Coluna do Gerson Nogueira – 23.11.14

23 de novembro de 2014 at 2:11 pm Deixe um comentário

Pequeno grande herói paraense

Sou do tempo em que jogadores de futebol ainda tinham aura de heróis. Principalmente entre nós, moleques pobres, que admiravam os boleiros que davam o salto em direção à glória do reconhecimento e da popularidade. Não tinha esse papo de jogador disputando espaço a tapa com subcelebridades nos sites e colunas de fofocas.

Nos roqueiros anos 60, acompanhava com meu pai pelas ondas possantes do rádio as façanhas de Garrincha, Pelé, Amarildo, Nilton Santos, Zito, Gerson. O futebol era romântico, às vezes épico. Contribuía para isso o fato de que nenhum jogador (nem o Rei) ficava milionário. A maioria apenas fintava a realidade pobre, passando a uma vida mais confortável.

Em paralelo, vivia ligado na PRC-5 ouvindo a história viva do nosso futebol. Ainda não sabia, mas a época era pródiga. Estava em atividade naquele momento a melhor geração de boleiros que o Pará produziu. E Quarentinha se destacava pelo futebol irrepreensível e pela dedicação exclusiva às cores do Papão.

Dono de futebol elegante e objetivo, Quarentinha chegou a ser sondado pelo Santa Cruz (PE) para deixar a Curuzu em 1960. Ofereceram um bom dinheiro – CR$ 120 mil –, que o clube recusou de pronto.

Quarentinha teve um começo de carreira moldado pelas mãos do acaso. Batalhou por uma chance no Remo, mas foi deixado de lado pelo treinador de plantão, Orlando Bendelack. Desiludido, cruzou com um amigo na calçada do estádio Evandro Almeida. Puro destino. Foi levado até a Curuzu, onde recebeu carinho e atenção. Amor à primeira vista.

O resto da saga de Paulo Benedito dos Santos Braga quase todo fã de futebol conhece. Um prodígio. Franzino, mas incansável em campo, suportou dores e driblou lesões para honrar a camisa alviceleste. Na brilhante carreira, cravou seu nome na história com 86 gols – é o 11º goleador do clube.

Como todos os boleiros daqueles tempos difíceis, ganhou pouco dinheiro com a profissão, mas foi presenteado com a admiração e o amor de uma grande torcida. A homenagem que o clube lhe prestou, inaugurando uma estátua na Curuzu, é daqueles momentos raros em que o futebol se encontra com a decência, premiando o mérito.

Parabéns a todos os envolvidos.

Remo sacrifica o planejamento

Sem técnico, sem time, o Remo se prepara para um final de ano repleto de incertezas. Os mandachuvas do clube dedicam-se a uma espécie de aposta insana. É como se tentassem testar até onde vai a paciência e a capacidade de tolerância do torcedor.

Durante a semana, o craque Mesquita disse que estão acabando com o Remo. Como ele, uma legião de torcedores se manifesta via redes sociais e nas ruas deplorando a inércia dos últimos nove anos. A empolgação da conquista do título estadual foi abafada pelo fiasco na Série D.

Para agravar o que já era ruim, a perspectiva de mudança pela via institucional sofreu um duro golpe com a anulação da primeira eleição direta da história azulina. A comédia de erros no processo de votação serviu apenas para emoldurar a realidade tumultuada e sombria do clube.

O novo pleito, marcado para o dia 13 de dezembro, já não vem cercado do mesmo entusiasmo da torcida. Mesmo que desta vez as coisas cheguem a bom termo, não haverá como compensar o tempo desperdiçado.

A velha sina se repete. O planejamento do futebol foi sacrificado pelas escaramuças políticas. E o Remo vai de novo fechar o ano curando as feridas abertas na eleição e na busca desesperada por um novo técnico, ainda sem ter um elenco para a disputa do Parazão.

Tudo às avessas, como se a ideia seja de fato contrariar a lógica.

Dona Fifa e suas hesitações

O bombardeio de críticas em relação ao processo de escolha das sedes das Copas de 2018 (Rússia) e 2022 (Catar) surtiu efeito. Mesmo relutante, a Fifa anunciou que vai reavaliar as investigações conduzidas pelo norte-americano Michael García.

O jurista conduziu os 18 meses de investigações e o relatório produzido (com mais de 200 mil páginas) será enviado ao presidente do Comitê de Auditoria da Fifa, Domenico Scala. Evidências de subornos e favorecimentos pontificam nos autos, obrigando a uma tomada de posição nas próximas semanas.

Segundo fontes da Uefa, é improvável que a Copa de 2018 sofra algum tipo de mudança. A Rússia entregou os 12 estádios da competição e a maioria dos contratos de patrocínio já foram firmados. O Catar, porém, dificilmente será mantido como mandante do mundial de 2022. Nova votação para escolha de país-sede deve ser orientada pelos auditores da Fifa.

O fato é que, apesar da proverbial hesitação da entidade frente à corrupção, a apuração conduzida por Michael Garcia levou à abertura de processos contra vários dirigentes e operadores denunciados no inquérito. Por sinal, a fraude com ingressos na Copa do Mundo no Brasil só foi descoberta por força do trabalho do americano.

Bola na Torre

O técnico Mazola Junior (PSC) é o convidado do Bola na Torre na RBATV, que começa por volta de 00h15. Guilherme Guerreiro apresenta, com a participação de Giuseppe Tommaso e deste escriba de Baião.

Entry filed under: Uncategorized.

Coluna do Gerson Nogueira – 22.11.14 A Bola no Bola – Giuseppe Tommaso – 23.11.14

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Clube no Twitter

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.


%d blogueiros gostam disto: