Archive for junho, 2015

Coluna do Gerson Nogueira – 22.06.15

Aos trancos e barrancos

O empate eliminaria a Colômbia e, a seis minutos do final, a Venezuela diminuiu ao aproveitar rebote de Jefferson em meio a cinco defensores brasileiros. Todo mundo pensou naquele momento que a bronca brasileira em relação aos colombianos poderia virar uma pequena forra. Em se tratando de Dunga e suas zangas, raciocínio perfeitamente normal. Mas o placar ficou mesmo em 2 a 1, sendo que a Venezuela pouco fez para merecer melhor sorte contra um Brasil apenas esforçado e caprichando nos passes improdutivos, geralmente para os lados.
A vitória foi imensamente facilitada pelo gol logo aos 8 minutos. Tiago Silva fez o que os atacantes não costumam mais fazer: pegou de primeira e estufou as redes venezuelanas depois de um escanteio batido por Robinho.
O santista, por sinal, foi o mais empenhado dos atacantes que Dunga escalou. Sabendo que não é o preferido para o time titular, lutou como principiante e criou até bons lances, embora sem ajuda do lento e lerdo setor de criação.
Com a vantagem no placar, a Seleção organizou-se melhor em campo, sem muita pressa. Segurou o quanto pôde seus laterais Daniel Alves e Filipe Luís, embora nem precisasse. A Venezuela, mesmo perdendo, continuava recuada, defendendo-se com até nove lá atrás. Enfim, aquela Venezuela de sempre.
Ainda houve um penal sobre Philippe Coutinho não assinalado pelo árbitro e duas chances desperdiçadas pelo Brasil, mas o jogo estava bem encaminhado. Afinal, a classificação estaria garantida com vitória ou empate.
Por via das dúvidas, depois do intervalo Dunga mexeu no time. Para retrancar, claro. Botou David Luiz de volante, função que executou com esmero, distribuindo cotoveladas e pontapés. Quando Tardelli entrou, Firmino já havia marcado o segundo em consequência de uma rara arrancada de Willian pela extrema esquerda.
Com 2 a 0, Dunga decidiu se cercar de todas as garantias contra a “temível” Venezuela. Botou o zagueiro Marquinhos em campo. Quatro beques, contando com David Luiz.
Como não tinha mais nada a fazer, a Venezuela começou a avançar e passou a arriscar alguns chutes, com perigo. Foi assim que surgiu seu único gol, aos 39 minutos. No minuto final deu um susto na defensiva brasileira, mas ficou nisso.
Brasil classificado, e com atuação incensada na TV como a “melhor da temporada”. Fiquei imaginando qual terá sido a pior, já que a partida foi sonolenta e arrastada. Deve ser o tal padrão Dunga de jogar futebol.
Em primeiro lugar no grupo, mesmo aos trancos e barrancos, o Brasil vai enfrentar o Paraguai no sábado, nas quartas de final desta desenxabida Copa América, que já rivaliza com a de 2011 como uma das mais fracas dos últimos anos.

Zagueiro é atacante mais perigoso

O time não foi nem melhor nem pior do que tem sido. Jefferson tranquilo e seguro. Miranda em bom nível. Tiago Silva foi nosso melhor atacante: fez um gol e quase marcou outro. David Luz estabanado. Daniel Alves instável. Firmino conseguiu finalmente acertar o pé, e só. Filipe Luiz burocrático. Willian nas nuvens – parece sempre estar pensando longe.
O destaque foi Robinho, o que diz muito da atual Seleção. Fernandinho foi o pior, o que não surpreende, pois tem sido assim desde o espetacular vexame contra a Alemanha.

Direto do Face

“Final da Copa das Américas: Argentina e Chile. Com esse esquema ‘caranguejo’ de jogar para os lados a nossa selecinha não vai a lugar nenhum. Quanto ao Neymar, se ele e o pai fizeram alguma maracutaia para sonegar impostos, que se acertem lá com o Fisco do país onde ele (ainda) consegue jogar bem. E segue o barco”.
Waldemar Marinho, meu compadre, em análise sucinta sobre a Seleção de Dunga.

A distância que nos separa

O Campeonato Amazonense finalmente terminou. Na Arena da Amazônia semi-vazia, com pouco mais de 6 mil torcedores, o Nacional derrotou o Princesa do Solimões e levantou a taça.
Manaus tem uma das arenas mais modernas do mundo, construída a peso de ouro para a Copa 2014, mas só consegue encher 15% de seus assuntos.
Só como comparação, a decisão do Parazão, entre Remo e Independente, teve 35 mil espectadores (e quatro dias depois a torcida azulina voltou a lotar o Mangueirão para a final da Copa Verde).

Torcida protesta contra a cartolagem

Um grupo de torcedores do Remo está convocando um ato de protesto para hoje à tarde em frente à sede do clube, na avenida Nazaré, reivindicando que a Assembleia Geral destitua a diretoria atual. Segundo um dos organizadores, Rodrigo Puget, a intenção é fazer uma manifestação ordeira, cobrando providências imediatas por parte de conselheiros e sócios. O segundo passo será ingressar na Justiça contra os dirigentes, imitando atitude de torcedores do Bahia.

Anúncios

22 de junho de 2015 at 3:13 pm Deixe um comentário

BOLA PRA FRENTE – Cláudio Guimarães – 18.6.15

POSITIVO – Impressionam os números de Pikachu: dos 54 gols oficiais em 189 jogos, 19 foram de bola parada (7 de falta, 11 de pênalti e 1 olimpico). Só este ano 12 tentos em 29 partidas (aproveitamento de 41%).

NEGATIVO – Cacaio falou demais, diretor remista Cláudio Jorge respondeu grosso e à altura e o técnico mudou a prosa, mas não deixou de culpar a imprensa. É duro!

Lá e Cá

Curiosamente o Paysandu não venceu ainda em Arena da Copa: 2 derrotas e 2 empates; boa fase do goleiro Emerson não é surpresa e experiência não lhe falta, pois só no Guarani-SP jogou 137 partidas.

Fernando Aguiar mostrou que vai brigar por vaga no Papão; Radamés, ex-bicolor e agora no Boa Esporte anunciou a gravidez de sua Vivi Araújo.

Por cotas não reveladas, TV Estadual transmititirá os três primeiros jogos do Remo na Série D, de portões fechados.
Leão Azul entregará faixas de bi paraense, domingo de manhã, contra o Bragantino, no Baenão, a 20 e 30 reais.

Provável time do Remo para começar Série D: Fernando Henrique, George Lucas, Ciro Sena, Henrique e Alex Ruan, Ilailson, Ameixa, Juninho e Eduardo Ramos, Aleílson e Paty. Dá prá ir longe!

Náutico-RR, 3º adversário do Remo na Série D perdeu técnico Antonino Moreira que voltou para MG. Já o 2º jogo azulino será contra Rio Branco ou Galvez (técnico Rei Artur) que vão decidir o certame acreano.

Ex-atacante remista, jovem Roni, está na Eslováquia com o sub 20 do Cruzeiro-MG participando do Franz Josef Cup. Na vitória de 3×0 sobre o SK Slovan marcu um gol. Sucesso! (Fonte: DOL).

Com apoio da SEEL time de futsal de Deficientes Visuais do Pará está particiando em Cuiabá-MT, até domingo, do Torneio Centro-Norte.

Quanto aos Jogos Abertos do Pará, 2ª Etapa, em Santarém (Região Sudeste-Rio Amazonas) será de 22 a 28.6; 3ª, Marabá (Sudeste-Araguaia), de 20 a 26.7; 4ª, Breves (Marajó), 27.7 a 2.8.

5ª Etapa será em Castanhal (Nordeste I), de 19 a 23.8; 6ª, Paragominas (Nordeste II), 31.8 a 6.9; 7ª, Itaituba (Sudeste), 7 a 13.9. É bom lembrar que a 1ª Etapa foi disputada em Barcarena.

HOMENAGEM – Herdemir de Assis Moreira, mas era conhecido como Edemir, foi nos anos 70 zagueiro da base ao profissional da Tuna e campeão paraense de karatê peso médio, pela Academia Konde Koma. É engenheiro agrônomo e florestal e administrador regional do MA.

18 de junho de 2015 at 5:44 pm Deixe um comentário

Coluna do Gerson Nogueira – 17.06.15

Gols bonitos e decisivos

Um gol pode mudar a história de um jogo e até a postura de um time em campo. Foi o que se viu ontem à noite no empate entre Náutico e Papão na Arena Pernambuco. Depois de perder o primeiro tempo, atuando com pouca movimentação no meio-de-campo e apanhando na marcação à frente da zaga, o time paraense se recobrou na etapa final graças a um lance isolado, executado com perfeição e brilho por seu melhor jogador. Aos 15 minutos, Pikachu cobrou falta rente à barreira e enganou o goleiro Júlio César.
Com muitas dificuldades para criar jogadas e muitos erros de passe, o Papão precisava desesperadamente de um lance redentor. Coube a Pikachu transformar em realidade as expectativas da equipe. Em situação normal, com a bola no chão, tentando enfrentar a forte postura defensiva do Náutico, seria difícil chegar ao gol.
O Timbu pernambucano marca com intensidade quase bovina. Recua praticamente o time inteiro quando está sem a bola. Briga o tempo todo para recuperá-la e parte com determinação e vontade. Mesmo com os desfalques no meio e no ataque, o técnico Lisca escalou um time agressivo.
No primeiro tempo, levou a melhor sobre a marcação do Papão e procurou explorar bem as subidas de Pikachu, que não contava com a devida cobertura. Foi por ali que chegou ao gol, com Pedro Carmona. Tinha em Wiltinho um meia-atacante insinuante, que criava alvoroço com dribles e arrancadas.
Do lado bicolor, sobressaía a personalidade do volante Fernando, que substituiu Fahel. Com bom posicionamento, distribuía passes, combatia e ainda tentava ajudar o ataque. Seus outros companheiros de marcação, Jonathan e Augusto Recife, não mostravam o mesmo desempenho e contribuíam para a intranquilidade da zaga, que andou se atrapalhando em lances bobos durante todo o primeiro tempo.
Depois do intervalo, Leandro Cearense se contundiu e abriu caminho para que Dado lançasse Misael. Rápido e habilidoso, Misael deu a dinâmica que faltava ao ataque e ajudou Aylon a aparecer melhor no jogo. Pena que ambos não tinham a necessária colaboração do setor de criação. Carlos Alberto foi peça decorativa no primeiro tempo e não foi notado no segundo.
O árbitro ignorou pênalti claro de Diego, botando a mão na bola em lance com João Lucas, mas o Papão tinha imensas dificuldades para criar lances de área.
Por sorte, havia Pikachu.
Seu gol – tão decisivo quanto o de sexta-feira em Natal – estimulou a equipe a reagir e acreditar. Animado, o Papão passou a buscar a vitória. O Náutico acusou o golpe e os ataques do time paraense se sucediam. Por volta dos 30 minutos, Dado trocou Jonathan por Edinho, mas deixou para substituir Carlos Alberto por Carlinhos quando o jogo já se encaminhava para o final.
Os donos da casa ainda tentaram aplicar um sufoco, mas não havia mais fôlego, nem consistência ofensiva.
Atuação apenas razoável do Papão, mas resultado excelente.

De cochilo em cochilo, o Leão afunda

Cacaio pode deixar o Remo a qualquer momento. A notícia trouxe novas preocupações à torcida azulina. Não faltam motivos ao treinador para pedir o boné. Não recebe salários e seu contrato sequer foi assinado – dorme na gaveta do presidente Pedro Minowa, que vive ausente do Baenão.
O técnico, responsável pelo título paraense e a excelente campanha na Copa Verde, também está insatisfeito com privilégios no pagamento de auxílio-moradia a alguns poucos jogadores do elenco. Já foi sondado por Santa Cruz e Paraná.

Baile argentino à beira do campo

Como citei aqui na semana passada, o Brasil perde de goleada para a Argentina quando o assunto é técnico de prestígio internacional. Só nesta Copa América os argentinos aparecem no comando de seis das 12 seleções. Gerardo Martino (Argentina), Jorge Sampaoli (Chile), José Néstor Pékerman (Colômbia), Gustavo Quinteros (Equador), Ramón Díaz (Paraguai) e Ricardo Gareca (Peru).
Domínio absoluto e incontestável.
A conversa mole dos nossos ditos professores não sensibiliza nem os vizinhos de continente. Na Europa, então, ninguém nem quer ouvir falar em treinador brasileiro, depois das experiências bizarras de Vanderlei Luxemburgo no Real Madri dos galácticos e de Felipão no Chelsea.
Ambos caíram, segundo fontes seguras, principalmente pela aridez de ideias, envelhecimento de métodos e dificuldades de comunicação. Falavam apenas o básico da língua de cada país, estabelecendo uma parede incontornável no diálogo com os atletas.
Além dos problemas de idioma, há também o costume de jogar sempre atrás, preservando o emprego. Os técnicos europeus também fazem isso, mas preservam um mínimo de compromisso com o jogo ofensivo, sabendo que só vitórias garantem a continuidade do trabalho.
Prevalece, acima de tudo, um conceito que condena os profissionais brasileiros ao esquecimento fora do território nacional: a ausência de atualização. Há trocentos anos, os times brasileiros jogam fechadinhos, fazendo rodízio de faltas e usando chuveirinho como tática ofensiva. Parados no tempo, só se criam por aqui mesmo.
Mas a reserva de mercado começa a ser ameaçada. São Paulo e Internacional, duas potências do nosso futebol, fazem apostas em comandantes estrangeiros.

17 de junho de 2015 at 11:49 am Deixe um comentário

BOLA PRA FRENTE – Cláudio Guimarães – 17.6.15

POSITIVO – Sou inteiramente a favor de um amistoso “pesado” para o Remo angariar fundos, no Mangueirão, contra o Fortaleza, por exemplo, conforme sugerido. Fenômeno Azul sedento garante!

NEGATIVO – São essas coisas que eu não entendo: quando experimentava franca recuperação, paraense Jóbson levou punição da FIFA e agora seu contrato com o Botafogo-RJ foi extinto. Querem que ele volte a delinquir?

Lá e Cá

Agora não só no Paysandu (carro importado para amplicação da Curuzu), mas no Remo também se fala em sorteio de automóvel. E os CT? Bicolores e azulinos devem esperar pela promessa do Governo?

Papão ainda cruzará com três ex-técnicos nesta Série B: Givanildo Oliveira (América-MG), Mazolla Jr (CRB) e Roberto Cavalo (Oeste). Ontem, Náutico 1×1 Paysanpikachu. Pelo menos invencibilidade alviazul mantida (Série B).

Na verdade são Jovens Azulinos que estão na batalha de soerguer o Remo (Cinturãozinho de Aço), entre eles Milton Campos, Mileo Jr, Fábio Bentes, Odilardo Silva, Hamilton Bordalo e Ramayana Leal (Comissão de Finanças).

Já quitaram moradias pendentes dos atletas e agora foco é normalizar salários para comandados de Cacaio abraçarem de vez a caminhada para Série C. Mas, soube que tem jogador fazendo cara feia para amistosos.

Águia perdeu atacante Clayton Monga por 45 dias, apressando estréia de Lauro Cesar contra o Botafogo-PB. Aguianos faturaram 450 mil (vendeu tudo) no sorteio do Pálio e ganhador Adriano Nascimeno já recebeu

Mesmo com redução de pena do goleiro Paulo Waneller para 180 dias e eliminação da multa, advogados do Águia pensar em recorrer ao STJD.

Falecimentos: Hebert Fontenelle, piauiense de sucesso no rádio esportivo maranhense; Chico Arigó (79 anos) técnico campeão paraense Sub 20 no Pinheirense e presidiu a Liga de Icoaraci; Paysuiço, 103 anos, torcedor símbolo bicolor.

Na Super Copa de Basquetebol Adulto Masculino (melhores equipes de 10 regiões do país) o Paysandu estreará contra o Jacareí-SP, dia 22.6. Competição vai de 22 a 28, em Brusque-SC.

Paysandu ainda contratará até fim da semana um atacante e um meia, encerrando o ciclo; goleiro Adriano Paredão reforço do Ypiranga-AP; Dewson Freitas, domingo, apitando clássico Atlético-PR x Coritiba.

HOMENAGEM – Kalvero Marcos de Souza Lima, o Kalvero, ex-campeão Paraense (Academia Joe Louis) e Norte-Nordeste peso médio de boxe e ex-campeão paraense de remo na Tuna e Remo anos 70. É caminhoneiro.

17 de junho de 2015 at 11:46 am Deixe um comentário

BOLA PRA FRENTE – Cláudio Guimarães – 16.6.15

POSITIVO – Cinturão de Aço, devidamente reforçado, de volta para gerir o Remo, principalmente o futebol, em parceria com a atual diretoria. Ótimo!

NEGATIVO – Abaeté, Vênus, Pinheirense, Vila Rica, Bragantino, Tiradentes, Santa Rosa, Sport Belém, entre outros, ameaçados de desfiliação da FPF e CBF por pendências, inclusive de recadastramento. É duro!

Lá e Cá

Cinturão de Aço já fez 1ª reunião: Ubirajara Salgado, Paulo Mota, Sérgio Dias, Tonhão Teixeira, Abelardo Sampaio, Manoel Ribeiro, Milton, Campos, André Cavalcante, Odilardo Picanço, Miléo (pai e filho) e outros.

Idéia inicial é juntar recursos para bancar a folha do futebol e só ficará no elenco quem quiser. Governo do Estado será procurado sobre transmissão de TV dos jogos dos azulinos de portões fechados.

Relatório da Comissão que apurou responsabilidades da atual gestão do Leão gerou polêmica: uns acharam sugestões de punições brandas e outros admitindo que não se cumpriu a finalidade.

Árbitro da FPF Wasley do Couto saindo para seu mais importante jogo, Ceará x Santa Cruz, dia 20.6, Castelão, em Fortaleza, 16:30h, Série B. Que tenha sucesso e siga os passos do Dewson Freitas!

Jogos de Futebol do SESI: Alubar 3×1 KW Brasil; já abertas inscrições para Corrida do Aço da Sinobrás, em Marabá, na própria fábrica, Academia Gol de Placa e Shopping Pátio Marabá. Competição será dia 28.6.

Paysandu e Náutico farão hoje 23º jogo na história, 7 vitórias bicolores (31 gols), 6 do Timbú (40 tentos) e 9 empates. Há registro de duas goleadas: 1935, Papão 6×2 lá e, 1964, Náutico 6×0 aqui (Fonte: Jorginho Neves).

Dado Cavalcanti, do Paysandu, foi jogador do Náutico em 2000 e técnico em 2014. Time mauriciano desfalcado hoje dos volantes Marino e William Magrão, do zagueiro Ronaldo Alves e atacante Douglas.

Pikachu de nova da Seleção da Série B (7ª rodada). Goleiro foi o ex-alviazul Andrey, agora no Boa Esporte. Saída de Tiago Martins da lista do PAN comemorada. Paraense Erik, do Goiás, estará lá nos representando.

Para ampliação logo da Curuzu idéia é do sorteio de uma BMW ou Mercedes, com apenas 2 mil cartelas. Águia fez isso com carro mais modesto para bancar plantel e foi sucesso.

Pais de Ganso, Júlio e Creusa Lima brilharam na categoria veteranos como convidados na Meia Maratona (ele 1º lugar) e Corrida (ela 3º) da 2ª etapa do Ranking de Corridas da AP.

HOMENAGEM – Nilton Ferreira Tavares, o Niltão, ex- meio campo do Remo da base ao profissional nos anos 80-90. É gerente de panificadora.

16 de junho de 2015 at 12:01 pm Deixe um comentário

Coluna do Gerson Nogueira – 15.06.15

Só Neymar salva

Ouvi um comentarista televisivo dizer que faltou audácia ao Brasil. Não, faltou futebol. Contra um limitadíssimo time peruano, a Seleção Brasileira confirmou o que já sabemos desde aquela vergonhosa peia de 7 a 1 (sim, sempre precisamos falar disso, para que ninguém esqueça).
Foi um time atrapalhado, como já havia sido nos últimos amistosos. Capaz de errar passes curtos e sem ter um jogador que lembre mesmo de longe aqueles armadores de verdade, como o Brasil já produziu às dúzias em outros tempos.
A vitória sofrida, com gol aos 46 minutos, veio mais pela ação individual do único craque em campo, que vislumbrou um companheiro desmarcado lá do outro lado da área e teve a competência necessária para enfiar a bola entre os zagueiros. Sem Neymar, o Brasil de ontem poderia ter sido tranquilamente derrotado pelo Peru, e não seria um resultado absurdo.
Os erros começam pela defesa, com David Luiz novamente inseguro e espalhafatoso, contribuindo para o gol de abertura dos peruanos. Por sorte, logo a seguir Neymar planejou e executou a jogada que redundou no empate. Lançou bola na direita e foi receber na área, livre de marcação, deslocando para as redes.
O restante da partida foi um castigo para os olhos de quem se acostumou a gostar de futebol pelas jogadas inspiradas, pelos dribles e lançamentos perfeitos. Deu saudades até da troca de passes, algo primário em futebol, pois isso a Seleção de Dunga não faz mais.
O jogo é sempre forçado em direção à área, mas sem criatividade ou organização. Willian, que aparece naquela zona do campo por onde normalmente os meias circulam, é intranquilo e parece ausente, pensando longe. Erra metade dos passes que dá, não consegue completar uma finta e chuta mal, como no lance em que bateu sobre um zagueiro quando o gol peruano estava escancarado.
Se o organizador do time tem perfil tão fraco, dá para imaginar os beques, os laterais, os volantes e os atacantes. Só escapa Neymar, cujas insistentes reclamações irritaram o árbitro no primeiro tempo e podem ser entendidas como impaciência com os companheiros ruins de bola. Qualquer um se aborreceria com tantos erros, com os passes que chegam muito à frente ou muito atrás, jamais perfeitos.
Dunga jacta-se de um recorde admirável – para ele. Onze vitórias consecutivas desde que o Brasil de Felipão saiu da Copa. A longa invencibilidade parece uma façanha, mas é pura fachada. Pegou pouquíssimas seleções de ponta pela frente. A maioria das vitórias foi na base do 1 a 0 e 2 a 1, refletindo a indigência ofensiva do time.
Dunga deve estar muito feliz com o jogo que a Seleção anda mostrando ao mundo. O Brasil não podia estar mais infeliz com a pobreza técnica do time. Aos trancos e barrancos, pode até vir a ganhar a Copa América, mas o futebol que exibe é feio e triste. Neymar é a notável e solitária exceção e dificilmente uma andorinha só faz verão.

Um gigante que passou pelo meio-campo

Zito, o homem que segurava as pontas e ditava o ritmo no meio-campo do Santos e da Seleção Brasileira, morreu ontem à noite. Era um médio, função que nem existe mais hoje, substituída pelos volantes de corte mais grosso.
Como não sentir saudade de seu futebol objetivo e técnico, que foi fundamental nos primeiros títulos mundiais do nosso futebol e que geraria anos depois o surgimento de um Clodoaldo atuando na mesma faixa?

O Remo na hora da verdade

Foi divulgado às 9h39 de ontem pelo conselheiro Heitor de Souza Freitas Filho o relatório final da comissão investigativa que apurou as denúncias de “gestão temerária” do ainda presidente do Clube do Remo, Pedro Minowa.
Na mensagem aos jornalistas, Heitor faz questão de observar que “as denúncias estão comprovadas, ensejando a aplicação da pena de destituição, no que pese a tal comissão ter se investido do poder de julgar e sugerir a ridícula pena de suspensão por 180 dias, enquadrando a situação como se fosse tão somente um associado”.
Acrescenta que o “relatório obrigatoriamente vai para julgamento da Assembleia Geral, que certamente aplicará a punição solicitada por mim e pelo Conselheiro André Cavalcante. Não peço sigilo e vocês podem informar a fonte”.
A correta posição assumida por Heitor descortina o que deve ocorrer na Assembleia Geral, já devidamente ciente das falhas graves cometidas tanto na gestão de Zeca Pirão quanto na de Pedro Minowa.
O que Heitor acentua é a necessidade de uma punição rigorosa dos dois gestores, com especial atenção para o atual, cuja administração se mostrou lesiva aos interesses do Remo. Os erros se acumulam desde janeiro em proporção assustadora, que pressupõe um cenário calamitoso caso o Condel e a Assembleia Geral não freiem as coisas.
A comissão optou por um caminho tortuoso, de abrandar as penas, preferindo avaliar os gestores como meros associados. Não são simples associados, pois foram eleitos para presidir a agremiação e não cumpriram satisfatoriamente suas gestões.
Cabem medidas que sejam compatíveis com o tamanho dos erros e que sejam exemplares para a vida futura do Remo. É fundamental que o Condel faça como no Campeonato Paraense, quando interveio e conseguiu apagar o incêndio, pagando salários de jogadores no período decisivo da competição.
Não é hora de omissão. Associados do clube, bem como a torcida, esperam que providências sejam tomadas de imediato.

A travessia do grande Brant

Fernando Brant, um grande compositor da nossa música popular mais qualificada, nos deixou na sexta-feira, 12. A coluna de hoje é dedicada a ele, autor de versos como estes, de “Bola de Meia, Bola de Gude”, com os quais sempre me identifiquei muito:
“Há um menino, há um moleque/ morando sempre no meu coração. Toda vez que o adulto fraqueja/ Ele vem pra me dar a mão.”

15 de junho de 2015 at 12:21 pm Deixe um comentário

PAPO DO 40º – Ronaldo Porto – 15.06.15

PSC, A CADA JOGO, UMA EMOÇÃO!

Faz tempo que o Paysandu não sabe o que é uma derrota ou um empate na Copa do Brasil e na Série B. As vitórias vão se acumulando e o Papão vai subindo igual balão de São João, emocionando a torcida, que mesmo assim fica devendo nos jogos dentro de Belém. A última vitória pela Série B, mais uma contra o ABC-RN (2×0), levou o time bicolor ao G4, pertinho do líder Botafogo-RJ, disparado com 19 pontos, seguido pelo Náutico-PE, com 16, próximo adversário do Papão, amanhã em São Lourenço da Mata, na Arena Pernambuco. O Paysandu ocupa agora a 3ª colocação com 15 pontos, seguido pelo Sampaio Corrêa-MA com 14. Esse é o G4 após a sétima rodada. Se vencer novamente amanhã, e todos esperam por isso, o Paysandu será o vice-líder, sejam quais forem os outros resultados da rodada. Pra quem estava lá embaixo na tabela nas duas primeiras rodadas, ser vice-líder na oitava é algo fenomenal, que poucos acreditavam, mas que virou realidade, ou poderá virar.

ALTA TEMPERATURA

E o Brasil estreou na Copa América contra o Peru tomando gol aos 2 minutos de Cueva, por displicência de Davi Luis e Jefferson. Neymar aos 4 minutos tratou de igualar o placar. Depois de um jogo chato, cheio de alternâncias, quase no finalzinho do jogo, aos 46 minutos, já nos acréscimos, Neymar descobriu Douglas Costa sozinho e meteu a bola e o Brasil virou o jogo. Fica a lição para a próxima partida, mas desse jeito as grandes seleções vão ficar chupando o dedo, incluindo o Brasil.

BAIXA TEMPERATURA

Quando o dono do circo está de azar, o leão fica banguela, o trapezista quebra o braço e o anão cresce. Essa é a atual situação do Pedro Minowa no Clube do Remo, depois de vazar o conteúdo do relatório da comissão para investigar a “Gestão Temerária” do anjo do oriente. Se bem que o relatório não é decisivo, mas o Condel pode chamar a Assembléia Geral ou pode engavetar. 180 dias de suspensão para o japonês, é o pedido.

NO TERMÔMETRO

Depois de perder o 1º jogo contra a Sérvia por 3×2 pela Liga Mundial de Vôlei Masculino, ontem o Brasil devolveu a derrota, num jogo emocionante. Venceu no set decisivo também por 3×2. /// Pela Série C do Brasileiro, o Águia vai ficar parado até o dia 28, quando receberá o Botafogo-PB em Marabá, na tentativa de fugir da zona de rebaixamento. O time do João Galvão fez amistoso no sábado, próximo à Marabá e derrotou a Seleção de Maru Maru por 3×1. Lauro César, a nova esperança de gols marcou duas vezes. /// Enquanto isso a Série B, onde está o Papão, não para. O Paysandu jogará amanhã contra o Náutico-PE e depois vem pro Mangueirão fazer dois jogos, contra o Vitória-BA dia 23 diante do Atlético-GO dia 30. Quem sabe a liderança não chega. /// E a sempre surpreendente Venezuela conseguiu a sua quinta vitória em Copa América, derrotando a Colômbia na estréia por 1×0. Antes, venceu a Bolívia em 67, o Peru em 2007, além de Equador e Chile em 2011. /// Pior fez a Argentina na estréia, pois vencia o Paraguai por 2×0 e cedeu o empate aos 44 do 2º tempo. Terá que vencer o Uruguai na próxima rodada se não quiser ter problemas. /// E o xará Ronaldo Fenômeno escorregou na maionese no canal Sport TV, colocando o atacante Suarez como um dos destaques dessa Copa América 2015. Acho que deu nele o mesmo bug ug de 1998 na França. Qual é? /// Timão Campeão do Rádio ao vivo, 24 horas por dia, direto do Chile na cobertura da Copa América. Walmir Rodrigues, Paulo Fernando e Wellington Campos. Ontem mais um show de transmissão ao vivo de Temuco, com Carlos Castilho nos comentários. /// Se Messi não resolveu a parada para a Argentina, que empacou no Paraguai, Neymar resolveu para o Brasil, fazendo seu gol e dando passe para o tento da vitória nos acréscimos. Ufa! /// Uma boa semana a todos e viva Jesus!

E-mails: rporto@supridados.com.br

15 de junho de 2015 at 12:19 pm Deixe um comentário

Posts antigos Posts mais recentes


Clube no Twitter

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.