Archive for maio, 2014

BOLA PRA FRENTE – Cláudio Guimarães – 08.05.14

POSITIVO – Folgo saber que o Bragantino da minha querida Pérola do Caeté vem forte para Segundinha, tendo agora como presidente o ex-jogador Hadson Nery, irmão de Harison Nery, este ainda jogando.

NEGATIVO – Não se tem notícia de planos para o futebol profissional masculino na Tuna com a nova administração e muitas queixas que toda atenção é só para o futebol feminino. Alô, Charles Tuma!

Lá e Cá

Enquanto dificulta retorno de Danilo Galvão para o Águia, Paraná Clube vem mantendo Keno, outro que foi do Azulão como titular e obtendo bom desempenho.

Técnico Mazolla Jr vai reencontrar o Sport-PE, agora pelo Paysandu, na Copa do Brasil a partir do dia 15.5. Em 2012, ao comando do Leão da Ilha foi eliminado pelo Papão com duas vitórias (2×1 aqui e 4×1 lá).

Helinho ex-jogador do Remo, da Tuna e do próprio Castanhal, agora Secretario de Esporte do município Modelo será aclamado presidente do Japim terça-feira. Vice Iran Jabaquara. Técnico no acesso será Agnaldo.

Remo vai com time misto e que já está definido para sábado em Parauapebas (amistoso): Miki Douglas, Diogo Silva, Igor João, Rubran e R. Fernandes, Nadson, Ilailson, Guilherme e Potiguar, Zé Soares e Leandrão.

Eduardo Ramos tem contrato até 30.12.15 com o Remo e no fulgor dos seus 28 anos ainda poderá voltar após empréstimo ao Joinville, que lhe pagará mais (aqui ganha 50 mil). Multa contratual é de 1,5 milhão.

Volante azulino André já treinando e escalado no time principal para jogos decisivos do 2º turno. Cirurgia só após o Parazão.

Contusão na mão tirou Matheus do banco do Paysandu no jogo de ontem, sendo substituído por João Gabriel. Paulo Rafael continuou titular.

Atletas do Paysandu medalhas de ouro do oito gigante no Sul-Americano Máster de remo no Paraguai: Benilton Barbosa, Robney Silva, Djalmir Silva, Alberto Giordano, Raimundo Beltrão, Antenor Sampaio, Miguel Brasil e Raimundo Paiva e Ítalo.

Outros medalhistas bicolores foram Ranilson Silva, Neryo Souza, José Beltrão Rosas e André Montoril. Dirigentes Otávio Faciola, Ulisses e Ícaro Sereni só alegria.

HOMENAGEM – Floriano Tavares da Costa, o Floriano, ex- zagueiro por 6 temporadas da Seleção de Portel (anos 70), onde atuou no Amazonas, Fabril (campeão) e Camel. É microempresário do ramo de bebidas.

8 de maio de 2014 at 4:18 pm Deixe um comentário

Coluna do Gerson Nogueira – 07.05.14

Uma luz no fim do túnel

A Justiça paraense finalmente dá sinais concretos de que não vai tolerar os crimes praticados pelas famigeradas gangues uniformizadas. A determinação tornada pública ontem pelo juiz Flávio Sanches Leão, da Vara de Inquéritos e Medidas Cautelares da Capital, já pode ser vista como histórica. Pela primeira vez, delinquentes que tumultuam o ambiente de clubes de futebol são enquadrados judicialmente.
Três desses baderneiros, identificados como pertencentes a uma das facções uniformizadas mais violentas de Belém, não poderão frequentar estádios durante jogos do Remo ao longo dos próximos três anos.
Os torcedores lideraram a invasão do estádio Evandro Almeida para interromper um treino dos jogadores do clube no sábado (26 de abril), alguns dos quais chegaram a ser agredidos e ameaçados verbalmente. Além de xingamentos, o grupo disparou rojões em direção aos atletas.
O juiz Flávio Sanches Leão tomou a decisão depois de analisar e concluir o procedimento legal que indiciou os três integrantes da facção uniformizada. O processo será distribuído a uma das varas judiciais de Belém para instrução e julgamento pelo crime de explosão.
No depoimento à Polícia, um dos indiciados disse ser sócio-torcedor do Remo e que tomou a iniciativa de invadir e tumultuar o treino para “cobrar mais empenho e vontade dos jogadores”. Apesar das evidentes intenções belicosas, o líder do grupo negou ter sido violento. É como se tivesse se mobilizado, com rojões e pedaços de pau, para um simplório piquenique no Baenão.
Com base nos relatos de dirigentes e jogadores do clube, em declarações à imprensa, o magistrado considerou o crime “de natureza grave, já que envolve violência em estádios de futebol, necessitando de ação efetiva do Poder Judiciário, a fim de coibir essas práticas e evitar nova ação violenta”.
O juiz se baseou na legislação e jurisprudência sobre o poder geral de cautela, avaliando ser “necessária a aplicação de medida cautelar diversa das presentes no rol das do art. 319 do CPP (Código de Processo Penal)”.
Concedeu alvará de soltura e isentou o trio do pagamento de fiança, acolhendo a alegação de que os torcedores não tinham condições financeiras. Em liberdade, os indiciados deverão manter bom comportamento, com recolhimento domiciliar noturno e nos dias de folga, além de serem obrigados a comunicar mudança de endereço e a obrigação de comparecerem sempre que forem chamados pela Justiça.
Como é prática no futebol europeu, assimilada depois de crimes envolvendo torcedores turbulentos, o juiz Flávio Sanches Leão determinou que os indiciados devem se apresentar na Seccional de S. Brás/Central de Flagrantes uma hora antes e sair uma hora depois dos jogos do Remo.
Pelo bem do estropiado futebol, os verdadeiros torcedores esperam que a oportuna decisão não seja reformada e que de fato seja cumprida. É a garantia de que os estádios de Belém estarão livres de pelo menos três baderneiros de carteirinha.
Já é um bom começo.

Papão enfrenta nova decisão

Depois do insucesso na final da Copa Verde, o Paissandu entra em campo hoje à noite contra o S. Francisco para uma nova decisão. É a definição da semifinal do returno, que habilitará o vencedor a decidir com o Remo a segunda etapa do campeonato.
Sem Charles, seu melhor zagueiro, Mazola Junior manterá seu já tradicional esquema de três volantes, que não altera sob nenhuma hipótese. O S. Francisco, mergulhado em crise interna, está sem técnico efetivo e tem desfalques. Além disso, precisa vencer por dois gols de diferença.
Mesmo com seus 300 volantes, o Papão é favoritíssimo.

O dia D para a Seleção Brasileira

Só para refrescar algumas memórias, a 37 dias da Copa do Mundo, cabe observar que o Botafogo é ainda o clube brasileiro que mais cedeu jogadores ao escrete nacional em mundiais. Foram 46 jogadores convocados ao longo das 19 Copas. Só em 1934, a segunda edição do torneio de seleções, foram chamados nove jogadores botafoguenses.
Dentre os atletas alvinegros que envergaram a amarelinha, alguns gênios da bola, como Mané Garrincha, Nilton Santos, Didi, Jairzinho e Amarildo. Todos campeões e jogadores destacados nas campanhas nacionais na Copa do Mundo.
Neste mundial, que será o maior de todos os tempos, o goleiro Jefferson representa as glórias botafoguenses. Ainda não é titular, mas a Seleção Brasileira ainda terá algumas semanas de preparação e essa situação pode mudar. Felipão, que anuncia a lista definitiva na manhã desta quarta-feira, já deve saber que os três primeiros títulos mundiais do Brasil tiveram decisiva participação de craques da Estrela Solitária.

7 de maio de 2014 at 12:22 pm Deixe um comentário

BOLA PRA FRENTE – Cláudio Guimarães – 07.05.14

POSITIVO – DJ do Paysandu já reuniu toda documentação necessária contra o Brasília e Dr. Alberto Maia protocolará no STJD até sexta; Rony (Remo) reajustado para 3 mil e será ajudado na reconstrução de sua casa.

NEGATIVO – No Remo, detectados dois mil ingressos falsos no último jogo no Baenão e Policia avisada. Funcionário Tindô afastado por envolvimento com saída de jogadores da base. Tem mais peixe graúdo nisso, Pirão!

Lá e Cá

Quem procura acha: Nivaldo, Jeferson e Ari, da “Torcida Remista”, punidos por 3 anos fora dos estádios e apresentação na delegacia em dia de jogo do Remo. Nome do juiz: Flávio Sanches Leão. Tudo a ver!

Bem que o Remo tentou meias rotulados, mas em dois anos seguidos Tiago Galhardo e Eduardo Ramos ficaram devendo. Aliás, E. Ramos repetiu na dupla Paysandu-Remo o acontecido no Sport-Náutico.

Seleção Brasileira de Basquetebol Máster trouxe do PAN, no Peru, títulos de 9 das 11 categorias, sendo absoluto nas 3 femininas. Paraense Oscar Ourém ouro (35-39 anos) e Paulo Seráfico bronze (55 a 59 anos).

Givanildo Oliveira e Wellington Vero vão reencontrar o Paysandu na Série C, dia 27.7., em Campina Grande. Assumiram comando do Treze.

Prefeito João Salame prometendo novo estádio de Marabá para junho de 2015, com o Águia na Série B. Diretor do Azulão, João Galvão, no grupo de aceleração das obras.

Paysandu treinou ontem no Souza (estádio da Tuna) e Lima se movimentou sem problema. São Francisco, na Escola de Educação Física (ESEF-UEPA II).

Eduardo Ramos voltará a treinar hoje e cumprirá o determinado pelo Remo; Comissão de Construção do CEJU (legado da Copa): Coronel Nunes, José Ângelo Miranda, Fernando José Rodrigues e Guilherme Salzer.

Arbitragem: Série C, Paysandu x ASA, Luciano Santos-TO; Fortaleza x Águia, segunda, Caio Augusto Vieira-RN; Copa do Brasil, dia 15.5, 19:30 h, Mangueirão, Paysandu x Sport, Rodrigo Raposo-DF.

FEFUSPA com 44 jogos de amanhã a 18.5, movimentando 1.200 atletas em Belém, Ananindeua, A. Corrêa, Curralinho, Mocajuba, S. Domingos do Capim, Salinas e Santa Isabel. Folga só Dia das Mães.

HOMENAGEM – Fábio Ribeiro Malato, o Fábio, ex- levantador nos anos 90 do voleibol do Paysandu (campeão), AABB e Seleção Paraense. É engenheiro civil da SEDURB.

7 de maio de 2014 at 12:16 pm Deixe um comentário

Coluna do Gerson Nogueira – 05.05.14

Papão se defende e traz empate

Não foi das melhores jornadas do Paissandu na temporada. Jogou na conta do chá, visivelmente de olho no empate, investindo pouco no ataque e cedendo muito terreno ao apenas esforçado CRB. Mas, no fim das contas, o resultado não foi dos piores, garantindo a vice-liderança do grupo A da Série C 2014, invicto e sem sofrer gols. O lado ruim é que permitiu ao Fortaleza a oportunidade de assumir a dianteira.
O primeiro tempo em Coruripe foi de baixíssimo nível técnico. Os times mostravam absoluta incapacidade de se impor e o confronto vivia de esporádias tentativas individuais. As poucas chances pertenceram ao time alagoano, que concentrava esforços no lado esquerdo da ofensiva, com o lateral João Vítor e o bom atacante Tiago Leal. Paulo Rafael andou se destacando, com pelo menos duas defesas importantes.
Ainda na primeira etapa, o Papão perdeu o artilheiro Lima, lesionado. O jogador já havia viajado na base do sacrifício, atuou muito abaixo de suas condições habituais e terminou desfalcando a equipe antes do intervalo.
Marcos Paraná entrou em seu lugar, povoando o meio, mas deixando o time sem atacantes. Quando avançava, o Papão dependia das investidas de Pikachu e Djalma pela direita. Na prática, o time se mantinha com com os três volantes de sempre – Vanderson, Augusto Recife e Zé Antonio -, reforçados por Bruninho e Paraná.
Com melhor distribuição no segundo tempo, o Paissandu passou a marcar melhor o ataque do CRB e cresceu ofensivamente com a entrada de Jô no lugar do lateral Aírton. Apesar disso, quem ameaçou primeiro foram os alagoanos, em perigosa chegada de Diego Rosa.
O Papão controlava as ações no meio, distribuía bem as jogadas, mas só chegou perto do gol nos instantes finais. Jô cruzou com perfeição bola na área, Marcos Paraná testou para baixo, mas o goleiro Júlio César espalmou evitando o gol. Logo em seguida, Paraná foi à linha de fundo e cruzou rasteiro. O goleiro salvou novamente, evitando que a bola passasse para Pikachu, que estava livre na pequena área.
O torcedor alviceleste deve ir se acostumando com a estratégia preferencial do técnico Mazola Junior para confrontos fora de casa. Defesa e meio-campo dominando a cena, ataque só quando fizer bom tempo. É uma opção arriscada para quem busca o acesso, mas tem lá suas chances de dar certo.

Com time entrosado,
Águia vence a primeira

Dario Pereyra conquistou ontem sua primeira vitória como técnico do Águia. O adversário era o sempre encardido Salgueiro (PE). Com grande atuação de Valdanes, Gilmar e do estreante Aleílson. O placar de 3 a 0 reflete bem o que houve no estádio Zinho Oliveira.
Com a vitória, o Águia alcançou a quinta colocação no grupo A, melhorando seu saldo de gols e superando um visitante incômodo. O primeiro gol saiu logo aos sete minutos, com Aleílson, em lance rápido na área. Aos 12, Valdanes ampliou. No primeiro tempo, o Águia foi hegemônico e poderia ter feito mais gols.
A situação mudou na etapa final, pois o Salgueiro avançou a marcação e criou situações de perigo para a zaga marabaense. O Águia resistiu à pressão inicial e esperou o momento de liquidar a fatura. Isso aconteceu aos 28 minutos, quando Gilmar construiu bela jogada para Valdanes definir.
Dario Pereyra dá mostras de que encontrou a melhor formação e vai ajustar o Águia para brigar pelo acesso. A chegada de Aleílson tornou o ataque mais rápido e talhado para o contra-ataque. No meio, Gilmar e Felipe Baiano se encarregam da organização.

5 de maio de 2014 at 3:27 pm Deixe um comentário

PAPO DO 40º – Ronaldo Porto – 05.05.14

A VITÓRIA DA CONSAGRAÇÃO

Já se passaram quatro dias, mas a repercussão continua presente entre os azulinos, que vibraram com a maiúscula vitória dentro do Baenão, eliminando o Independente, que havia vencido o mesmo Leão por 3 x 0 lá dentro de Tucuruí. O que será que aconteceu de tão forte para o Remo voltar aos trilhos? Sabemos que o Roberto Fernandes foi ousado e correu riscos quando escalou um volante marcador e três atacantes para conseguir tantos gols, gols que só saíram no 2º tempo através de Roni, Ratinho e Leandro Cearense. O torcedor que compareceu na Arena do Leão saiu sorrindo de orelha a orelha, mesmo ficando sob tensão durante boa parte do espetáculo, já que uma vitória por um ou dois gols não era suficiente para classificar o time, que veio de um revés diante do Galo e tinha passado por momentos de medo com aquele ataque no sábado pela manhã, caso que foi parar na Polícia. A vitória deu quase certeza ao Remo da série D este ano, a não ser que um milagre aconteça e o São Francisco tire o Paysandu. Foi a vitória da consagração, com muitas perguntas cabeludas pelo meio.

ALTA TEMPERATURA

Fim de semana bom para os nossos representantes na série C. O Paysandu no sábado, depois de uma viagem cansativa, conseguiu parar o CRB-AL lá em Cururipe e ficou num bom 0 x 0; o Águia não tomou conhecimento do valente Salgueiro-PE dentro de Marabá e sapecou um 3 x 0 no time do agreste. Antes do jogo Fortaleza-CE x Cuiabá-MT, que começou ontem às 19 horas, Papão e Águia estavam no G4 e o time de Dario Pereira só não sairia se o Cuiabá-MT vencesse a partida.

BAIXA TEMPERATURA

Presidente do Conselho Deliberativo do Remo, Manoel Ribeiro, mandando averiguar denúncias de jogadores (primeiro um atacante no mês passado e depois um zagueiro dentro da Delegacia de São Bras), sobre diretores remistas que estariam levando vantagen$ sobre alguns atletas do plantel. É nítida a desavença e ficou mais séria quando o zagueiro chamou o presidente Pirão dentro da Delegacia, na frente de uma Delegada, e meteu o bicho acusando ambos. O CD está averiguando com muita atenção as denuncias, antes que seja tarde demais.

NO TERMÔMETRO

Pode ter rendido uma tremenda confusão aquele episódio do sábado retrasado, mas o que serve pra separar serve também pra unir. Está rolando uma bela amizade, muito discreta e só posso dizer que quem está acostumado(a) a prender acabou preso(a) pelo coração. /// Relembrando que o Remo já está classificado para as finais do 2º turno, depois que reverteu o resultado e vai esperar o classificado de Paysandu x São Francisco. Alguém aposta no São Francisco? /// É bom saber que o risco que corre o pau, corre o machado e o Papão está com a faca e o queijo nas mãos, mas terá que levar a sério a partida de volta, senão corre o risco de perder a classificação às finais do Parazão, dar adeus ao título e muito pior, perder dinheiro e muito. Afinal, poderemos ter mais quatro clássicos, se o Paysandu eliminar o Leão Mocorongo: dois na decisão da Taça Estado do Pará e se der Paysandu, mais dois na decisão do título. /// Confirmadíssimo o jogo Paysandu x ASA-AL para o próximo sábado em Castanhal e a torcida poderá marcar presença? Claro que não, pois a partida será ainda de portões fechados pela imbecilidade de um torcedor que atirou coisas pra dentro do campo e o Paysandu acabou punido por três partidas e essa ainda será a segunda. /// Já o Águia vai à Fortaleza enfrentar o tricolor do Piçi, segunda, às 19h30min e o jogo passa na TV. /// Falei no final da noite com o repórter que mais conhece de Paysandu, o “cabeça iluminada” Dinho Menezes, que ainda estava em Recife vindo pra Belém depois do empate de sábado. Ele me confirmou a vinda do atacante Juan, do Internacional-RS, para disputar a série C. /// Pirão sairá e deixará Magnata no seu lugar, para concorrer às eleições de Outubro como deputado estadual. Se o Remo for campeão o Zeca Pirão dará um grande passo para chegar à Praça Dom Pedro e o passo poderá ser maior se a campanha na série D for “daquelas” que a torcida gosta. /// Uma boa semana a todos e viva Jesus!
E-mails: rporto@supridados.com.br

5 de maio de 2014 at 3:26 pm Deixe um comentário

Coluna do Gerson Nogueira – 04.05.14

Futebol à beira do abismo

Deficitário desde sempre, tecnicamente sofrível e fraco em emoções, o Campeonato Paraense deste ano tem conseguido superar até os dois recentes, igualmente esquecidos pela própria inexpressividade. A fórmula de disputa, com oito clubes participantes, não consegue seduzir o público, que prefere qualquer outra atração a ter que comparecer aos estádios.

Vários outros fatores podem ser arrolados como determinantes da fuga progressiva de público dos estádios. Além do regulamento que mantém teimosamente dois jogos nas semifinais de turnos, tornando ainda mais arrastado um torneio que já é monótono por natureza, há também a baixíssima qualidade dos competidores.

Com exceção de Remo, Paissandu e mais um ou dois participantes, o Parazão é um desfile de equipes medíocres, com jogadores refugados pelos grandes de Belém e sem mercado fora do Pará. Não se tem notícia, nas últimas cinco temporadas, em plena vigência da incensada estadualização do campeonato, de jovens jogadores revelados pelas equipes interioranas.

Um indicador natural do nível de excelência de uma competição é a quantidade de novos jogadores que revela. No Parazão, novidades como Pikachu, Leandro Carvalho, Bartola, Betinho, Billy, Rony, Rodrigo, Djalma, Alex Ruan, Paulo Rafael e Guilherme entram como exemplos de que a renovação é um fato. Nada mais falso.

Todos os citados têm em comum o fato de que foram formados nas divisões de base de Remo e Paissandu. Nenhum saiu do futebol interiorano, como era corriqueiro em outros tempos. A honrosa exceção, que só confirma a triste realidade, é Danilo Galvão, surgido no ano passado no Águia de Marabá – que, aliás, ficou fora do Parazão deste ano.

Um futebol que se fecha cada vez mais em torno de seus dois clubes tradicionais não pode estar em marcha evolutiva, muito pelo contrário. Na verdade, desenvolve-se um processo de volta ao passado, no sentido mais negativo possível.

Remo e Paissandu tendem a cuidar de seus próprios mundos e o Pará torna-se um feudo de dois senhores centenários. Os novos clubes surgem na esteira da dupla Re-Pa, mas copiam apenas seus muitos erros. Contratam além do necessário, não equilibram receita e despesa e dispensam técnicos com a sem-cerimônia dos clubes mais velhos.

Nem Independente e Cametá, campeões estaduais, conseguem manter funcionamento regular. Montam times para uma disputa de três meses. Depois, endividados, fecham as portas à espera da próxima temporada.

Pois, para espanto geral, mesmo com tantas vicissitudes expostas, floresce nos bastidores uma proposta marota de ampliar – eliminando uma das etapas de acesso – o número de participantes de oito para dez clubes. É mais ou menos como receitar uma dosagem excessiva de remédio para matar o paciente.

Não há público, nem nível técnico, muito menos calendário, para sustentar um torneio inchado artificialmente. Insistir nessa irresponsabilidade signifa condenar de vez o Parazão à irrelevância e à falência.

Somente a paixão cega por Remo e Paissandu segura a competição, mas o torcedor cada vez mais prefere acompanhar da poltrona de sua casa, fugindo de tantos jogos sem importância ou emoção.

A cartolagem precisa parar de brincar com o futebol.

Violência, insanidade e surrealismo

A violência nos estádios brasileiros há muito que tomou rumos absolutamente insanos. Mas, desta vez, a coisa extrapolou qualquer limite. Quando a gente pensa que já viu quase tudo, eis que a realidade vem e nos surpreende. Um torcedor foi atingido em cheio por um vaso sanitário, sexta-feira à noite, no Recife, quando passava em frente ao portão do estádio do Arruda. Morreu no ato.

O vaso foi atirado das arquibancadas, do lado onde costumam ficar as “organizadas” do Santa Cruz. Segundo testemunhas, uma briga irrompeu nas arquibancadas e uma das armas usadas foi o vaso sanitário. Acabou acertando quem nada tinha com a história.

O episódio ocorreu depois do jogo entre Santa e Paraná, pela Série B, e a notícia vai rodar o mundo, confirmando a inequívoca vocação nacional para transformar festa em velório nos estádios de futebol.

Pergunta óbvia: como a polícia conseguiu não ver alguém carregando um vaso sanitário até as arquibancadas?

Incrível, mas o Brasil consegue banalizar até o surrealismo.

Até quando?

4 de maio de 2014 at 7:04 pm Deixe um comentário

A Bola no Bola – Giuseppe Tommaso – 04.05.14

BOLA NA TORRE

Deste Domingão logo após o “Pânico na Band”, na RBATV –
Canal 13. Destaque para o inicio do Brasileiro da Serie C e
Parazão 2014. Guerreirão no comando estarei com Gerson
Nogueira e o nosso Convidado Especial o Meia Ratinho do
Remo herói da Vitória diante do Independente. Tem Prêmios
para a Galera. A Promoção Globo Esporte Magazine e Bola
na Torre vai Sortear mais uma Camisa Oficial da Seleção
Brasileira hoje. Partícipe pelo Twitter @bolanatorre

KARATÊ
Karateca Paraense Diogo Domingues ficou com 4º Lugar em Kumite (Luta), ele com 11 anos disputou na categoria 13 anos, fato inédito pela disparidade no tamanho e peso dos atletas. Competição organizada pela WKF a maior Federação de Karate do Mundo em Eventos Nacionais e Internacionais . Diogo Domingos foi o único com 11 anos representando o Norte e Nordeste na competição. Próximo desafio Campeonato Brasileiro da JKA em Arujá / SP, onde vai tentar uma das duas vagas para o Mundial no Japão em Outubro. Estaremos Torcendo…

ACADEMIA…
Grato ao Presidente do Grêmio Literário Português Alírio Gonçalves pelo Convite para a Inauguração da Nova Academia do Clube, em sua Sede Campestre neste domingo, 4 de maio. O espaço fica no 1º Piso da Estação Lusíadas onde será servido um coquetel aos convidados a partir de 11 da manhã. Valeu Presidente pela iniciativa…

PERGUNTAS ?
Primeira – Ao Presidente do São Francisco Ed Ribeiro que merece nosso respeito e admiração. Porque da demissão do Lúcio Santarém que recuperou o São Francisco colocando-o na Semifinal do returno? Perder para o Paysandu, agora e fato absurdo? Isso é sinal que a diretoria já jogou a toalha…
Segunda – Ao Técnico Roberto Fernandes. Ficou mais uma vez evidente que Athos e Eduardo Ramos não podem jogar juntos, e Ratinho tem que ficar no banco? Se o problema é Físico tempo para trabalhar não vai faltar. Certo?

INCENTIVO…

O empresário Silvio Leite que traz a franquia norte americana Quiznos a Belém, foi o grande incentivador da campeã olímpica Sarah Menezes e será o patrocinar do judoca paraense Elder Melo, de apenas 13 anos. Elder conquistou a medalha de ouro no sul-americano disputado no Chile, ano passado. No Crowne Plaza Sara Menezes foi atração e exibiu sua Medalha de Ouro do Judô Feminino Conquistada em Londres 2012.

4 de maio de 2014 at 7:02 pm Deixe um comentário

Chumbo-Grosso – Paulo Fernando – 02.05.14

– A DIGNIDADE FOI RESGATADA – O torcedor remista esta de alma lavada, ontem no baenão os azulinos assistiram 45 minutos do seu time de coração correndo e honrando a camisa que veste, além do jogador Roni que saiu da base do clube e sabe o quanto representa a camisa azulina, Ratinho foi outro que mesmo não estando 100% fisicamente mostrou em 45 minutos o que muitos parecem não entender, tudo que o torcedor quer é aplaudir, vibrar e se emocionar com sua equipe, parabéns fenômeno azul por mais uma vez fazer a sua parte nas arquibancadas,…………………

– FALTA DE PROFISSIONALISMO – O Paysandu tem um jogo dificílimo pela serie C do Campeonato Brasileiro diante do C.R.B no próximo sábado, se já não bastasse a dificuldade que será o time alagoano, o meia Ricardo Capanema resolveu aprontar de novo, o jogador simplesmente não apareceu para treinar e não deu justificativa alguma, a diretoria entrou em ação e afastou o atleta do grupo, segundo informações o técnico Mazzola teria declarado que com ele Capanema não joga mais, esta criado o problema, FICA UM RECADO PARA O CAPANEMA, QUANDO A CABEÇA NÃO PENSA O CORPO É QUE PADECE,…………………………………………….

– QUANDO QUER FAZ – Mais uma vez ficou provado que quando a policia quer ela faz, tai muito papo furado o jogo é ou não é no Baenão, muita gente querendo aparecer dando entrevistas querendo chamar para si as atenções, pois é, o jogo foi no baenão tudo certo nada aconteceu graças a Deus e vida que segue, SE MANQUEM,PAREM DE QUERER APARACER A CUSTA DE REMO E PAYSANDU,………………………..

– LISO NO FUTEBOL É UMA DESGRAÇA – O presidente do time de lá de tucurui que nem gosta de aparecer, falou bem alto a arbitragem para o jogo de volta contra o Remo no baenão é de fora, rsrsrsrsrsrsrsrs, SAI DAI LISO, PAGA PRIMEIRO O CHEQUE SEM FUNDO QUE TU DESTE AO FRANCISCO ROSAS EM UM AMISTOSO QUE COMPRASTES E PAGAR QUE É BOM NADA, FORA LISOOOOOOOOOO,……………………

– FALTOU ATITUDE – Tudo bem que o Remo fez sua parte, mais aqui para nós o Independente deixou a desejar no jogo de ontem além da falta de atitude em atacar, o time de tucurui se limitou somente a se defender ai ficou difícil pois água mole em pedra dura, tanto bate até que fura, FALTOU SANGUE LECHEVA,…………………………………………….

– ESCREVO ESTA COLUNA PARA QUEM GOSTA DA VERDADE, DOA A QUEM DOER,………………………………………………………

2 de maio de 2014 at 4:59 pm Deixe um comentário

BOLA PRA FRENTE – Cláudio Guimarães – 02.05.14

POSITIVO – Atuações de Rony e Ratinho colocaram o Remo finalista do returno (4×0 no Galo) e a 2 jogos do titulo de 2014. E o Paysandu eliminando São Francisco, Leão na Série D.

NEGATIVO – Independente só se defendeu e quando quis atacar a partir dos 20 do segundo tempo Inês estava morta. Apequenou-se!

Lá e Cá

Remo completou ontem 4.146 jogos em todos os tempos, 26 não registrados, 2.239 vitórias, 973 empates, 908 derrotas, 8.333 gols a favor e 4.501 contra.

Paysandu realizará amanhã contra o CRB seu jogo 4.063º. Até agora 2.113 vitórias, 931 empates, 1.018 derrotas, 8.315 gols a favor e 4.743 contra.

Edilson Krammer, presidente da Federação Paraense de Ciclismo, meu entrevistado Bola Pra Frente de domingo; grato pelo convite do Grêmio Português para inauguração de sua nova academia, domingo.

Amanhã, dia especial para o professor e jornalista esportivo Danilo Augusto, casando às 10 h, na igreja de S. Benedito, em Bragança, com sua querida Carmen Lúcia. Recepção na Toca da Jiboia, do amigo Zé Augusto.

Festa do boxe dia 27.5, na ESEF, em nossa Capital, quando conterrâneo Isaac Rodrigues lutará pelo cinturão latino americano da WBF (super médio) diante do mexicano Eduardo Tercero. Imperdível!

Águia e Salgueiro se enfrentarão domingo pela 3ª vez na Serie C. Antes, 2×2 em Marabá e 1×1 em Salgueiro. Azulão terá Gilmar, Bernardo e Aleílson escalados de saída, no Zinho Oliveira.

Marco Antonio Magnata assumirá presidência do Remo logo após o Parazão, face licença do presidente vereador Pirão para tentar ser deputado. Novo mascote do Leão (Bruno Maciel) veio para ficar!

Pelo que ouvi do Adriano Lima, fisiologista do Paysandu, meia Rafael Tavares e zagueiro Raniê em condições só na 5ª rodada da Série C, jogo contra o Botafogo-PB, aqui.

Deu empate de 3×3 no 1º RE x A do ano do BANPARÁ, marcando Lennon (2) e Mauro (Leão), Danilo (2) e Valdemir (Papão). Próximo desafio será 28.8, Dia do Bancário.

HOMENAGEM – Jair Pereira da Silva, o Jair Pereira, ex- meia de clubes como Flamengo, Bangu, Vasco, Olaria e técnico de 40 agremiações, inclusive o Paysandu (campeão em 1982). É diretor técnico do Operário PG-PR.

2 de maio de 2014 at 4:56 pm Deixe um comentário

Coluna do Gerson Nogueira – 02.05.14

Melhor que a encomenda

Saiu tudo conforme o script sonhado por Roberto Fernandes e a torcida azulina. Com uma escalação ousada, usando apenas um volante, o Remo saiu em busca de três gols e acabou fazendo quatro. A melhor atuação do time no campeonato garantiu o direito de decidir o returno. Ratinho, com participação em três gols, foi decisivo para o êxito da empreitada remista. Sem ele dificilmente a vitória viria com tamanha facilidade.

O jogo mostrou um Remo muito diferente daquele que perdeu de 3 a 0 em Tucuruí. Desta vez, o torcedor viu um time visivelmente comprometido, acreditando em todas as bolas e, acima de tudo, dedicando-se ao objetivo de vencer.

Apesar disso, a equipe não conseguiu ir além de um primeiro tempo morno. Teve completo domínio, sufocou o adversário, mas criou poucas chances e chutou pouquíssimas vezes. Em consequência do 0 a 0, deixou o campo sob algumas vaias e carregando o pesado fardo de uma desvantagem de três gols no placar agregado. Pior: tendo que correr contra o tempo para construir em apenas 45 minutos o resultado que precisava.

Nem o mais otimista dos azulinos imaginava que os ventos começariam a soprar logo nos primeiros segundos da etapa final. A bola rolou e Ratinho, que substituiu a Tiago Potiguar, foi lançado na ponta direita e avançou rumo à linha de fundo. Passou por um marcador e cruzou com perfeição.

A zaga do Independente, ainda se aprumando na área, não cortou o cruzamento, que foi encontrar o garoto Roni entrando pela esquerda. O cabeceio foi fulminante, sem defesa para Dida. Aos 30 segundos de jogo.

Com o gol inaugural, o Remo ganhou confiança, subiu de vez rumo à área adversária e perdeu duas boas chances, com Roni e Dadá. Mas, aos 12 minutos, Ratinho voltaria a fazer das suas. Desta vez, no estilo que o caracteriza. Balançou na frente dos zagueiros, limpou a jogada e bateu forte, à meia altura. Um golaço para aumentar a mais a empolgação azulina em campo.

Ainda atordoado, o Independente tentava se recompor, mas errava a saída e começou a ter dificuldades para conter os avanços de Eduardo Ramos e Dadá pelo meio. Aos 13 minutos, depois de retomar a bola junto à área, Dadá disparou com a bola dominada e foi derrubado por Fernando, que recebeu o segundo amarelo e deixou o Independente com 10 jogadores.

A expulsão tornou o Remo ainda mais presente no ataque. Aos 20, Roni entrou pela esquerda e chutou rasteiro em direção ao gol. Ratinho se antecipou aos zagueiros e tocou para as redes: 3 a 0. Cumpriu à risca a missão que lhe confiada pelo técnico Roberto Fernandes. Tinha que entrar e botar fogo no jogo. Incendiou de tal forma que antes da metade do segundo tempo o Remo já podia administrar a vantagem.

A partir daí, o Remo sossegou um pouco, recuperando o fôlego de tanto esforço em busca do placar que lhe convinha. Eduardo Ramos recuou, ajudando Dadá na marcação. Jonathan entrou para reforçar a cobertura, mas a zaga se mantinha firme, evitando as tentativas desesperadas de Chaveirinho, Léo Rosa e Kariri, os mais ofensivos do Independente.

Lecheva ainda botou Joãozinho, mas o Remo se mostrava soberano lá atrás e muito perigoso sempre que atacava. Dadá chutou rente à trave. Val Barreto e Roni perderam duas chances. Ratinho saiu lesionado, mas já tinha cumprido espetacularmente sua missão.

No final, o árbitro Joelson dos Santos acabou complicando sua atuação ao marcar penal inexistente, aos 42 minutos. Barreto foi derrubado fora da área, mas a penalidade foi marcada. Leandro Cearense converteu e sacramentou a goleada que põe o Remo na final do returno.

Ratinho, Dadá e Roni em destaque

Ratinho, pela fantástica atuação em apenas 28 minutos, foi o grande nome da semifinal. Dadá veio logo a seguir, com participação importantíssima para o equilíbrio do time nos dois tempos. Roni, veloz e agressivo, foi o atacante remista mais produtivo. Eduardo Ramos, sem a responsabilidade de carregar a camisa 33, atuou como um legítimo 10. Organizando e lançando, arriscando algumas tentativas e colaborando na marcação.

Quase todo o time do Remo se apresentou bem. No primeiro tempo, faltou mais contundência, mas a produção na etapa final compensou por completo todos os problemas iniciais.

A atuação do Independente foi decepcionante, tanto no aspecto coletivo quanto no individual. Travada, preocupada excessivamente em não levar gol, a equipe cedeu espaço demais ao Remo. Nos instantes finais, quando precisou sair de seu campo para buscar o gol, não teve pernas nem talento para empreender a pressão necessária. Vigiado por Dadá, o meia Kariri teve papel inexpressivo e, em função disso, Wegno e Chaveirinho pouco produziram no ataque.

2 de maio de 2014 at 4:51 pm Deixe um comentário

Posts antigos Posts mais recentes


Clube no Twitter

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.