Archive for agosto, 2014

Coluna do Gerson Nogueira – 26.08.14

Referências de talento

Às vezes, critica-se a falta de bons jogadores paraenses nos principais clubes. A crítica vem sempre acompanhada da lamentação sobre o desinteresse pelas categorias de base. Pois já faz um tempo que o Papão tem como fiel da balança um jogador caseiro, surgido na base do clube e que tem sido mantido no clube apesar das várias propostas para sair. O mesmo vem acontecendo no Remo, onde um atacante arisco e veloz começa a trilhar uma saga que já foi de Neves e outros ponteiros lendários.

Pikachu e Roni.

Curioso notar que ambos sejam ocupantes de faixa de campo e se disponham a jogar como no futebol de antigamente, embora sejam atletas reconhecidamente modernos. Sobre jogadores decisivos costuma-se dizer que o time tem uma dependência em relação a eles. Quando jogam bem, as coisas normalmente resultam em final feliz. Quando vão mal, o time afunda junto com eles.

Pikachu passou um incômodo período de estiagem no Papão, logo depois da Copa do Mundo e só voltou a sorrir com o retorno de Mazola Jr. ao comando técnico da equipe. Depois de quase dez partidas passando em branco, o meia-atacante jogou bem e fez gol contra o CRB, na semana passada.

Coincidência ou não, naquela noite em Castanhal o Papão teve sua melhor atuação na retomada da Série C. Óbvio que todo o time rendeu e se superou, mas é inegável o papel de Pikachu nesse renascimento. Isso é tão verdade que no domingo, em Arapiraca, com desempenho frustrante do jogador, o Papão também não se encontrou em campo.

Do outro lado da avenida, a situação de Roni é um pouco diferente, embora ele já tenha para o Remo a mesma importância que Pikachu tem na Curuzu. Como atacante de ofício, Roni despontou no Campeonato Paraense, primeiro pelas mãos de Agnaldo de Jesus e posteriormente com Roberto Fernandes.

Realizou partidas em alto nível, como no Re-Pa que decidiu o segundo turno, quando concentrou os lances ofensivos remistas. Naquela noite, esteve a pique de marcar um gol consagrador. Investiu pelo lado esquerdo, foi à linha de fundo, driblou dois marcadores e já dentro da área bateu forte à esquerda do goleiro Mateus. A bola caprichosamente foi beijar a trave. Os azulinos perderam o turno naquele jogo, mas dias depois conquistaria o título estadual.

Roni foi, ao mesmo tempo, revelação e principal jogador do Remo na competição. Aos 20 anos, o ponteiro passou a ser tratado como a grande jóia do clube, com direito a reajuste salarial. Subitamente, na disputa da Série D passou a ser questionado por perder muitos gols, como se isso fosse motivo para queimar alguém.

Na prática, Roni desperdiça chances porque cria muitas situações de gol. Como cria mais do que os outros, passa a ter também o ônus do desperdício. Esteve na reserva por alguns jogos e reapareceu, fulgurante, voando baixo, contra o Guarani em Sobral, domingo. Marcou dois gols, deu passe para outro e foi fundamental para a atuação vitoriosa do time.

De positivo, a certeza de que tanto Leão quanto Papão ainda têm muito a se beneficiar do talento de seus melhores jogadores.

De preocupante, a certeza de que logo ambos serão negociados com clubes do Sul ou Sudeste. Que fazer? Assim é a vida.

Um paraense na Estrela Solitária

Por aquelas linhas tortuosas (e sábias) que o futebol costuma traçar, um paraense volta a vestir a camisa do Botafogo. Trata-se de André Luís, um santareno de 20 anos, que chegou ao clube da Estrela Solitária no começo deste ano. Sem chances no time titular, ficou alguns jogos como opção no banco de reservas, mas agarrou bem a oportunidade na equipe sub-20.

Habilidoso, ajudou o Botafogo a conquistar o título carioca da categoria e, em reconhecimento pelo destaque obtido, já renovou contrato com o clube até 2017. André Luís surgiu no São Francisco e depois se transferiu para o Grêmio, onde permaneceu até 2013.

Em tempo: os últimos paraenses a atuarem pelo Fogão foram Lupercínio e Jóbson.

Cada vez mais perto da degola

Com mais seis jogos a cumprir nesta fase da Série C, o Águia deu ontem à noite um gigantesco passo para o rebaixamento. Perdeu em casa para o líder Fortaleza por 2 a 0. A partida marcou a volta de João Galvão à função de técnico do time. Nem a força motivacional do treinador foi suficiente para injetar ânimo novo ao Azulão, que repetiu os mesmos problemas que já vinha mostrando sob o comando de Dario Pereyra e Éverton Goiano.

O Fortaleza não foi tão superior assim, mas mostrou a confiança dos times que estão por cima. Fez um gol logo aos 19 minutos, ficou administrando a vantagem e evitando que a vontade do Águia se transformasse em pressão real. No segundo tempo, depois que Diego Palhinha e Bernardo perderam boas chances, os visitantes procuraram explorar o contra-ataque. Foi assim que liquidou a fatura já nos acréscimos, através do artilheiro Robert.

Resta agora ao Águia fazer o que não conseguiu ao longo de todo o torneio. E rezar bastante.

Direto do blog

“Na entrevista ao blog, Vandick reconhece que se afastou muito do futebol. Um erro capital, jamais deveria fazer isso. Como confiar aos outros, mesmo que tenham sido baluartes na sua eleição, o carro-chefe de qualquer clube? Principalmente o Paysandu, que sem o futebol, passa a ser um clube qualquer. Esperamos que a chapa Novos Rumos, que tem seu apoio, ganhe, e continue fazendo o clube avançar, pois fora das quatro linhas teve sucesso e torcedor precisa reconhecer.

Anúncios

26 de agosto de 2014 at 4:13 am Deixe um comentário

BOLA PRA FRENTE – Cláudio Guimarães – 26.08.14

POSITIVO – Problema não era gramado (do Junco é o horrível). Bastou Roberto Fernandes escalar certo e ajustar o Remo, com o fabuloso Rony de titular que ele ainda fez crescer o Leandro Cearense. É só não inventar!

NEGATIVO – Copa Norte Sub 20, organizada pela FPF com verba da CBF precisa de organização. Times visitantes chegam em cima da hora do jogo e escalações saem atrasadas para imprensa. É duro!

Lá e Cá

Outro jovem paraense (20 anos), este de Santarém, já brilha no futebol brasileiro: atacante André Luiz, originário do S. Francisco, passagem no Grêmio-RS, renovou contrato por 3 anos com o Botafogo-RJ.

Tuna que venceu Izabelense (2×0), Sel. de Garrafão do Norte (2×1) e Tiradentes (2×0), jogará quinta à tarde em Moju e, domingo, 16 h, no Baenão, diante do Remo. Leão mostrará à torcida atacante Danilo Lins.

Sinceramente Paysandu tem de pensar em não cair e se der para subir é lucro. Sábado, 18:30 h, contra o Salgueiro, reabertura da Princesinha, a Curuzu, ingressos a 100, 50 e 25 reais. Um pouquinho salgado, mas…

CBF aguardará da FPF remessa de laudos do Parque do Bacurau até quinta-feira para jogo Remo x Interporto em Cametá; derrota de ontem do Simbazinho para o Tarumã (Copa Norte Sub 20-2×1) agitou Baenão.

Academia 40 (Daniel Lavareda) goleou Veteranos de Brasília por 5×1, gols de Mazinho 2, Careca, Castor e Renato; no 2º RE x PA do ano da ASBEP deu Remo 1×0, gol de Rosso. Último jogo em dezembro.

Mazolla Jr é tão identificado com o Paysandu a ponto de tornar-se sócio torcedor com pagamento em dia, até quando esteve fora. Belo exemplo! Vem aí mais um RE x PA de doação de sangue ao HEMOPA, de 22 a 27.9.

Paraense Bruna Magalhães, 14 anos, na Seleção Brasileira em outubro no mundial de garatê interestilos; atletas do projeto “Bola Pra Frente, Educação Pra Gente”, da Hydro Alunorte, nos Jogos do SESI.

Amigo e grande remista Johnson Santana fez aniversário ontem em Mosqueiro e festejou à base de uma suculenta arraia ao leite do coco.

Na possibilidade de um RE x PA na decisão da Copa Norte Sub 20, jogo será em Castanhal domingo pela manhã; jovem atacante azulino Rony assisitiu e lamentou derrota do Simbazinho ontem no Baenão.

HOMENAGEM – Domingos José Dias Neto, o Neto, ex- campeão de natação crow e peito pelo Paysandu (1980-81), participou de Travessia da Baía do Guajará e defendeu a Seleção Paraense. É professor aposentado, mas continua como professor particular.

26 de agosto de 2014 at 4:09 am Deixe um comentário

BOLA PRA FRENTE – Cláudio Guimarães – 26.08.14

POSITIVO – Problema não era gramado (do Junco é o horrível). Bastou Roberto Fernandes escalar certo e ajustar o Remo, com o fabuloso Rony de titular que ele ainda fez crescer o Leandro Cearense. É só não inventar!

NEGATIVO – Copa Norte Sub 20, organizada pela FPF com verba da CBF precisa de organização. Times visitantes chegam em cima da hora do jogo e escalações saem atrasadas para imprensa. É duro!

Lá e Cá

Outro jovem paraense (20 anos), este de Santarém, já brilha no futebol brasileiro: atacante André Luiz, originário do S. Francisco, passagem no Grêmio-RS, renovou contrato por 3 anos com o Botafogo-RJ.

Tuna que venceu Izabelense (2×0), Sel. de Garrafão do Norte (2×1) e Tiradentes (2×0), jogará quinta à tarde em Moju e, domingo, 16 h, no Baenão, diante do Remo. Leão mostrará à torcida atacante Danilo Lins.

Sinceramente Paysandu tem de pensar em não cair e se der para subir é lucro. Sábado, 18:30 h, contra o Salgueiro, reabertura da Princesinha, a Curuzu, ingressos a 100, 50 e 25 reais. Um pouquinho salgado, mas…

CBF aguardará da FPF remessa de laudos do Parque do Bacurau até quinta-feira para jogo Remo x Interporto em Cametá; derrota de ontem do Simbazinho para o Tarumã (Copa Norte Sub 20-2×1) agitou Baenão.

Academia 40 (Daniel Lavareda) goleou Veteranos de Brasília por 5×1, gols de Mazinho 2, Careca, Castor e Renato; no 2º RE x PA do ano da ASBEP deu Remo 1×0, gol de Rosso. Último jogo em dezembro.

Mazolla Jr é tão identificado com o Paysandu a ponto de tornar-se sócio torcedor com pagamento em dia, até quando esteve fora. Belo exemplo! Vem aí mais um RE x PA de doação de sangue ao HEMOPA, de 22 a 27.9.

Paraense Bruna Magalhães, 14 anos, na Seleção Brasileira em outubro no mundial de garatê interestilos; atletas do projeto “Bola Pra Frente, Educação Pra Gente”, da Hydro Alunorte, nos Jogos do SESI.

Amigo e grande remista Johnson Santana fez aniversário ontem em Mosqueiro e festejou à base de uma suculenta arraia ao leite do coco.

Na possibilidade de um RE x PA na decisão da Copa Norte Sub 20, jogo será em Castanhal domingo pela manhã; jovem atacante azulino Rony assisitiu e lamentou derrota do Simbazinho ontem no Baenão.

HOMENAGEM – Domingos José Dias Neto, o Neto, ex- campeão de natação crow e peito pelo Paysandu (1980-81), participou de Travessia da Baía do Guajará e defendeu a Seleção Paraense. É professor aposentado, mas continua como professor particular.

26 de agosto de 2014 at 4:09 am Deixe um comentário

Coluna do Gerson Nogueira – 25.08.14

Leão goleia em tarde de Roni

A reação zangada do técnico Roberto Fernandes às críticas de imprensa e torcida, antes da viagem para o Ceará, parece ter tido um efeito positivo sobre o grupo de jogadores. Aborrecido com as críticas à instabilidade do time, o treinador reclamou da imprensa e dos torcedores, saindo em defesa de seus atletas. Se o plano era motivar a rapaziada, deu certo.

Pela primeira vez na Série D, o Remo foi determinado e se impôs ao Guarani em Sobral com uma atuação convincente. Para isso contribuiu bastante o desempenho de alguns jogadores, principalmente o jovem Roni, que chegou a ser relegado à reserva por Fernandes e que reapareceu em grande estilo.

Foi dele o primeiro gol, logo aos cinco minutos. Doze minutos depois, Leandro Cearense ampliou depois de boa jogada, que começou com disparo de Rodrigo Fernandes na trave do Guarani. Um recuo do Remo deu a chance aos donos da casa de ressuscitarem no jogo. O primeiro gol nasceu de um vacilo da zaga paraense e o empate veio em penal discutível, que teria sido cometido por Roni.

Com Ratinho e Ilaílson nas vagas de Potiguar e Dadá, o Remo apresentou-se mais agressivo na segunda etapa da partida. Logo aos dois minutos, em manobra iniciada por Roni, Cearense desempatou e abriu caminho para a vitória. O mesmo Roni fecharia o marcador, quase ao final, depois de driblar um defensor e disparar forte para as redes.

O Guarani jogou mais adiantado do que havia feito em Bragança, mas pareceu claramente surpreendido nos primeiros minutos pela ousadia ofensiva do Remo. Quando se assentou em campo, equilibrou as ações e alcançou o empate, graças à boa movimentação do meia Sadrak e aos cochilos da zaga azulina.

A vitória costuma obscurecer falhas, mas o Remo demonstrou ontem que até a crônica carência no setor de criação pode ser superada pelo empenho de todos. Com maior aproximação dos jogadores na meia-cancha, o time funcionou bem, partindo para a vitória no segundo tempo e impedindo uma nova reação do Guarani.

Deve-se reconhecer que Roberto Fernandes acertou com a mudança na lateral-esquerda (Rodrigo em lugar de Alex Ruan) e na insistência com Potiguar na meia cancha, mas é legítimo dizer também que Roni não pode ser reserva. Com o talento que tem para o drible em velocidade, barrá-lo constitui uma insanidade. Isso ficou evidente na partida de ontem.

Destaques do time em Sobral: Roni, Michel e Leandro Cearense.

A velha sina de entregar fora de casa

Um fato indiscutível: o Papão jogou melhor que o ASA, principalmente no segundo tempo. A realidade do jogo: os donos da casa foram objetivos o suficiente para aproveitar a única chance surgida. Essas duas situações resumem o que foi o jogo de ontem em Arapiraca. Depois de boa vitória em casa sobre o CRB, esperava-se um Papão mais confiante e seguro contra o time de seu ex-técnico.

Infelizmente, a velha mania de travar fora de casa voltou a marcar presença. O Papão até sustentou um jogo equilibrado, mas sofreu com o fraco rendimento de jogadores importantes, como Pikachu e Héverton. O meio-de-campo funcionou razoavelmente na marcação, mas foi zero em criatividade. Raul pouco apareceu, sendo mais notado pelos erros.

É inegável que o Papão de Mazola tem mais organização que o de Vica, mas isso ainda não é suficiente para uma competição que exige firmeza de atitudes.

Depois de um primeiro tempo de altos e baixos, Mazola resolveu mexer no ataque, tirando Héverton e lançando Bruno Veiga. Aproveitou e tirou Raul, colocando Rafael Tavares em campo. As mudanças quase não alteraram o pamorama porque em vários momentos o time parecia desplugado, como se estivesse num amistoso.

O lance que resultou no gol do ASA foi sintomático desse marasmo. O atacante Wanderson apareceu livre por trás da zaga, para receber livre e diante do gol. Falha primária de marcação, denotando o nível de desatenção dos defensores.

No final, um lance precioso poderia ter garantido o empate, mas Pikachu optou pela simulação ao invés de finalizar para o gol. Merecia o cartão amarelo só pela interpretação teatral ruim.

Com mais três jogos em casa, o Papão pode chegar a 22 pontos, limite necessário para escapar do rebaixamento. Quanto ao acesso, as chances diminuíram bastante, pois tudo depende agora do comportamento nos outros três compromissos fora.

Ganso em altíssimo nível

Outro golaço de Paulo Henrique Ganso no Campeonato Brasileiro. Em visível mudança de posicionamento, atuando dentro da área como um ponta-de-lança, o paraense passou a se destacar no São Paulo de Muricy. Ainda é cedo para dizer que voltou a jogar como em 2009 e 2010, mas é óbvio que já é seu melhor momento desde o apagão de 2012/2013.

A jogada do gol sobre o Santos, ontem, reflete bem o grau de segurança que Ganso voltou a ter no seu jogo. Recebeu a bola, protegeu do combate com o zagueiro e virou quase de sem-pulo, mandando no ângulo esquerdo da trave santista.

Só jogadores em excelente condicionamento físico e técnico são capazes de executar com perfeição um lance tão complexo. Ganso voltou a jogar em alto nível e cada vez mais fica difícil entender como foi esquecido na reta final das convocações para a Copa.

Como tem demonstrado neste São Paulo recheado de grandes talentos, o futebol de Ganso se sobressai quando ele está bem acompanhado.

25 de agosto de 2014 at 1:41 pm Deixe um comentário

PAPO DO 40º – Ronaldo Porto – 25.08.14

REMO ACERTA O TIME E O PASSO

Como é que você imaginaria que o Remo, depois de uma derrota em Bragança para o Guarany de Sobral, que estava embalando na competição, fosse visitar o seu adversário e voltasse de lá com uma brilhante vitória? O que será que aconteceu? Fácil de explicar, pois o time foi mal escalado em Bragança e ontem o técnico Roberto Fernandes acertou o passo e colocou um time em campo para atacar o adversário, tanto que fez logo dois gols e abriu uma boa vantagem. De repente bateu a síndrome do pânico, tanto no time como na galera e lá tomamos dois gols do adversário e assim acabou o primeiro tempo. Será que o time perderia um jogo praticamente ganho? Lá veio o segundo tempo e o time se recompôs novamente, não dando chances ao adversário. Onde foi que a vitória sorriu? Entendo que a saída de Tiago Potiguar e a entrada de Ratinho deu uma dinâmica ao time como nunca tinha visto antes, ou seja, o que o Roberto tinha que ter feito em Bragança fez em Sobral e ganhou o jogo. Simples assim, como dois e dois são quatro. Que fique a lição, para que consigamos a primeira vitória em casa.

ALTA TEMPERATURA

E a seleção de vôlei feminino heim? Deca campeã do Grand Prix, sete vezes ao comando do José Roberto Guimarães. O que nos faltou no futebol na Copa do Mundo, sobrou pras meninas do vôlei, mesmo com aquela derrota no início da competição para a Turquia. Aliás, parece que aquela derrota mexeu com as moças do Brasil e o que se viu na madrugada de sábado pra domingo foi a garra e a vontade de levantar mais um título, o que realmente aconteceu. Valeu Brasil!!!

BAIXA TEMPERATURA

E o Vica se vingou do seu ex-time, conseguindo uma vitória pelo escore mínimo em Arapiraca, o que fez o time alagoano subir e o Paysandu cair de novo. Enquanto o Remo pontua fora o Paysandu não consegue fazer a mesma coisa e olha que ontem até poderia ter saído com um empate ou até vitória, se a sorte tivesse ajudado. Agora o Papão necessita vencer seus jogos em casa e buscar pontos fora, de preferência com vitórias, para sonhar com o G4.

NO TERMÔMETRO

Quem viu pênalti no Pikachu no final da partida em Arapiraca viu errado, pois o lateral tentou cavar a falta maior e se arriscou a levar um amarelo. Talvez o desespero fez com que Pikachu forçasse o penal, quando poderia ter penetrado e chutado e quem sabe não acertava o gol. /// Ficou provado que quando o meio campo ajuda os atacantes funcionam, Roni e Leandro Cearense fizeram os quatro gols azulinos em bolas trabalhadas pela meiúca azulina, mesmo com o Tiago Potiguar meio perdido. Ratinho entrou e consertou, mas que o torcedor ficou com medo ficou. /// E o penal marcado contra o Leão, existiu ou não? Só as imagens poderão dizer. Estava encerrando a coluna e me preparando para assistir o programa Bola na Torre para tirar as dúvidas. /// Hoje o Águia pega o Fortaleza e só a vitória interessa. João Galvão e seu “Bocão” estarão de volta ao comando do time marabaense, que não vem fazendo a campanha de anos anteriores. /// Os resultados da chave do Paysandu ontem só pioraram a situação bicolor; em compensação, o bom resultado do Remo fora de casa colocou o time azulino no G2, colado no River do Piauí, nove contra oito pontos. Agora o Leão não pode tropeçar na sua nova casa, que é o Parque do Bacurau, contra Interporto e River. Terão que ser seis pontos garantidos para não precisar pontuar contra o Moto na última partida da fase classificatória. /// Remo e Paysandu venceram seus jogos de estréia na 2ª Copa Norte sub 20, que dá direito à vaga para a Copa do Brasil. O Leão derrotou em casa o São Raimundo de Roraima e o Paysandu foi ao Chico Vasques conquistar sua primeira vitória diante do Comercial do Piauí. /// Paysandu em 7º lugar, distante cinco pontos do G4 e o mesmo número de pontos do rebaixamento. Qualquer vacilo em casa poderá ser fatal. /// Uma boa semana a todos e viva Jesus!
E-mails: rporto@supridados.com.br

25 de agosto de 2014 at 1:38 pm Deixe um comentário

Coluna do Gerson Nogueira – 24.08.14

Nova hegemonia europeia

 

Não bastaram os humilhantes 7 a 1 nas semifinais, nem o título mundial conquistado com requintes de competência e método em pleno Maraca. Incansáveis, os alemães continuam a nos assombrar com exemplos quase diários de evolução dentro e fora de campo. Todo o planejamento concebido e executado a partir de 2000, com investimentos grandiosos na formação de atletas, materializa-se em vitórias de valor incalculável.

A história da transformação alemã de força decadente em potência revitalizada já é bem conhecida. Veio à tona durante a própria Copa, quando todos os olhos se voltaram para a campanha impecável e o apuro nos detalhes da preparação da seleção de Joachin Low. Não custa, porém, reavivar memórias no país que sempre gostou de pensar que tinha o melhor futebol do mundo.

Que a Alemanha é um exemplo de determinação e competitividade todo mundo está cansado de saber. A firmeza com que o país se reergueu depois da destruição advinda das insanidades do nazismo é prova mais do que eloquente da fibra de seu povo e da confiabilidade de suas instituições.

Em termos globais, a execução do ambicioso plano de reforma do futebol, a partir do estímulo à criação de escolinhas, é tão significativa para o esporte quanto a formatação da Premier League na Inglaterra e o renovado esforço norte-americano para conquistar excelência e respeito mundial.

Pois a combinação de fartura de atletas com a solidez econômica dos clubes permite hoje à Alemanha inverter uma rota que normalmente a situava como mercado de quarta linha na Europa, atrás de Itália, Espanha e Inglaterra.

Seus clubes, notadamente Bayern de Munique e Borussia Dortmund, já rivalizam com Real Madri, Barcelona, Manchester United, Internazionale, Milan, Juventus, Chelsea e Arsenal. Prova eloquente dessa mudança de cenário foi dada nesta semana, quando o ídolo Thomas Müller recusou oferta milionária do Manchester United para deixar o Bayern.

Ao descartar a oferta do United, Müller disse simplesmente que estava bem na Alemanha e no Bayern, seu clube de coração e onde aprendeu a jogar bola. Bem remunerado e disputando um campeonato quase tão charmoso quanto o inglês, o craque não viu razão para mudar de país.

Cabe também a Müller e seus talentosos companheiros campeões do mundo a manutenção da hegemonia europeia no futebol planetário. Desde 2006, somente seleções do Velho Mundo conquistaram a Copa. Antes da Alemanha, Itália e Espanha haviam vencido. E, pelo andar da carruagem, diante da decadência de potências como o Brasil, é improvável que a situação se altere nos próximos mundiais.

São três potências conhecidas pela importação maciça de talentos da América do Sul e da África, que, ao contrário do que se imaginava anteriormente, conseguiram reagir à influência dos estrangeiros e passaram a formar seus próprios craques. Alguns – caso de Müller – até bem superiores à média dos boleiros revelados nas “colônias”.

 

 

Dura missão azulina no sertão do Ceará

 

Em meio a boatos de divisões internas, zangas entre o técnico e os jogadores, o Remo viaja a Sobral-CE para tentar devolver o prejuízo sofrido semana passada em Bragança. A tarefa é duplamente ingrata, pois o Guarani jogará em sua casa e com informações sobre a maneira de atuar do campeão paraense.

Acima da boataria que nada acrescenta e ciente de que sua permanência depende de um bom resultado, o técnico Roberto Fernandes comandou treinos durante a semana que pouco modificaram a escalação que já era prevista para o jogo de hoje. O meio-de-campo deve ter três volantes (Dadá, Ilaílson e Michel) e Reis como meia de ligação.

No ataque, as dúvidas de sempre. Fernandes deve manter Leandro Cearense, centroavante que tem sua preferência desde o Parazão. O segundo atacante deve ser Tiago Potiguar, embora o jogo se prenuncie ideal para as arrancadas de Roni em contra-ataque.

Ocorre que Roni, como Jonathan e Alex Ruan (substituído por Rodrigo Fernandes), carrega a sina de ser um jogador local, cujas limitações são sempre superdimensionadas enquanto as virtudes ficam em segundo plano.

De qualquer maneira, assustado com o tropeço em casa, o Remo parece armado para se defender à espera de erros do Guarani. Exatamente como os cearenses fizeram em Bragança. O fato é que, pelas características dos times, o jogo corre o risco de virar um chatíssimo embate de volantes.

A conferir.   

 

 

O futebol na era do amadorismo

 

Cascata, de procedência não muito clara, e Leandrão, aquele centroavante que passou em branco pelo Remo, são os “reforços” que o Icasa garbosamente se prepara para receber nos próximos dias.

Não há jeito.

O futebol muda de perfil em muitas áreas, assimila fundamentos de gestão avançada e busca se tornar um negócio rentável para todos, mas certas práticas seguem imutáveis.

Contratar mal e sem critério é aleijão que assombra todos os clubes brasileiros, de A a D. Uma simples busca no Google permitiria avaliar as reais condições dos jogadores, evitando frustrações e prejuízos financeiros.

 

 

Bola na Torre

 

Guilherme Guerreiro apresenta e a bancada será formada por Giuseppe Tommaso, João Cunha e este escriba baionense. O programa vai ao ar na RBATV por volta de 00h15, logo depois do Pânico na Band.

24 de agosto de 2014 at 11:44 am Deixe um comentário

A Bola no Bola – Giuseppe Tommaso – 24.08.14

BOLA NA TORRE

Deste Domingão logo após o “Pânico na Band”, na RBATV – Canal 13.  As presenças no Brasileiro da Série C com o Paysandu e Águia e o Remo na Serie D. Comando
Do Guerreirão com Valmir Rodrigues, Gerson Nogueira e Rui Guimarães. Tem Prêmios para a Galera. Partícipe pelo Twitter @bolanatorre

CONGRESSO…

Semana que passou aconteceu em Belém, ocorreu no dia 16.08 (sábado) durante o XVII Congresso Medico Amazônico o II Fórum Paraense de Medicina do Futebol. Novidades em Tratamento, Diagnostico, Condutas e Rotinas das Áreas que envolvem o Departamento Medico dos clubes do futebol paraense em debate! Sucesso total com mais de 200 participantes!

REENCONTO…

Diretoria bicolor preparando uma grande festa para o próximo sábado, quando o Paysandu irá receber o Salgueiro na reabertura da Nova Curuzú pela Série “C”. Presidente Vandick Lima arrumou a casa investiu em melhorias, Placar de LED, Novo Gramada, Vidros Temperados e Pintura Geral. Agora chegou a vez de o verdadeiro torcedor dar sua contribuição. Uma arquibancada vai custar 50 reais e a cadeira 100 reais. Dentro do padrão para uma Super Festa Alvi-Azul. Pra festa ficar completa só falta um grande resultado hoje em Arapiraca contra o Asa…

BASQUETE

Agora Vai, passando uma borracha na antiga “Gestão Atrapalhada” o Presidente Antônio Caetano reuniu filiados, árbitros, imprensa e apaixonados pelo Basquete e apresentou os projetos para este Segundo Semestre. Todas as categorias estarão em atividades do Sub 12 ao Sub 19. Competições começam dia 8 de setembro. O Campeonato Adulto com Clube do Remo, Paysandu e Assembleia Paraense pode ganhar o retorno da Tuna Luso Brasileira. Esse é o Basquete Paraense que nós esperamos.

CURIOSIDADES BY
DIEGO BECKMAN…
– Ex-Azulino Thiago Cametá é uma das Armas do Fortaleza para o jogo contra o Águia amanhã em Marabã. Águia nunca venceu o Tricolor do Pici.
–  Remo vai contar com o Goleiro Fabiano, que conhece muito bem o gramado do estádio do Junco, em Sobral, local da partida de hoje contra o Guarany. Passou por lá em 2012.
– Leão Azul não joga no Estado Cearense desde 2007. Na época o Remo foi derrotado pelo ceará, 2 a 1, pela Série B do Brasileirão.
– Paysandu reencontra o Técnico Vica no jogo deste domingo contra o Asa-AL, em Arapiraca e vai tentar não repetir o erro de 2013. Levou empate no final do jogo.
– Assim com o Estádio Leonidas Castro, chamado de Curuzú, o Estádio Municipal de Arapiraca, Coaracy da mata e chamado de “Fumeirão”, referencia ao município alagoano conhecida como Terra do Fumo.

24 de agosto de 2014 at 11:42 am Deixe um comentário

Posts antigos Posts mais recentes


Clube no Twitter

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.