Coluna do Gerson Nogueira – 07.05.15

7 de maio de 2015 at 3:26 pm Deixe um comentário

A mãe de todas as batalhas

Decisões são sempre difíceis, mesmo quando um dos lados entra com alguma vantagem. No caso, o Remo tem três gols de diferença, fato que lhe permite perder até por 2 a 0. Em jogo, a conquista da II Copa Verde. O Cuiabá mostrou muito pouco no primeiro confronto, em Belém. Levou um gol de pênalti aos 20 minutos e perdeu um zagueiro em consequência disso. Com um a menos, ficou mais vulnerável à pressão remista, terminando por ser goleado (4 a 1).
Supõe-se que nesta noite a equipe mato-grossense entre mais resoluta e cometa menos erros. Para reverter a diferença, terá que operar um milagre, visto que na atual Copa Verde sempre venceu por escores apertados.
Ainda assim, que ninguém se engane. A final será tensa, dramática e sujeita a muitos sustos para os azulinos. A boa vantagem não pode se tornar uma armadilha. É comum ver equipes que se agarram a um escore parcial fechando-se na defesa e abdicando de atacar. Agir assim é quase sempre fatal contra adversário do mesmo porte.
As palavras do técnico Cacaio e de seus jogadores indicam que o Remo parece vacinado contra arroubos retranqueiros. Sob a nova direção, o time tem mostrado produção ofensiva satisfatória. Desde a estreia de Cacaio, contra o Atlético-PR em Belém, o Remo só deixou de balançar as redes inimigas no clássico contra o Paissandu válido pela primeira partida da semifinal da Copa Verde. No total, o Remo de Cacaio marcou 14 gols e sofreu 6.
Caso mantenha a média, tem boas possibilidades de marcar na Arena Pantanal. Seria um gol valioso e decisivo para as pretensões azulinas, pois dificultaria ainda mais a tarefa dos donos da casa, obrigados a marcar cinco vezes.
É claro que esse cenário deve ter sido aventado por Cacaio e, neste caso, um jogador pode ter papel fundamental: Sílvio, principal velocista da equipe depois da saída de Roni. Talhado para as ações de contra-ataque, pode ser o trunfo para explorar as subidas do Cuiabá ao ataque. Caso seja lançado nas costas dos laterais, Sílvio pode se consagrar.
Mas o arsenal remista não se resume ao arisco ponteiro. Bismarck também é rápido e já mostrou utilidade como segundo atacante, fazendo dupla com Rafael Paty. Este, aliás, é peça-chave na atual configuração do Remo. Oportunista, fez gols nos últimos quatro jogos e vive fase abençoada. Depois do que aprontou no Mangueirão, Ratinho também deve atrair marcação forte, bem como Eduardo Ramos, o organizador do time.
Rafael, Maninho e Nino Guerreiro são os jogadores mais perigosos do Cuiabá. Hábil e rápido, Rafael articula os avanços e finaliza muito bem. Nino Guerreiro joga entre os zagueiros e Maninho é um ala que raramente recua. O time também explora muito o jogo aéreo, aproveitando a envergadura de seus zagueiros e atacantes. Este é o maior risco a ser enfrentado (e, se possível, evitado) pelo Leão.
A importância da conquista da Copa Verde é óbvia e justifica todo o clima de ansiedade e expectativa entre os torcedores. Além do título do torneio, o Remo ganhará o direito de finalmente disputar uma competição internacional. Para um clube que ficou dez anos sem festejar grandes feitos, a noite promete ser histórica e intensa.

É impossível parar La Pulga

Eu vi no Maracanã, em julho do ano passado, Lionel Messi receber o prêmio de craque da Copa e era visível seu constrangimento com a escolha da Fifa. Como craque que é, sabia que não merecia a honraria. Ontem, diante de 95 mil pessoas no Camp Nou e milhões de fãs espalhados pelo mundo, ele não deixou margem a dúvidas. Os gols, os passes, as inversões e a pontaria infalível atestam quem é o melhor jogador da atualidade.
O jogo contra o Bayern se arrastava em meio a trocas táticas de golpes. Raros lances agudos, embora o embate fosse movimentado. Muita marcação e vigilância sobre os que podem desequilibrar – Neymar, Müller, Suarez e ele, Messi.
Em certos momentos, a partida lembrava a morna luta entre Mayweather e Pacquiao no sábado passado. Muitos jabs e esquivas, poucos diretos. Caminhava para um 0 a 0 quando, de repente, eis que o talento se ergue e derrama luzes sobre a escuridão.
Messi, lançado por Daniel Alves, invade a área corta o beque para a direita e bate no canto esquerdo de Neuer, aos 32’. Três minutos depois, com o Bayern ainda tonto, outro passe em profundidade encontra La Pulga quase no mesmo lugar de antes. Ele avança, finta Boateng e chuta, de cavadinha, para o fundo das redes. Um golaço.
Nos acréscimos, quando as comemorações estavam em andamento, Messi, infatigável, apanha bola no meio-campo, sobrevive a uma sarrafada e enxerga Neymar entre os zagueiros em linha. O passe sai milimétrico. Nem curto nem longo. Preciso.
O brasileiro arranca com a bola e, na saída do goleiro, bate rasteiro. Barça 3 a 0, num espaço de tempo inferior a 15 minutos. Incrível como o poderoso Bayern ruiu de maneira tão rápida depois de resistir por 77 minutos.
A façanha do time azul-grená só foi possível porque há um fora-de-série para estabelecer a diferença. O Bayern de Pep Guardiola é um timaço, difícil de ser vencido e cheio de alternativas. Mesmo sem Ribery e Robben, é um esquadrão temível.
Os 15 minutos de futebol em altíssimo nível que Messi impôs no segundo tempo demoliram as barreiras e fizeram o Bayern parecer um time como outro qualquer. Prova insofismável de que não há tática capaz de deter um grande craque.
Por tudo que tem feito em tão curto tempo, Messi está no patamar dos jogadores muito especiais. Há debates sem fim sobre as comparações, mas é razoável colocá-lo hoje ao lado de Platini, Ronaldo, Rivelino, Cruyff, Beckenbauer e Cristiano Ronaldo.
Precisa ainda lustrar esse portfólio com uma campanha irrepreensível em mundiais para poder se ombrear a Romário, Zidane e Maradona, todos heróis e vencedores de Copas. Alcançar Garrincha já é mais complicado, visto que Mané foi um anjo torto genial. Pelé, então, nem se fala…
Mas, por mais duro que seja para muitos, cabe reconhecer que esse argentino joga muita bola. Que tremendo privilégio é vê-lo em ação.

Entry filed under: Uncategorized.

BOLA PRA FRENTE – Claudio Guimarães – 07.5.15 BOLA PRA FRENTE – Claudio Guimarães – 08.5.15

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Clube no Twitter

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.


%d blogueiros gostam disto: