazer um ou dois gols, corre o risco de ceder mais de um. Ocorre que, na situação de aperreio que o time se encontrava, a reconciliação com as vitórias é o único fato que importa.

Muricy desenvolveu ao longo dos anos um esquema que às vezes permite teorizações, principalmente quando ele posiciona seus times em formato de pirâmide, escancarando o apego à virtude de não tomar gols. Foi exatamente assim que o técnico deu ao São Paulo a honra de ser o mais bem sucedido time da era dos pontos corridos.

Adepto do sistema de três zagueiros e volantes fortes, Muricy em nada lembra a filosofia ofensiva que consagrou seu mentor. Com times que marcam muito em seu campo e saem rápido para explorar as bolas aéreas, Muricy caminha para ser o condutor do resgate tricolor no Brasileiro.

Por vezes, fico a imaginar com que olhos Telê analisaria Muricy hoje. Apesar de se relacionar bem com craques badalados, como Neymar, falta-lhe o esmero que permite um futebol vistoso aos times. O “muricybol de resultados” enfeia o jogo em nome do pragmatismo. Pode-se não gostar, mas é indiscutível que o esquema tem sido vitorioso, emprestando ao São Paulo uma confiança que inexistia antes.

Ao contrário de colegas desempregados (Abel, Joel Santana, Caio Júnior, Celso Roth etc.), Muricy sinceramente não parecia preocupado com a falta de ofertas de trabalho. Mas, pelo conhecimento que tem do Campeonato Brasileiro, sabia que mera era questão de tempo para começarem a dança das cabeças. Quis o acaso que surgisse a vaga justamente no São Paulo.

Ganso, que foi seu jogador na vila, pode ser o ponto de referência de Muricy no time. Gosta do estilo do armador paraense e já anunciou que ele pode ser escalado ao lado de Jadson. A sinalização já indica que ele marcha em direção a um desenho tático que Telê utilizava nos anos 90. Caso isso se efetive, será a confirmação de que nunca é tarde para aprender.

Bola na Torre

O programa debate o futebol paraense, com ênfase para o Paissandu na Série B e o Águia na C. Guilherme Guerreiro apresenta, com as participações de Giuseppe Tomaso e deste escriba baionense. João Cunha é o convidado. Começa logo depois do Pânico na Band.

Direto do blog

“Valter Lima é um bom técnico e, diga-se de passagem, um modelo em extinção. Ao contrário de muitos, Valter deixa a retranca de lado e, sempre que pode, monta equipes ofensivas. Creio que se o Remo passar do Flamengo, ele se transformará em um provável nome para tocar as coisas no profissional, quando Charles sair (acho difícil ele terminar o trabalho), o que sou contra (o futebol mais queima do que consagra). Valter tem sido uma peça importante na estruturação do Remo e deve continuar fazendo seu serviço, nas categorias de base.”

De Thiago Corrêa, reconhecendo os méritos de Valtinho no Remo.

22 de setembro de 2013 at 5:27 pm 1 comentário

A Bola no Bola – Giuseppe Tommaso – 22.09.13

BOLA NA TORRE

Deste Domingão logo após o “Pânico na Band”, na RBATV –
Canal 13. O Paysandu no Campenato Brasileiro da Séria “B”
agora com Wagner Benazzi, o Águia e o Remo na Copa Brasil
Sub 20. Comando do Guerreirão estarei com Gerson Nogueira
e o convidado especial é o Companheiro João Cunha.
Partícipe pelo Twitter @bolanatorre

FESTA…

Registro com maior prazer a Festa que será realizada para
Técnico Zezé do Boxe Comemorar os 40 anos dedicados a
modalidade, revelando e preparando grandes campeões. Será
no próximo dia 28 na Casa de Show Mormaço, com Almoço e
Shows com Artistas da Terra. Como sugestão os convidados
podem levar Brinquedos para os Crianças carentes de
cachoeira do Arari no Marajó. Felicidades ao Grande Zezé…

CAPOEIRA

Vai ganhando seu espaço e promovendo seus eventos.
Acontece em Belém no próximo final de semana de quinta a
domingo, o Mandinga da Amazônia – Mestrando Digatto.
Realização da Equipe Capoeira Brasileira e Associação
Capoeira Cabanagem. Na oportunidade Rondinelli Leal
(Mestre Lua) receberá seu Grau de Mestre para Professor de
Capoeira. No evento participam os Mestres Sabiá (BA),
Chumbinho e Baianinha (DF) e Negoativo (MG). Vale a
participação…

A ÚNICA…

Nem mesmo a imprensa Baiana deu o devido valor ao jogo
pela Copa do Brasil Sub 20 entre Vitória e Clube do Remo. No
Barradão apenas dois profissionais Valmir Rodrigues e Paulo
Caxiado que transmitiram a classificação azulina com
Exclusividade pela Rádio Clube do Pará. Depois ficam
perguntando porque a nossa Rádio Clube é a maior Audiência
Esportiva do Brasil. Agora que venha o Flamengo…

BASQUETE 1

Rodada de quinta-feira nas Categorias Sub 17 e Adulto foi
cancelada por falta de arbitragem, digo, falta de pagamento
aos árbitros que trabalham para a FPB. A conta já está na
casa dos 16 mil e o presidente nem aí…Pelo jeito a rodada da
próxima terça deverá ir pelo mesmo caminho. Lamentável!!!

BASQUETE 2

Prazo para que o atual presidente da Federação Paraense de
Basquete Marclei Lima apresente sua prestação de conta aos
advogados dos clubes termina na próxima quinta-feira, 26,
caso não aconteça o Vice eleito Antonio Pedro Caetano irá
assumir a Federação. Pelo menos uma coisa positiva a
união de clubes e atletas contra a péssima gestão atual.

VOLEIBOL

Esclarecimento feito a coluna pelo ex-presidente Carlos
Gama, sobre a criação da nova Federação do Pará de
Voleibol, em conseqüência da falência da FPV que foi dirigida
por ele. Lei Pelé de numero 9.615 que amparava as
federações, clubes ou entidades filantrópicas quando
patrocinadas por Bingos. A dívida deixada pelo Poupa Ganha
chegou a casa dos 700 mil e foi comunicada a CBV. Sem
condições de pagamento, assim aconteceu com as
Federações Goiana, Cearense, Maranhense entre outras e
até a Paulista. Tudo registrado no Ofício de Títulos e
Documentos. Não houve calote na Sefa e nem da FPV. O
próprio Carlos Gama herdou prejuízos pessoais. Tá explicado,
então sucesso a nova FVP…

KARATÊ…

Mais uma do pequeno, porém grande Diogo Domingues.
Neste final de semana brilhou no XXIII Campeonato Brasileiro
de Karatê-Do Tradicional Infanto Juvenil. Competição
aconteceu no Grêmio Nautico União em Porto Alegre com
medalhas no Kata e Kumitê. Orgulho do Pará e de seus pais
Claudia e Augusto Palha. Parabéns Diogo!!!

22 de setembro de 2013 at 3:18 am Deixe um comentário

Coluna do Gerson Nogueira – 21.09.13

Para sair do fundo do poço

Depois de duas rodadas infelizes, o Paissandu volta a jogar em casa com chances de tentar mais uma vez iniciar uma sequência vitoriosa. Ao ser apresentado ontem, o técnico Vagner Benazzi foi preciso no diagnóstico da situação: o time oscila muito, vai lá no alto e desce em seguida, o que impede acumulação de pontos para se estabelecer no bloco intermediário da Série B.

Uma série de três vitórias seria suficiente para alavancar a equipe para o meio da tábua de classificação, em condições mais ou menos seguras quanto à permanência na Segunda Divisão. Segurança que só pode ser comemorada quando há uma diferença de pelo menos seis pontos em relação ao 17º colocado.

Frequentador assíduo da zona do rebaixamento, o Paissandu passou a ter contra si a firme disposição que os adversários têm quando enfrentam uma equipe mal posicionada. Passa a ser obrigatório vencer o vice-lanterna. Qualquer time entra em situação de superioridade emocional. Até mesmo alguns que não têm qualidade técnica para mostrar.

É mais ou menos o caso do Atlético-GO, que também vive de altos e baixos no campeonato, tanto que está somente um ponto à frente do Papão, embora seja o 16º colocado. No primeiro turno, venceu por 1 a 0 (gol do atacante Anselmo), mas o resultado foi injusto com o Paissandu, que merecia pelo menos o empate no Serra Dourada.

Ao assumir o comando, Benazzi pôs o dedo na ferida e lembrou até as declarações de seu antecessor Arturzinho, para quem o maior problema do Paissandu era de cunho emocional. De estilo mais contido, o novo técnico é também um cultor do futebol de forte marcação e defesas fechadíssimas.

No Papão atual, que ainda busca uma identidade, tão grave quanto à instabilidade defensiva é a inoperância do ataque. Sem falar em reforços, Benazzi deu a entender que vai acompanhar o jogo de hoje atento às necessidades do elenco.

Misto de psicólogo e estrategista, como todo e qualquer treinador, Benazzi tem a oportunidade de salvar pela segunda vez o Paissandu da degola. Em 2004, foi ele o técnico-bombeiro que estancou a queda livre da equipe e conseguiu a permanência na Série A.

O desafio é mais ou menos do mesmo porte, mas a dificuldade está no fato de que o Paissandu padece hoje das consequências de um planejamento de pé quebrado, principalmente quanto a contratações. Depois de trazer cerca de três dezenas de atletas desde que a competição começou, a diretoria segue na incansável cruzada pelos jogadores certos. Mais três candidatos desembarcaram junto com Benazzi, que avalizou as escolhas.

Nada indica, porém, que o técnico vá encerrar a temporada de contratações. Pelo contrário. É quase certo que o Papão vá às compras novamente em busca de um homem-gol, visto que Marcelo Nicácio e Careca vivem no departamento médico e Aleílson até agora não rendeu o esperado.

Como uma das leis imutáveis do futebol reza que todo boleiro adora mostrar serviço diante de treinador recém-chegado, é provável que até as estrelas do Papão resolvam jogar bem, depois de duas rodadas sem dar as caras.

Nicácio e Sanches reforçam o time

Sem Eduardo Ramos, que cumpre mais uma suspensão pelo terceiro cartão amarelo, Rogerinho decidiu pelo retorno de Fábio Sanches à defesa e a efetivação de Pablo, que se destacou diante do Ceará. Leonardo está lesionado e talvez fique fora até a próxima rodada.

Com a volta de Marcelo Nicácio, o Papão poderá ter pela primeira vez aquele que seria o ataque ideal do time, com a presença de Aleílson como o homem de velocidade e jogando pelos lados, como gostam de definir os técnicos. No meio-de-campo, para suprir a ausência de Ramos, é provável que Alex Gaibu tenha finalmente uma oportunidade.

Caso Benazzi encontre tempo para avaliar o elenco, é quase certo que garotos como Gleycinho, Romário, Lineker e Billy ganhem chance de mostrar serviço – e o Paissandu tenha a oportunidade de explorar algumas de suas crias, como fez com Paulo Rafael, Pikachu e Pablo.

21 de setembro de 2013 at 1:01 pm Deixe um comentário

Chumbo-Grosso – Paulo Fernando – 20.09.13

REMO –

– DEVAGAR COM ANDOR QUE O SANTO É DE BARRO – Que a molecada do sub 20 azulino merece aplausos pela classificação diante do Vitória em Salvador é lógico que merece, mais amigos vamos devagar com ANDOR pois com já falei o Santo é de Barro, não se pode do dia para noite querer jogar nas costas desta garotada toda a responsabilidade do atual momento vivido no Leão, acho que a base tem que ser prestigiada sim, alias quem acompanha esta coluna sabe que sou um dos que mais defende a Base no futebol Paraense, mais não é justo querer passar para torcida do Remo que o time sub 20 do Leão vai resolver todos os problemas da instituição, MENOS,…………………………………

– LIBERADO – A Polícia Militar do Pará fez uma vistoria solicitada pela própria diretoria do Clube do Remo, a PM deu o aval positivo para o estádio Evandro Almeida, o Baenão, sediar jogos amistosos, o Baenão está liberado para 8 mil pessoas, como são jogos amistosos, a capacidade deve ser em torno de 8 a 5 mil expectadores”, afirmou o coronel Cavalcante da Polícia Militar, com estádio liberado a diretoria confirmou o próximo amistoso do Remo, na quinta-feira (26) contra o Ananindeua, às 20h,……………………..

– PREÇOS DEFINIDOS – Os azulinos estão apostando alto no jogo contra o Flamengo pela Copa do Brasil sub20, o presidente do Remo, Zeca Pirão, afirmou que a classificação pode ser uma ótima oportunidade da torcida azulina prestigiar o Leãozinho e contribuir para a receita do clube. “Essa será uma grande chance de contribuir com os cofres do Remo que vive essa realidade da venda do Carrossel para agariarmos fundos. Espero que a torcida compre todos 30 mil ingressos que serão disponibilizados. O valor será convidativo e vai custar apenas dez reais a arquibancada e vinte reais a cadeira”, afirmou o mandatário azulino, com datas ainda não definidas pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF), os jogos entre Remo e Flamengo podem ser realizados nos dias 1 ou 2/10 (jogo de ida) e 8 ou 9/10 (jogo de volta), agora é com o FENÔMENO AZUL,…………..

PAYSANDU –

– O MILAGREIRO – Famoso por livrar times do rebaixamento, neste ano já salvou o Atlético de Sorocaba no Paulistão. Na Série B, ele estava no Bragantino, onde deixou o time em 11º, com 30 pontos, “Estou acostumado a livrar times do rebaixamento, esta será mais uma missão”, comentou o treinador, Benazzi tem no currículo passagens por diversas clubes do futebol brasileiro, como Ponte Preta, Vitória, Bahia, Portuguesa, Joinville, Fortaleza, Figueirense, Avaí, entre outros clubes do interior paulista. onde é conhecido como um dos “Reis do Acesso”, a nivel nacional já levou Figueirense e Gama da Série B para a Série A do Brasileiro, BOA SORTE BENAZZI VOCÊ VAI PRECISAR,………………………………

– AGORA É COM A FIEL – Se o time não vem correspondendo os anseios da torcida e da diretoria, aí meus amigos só resta esperar que a FIEL TORCIDA EMPURRE ESTE ELENCO SEM VERGONHA DO PAPÃO PARA UMA VITÓRIA no próximo sábado diante Atlético/GO, os preços já foram definidos, as arquibancadas vão custar R$ 20 e as cadeiras R$ 50. A venda dos ingressos irá começar na manhã desta sexta-feira (20), no estádio Leônidas Castro e uma rede de farmácias, as meias entradas também serão comercializadas nesta sexta pela manhã, porém as gratuidades para idosos vão ser entregues no dia da partida entre Papão e Dragão, VAMOS LÁ AINDA TEM TEMPO PARA PRESTIGIAR O SEU CLUBE DE CORAÇÃO, ESQUEÇA DOS PENCAS E LEMBRE QUE VOCÊ AMA O SEU CLUBE É APAIXONADO PELO PAYSANDU E NÃO POR ESTAS PEREBAS METIDAS CRAQUES QUE HOJE INFELIZMENTE VESTEM A GLORIOSA CAMISA ALVI-CELESTE,……………………………..

– ESCREVO ESTA COLUNA PARA QUEM GOSTA DA VERDADE, DOA A QUEM DOER,…………….

20 de setembro de 2013 at 12:55 pm 1 comentário

Coluna do Gerson Nogueira – 20.09.13

A proeza do Leãozinho

Quando o Remo se preparava para enfrentar o favorito Vitória no Mangueirão, no jogo de ida pela Copa do Brasil sub-20, o técnico Valter Lima surpreendeu anunciando um esquema extremamente ofensivo. Resolveu entrar três atacantes (Guilherme, Jaime e Edcléber), tendo ainda o meia (Rodrigo) que se aproximava, exercendo o papel de quarto atacante.

A estratégia mostrou-se correta, pois o Remo sufocou o Vitória em seu próprio campo e só não venceu porque o setor defensivo apresentou inúmeros problemas, principalmente pelo vício de marcar em linha. Apesar disso, o domínio remista foi indiscutível, forçando o Vitória a apelar para o jogo violento – o que levou à expulsão de um zagueiro ainda no primeiro tempo.

Só que aconteceu um fato curioso em relação ao jogo. Como empatou a partida, mesmo tendo um jogador a mais, o Remo foi visto como inferior ao Vitória. Muita gente considerou, equivocadamente, que a equipe paraense havia escapado da derrota em função em função da vantagem numérica.

A vitória de anteontem em Salvador garantiu a classificação à próxima etapa e serviu para desfazer todas as dúvidas sobre o melhor time no confronto entre azulinos e rubro-negros. Mesmo sem Jaime, seu atacante mais qualificado, o Remo se impôs no estádio Barradão e venceu com autoridade, sem passar sufoco.

Além de destaques individuais, como Beto e Nadson, o triunfo ajuda a fazer justiça ao técnico Valter Lima, que muitos subestimam, apesar de tantas provas de competência ao longo da carreira. Com ele no comando, o Remo tornou-se um time com esquematização definida, que sabe usar seu poderio ofensivo e começa a se fortalecer na zaga.

Para o embate da segunda fase, contra o Flamengo, é possível que o Leãozinho já se apresente de maneira ainda mais convincente, depois de ter assimilado as orientações de Valtinho. Com a possível volta de Jaime ao ataque e o reforço de 30 mil vozes no Mangueirão, não é exagero esperar uma nova proeza da garotada azulina.

Sob nova direção

Com a segurança própria dos técnicos maceteados, Vagner Benazzi falou à Rádio Clube ontem como novo comandante do Paissandu e garantiu que chegará hoje para assumir o elenco. Com comissão técnica própria, ao contrário dos últimos treinadores (Givanildo e Arturzinho), o quinto técnico do Papão na Série B parece ter sido bem informado sobre o conturbado ambiente interno na Curuzu e pouco disposto a administrar intrigas e acatar informações erradas neste começo de trabalho no clube.

É quase certo também que trará indicações de reforços, o que vai estourar ainda mais o orçamento do clube nesta temporada. Ciente de que Marcelo Nicácio e Careca apresentam lesões, Benazzi deve recomendar de imediato a aquisição de mais um atacante.

Arturzinho, antes de se despedir da Curuzu, vaticinou que ninguém (nem mesmo Guardiola) conseguiria salvar o Paissandu enquanto permanecerem no grupo alguns jogadores considerados “maçãs podres”.

As agruras enfrentadas pelo time ao longo da competição confirmam a existência de problemas sérios. Caberá aos dirigentes e ao próprio Benazzi identificar a raiz da crise e, se possível, afastar os responsáveis em nome do coletivo.

Com dois compromissos decisivos pela frente – Atlético e Chapecoense –, Benazzi não terá muito tempo para conhecer os jogadores. Vai precisar se valer do trabalho deixado por Arturzinho e apostar fichas nos truques motivacionais. Um desafio e tanto.

Direto de blog

“Vi um Botafogo sem o seu maestro funcionando, jogando contra um time forte, que só chegou à goleada quando o Seedorf perdeu o pênalti. Aí o Bota teve que se atirar mais ainda e, abalado pelo gol perdido, abria espaços em demasia. Disso se aproveitou o Cruzeiro, que matou o jogo. No início do 2º tempo só deu Bota. Teve o pênalti e, se empata, o jogo seria outro, mesmo sem o Maestro funcionando tão bem. Penso que o Campeonato, com 16 jogos a serem disputados, ou seja, 48 pontos em disputa e com diferença de 7 pontos, só se pode chutar, mas certeza mesmo ninguém tem de que o Cruzeiro já seja campeão. Bota não tá morto… Só espero que o Maestro consiga evoluir. É a minha opinião.”

De Cláudio Santos, um rubro-negro mais otimista que muito botafoguense.

20 de setembro de 2013 at 12:53 pm Deixe um comentário

BOLA PRA FRENTE – Cláudio Guimarães – 20.09.13

POSITIVO – Façanha do Remo na Copa BR Sub 20 é recompensa do trabalho que se reorganiza na base azulina com Waltinho. Agora, Flamengo-RJ, aqui e em Macaé. Tudo é possível!

NEGATIVO – Merecia local mais condigno a noite especial do boxe com a presença de Popó Freitas, dia 25.9, quando os paraenses Isaac, Tadeu e Ricardinho defenderão cinturão em três categorias. Até quando?

Lá e Cá

Benazzi condicionando vinda do preparador físico William Hauptman e auxiliar técnico Darci Marques. Quer ir para o banco amanhã. Aqui, Rogerinho desenha o time bicolor retornando Bispo, Gaibu e Nicácio.

Tendo como exemplo o São Paulo (deu certo) e Ponte Preta (começando agora) está na hora da diretoria do Paysandu baixar preço de ingresso substancialmente e levar avalanche para o Mangueirão com quer a PM.

Ex- jogador Agnaldo, seu Boneco, meu entrevistado Bola Pra Frente de domingo. No Bola na Torre (RBA HDTV e Rádio Clube) convidado é o comentarista João Cunha.

Por sinal, Agnaldo apalavrado com o Cametá para elite do Parazão 2014. Já Samuel Cândido vai comandar o Independente-Tucuruí na 1ª fase, onde estarão ainda Tuna, Castanhal, S. Raimundo, Parauapebas e Águia.

Brasiliense-DF, do técnico Roberto Fonseca, definido para enfrentar o Águia (Série C): Welder, Bocão, Ely Sabiá, Luan e Jorge Henrique, Julio Bastos, Everton, Gleison e Válber, Washington e Jeferson Maranhão.

São três jogos Brasiliense x Águia, uma vitória de cada, um empate, três gols candangos e dois do Azulão. Técnico Galvão, o Ferguson brasileiro.

Diretoria do Remo tem 15 dias para colher propostas de interessados no Carrossel e submeter ao CD. Risco ainda é iminente do bem ir a leilão.

Remo para amistosos: Fabiano, Henrique, Rech e Rubran, Levy, André, Jonathan, Ratinho e Alex Juan, Branco e Val Barreto. Técnico do Sub 20, Waltinho, que jogadores dessa categoria utilizados apenas na Copa BR.

Morreu Acapu, ponta direita que fez sucesso na Tuna ao lado China, Estanislau, Teixeirinha e Juvenil nos anos 50-60. Ataque inigualável!

Domingo a 29ª Prova Ciclística Coronel Fontoura (tradicional), saída da Alça Viária, 126 km, 200 atletas de todo o Brasil, contando pontos para o ranking da CBC. Informações no celular 91-81441626.

Agremiação Filhos e Amigos de Abaetetuba realizando dia 28.9 grande festa, na Associação Nipo-Brasileira, tendo como atração Beatles Forever e Banda B de Abaetetuba. Mesas nos telefones 32236026 e 91173728.

HOMENAGEM – Ney Barros, o Ney, ex- meio campo do Paysandu, Bragantino, Toulon e Mônaco da França, Nacional-AM e São José-AP nos anos 90. É consultor de empresas e cursa faculdade de Marketing.

20 de setembro de 2013 at 12:52 pm Deixe um comentário

Posts antigos Posts mais recentes


Clube no Twitter

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.