Archive for março, 2014

Chumbo-Grosso – Paulo Fernando – 24.03.14

– E DEU BICOLOR – Ontem no mangueirão Remo e Paysandu decidiram uma vaga para final da copa verde, azulinos e bicolores fizeram uma partida a altura de sua rivalidade, o Paysandu manteve sua característica de saber jogar com paciência e esperando o erro do adversário, mantendo seus jogadores com uma movimentação e rotatividade que confundem o adversário, enquanto isso no lado azulino se viu uma time bem diferente daquele sem alma e sem dignidade que a torcida estava acostumada a ver, os azulinos mesmo com dez homens foram para cima do seu maior rival tornando a partida digna de uma decisão,……………..

– É HORA DE MUDANÇA – É hora do Remo viver sua realidade, depois de eliminado da Copa Verde pelo seu maior rival, agora resta a diretoria Remista que quase não gosta de aparecer fazer o que tem quer ser feito no Baenão, VASSOURADA JÁ,……………….

– SE DE UM LADO TEM SONO, RESTA TER CORAGEM – O técnico Mazolla jr. merece mais do que ninguém nossos elogios neste inicio de temporada, apesar de todo o SONO da diretoria Alvi-Celeste quando se trata de contratações, o treinador do Paysandu se mostra arrojado na hora de lançar mão da prata da casa, se os reforços desejados não vieram Mazolla vai buscar na base as soluções para as suas carências, A BASE MOSTRANDO SEU VALOR,…………….

– O DISCURSO JÁ ESTA FURADO – É mais ou menos assim ” TEMOS QUE PARABENIZAR O EMPENHO E A RAÇA DO GRUPO”, o torcedor remista já não aguenta mais escutar este frase após os jogos do Remo, o Leão azul paraense não ganha uma partida a mais de um mês, e isso é inadmissível para uma equipe que tem uma folha de 600 mil reais, JÁ PASSOU DA HORA DE SE CRIAR VERGONHA NA CARA,………………..

– O GIGANTE BICOLOR – Eu não canso de afirmar que o zagueiro Charles foi a melhor contratação feita pelos bicolores na temporada 2014, Charles foi um monstro na zaga bicolor nos dois confrontos contra o maior rival, depois de um longo inverno finalmente hoje a fiel tem XERIFÃO a altura de sua tradição, PARABÉNS CHARLES,…………..

– ESCREVO ESTA COLUNA PARA QUEM GOSTA DA VERDADE, DOA A QUEM DOER, FUI IIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII

24 de março de 2014 at 12:42 pm Deixe um comentário

Coluna do Gerson Nogueira – 24.03.14

Deu a lógica: Papão na final

Muitos contestaram quando observei aqui na coluna, depois do primeiro jogo da semifinal, que o Paissandu havia botado a mão na vaga. O vaticínio não era em vão. Baseava-se na lógica. E foi justamente a lógica que permeou a segunda partida, ontem, com placar final de 0 a 0. Coube aos bicolores a interpretação mais objetiva do que representava a Copa Verde no contexto regional. É, repito, a competição mais importante do ano, sob vários pontos de vista. Destaco os mais óbvios: permite participação numa competição internacional (Copa Sul-Americana) e garante o título oficioso de campeão do Norte.
O Remo não se preparou adequadamente para a Copa Verde, como também não se planejou para o Campeonato Paraense. Como cumpriu o primeiro objetivo no certame estadual – vencer o turno – achou que talvez pudesse repetir a dose no torneio regional. Não deu. O Paissandu, que havia se ajustado ao longo do Parazão, deslanchou na Copa Verde. Marcou 20 gols, sofreu 4 e se manteve invicto até agora. Não é por acaso.
Foi do Remo o tempo maior de posse de bola na partida de ontem. Domínio que se mostrou ilusório nos primeiros 45 minutos. O time tinha a bola, mas não construía as jogadas necessárias para reverter a situação favorável ao adversário. Ratinho, Tiago Potiguar e Jonathan corriam muito, mexiam-se, mas sem organização ou método. Na correria, a bola escapava de seus pés e era retomada pelos marcadores do Papão, que, por seu turno, se encarregavam de errar também, devolvendo as gentilezas.
Um jogo de erros, que perdurou ao longo de todo o primeiro tempo, com poucos momentos de fato emocionantes. Mais organizado, o Paissandu trocava passes e arriscava somente nas boas. O problema é que o time veio formatado para evitar gols e caprichou demais na disciplina tática, recuando em excesso. Nem assim o Remo se impôs e fez valer a maior presença ofensiva.
O segundo tempo teve um desenho diferente. Disposto a tudo, apesar do caos reinante no meio-de-campo, o Remo foi à frente e esteve a pique de marcar. Desfrutou de pelo menos três grandes chances. Nos contra-ataques, o Papão também teve momentos interessantes, mas falhou na aproximação entre meio e ataque, vitimando o artilheiro Lima, que ficou novamente em branco.
No final, levou a melhor a equipe mais preparada, que soube driblar suas limitações e garantir o resultado que lhe interessava, mesmo correndo alguns riscos desnecessários no confronto de ontem. Sem contar com um grande elenco, Mazola Junior transformou limão em limonada e armou um time competitivo, driblando carências crônicas no setor de criação. A conquista de um lugar na final da Copa Verde é, acima de tudo, mérito do treinador e de uma política austera de contratações.
A vaga de representante do Pará na decisão ficou em excelentes mãos, com toda justiça.

Os quatro melhores do grande duelo

Charles agiganta-se nos grandes jogos. Brilhar nas situações decisivas é uma característica dos bons jogadores. O zagueiro, uma das grandes contratações do Papão (ao lado de Lima) foi novamente fundamental ontem. Mateus também teve grande papel.
Sem Eduardo Ramos e Athos, o Remo foi mais solidário, vibrante e comprometido no segundo Re-Pa das semifinais. Com alguma sorte e um mínimo de arrumação, podia ter vencido. Curiosamente, a saída de Carlinhos Rech (expulso) tornou o time mais rápido. Dadá e Potiguar foram os mais destacados do time.

Direto do blog

“Olha, para quem assistiu a partida com emoção, pode ter sido um jogo emocionante, movimentado, eletrizante… Mas quem assistiu com frieza, sem tomar partido por um lado ou outro, A coisa tá preta! Está terrível o nosso futebol. No final, deu pena das duas equipes, estropiadas, sem condicionamento físico, a se arrastar pelo gramado. Nenhum desses atletas reune condições de atuar num centro sequer mediano do futebol brasileiro. O Remo, mesmo com dez, teve um domínio inexplicável lá pela metade do segundo tempo e esbarrou nas próprias limitações. Depois cansou e aí foi a vez de o Paissandu esbarrar nas suas igualmente imensas limitações técnicas e não saber matar o jogo. Precisamos melhorar urgentemente o nível técnico do nosso futebol – fica o alerta!”.

Do Pedro Lins, insatisfeito com a pobreza técnica do maior clássico da Amazônia.

24 de março de 2014 at 12:38 pm Deixe um comentário

PAPO DO 40º – Ronaldo Porto – 24.03.14

PAPÃO, SUL AMERICANA À VISTA!

Como todo clássico RE x PA que se preza, o de ontem foi elétrico, disputado, com lances polêmicos e alguns violentos, como nos lances de Diogo Silva e Carlinhos Rech, quando ambos mereceriam ser expulsos pelas agressões aos adversários, só que o árbitro preferiu dar o amarelo em ambas as jogadas; polêmicas nos dois penais não marcados em cima de Dadá e depois no atacante Lima, agarrado e derrubado fora da jogada. Depois, acertadamente, o árbitro colocou p’ra fora o Carlinhos Rech no começo do 2º tempo. A vantagem do Paysandu conquistada no primeiro jogo fazia o time bicolor se defender e só atacar nas boas, tentando os contra ataques, enquanto o Remo se multiplicava em campo para esquecer a desvantagem numérica. O tempo passando e os técnicos Agnaldo de Jesus e Mazola Jr. apostando todas as fichas, um mandando o time p’ra frente e o segundo querendo o empate. Usando o regulamento, o Paysandu vai fazer a final da Copa Verde, merecidamente. Ganhou quem mereceu realmente, segundo o Agnaldo.

ALTA TEMPERATURA

Mal acabou uma decisão e outro RE x PA já está programado para o próximo domingo, valendo apenas pontos no 2º turno do Parazão, mas como já disse aqui, RE x PA é RE x PA. Torcida compareceu no primeiro jogo, aumentou o número no segundo e sabe Deus como será no próximo domingo e vejam que não decide nada, só os três pontos. Acho que a torcida do Remo vai diminuir no domingo, mas se o time voltar a jogar o que a galera quer, ela volta empurrando o time para o título do Parazão.

BAIXA TEMPERATURA

Decididamente o gramado do Mangueirão não suporta mais o número de jogos e as constantes chuvas que caem em Belém. Um gramado velho, cheio de buracos e placas, com um sistema de escoamento que funciona a meio pau. Com toda a boa vontade e competência do amigo Raimundo Mesquita, o gramado do nosso estádio maior não suporta mais e faz até o consagrado Edgar Proença reclamar lá de cima.

NO TERMÔMETRO

E mesmo com o péssimo estado do gramado, o clássico foi vibrante, jogado com o coração por ambas as equipes. Se o Remo conquistou o 1º turno do Parazão e está garantido nas finais usando o regulamento, o Paysandu fez o mesmo na Copa Verde. Venceu uma e empatou a outra, ganhando a vaga nas finais contra o Brasília ou o Brasiliense. /// Carlinhos Rech vai ser o bode expiatório porque o time perdeu a vaga nas finais da Copa Verde? Depois da expulsão dele aos cinco do 2º tempo, o time criou as melhores chances de fazer o gol. Com dez o Remo jogou melhor do que com onze. /// Agora o Remo vai se focar no Parazão, querendo ganhar o 2º turno e levantar o título sem decisão, de olho na vaga da série D, para poder fazer calendário e manter o plantel. /// Oito de abril, uma terça, e dia 20 de abril, um domingo, a grande decisão da Copa Verde entre Paysandu e o vencedor de Brasilia e Brasiliense; venha quem vier o ingresso já foi anunciado pelo presidente Vandick Lima ao preço de 50 reais uma arquibancada. /// Para alegria da fiel, o Paysandu está muito perto de mais uma competição internacional, já que o título da Copa Verde vale vaga na Copa Sul Americana. Lembrando que o regulamento voltará a ser do jeito que era. /// Agnaldo ao final da partida, elogiou bastante o seu plantel principalmente depois da expulsão do Carlinhos; o “Seu Boneco” não criticou o zagueiro expulso, preferindo fazer da torcida o maior termômetro, que ao final aplaudiu o time. Agnaldo elogiou também o maior adversário, achando que o resultado de 1 x 0 na primeira partida foi decisivo. O Remo já se apresenta amanhã para iniciar os treinamentos visando o jogo contra o São Francisco pelo Parazão. /// Mazola Jr. no final do jogo aproveitou para alfinetar seus algozes no episódio da “preferência” pelo adversário nessa semifinal, mas não escolheu ninguém para jogar as finais e quem vier o Papão estará preparado. Agora o Pará é Papão na Copa Verde, com todo respeito aos remistas. /// Uma boa semana a todos e viva Jesus!
E-mails: rporto@supridados.com.br

24 de março de 2014 at 12:37 pm Deixe um comentário

Coluna do Gerson Nogueira – 23.03.14

A um passo da fronteira

Nelson Rodrigues disse que o Fla-Flu surgiu 40 minutos antes do nada. Que diria ele se fosse apresentado à gloriosa teia de conflitos de um Re-Pa? Ele, o maior poeta do imortal clássico carioca, morreu com essa nódoa no currículo de desportista. Não é ninguém, futebolisticamente falando, quem nunca viu um choque-rei da Amazônia. A paixão despudorada de um Estado inteiro, trincado ao meio por dois amores, é a justificativa viva do próprio futebol como esporte e manifestação popular. Nada mais espontâneo, incondicional e puro do que o amor de torcedor. Azulinos e alvicelestes têm o privilégio de exercitar isso sempre, sob as bênçãos dos deuses da bola.
E é essa centenária rivalidade que entra em campo novamente neste domingo para testar corações e abalar as estruturas deste Pará continental. A ocasião é especial. Pouquíssimas vezes, nas últimas cinco décadas, ambos entraram em campo para um duelo que tem alcance regional e até internacional. Está em disputa a hegemonia da Região Norte. Quem passar adiante, conquista o título não oficial de campeão da Amazônia e se habilita a decidir a Copa Verde. Vamos ser realistas: o vencedor do confronto de hoje fica a um passo do título, pois será favorito ante o adversário brasiliense, ainda não definido,
Tantas coisas importantes em jogo e o engraçado é que o clássico nunca dependeu desses atrativos para galvanizar atenções e arrastar multidões. É claro, porém, que a possibilidade de um título aguça as expectativas, turbina as ambições. Fazia tempo que a torcida paraense não se via tão contrita em torno de uma decisão entre os velhos titãs. Depois de oito longos anos de frustração – de 2006 até 2013 -, sem nenhuma conquista de monta, a dupla Re-Pa tem a chance do renascimento, por vias inesperadas. A criação da Copa Verde reabriu a rota de fronteira, propiciando ao vencedor um lugar na Copa Sul-Americana 2015. Oportunidade de ouro para a ressurreição do Pará como força futebolística regional.
No jogo, a balança pende para o lado bicolor, pela vantagem mínima construída no primeiro embate. Como são equipes de perfil semelhante, tendem a equilibrar as partidas. Com isso, o empate desponta como grande possibilidade de resultado final – o que classifica o Papão. No afã de reverter a diferença caberá ao Remo lançar mão de todas as forças e manhas para vencer o confronto. O projeto não é impossível, mas as circunstâncias desfavorecem o Leão: tem três desfalques (Alex, Fernandes e Val Barreto) que podem comprometer a estratégia de buscar o gol a qualquer preço.
Outro ponto a complicar os planos azulinos é a crônica ausência de força coletiva. O Remo por vezes lembra um grupo de peladeiros, sem força ou direção. Não há jogo organizado, nem tramas urdidas para compensar essa deficiência. A situação se torna mais exasperante pois, do outro lado, o Paissandu ostenta como principal virtude justamente a força do entrosamento. É um time que traduz as ideias de seu comandante, Mazola Junior. Joga fechado, defende-se muito e sai com rapidez. Não cria tantas oportunidades reais de gol, mas é extremamente objetivo quando elas aparecem.
O clássico servirá, como sempre, para desnudar esses vícios e méritos. Vencerá quem melhor conviver com seus anjos e demônios internos.

Campeões brasileiros destoam na Libertadores

A primeira fase da Taça Libertadores está revelando uma irônica realidade, inimaginável há quatro meses. Cruzeiro, campeão brasileiro, e Flamengo, campeão da Copa do Brasil, em tese os dois melhores representantes brasileiros na competição, estão sob risco sério de eliminação. Erros táticos pontuais em jogos caseiros, agravados pela vertical queda de rendimento de jogadores importantes nas duas equipes. O certo é que, mais cedo do que se podia supor, as torcidas que mais festejaram no ano passado estão abandonando a lua-de-mel com seus times.
Coisas do Brasil.

Bola na Torre

Com Giuseppe Tommaso e Valmir Rodrigues, mais um convidado especial, estarei logo mais na RBATV debatendo todos os detalhes do clássico no Bola na Torre. Começa por volta de 00h15, depois do Pânico na Band.

23 de março de 2014 at 2:06 pm Deixe um comentário

A Bola no Bola – Giuseppe Tommaso – 23.03.14

BOLA NA TORRE

Deste Domingão logo após o “Pânico na Band”, na RBATV –
Canal 13. Destaque para os Principais lances do RexPa
pela Copa Verde que definirá o finalista da competição e os
jogos do Parazão em sua Terceira Rodada do returno.
Estarei no Comando com Valmir Rodrigues e Gerson
Nogueira e o convidado especial. Tem Prêmios para a Galera.
Partícipe pelo Twitter @bolanatorre

GINÁSIO…
As tratativas estão só começando, mas o Grupo Horizonte e a Clean Gestão Ambiental, depois de revitalizar e reformar o Moura Carvalho e agora o Serra Freire (Arena Poliesportiva Guy Peixoto), pode também acertar com a Tuna Luso Brasileira a recuperação total do Ginásio Miranda Sobrinho. O ex-presidente Alírio Gonçalves já conversou com Guy Peixoto e pode dar samba. O Esporte Amador agradece…

LIVRO…
O Projeto foi criado pelo atual Presidente da Torcida Rubro Negra Fla-Fla de Belém e tem a colaboração do Jornalista Astrgildo Jaster e do Escriytor e Poeta Rufino Almeida. O livro marca o depoimento de paraenses que mostram a paixão pelo Flamengo e resgatar a memória de momentos por estes torcedores e muitas em fotos. Tô dentro! É esperar pra conferir…Show de bola!!!

NATAÇÃO…
Belém se preparando para sediar mais uma Competição Nacional será na primeira quinzena de maio no Parque Aquático da UEPA o Campeonato Brasileiro de Natação Master. Equipe paraense treinando forte e unificada para a conquista do título

REGATA
Começa neste domingo o Campeonato Paraense de Remo nas águas da Baia do Guajará coma raia da Estação das Docas. O Remo busca o Tetra campeonato enquanto Paysandu e Tuna Luso querem quebrar a hegemonia azulina. Insatisfação é o clima desta primeira prova do ano.

PODE ANOTAR…
Independente do resultado no clássico desta tarde contra o Paysandu, o Presidente Zeca Pirão vai fazer mudanças no Departamento de Futebol Azulino.

BATE BOLA…
Mais um Bate Bola do Troféu Camisa 13, ano 22, foi realizado com sucesso. Na última quinta, no auditório da RBATV, O esporte Olimpico do Pará, foi discutido com autoridades, federações e imprensa.

23 de março de 2014 at 2:05 pm Deixe um comentário

BOLA PRA FRENTE – Cláudio Guimarães – 21.3.14

POSITIVO – Com técnico local (Adonaldo Viana) é positiva a campanha do Cametá no Parazão 2014: foi 4º no turno, é 3º neste returno e também no geral. Tem ainda o 4º artilheiro (Robinho). Sonha com 2º título paraense!

NEGATIVO – Não há ginásios esportivos em Belém para comportar competições da CBFS, mesmo com a revitalização do Moura Carvalho e Serra Freire. FEFUSPA lamenta!

Lá e Cá

Ex- atacante do Paysandu, Aldrovani, meu entrevistado Bola Pra Frente de domingo; Remo desde 13.2.11 (3×1) não ganha do Paysandu dia de domingo. Tabu a ser quebrado! Morreu Bellini 1º a erguer Copa prá nós.

Virose deixou sem fala Mazolla Jr no jogo contra o Paragominas, mas o auxiliar técnico Brigatti assumiu o barco e não deixou a peteca cair.

Oito da base bicolor estiveram em campo contra o PFC, na vitória de 2×0: Paulo Rafael, Márcio, Marquinhos, Pablo, Billy, Murilo, Araújo e Leandro Carvalho. Méritos para Mazolla Jr e sua CT.

Débito do Remo junto à CBF, cobrado via FPF, tem parcelas mensais de 80 mil; Leão faturou ontem 518 mil, entre meritocracia do 1º turno e 1ª parcela do patrocínio da SEEL. Demais clubes receberam seus direitos.

Diogo Silva, Max, Rafael Andrade, Dadá, Potiguar, Eduardo Ramos, Zé Soares e Leandrão à disposição do técnico Agnaldo, no Remo, para domingo. Pelo que Leandro Cearense jogou contra o S. Cruz ganhou vaga.

Uma pergunta que não quer calar entre os azulinos: Fabiano, mostrando alguns vacilos, tem substituto à altura? Miki Douglas não joga e Jader anda esquecido pelo Baenão.

Técnico Lecheva foi a Castanhal assistir Santa Cruz 3×3 Remo. Seu Independente visitará o Leão, no Mangueirão, dia 2.4; quarta próxima Cacaio (S. Cruz) reencontrará seu antigo time (PFC) na Arena Verde.

Presidente Nunes (FPF) palestrou ontem em Tailândia sobre “profissionalização de clube de futebol”. Município quer colocar time no próximo Seletivo.

Cametá marcou 4 pontos fora de casa e agora jogará suas partidas em seus domínios: Paysandu (26.4) e São Francisco (30.3). Está com tudo!

HOMENAGEM – Denis Augusto Fontes, o Denis, ex- lateral direito da base ao profissional do Remo e do Rio Negro-AM nos anos 80. É 1º Sargento da PM lotado no Palácio dos Despachos.

21 de março de 2014 at 12:34 pm Deixe um comentário

BOLA PRA FRENTE – Cláudio Guimarães – 20.3.14

POSITIVO – Futebol feminino da Tuna emplacou 3ª atleta na Seleção Brasileira: agora Hirley no Sub 20 que vai ao Mundial; com apoio do presidente Pirão, Remo ganhou a vaga na Liga Norte de futsal.

NEGATIVO – Tudo bem que meia Rodrigo continuará no Remo, mas pai dele (Maurício Ainette) detonará hoje ao presidente Pirão gente do futebol azulino que joga contra lá dentro. Assustador!

Lá e Cá

Hoje, 2º Bate Bola do Troféu Camisa 13, sobre “Esporte Olímpico-Potencialidades e Dificuldades”. 18 h no auditório da RBA TV. Eu, Eduardo Pinho e Thales Belo (SEJEL) no evento.

Luis Carlos Capixaba, ex- jogador de Tuna, Paysandu e outras grandes equipes brasileiras está aposentado e aguardando chamado. Tem curso de técnico e gestão esportiva pela FAAP (acreditação FIFA).

Ginásio Poliesportivo e novo CEJU (cedido pela FPF), investimentos do Governo no entorno do Mangueirão para inaugurar antes das eleições.

Quase 11 anos depois, técnico Dario Pereyra voltou ao Pará, chegando ontem, 14:50 h, em Marabá para comandar o Águia na 3ª divisão. Saiu do Paysandu após derrotas para o Boca (Libertadores) e Coritiba (1ª divisão).

Remo tem o time que não fala (o de domingo da Copa Verde) e o de ontem (Parazão) que dá entrevista; Osvaldo Sestário o advogado de Agnaldo, no STJD, amanhã: risco do Pirão ter de comandar time domingo.

Depois do jogo contra o MAC, aqui, 9.4, Copa BR, torcedores do Paysandu poderão comprar e levar pedaços da Curuzu que serão revitalizados; jogo Remo x Independente, 2ª rodada do 2º turno, confirmado para 2.4, aqui.

Paysandu cogita sim jogar as partidas em que está punido com portões fechados, na Série C, em Castanhal. Isso tem o dedo do técnico Mazolla Jr que elogiou gramado do Modelão.

Domingo último o grande jurunense e remista Reginaldo Serrão completou 80 anos a ganhou homenagem da esposa, filhos, noras, netos e bisnetos. Só seu clube não deu o presente que ele queria.

Paysandu x Independente antecipado para 5.4, face possível presença bicolor nas finais da Copa Verde. Data da segunda partida, 20.4, coincidindo com semifinais da Taça Estado do Pará. Problema à vista!

HOMENAGEM – Luis Carlos Inocêncio, o Luis Carlos Capixaba, ex- meia da Tuna (98-99), Paysandu (2008-09) e outras equipes brasileiras como Bahia, Botafogo, Coritiba e América-MG. Vive de rendas em Vitória-ES.

20 de março de 2014 at 3:32 pm Deixe um comentário

Coluna do Gerson Nogueira – 19.03.14

Da nova era dos meias

O papel desempenhado pelos meias é talvez a maior transformação vivida pelo futebol moderno. Quase todos os grandes times do mundo se sustentam no aspecto ofensivo da movimentação de seus armadores. Alguns, mais afortunados, conseguem jogar com dois e até três jogadores nessa função, garantindo presença permanente na área inimiga e chances reais de gol. No Brasil, nem sempre essa importância é observada, a ponto de a Seleção contar com poucos jogadores capazes de executar a tarefa exigida de um organizador.
Não é tão simples como parece, principalmente depois desse processo de mudança. Antigamente, esperava-se que o armador tivesse fôlego e qualidade na distribuição, além de visão privilegiada para fazer a bola chegar aos melhores endereços do campo. Hoje, além desses atributos, precisa se movimentar de um campo a outro, oferecer alternativas aos companheiros e participar diretamente das ações ofensivas.
Atentos à marcação duríssima das linhas de zagueiros, treinadores mais antenados começaram a ver no avanço dos meias a oportunidade para furar o bloqueio. Até equipes que empregam um estilo mais de força, como o Chelsea, jogam hoje com um atacante especialista, secundado por três jogadores criativos em aproximação constante – caso, Samuel Etoo, acompanhado de perto por Oscar, Hazar e Lampard. O poderoso Barcelona executa uma variação interessante, usando Messi (ou Neymar) adiantado, sob escolta de Xavi, Iniesta e Pedro.
O destaque dado aos meias tem o efeito paralelo e salutar de qualificar os volantes, pois é necessário que os jogadores que fazem a contenção também saibam passar corretamente. Não há lugar para o mero destruidor, que não consegue executar passes de três ou cinco metros. Quem vive a depender de volantes conservadores está condenado a ser superado por equipes mais bem estruturadas ofensivamente.
O próprio Oscar, que no Brasil era um meia clássico, voltado para passes longos e jogando quase parado na faixa do meio-campo, tornou-se um dínamo nas mãos de José Mourinho no Chelsea. Carrega o jogo quando necessário, cadencia ou acelera conforme o momento, mas não guarda posição fixa e muitas vezes se arrisca a marcar também. Talvez isto explique porque ganhou a camisa 10 do escrete e é nome certo para a Copa do Mundo.
Grandes meias do passado – Zenon, Neto, Pita, Palhinha, Geovani e Raí – jogavam atrás, municiando os homens de frente, ou tornavam-se pontas-de-lança, trabalhando ao lado do centroavante. Este novo cenário remete de imediato a dois jogadores, um consagrado mundialmente e outro que ainda não vingou: Rivaldo, mais importante jogador do Brasil na Copa do Mundo de 2002, que antecipou a tendência, movimentando-se com inteligência e tirocínio tanto na Seleção quanto nos clubes. E Paulo Henrique Ganso, grande revelação de 2010 que se tornou antigo e ultrapassado nos últimos quatro anos. Histórias separadas por um abismo determinado pela capacidade de participação do primeiro e pelo crônica acomodação do segundo.

Um rebelde com causa

E um dos mais talentosos meias surgidos no futebol paraense briga na Justiça pela chance de mostrar seu futebol. O garoto Rodrigo, grande expoente do Remo na Copa do Brasil sub-20, cansou de esperar uma oportunidade no time titular e decidiu procurar um clube que lhe valorize. A confusão está criada e lembra a cruzada de Afonsinho, meia que inaugurou a rebeldia (com causa) no futebol brasileiro. O atleta vai à Justiça, por entender que precisa assegurar seus direitos. O clube mantém a posição de endurecer negociação e dificultar sua transferência.
Nas alegações do pai e procurador de Rodrigo, a reivindicação de salários e benefícios não respeitados soma-se às queixas pela falta de oportunidades. Depois do torneio sub-20, Rodrigo não teve chance de mostrar seu futebol refinado sequer no limitadíssimo campeonato estadual, cujo nível técnico permite experimentar revelações.
O mais irônico é que o Remo vive se atrapalhando em campo pela ausência de talento criativo no meio-de-campo. O titular do setor, Eduardo Ramos, até hoje não convenceu e a torcida cobra consistência no setor. Rodrigo, que podia ser testado ali, não entra nem na lista de suplentes. Seu grito de liberdade talvez tenha o efeito de fazer com que dirigentes e comissão técnica do Remo olhem mais para os garotos saídos da base.
O discurso é velho, mas a esperança sempre se renova.

Papão e Leão em jornadas arriscadas

Contra o Paragominas, na Curuzu, o Paissandu tenta se manter vivo na classificação do returno. Na luta para chegar ao título estadual, o time acumula quatro pontos e não pode tropeçar em casa. Ao mesmo tempo, precisa poupar os titulares para o clássico decisivo de domingo pela Copa Verde. Entre as duas competições, Mazola optou por priorizar a segunda, assumindo os riscos no confronto pelo Parazão.
Em Castanhal, diante do Santa Cruz, o Remo terá desafio ainda mais indigesto. Com apenas um ponto no segundo turno, não pode se distanciar dos ponteiros. Mesmo precisando poupar peças para o Re-Pa, não pode se dar ao luxo de lançar um time reserva, pois a derrota teria efeito desastroso na semana decisiva da Copa Verde.

19 de março de 2014 at 12:22 pm Deixe um comentário

BOLA PRA FRENTE – Cláudio Guimarães – 19.3.14

POSITIVO – Jô e Marcos Paraná, jogadores do Paysandu, das cadeiras ficaram impressionados com as torcidas de Papão e Leão no último RE x PA. Imagina domingo próximo!

NEGATIVO – Como admite que time estavam falando muito e jogando pouco, diretoria do Remo determinou Lei do Silêncio dos jogadores até domingo. Pura bobagem! Tomara dirigentes se calem também!

Lá e Cá

Dissensão na ABRACE: inconformado com a omissão da entidade nacional grupo de jornalistas criou a ACEB (Associação de Cronistas Esportivos do Brasil). Primeiro presidente é Eraldo Leite (Rádio Globo-RJ).

CBF atendeu em parte Federação do DF: assim como marcou para 23 e 26.3 jogos das semifinais da Copa Verde entre Brasília e Brasiliense, alterou datas das finais, agora 8.4 (terça) e 20.4 (domingo).

São 7 confrontos entre Paysandu e Paragominas, 4 vitórias bicolores (17 gols), 3 empates e 8 tentos do Jacaré.

Santa Cruz e Remo já se enfrentaram 4 vezes, 3 triunfos azulinos, 1 do Tigre e 6 gols de cada.

Paysandu poupando 10 titulares hoje (só Zé Antonio do principal e porque estará fora domingo) e o Remo 8 (em campo apenas Fabiano, Levy e Jonathan). Mando na domingueira é do Leão e ingressos a 30 e 60 reais.

Rafael Córdova, 35 anos, ex- goleiro do Paysandu (campeão paraense em 2009) estava no Araxá-MG com Túlio Maravilha e se transferiu para o Vitória da Conquista-BA.

Mais um santo no campeonato paraense: São Matheus de Concórdia do Pará no próximo Seletivo; coronel Nunes (FPF) na reinauguração da Granja Comari, dia 26.3; Péricles Bassols Cortez-RJ-FIFA no seu primeiro RE x PA.

Garoto Rodrigo se desligando no Remo através da Justiça por salários atrasados e descaso com ele; técnico Agnaldo de Jesus nas barras do STJ na sexta. Poderá complicar!

COPM campeão invicto da Copa Verde de Futsal Sub 13 em Paragominas; Academia 40 venceu o time do Nunes, em Santa Isabel (1×0), gol de Lua.

HOMENAGEM – Luis Carlos Maués Pereira, o Carlinhos Veloz, ex- frente campeão pelo futsal do Paysandu e Combronzem nos anos 80-90. Jogou também na Seleção Paraense. É investigador atuando na DEMA.

19 de março de 2014 at 12:20 pm Deixe um comentário

BOLA PRA FRENTE – Cláudio Guimarães – 18.3.14

POSITIVO – De novo nosso Torcedor Nota 10 responsável pelo melhor púbico do Brasil no domingo; Guy Peixoto e Marcelo Souza, obrigado pelos Ginásios Moura Carvalho e Serra Freire. Merecem ser GB de RE-PA!

NEGATIVO – Considerando que sócios torcedores (4.245) do Paysandu apareceram sim no borderô da FPF, onde caberiam mais 15 mil pessoas no Mangueirão? Cada clube vendendo seu ingresso o torcedor engordou!

Lá e Cá

Fato inédito domingo no Re x PA do Mangueirão: ao ser substituído meio campo Eduardo Ramos conseguiu ser vaiado pelas duas torcidas. Será banco domingo; torcedores aprovaram horário de 18:30 h. Eu também!

Paysandu terá manhã contra PFC (sem TV) mesmo time que derrotou Santa Cruz e ingressos promocionais para mulheres (10 reais); patrocínio bicolor pretendido na Eletrobrás vai cair no colo na Norte Energia.

No Remo, Max, Rafael Andrade e Dadá serão poupados amanhã contra o Santa Cruz. Rubran e Alex Ruan de volta. Viagem para Castanhal, local do jogo, hoje, após o jantar.

SEEL, PM, Polícia Civil, MP e Bombeiros de parabéns para segurança que revestiu o último RE x PA. Quando à SEMOB ainda ficou devendo, mas tende a melhorar!

CBF colocou dedo no suspiro e jogos da outra semifinal da Copa Verde, entre Brasília e Brasiliense serão domingo, 17 h, no Bezerrão (Gama) e, dia 26.3, no Serejão (Taguatinga). Finais mantidas para 2 e 9.4.

De 26 a 29.3, no Hotel Tambaú, em João Pessoa-PB, o 40º Congresso da ABRACE, Associação Brasileira de Cronistas Esportivos. ACLEP vai lá!

Depois do Cametá, Tuna e Paragominas, técnico Cacaio amarrando seu burro no Santa Cruz-Cuiarana, mais um bem complicado. É gostar de desafios!

Bom Senso sugerindo a partir de 2015, Série D com 144 clubes (12 grupos de 12) e criação da Série E, num total de 432 equipes (36 grupos de 12).

VIII Encontro de Educação Física – Atletismo Módulo II, de 20 a 21.3, de 9 a 13 h, no Mangueirão. Ministrante prof. Jorge Reina. Contato 32191134.

HOMENAGEM – Antonio Nogueira Jr, o Buta Jr, ex-ala do futsal da Tuna (bi), COPM (1 título), Seleção Paraense e Veteranos do Panela de Aço (penta). Tem laboratório de análises e atua na Rádio Aquarius (S. Isabel).

18 de março de 2014 at 12:14 pm Deixe um comentário

Posts antigos Posts mais recentes


Clube no Twitter

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.