Coluna do Gerson Nogueira – 24.02.14

24 de fevereiro de 2014 at 12:25 pm Deixe um comentário

À altura dos velhos tempos

Aconteceu quase tudo o que faz parte do arsenal de emoções do grande clássico. Lances empolgantes, marcações polêmicas, sururu e festa, muita festa. O último item por conta dos azulinos, que esperavam desde 2012 por um triunfo dentro do Campeonato Paraense. A Taça Cidade de Belém é apenas metade do torneio, mas já garante benefícios significativos. Com a conquista, o Remo já se garante na Copa do Brasil 2015 e fica muito próximo da almejada vaga à Série D deste ano.
Os saudosistas costumam gastar horas a fio recordando timaços de Remo e Paissandu de outras décadas. Para esses nostálgicos empedernidos, o futebol do passado é mais talentoso e glorioso do que o atual. Ontem à tarde, porém, mesmo aqueles que se agarram às reminiscências certamente se renderam ao grande duelo, em técnica e emoção, que remistas e bicolores proporcionaram no estádio Jornalista Edgard Proença.
É bem verdade que ficou faltando uma quantidade mais generosa de gols para tornar a festa de fato inesquecível, mas os 90 minutos foram de intensa busca pela vitória, entrega dos atletas e ataques de parte a parte, como o povo gosta.
O Remo, ansioso demais para assegurar o título do turno, começou nervoso e afrouxando a marcação em frente à área. Quando Ilaílson e Dadá acertaram o passo, foi a vez das laterais se mostrarem vulneráveis, principalmente a do lado direito, onde Héliton partia resoluto sobre Levy. A criação permanecia travada, como nos outros clássicos. Eduardo Ramos recebia poucas bolas e praticamente se omitia do duelo no setor.
Os bicolores, mais organizados e focados, erravam pouco, mas não conseguiam acertar o pé lá na frente. Pikachu, como meia-atacante, ameaçava em arrancadas quase sempre paradas com falta, mas Lima não conseguiu disparar um chute a gol. Nas laterais, Djalma ajudava Max a conter Val Barreto, mas Bruninho sofria com a insistência maior do Remo pelo seu corredor.
Quando tudo parecia indicar que a primeira etapa terminaria premiando o esforço dos marcadores, o Remo ameaçou com duas investidas de Ratinho pela direita, lançado por Ramos. Na terceira, aos 28 minutos, aconteceu o gol. Ratinho entrou na área e, quando se preparava para chutar, furou espetacularmente. Para sua sorte, o zagueiro executou o passe e a bola foi direto nos pés de Val Barreto, que só teve trabalho de escorar para as redes.
O Paissandu mexeu para o segundo tempo, indicando a insatisfação de Mazola Junior com a produção do time. Lineker e Vânderson foram substituídos por Rodrigo Moraes e Dênis. A mudança surtiu o efeito desejado e a equipe ganhou em ofensividade.
No Remo, Zé Soares já havia entrado no lugar de Ratinho e perdeu uma chance preciosa aos 10 minutos. Recebeu livre, mas chutou à direita do gol de Mateus. O jogo forte no meio-campo continuava, com pouco talento, mas muita disposição dos dois lados.
Aos 30, em cobrança de escanteio, Zé Antonio desviou no meio do caminho e enganou o goleiro Fabiano. O empate do Papão tornou o jogo eletrizante nos 15 minutos finais. No lance seguinte, Fabiano evitou o gol saindo aos pés de Lima. Com Carlinho Rech improvisado de volante e Rubran na zaga depois da saída de Ilaílson, o Remo acusou o golpe, atrapalhando-se muito na saída de bola.
Em contrapartida, Bruninho, Djalma, Rodrigo Moraes e Dênis tocavam a bola, invertiam posicionamento e abriam espaço na intermediária remista para a entrada de Lima. Foi assim que o atacante invadiu a área e foi tocado por Dadá. O árbitro Wilson Seneme não deu o pênalti.
O Remo aos poucos foi se posicionando melhor, botando os nervos no lugar e armando contragolpes. Aos 40 minutos, Zé Soares teve outra grande chance, mas chutou por cima. Em outra investida, levou um pontapé de Lacerda, que acabou expulso. A grande vibração da torcida azulina embalou o time nos minutos finais e ajudou a sustentar o empate no clássico mais equilibrado da temporada.
Cumpriu-se, com dificuldade além do esperado, a primeira parte do projeto remista de recuperação. Um bom passo foi dado, mas os principais reforços do time ficaram devendo. No fim das contas, quem segurou as pontas foi a prata da casa e remanescentes de 2013.

A seleção da primeira metade

Depois da conquista azulina, a seleção do primeiro turno fica assim escalada: Fabiano (CR); Magno (PFC), Max (CR), Charles (PSC) e Alex Ruan (CR); Diogo Carioca (PFC), Dadá (CR), Djalma (PSC) e Eduardo Ramos (CR); Lima (PSC) e Aleílson (PFC). Ramos entra por exclusão, diante da inexistência de outro meia-armador de ofício nos outros clubes.

A volta do duelo Pará-Amazonas

A semana promete novas emoções às duas grandes torcidas. Pela Copa Verde, um duelo com os representantes amazonenses: o Paissandu encara o Princesa do Solimões na quarta e o Remo pega o Nacional. O Papão pode ser considerado favorito destacado, mas no confronto dos leões nortistas reina certo equilíbrio.

Entry filed under: Uncategorized.

PAPO DO 40º – Ronaldo Porto – 24.02.14 Coluna do Gerson Nogueira – 25.02.14

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Clube no Twitter

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.


%d blogueiros gostam disto: