Archive for junho, 2015

BOLA PRA FRENTE – Cláudio Guimarães – 17.6.15

POSITIVO – Sou inteiramente a favor de um amistoso “pesado” para o Remo angariar fundos, no Mangueirão, contra o Fortaleza, por exemplo, conforme sugerido. Fenômeno Azul sedento garante!

NEGATIVO – São essas coisas que eu não entendo: quando experimentava franca recuperação, paraense Jóbson levou punição da FIFA e agora seu contrato com o Botafogo-RJ foi extinto. Querem que ele volte a delinquir?

Lá e Cá

Agora não só no Paysandu (carro importado para amplicação da Curuzu), mas no Remo também se fala em sorteio de automóvel. E os CT? Bicolores e azulinos devem esperar pela promessa do Governo?

Papão ainda cruzará com três ex-técnicos nesta Série B: Givanildo Oliveira (América-MG), Mazolla Jr (CRB) e Roberto Cavalo (Oeste). Ontem, Náutico 1×1 Paysanpikachu. Pelo menos invencibilidade alviazul mantida (Série B).

Na verdade são Jovens Azulinos que estão na batalha de soerguer o Remo (Cinturãozinho de Aço), entre eles Milton Campos, Mileo Jr, Fábio Bentes, Odilardo Silva, Hamilton Bordalo e Ramayana Leal (Comissão de Finanças).

Já quitaram moradias pendentes dos atletas e agora foco é normalizar salários para comandados de Cacaio abraçarem de vez a caminhada para Série C. Mas, soube que tem jogador fazendo cara feia para amistosos.

Águia perdeu atacante Clayton Monga por 45 dias, apressando estréia de Lauro Cesar contra o Botafogo-PB. Aguianos faturaram 450 mil (vendeu tudo) no sorteio do Pálio e ganhador Adriano Nascimeno já recebeu

Mesmo com redução de pena do goleiro Paulo Waneller para 180 dias e eliminação da multa, advogados do Águia pensar em recorrer ao STJD.

Falecimentos: Hebert Fontenelle, piauiense de sucesso no rádio esportivo maranhense; Chico Arigó (79 anos) técnico campeão paraense Sub 20 no Pinheirense e presidiu a Liga de Icoaraci; Paysuiço, 103 anos, torcedor símbolo bicolor.

Na Super Copa de Basquetebol Adulto Masculino (melhores equipes de 10 regiões do país) o Paysandu estreará contra o Jacareí-SP, dia 22.6. Competição vai de 22 a 28, em Brusque-SC.

Paysandu ainda contratará até fim da semana um atacante e um meia, encerrando o ciclo; goleiro Adriano Paredão reforço do Ypiranga-AP; Dewson Freitas, domingo, apitando clássico Atlético-PR x Coritiba.

HOMENAGEM – Kalvero Marcos de Souza Lima, o Kalvero, ex-campeão Paraense (Academia Joe Louis) e Norte-Nordeste peso médio de boxe e ex-campeão paraense de remo na Tuna e Remo anos 70. É caminhoneiro.

17 de junho de 2015 at 11:46 am Deixe um comentário

BOLA PRA FRENTE – Cláudio Guimarães – 16.6.15

POSITIVO – Cinturão de Aço, devidamente reforçado, de volta para gerir o Remo, principalmente o futebol, em parceria com a atual diretoria. Ótimo!

NEGATIVO – Abaeté, Vênus, Pinheirense, Vila Rica, Bragantino, Tiradentes, Santa Rosa, Sport Belém, entre outros, ameaçados de desfiliação da FPF e CBF por pendências, inclusive de recadastramento. É duro!

Lá e Cá

Cinturão de Aço já fez 1ª reunião: Ubirajara Salgado, Paulo Mota, Sérgio Dias, Tonhão Teixeira, Abelardo Sampaio, Manoel Ribeiro, Milton, Campos, André Cavalcante, Odilardo Picanço, Miléo (pai e filho) e outros.

Idéia inicial é juntar recursos para bancar a folha do futebol e só ficará no elenco quem quiser. Governo do Estado será procurado sobre transmissão de TV dos jogos dos azulinos de portões fechados.

Relatório da Comissão que apurou responsabilidades da atual gestão do Leão gerou polêmica: uns acharam sugestões de punições brandas e outros admitindo que não se cumpriu a finalidade.

Árbitro da FPF Wasley do Couto saindo para seu mais importante jogo, Ceará x Santa Cruz, dia 20.6, Castelão, em Fortaleza, 16:30h, Série B. Que tenha sucesso e siga os passos do Dewson Freitas!

Jogos de Futebol do SESI: Alubar 3×1 KW Brasil; já abertas inscrições para Corrida do Aço da Sinobrás, em Marabá, na própria fábrica, Academia Gol de Placa e Shopping Pátio Marabá. Competição será dia 28.6.

Paysandu e Náutico farão hoje 23º jogo na história, 7 vitórias bicolores (31 gols), 6 do Timbú (40 tentos) e 9 empates. Há registro de duas goleadas: 1935, Papão 6×2 lá e, 1964, Náutico 6×0 aqui (Fonte: Jorginho Neves).

Dado Cavalcanti, do Paysandu, foi jogador do Náutico em 2000 e técnico em 2014. Time mauriciano desfalcado hoje dos volantes Marino e William Magrão, do zagueiro Ronaldo Alves e atacante Douglas.

Pikachu de nova da Seleção da Série B (7ª rodada). Goleiro foi o ex-alviazul Andrey, agora no Boa Esporte. Saída de Tiago Martins da lista do PAN comemorada. Paraense Erik, do Goiás, estará lá nos representando.

Para ampliação logo da Curuzu idéia é do sorteio de uma BMW ou Mercedes, com apenas 2 mil cartelas. Águia fez isso com carro mais modesto para bancar plantel e foi sucesso.

Pais de Ganso, Júlio e Creusa Lima brilharam na categoria veteranos como convidados na Meia Maratona (ele 1º lugar) e Corrida (ela 3º) da 2ª etapa do Ranking de Corridas da AP.

HOMENAGEM – Nilton Ferreira Tavares, o Niltão, ex- meio campo do Remo da base ao profissional nos anos 80-90. É gerente de panificadora.

16 de junho de 2015 at 12:01 pm Deixe um comentário

Coluna do Gerson Nogueira – 15.06.15

Só Neymar salva

Ouvi um comentarista televisivo dizer que faltou audácia ao Brasil. Não, faltou futebol. Contra um limitadíssimo time peruano, a Seleção Brasileira confirmou o que já sabemos desde aquela vergonhosa peia de 7 a 1 (sim, sempre precisamos falar disso, para que ninguém esqueça).
Foi um time atrapalhado, como já havia sido nos últimos amistosos. Capaz de errar passes curtos e sem ter um jogador que lembre mesmo de longe aqueles armadores de verdade, como o Brasil já produziu às dúzias em outros tempos.
A vitória sofrida, com gol aos 46 minutos, veio mais pela ação individual do único craque em campo, que vislumbrou um companheiro desmarcado lá do outro lado da área e teve a competência necessária para enfiar a bola entre os zagueiros. Sem Neymar, o Brasil de ontem poderia ter sido tranquilamente derrotado pelo Peru, e não seria um resultado absurdo.
Os erros começam pela defesa, com David Luiz novamente inseguro e espalhafatoso, contribuindo para o gol de abertura dos peruanos. Por sorte, logo a seguir Neymar planejou e executou a jogada que redundou no empate. Lançou bola na direita e foi receber na área, livre de marcação, deslocando para as redes.
O restante da partida foi um castigo para os olhos de quem se acostumou a gostar de futebol pelas jogadas inspiradas, pelos dribles e lançamentos perfeitos. Deu saudades até da troca de passes, algo primário em futebol, pois isso a Seleção de Dunga não faz mais.
O jogo é sempre forçado em direção à área, mas sem criatividade ou organização. Willian, que aparece naquela zona do campo por onde normalmente os meias circulam, é intranquilo e parece ausente, pensando longe. Erra metade dos passes que dá, não consegue completar uma finta e chuta mal, como no lance em que bateu sobre um zagueiro quando o gol peruano estava escancarado.
Se o organizador do time tem perfil tão fraco, dá para imaginar os beques, os laterais, os volantes e os atacantes. Só escapa Neymar, cujas insistentes reclamações irritaram o árbitro no primeiro tempo e podem ser entendidas como impaciência com os companheiros ruins de bola. Qualquer um se aborreceria com tantos erros, com os passes que chegam muito à frente ou muito atrás, jamais perfeitos.
Dunga jacta-se de um recorde admirável – para ele. Onze vitórias consecutivas desde que o Brasil de Felipão saiu da Copa. A longa invencibilidade parece uma façanha, mas é pura fachada. Pegou pouquíssimas seleções de ponta pela frente. A maioria das vitórias foi na base do 1 a 0 e 2 a 1, refletindo a indigência ofensiva do time.
Dunga deve estar muito feliz com o jogo que a Seleção anda mostrando ao mundo. O Brasil não podia estar mais infeliz com a pobreza técnica do time. Aos trancos e barrancos, pode até vir a ganhar a Copa América, mas o futebol que exibe é feio e triste. Neymar é a notável e solitária exceção e dificilmente uma andorinha só faz verão.

Um gigante que passou pelo meio-campo

Zito, o homem que segurava as pontas e ditava o ritmo no meio-campo do Santos e da Seleção Brasileira, morreu ontem à noite. Era um médio, função que nem existe mais hoje, substituída pelos volantes de corte mais grosso.
Como não sentir saudade de seu futebol objetivo e técnico, que foi fundamental nos primeiros títulos mundiais do nosso futebol e que geraria anos depois o surgimento de um Clodoaldo atuando na mesma faixa?

O Remo na hora da verdade

Foi divulgado às 9h39 de ontem pelo conselheiro Heitor de Souza Freitas Filho o relatório final da comissão investigativa que apurou as denúncias de “gestão temerária” do ainda presidente do Clube do Remo, Pedro Minowa.
Na mensagem aos jornalistas, Heitor faz questão de observar que “as denúncias estão comprovadas, ensejando a aplicação da pena de destituição, no que pese a tal comissão ter se investido do poder de julgar e sugerir a ridícula pena de suspensão por 180 dias, enquadrando a situação como se fosse tão somente um associado”.
Acrescenta que o “relatório obrigatoriamente vai para julgamento da Assembleia Geral, que certamente aplicará a punição solicitada por mim e pelo Conselheiro André Cavalcante. Não peço sigilo e vocês podem informar a fonte”.
A correta posição assumida por Heitor descortina o que deve ocorrer na Assembleia Geral, já devidamente ciente das falhas graves cometidas tanto na gestão de Zeca Pirão quanto na de Pedro Minowa.
O que Heitor acentua é a necessidade de uma punição rigorosa dos dois gestores, com especial atenção para o atual, cuja administração se mostrou lesiva aos interesses do Remo. Os erros se acumulam desde janeiro em proporção assustadora, que pressupõe um cenário calamitoso caso o Condel e a Assembleia Geral não freiem as coisas.
A comissão optou por um caminho tortuoso, de abrandar as penas, preferindo avaliar os gestores como meros associados. Não são simples associados, pois foram eleitos para presidir a agremiação e não cumpriram satisfatoriamente suas gestões.
Cabem medidas que sejam compatíveis com o tamanho dos erros e que sejam exemplares para a vida futura do Remo. É fundamental que o Condel faça como no Campeonato Paraense, quando interveio e conseguiu apagar o incêndio, pagando salários de jogadores no período decisivo da competição.
Não é hora de omissão. Associados do clube, bem como a torcida, esperam que providências sejam tomadas de imediato.

A travessia do grande Brant

Fernando Brant, um grande compositor da nossa música popular mais qualificada, nos deixou na sexta-feira, 12. A coluna de hoje é dedicada a ele, autor de versos como estes, de “Bola de Meia, Bola de Gude”, com os quais sempre me identifiquei muito:
“Há um menino, há um moleque/ morando sempre no meu coração. Toda vez que o adulto fraqueja/ Ele vem pra me dar a mão.”

15 de junho de 2015 at 12:21 pm Deixe um comentário

PAPO DO 40º – Ronaldo Porto – 15.06.15

PSC, A CADA JOGO, UMA EMOÇÃO!

Faz tempo que o Paysandu não sabe o que é uma derrota ou um empate na Copa do Brasil e na Série B. As vitórias vão se acumulando e o Papão vai subindo igual balão de São João, emocionando a torcida, que mesmo assim fica devendo nos jogos dentro de Belém. A última vitória pela Série B, mais uma contra o ABC-RN (2×0), levou o time bicolor ao G4, pertinho do líder Botafogo-RJ, disparado com 19 pontos, seguido pelo Náutico-PE, com 16, próximo adversário do Papão, amanhã em São Lourenço da Mata, na Arena Pernambuco. O Paysandu ocupa agora a 3ª colocação com 15 pontos, seguido pelo Sampaio Corrêa-MA com 14. Esse é o G4 após a sétima rodada. Se vencer novamente amanhã, e todos esperam por isso, o Paysandu será o vice-líder, sejam quais forem os outros resultados da rodada. Pra quem estava lá embaixo na tabela nas duas primeiras rodadas, ser vice-líder na oitava é algo fenomenal, que poucos acreditavam, mas que virou realidade, ou poderá virar.

ALTA TEMPERATURA

E o Brasil estreou na Copa América contra o Peru tomando gol aos 2 minutos de Cueva, por displicência de Davi Luis e Jefferson. Neymar aos 4 minutos tratou de igualar o placar. Depois de um jogo chato, cheio de alternâncias, quase no finalzinho do jogo, aos 46 minutos, já nos acréscimos, Neymar descobriu Douglas Costa sozinho e meteu a bola e o Brasil virou o jogo. Fica a lição para a próxima partida, mas desse jeito as grandes seleções vão ficar chupando o dedo, incluindo o Brasil.

BAIXA TEMPERATURA

Quando o dono do circo está de azar, o leão fica banguela, o trapezista quebra o braço e o anão cresce. Essa é a atual situação do Pedro Minowa no Clube do Remo, depois de vazar o conteúdo do relatório da comissão para investigar a “Gestão Temerária” do anjo do oriente. Se bem que o relatório não é decisivo, mas o Condel pode chamar a Assembléia Geral ou pode engavetar. 180 dias de suspensão para o japonês, é o pedido.

NO TERMÔMETRO

Depois de perder o 1º jogo contra a Sérvia por 3×2 pela Liga Mundial de Vôlei Masculino, ontem o Brasil devolveu a derrota, num jogo emocionante. Venceu no set decisivo também por 3×2. /// Pela Série C do Brasileiro, o Águia vai ficar parado até o dia 28, quando receberá o Botafogo-PB em Marabá, na tentativa de fugir da zona de rebaixamento. O time do João Galvão fez amistoso no sábado, próximo à Marabá e derrotou a Seleção de Maru Maru por 3×1. Lauro César, a nova esperança de gols marcou duas vezes. /// Enquanto isso a Série B, onde está o Papão, não para. O Paysandu jogará amanhã contra o Náutico-PE e depois vem pro Mangueirão fazer dois jogos, contra o Vitória-BA dia 23 diante do Atlético-GO dia 30. Quem sabe a liderança não chega. /// E a sempre surpreendente Venezuela conseguiu a sua quinta vitória em Copa América, derrotando a Colômbia na estréia por 1×0. Antes, venceu a Bolívia em 67, o Peru em 2007, além de Equador e Chile em 2011. /// Pior fez a Argentina na estréia, pois vencia o Paraguai por 2×0 e cedeu o empate aos 44 do 2º tempo. Terá que vencer o Uruguai na próxima rodada se não quiser ter problemas. /// E o xará Ronaldo Fenômeno escorregou na maionese no canal Sport TV, colocando o atacante Suarez como um dos destaques dessa Copa América 2015. Acho que deu nele o mesmo bug ug de 1998 na França. Qual é? /// Timão Campeão do Rádio ao vivo, 24 horas por dia, direto do Chile na cobertura da Copa América. Walmir Rodrigues, Paulo Fernando e Wellington Campos. Ontem mais um show de transmissão ao vivo de Temuco, com Carlos Castilho nos comentários. /// Se Messi não resolveu a parada para a Argentina, que empacou no Paraguai, Neymar resolveu para o Brasil, fazendo seu gol e dando passe para o tento da vitória nos acréscimos. Ufa! /// Uma boa semana a todos e viva Jesus!

E-mails: rporto@supridados.com.br

15 de junho de 2015 at 12:19 pm Deixe um comentário

Coluna do Gerson Nogueira – 14.06.15

O acesso é logo ali

É a melhor campanha do Papão em campeonatos brasileiros na era dos pontos corridos. São 15 pontos em 21 disputados, média de 68%. Terceira colocação e presença na zona de acesso. O triunfo sobre o ABC, sexta à noite, em Natal, deixou o time em situação privilegiada na Série B, permitindo projetar pela primeira vez a possibilidade de acesso.
Para quem começou o campeonato preocupado em não cair, a bela arrancada – cinco vitórias consecutivas – é uma surpresa maravilhosa. O time custou a se encontrar, o técnico Dado Cavalcanti buscou várias alternativas e finalmente encaixou um esquema que tem como principal referência a sólida dupla de zaga, composta por Tiago Martins e Gualberto.
Contra o ABC, a equipe começou explorando bem as subidas do adversário. Com marcação forte sobre Caíque e Ronaldo Mendes, o Papão foi tomando conta do jogo e sentindo-se à vontade em campo. Como resultado natural disso, abriu vantagem logo aos 18 minutos, em belíssimo gol olímpico de Pikachu.
A marcação implacável sobre o setor de ligação do ABC foi o segredo do Papão para controlar o jogo durante todo o primeiro tempo, induzindo o adversário a erros primários na tentativa de chegar tocando a bola. O passeio só não foi maior porque na criação o Papão não conseguia se acertar.
Carlos Alberto, que voltou ao time, ficou muito preso ao cerco do ABC e se movimentou abaixo do esperado, prejudicando várias manobras ofensivas. Ainda assim, o Papão chegou ao segundo gol, aos 35 minutos, através de Leandro Cearense, confirmando a superioridade no jogo.
O segundo tempo foi equilibrado e se tornou tenso, com o ABC lançando-se ao ataque para diminuir a desvantagem e acuando o Papão em seu campo. Mas, se contra o Paraná o time foi instável na maior parte do tempo, contra o ABC mostrou consistência defensiva e determinação no ataque.
Sem alternativas para furar o firme cinturão protetor da zaga do Papão, o ABC ficou cruzando bolas sobre a área, sem maiores consequências. Melhorou no final, na base do abafa, criando algumas situações de perigo.
Com a expulsão de Fahel, Dado lançou Luiz Felipe, deslocando Jonathan para a meia cancha e deixando Pikachu livre para atacar. O ABC melhorou e impôs um certo sufoco, como era previsível, mas, se a armação bicolor funcionasse a contento, aproveitando os espaços, o placar teria sido bem mais amplo.
No final, uma vitória categórica, que confirmou que o time ganha confiança e autoridade a cada rodada. Perdeu, inclusive, o célebre acanhamento em jogos fora de casa. Dado fez o Papão atuar com disciplina tática, exibindo um conhecimento apurado sobre virtudes e defeitos do oponente.
É cedo ainda, mas acreditar no acesso deixou de ser delírio de torcedor fanático. Chances existem.

Bola na Torre

O programa debate a rodada da Série B e a situação geral do futebol paraense. Giuseppe Tommaso comanda, com participações de Saulo Zaire, Rui Guimarães e deste escriba de Baião. Começa logo depois do Pânico na Band, por volta de 00h10.

No mato sem cachorro

O bloqueio da receita, usado como argumento pelos diretores, é apenas parte do pesadelo que assombra o Remo a um mês da estreia na Série D. Há muito mais do que isso, sendo que muitos problemas nem vieram à tona ainda. O fato é que a caixa-preta das finanças do clube continua a desafiar a lógica e o bom senso.
Os transtornos causados pela falta de dinheiro tornam o futebol do clube praticamente ingovernável, permitindo prever um cenário ainda mais grave nos próximos dias. Por enquanto, os jogadores se recusam a treinar, como forma de protestar pela falta de pagamentos (desde abril) e pela ausência dos dirigentes.
O passo seguinte deve ser a debandada de atletas, alguns dos quais começam a ser sondados para deixar o Baenão. Fernando Henrique, por exemplo, foi procurado por um clube da Série B. Eduardo Ramos pode sair a qualquer momento. As incertezas, que já afetam a preparação do time, podem desfalcar seriamente o elenco na Série D.
Enquanto o clube estiver entregue à própria sorte, com um presidente ausente, a tendência é que a desesperança prevaleça. Principalmente depois que o STJD lavrou a sentença de três jogos de suspensão, condenando a torcida a ver o time em Belém pela Série D somente em setembro.
Diante de tantas notícias ruins, os verdadeiros remistas precisam agir, e rápido.

Seleção: da vergonha à indiferença

Contra o Peru, hoje, o Brasil estreia na mais encarniçada de todas as Copas Américas. O torneio se desenha como um dos mais difíceis dos últimos anos. Além da favorita Argentina e do Brasil, outras três seleções também estão no páreo – Chile, Uruguai e Colômbia.
O drama de Dunga e seus comandados é que ele corre desesperadamente atrás de um bom resultado para recuperar prestígio, depois do traumático 7 a 1 para a Alemanha. Por mais que os jogadores digam que não precisam provar nada a ninguém, a realidade aponta na direção contrária.
A Seleção vive hoje um de seus piores momentos em termos de popularidade, talvez só comparável à frustração decorrente da tragédia do Maracanazo. A diferença é que em 1950 a frustração se transformou em tristeza. Hoje, a vergonha gerou indiferença, ausência de sentimento. E somente vitórias podem diminuir as mágoas que a torcida carrega no peito.

14 de junho de 2015 at 10:46 pm Deixe um comentário

A Bola no Bola – Giuseppe Tommaso – 14.06.15

BOLA NA TORRE

Deste Domingão logo após o “Pânico na Band”, na RBATV –
Canal 13. Vamos falar do jogo do Paysandu e ABC pela Série
B e os amistosos do Leão. Estarei no comando com as
participações dos companheiros Gerson Nogueira, Rui
Guimarães e Saulo Zaire. Participe pelo @bolanatorre.
CIA ATHLÉTICA

Nesta terça tem mais Bola Rolando pelo Campeonato “Brasilierão” Society na Cia Athlética, com rodada Tripla – São Paulo x Flamengo, Cruzeiro x Corinthians e Fluminense x Atlético Mineiro. O líder agora é o Cruzeiro.

SÓCIO LOBINHO…

Ação de Marketing do Paysandu com a garotada no Tatoo Park movimentou o domingo com a participação de Pais e Filhos. Diretoria bicolor lançou o Projeto “Sócio Lobinho Bicolor” foi um sucesso de público e de Adesões para alegria do também bicolor Chico Salomão. Contou com a presença do Presidente Alberto Maia e do Lobinho o Mascote Bicolor.

BAGUNÇOU…

Não bastasse a falta de atitude entre os azulinos nos bastidores e que ao que nada vai acontecer. Gestão do Presidente Pedro Minowa é um desastre e voltou a respingar no elenco pela falta de pagamento. Resultado clima de insatisfação geral entre os jogadores. Presidente deveria tomar a mesma atitude do vice e pedir o boné. Pensem na Instituição Clube do Remo. Quanto ao Relatório da Comissão de Fiscalização. Na minha opinião, não vai dar em nada. Lamentável…
BRONCA

Mesmo faltando duas cotas a serem pagas pelo Banpará aos 10 clubes que disputaram o Campeonato Paraense de Futebol tiveram devolvidos a Instituição Financeira os contratos. Tudo por falta de documentação oficial. O que está em situação mais crítica é o Gavião de Marabá. Tá feia a coisa…

14 de junho de 2015 at 10:43 pm Deixe um comentário

Coluna do Gerson Nogueira – 12.06.15

Bem pior do que parece

A pergunta é: por que os conselheiros, grandes beneméritos e associados do Remo não tomam uma atitude enquanto (ainda) há tempo de salvar o clube? O que falta para assumirem de verdade a gestão do clube? Um exemplo recente prova que é possível resolver os problemas.
No Campeonato Paraense, com grave crise no elenco e risco de eliminação do time, o Condel entrou em ação, garantiu o pagamento de salários e botou a casa mais ou menos em ordem. Graças a essa providencial intervenção, o Remo conquistou o bicampeonato, foi à final da Copa Verde e assegurou a vaga na Série D.
A situação se repete agora, a apenas um mês da estreia na Série D. Sem receber desde abril, os jogadores iniciaram um boicote aos treinos. Além do vexame público para a instituição, há o prejuízo de natureza técnica. O time não treina, deixa de cumprir a programação estabelecida e põe em perigo a campanha de busca do acesso à Série C.
Na quarta-feira, os garotos sub-20 foram barrados no CT do Carajás por falta de pagamento. Não há copo descartável para os jogadores e funcionários nas dependências do estádio Evandro Almeida.
Como consequência da briga entre gangues organizadas no estádio de Bragança em 2014, o Remo pegou três jogos de suspensão de mando de campo no julgamento realizado ontem no STJD. Com isso, só poderá jogar em Belém a sua última partida pela primeira fase da Série D no final de agosto. Com todos os patrocínios já bloqueados, como serão saldadas as dívidas mensais pelos próximos três meses?
Na Justiça do Trabalho, os advogados conseguiram a suspensão do leilão da área do Carrossel. Enquanto isso, novas ações continuam a chegar ao tribunal. Heranças trágicas da gestão de Zeca Pirão, que se espraiam sobre a não menos aloprada administração de Pedro Minowa.
O Remo, a cada novo episódio surreal, parece confirmar o célebre princípio da Lei de Murphy: tudo que está ruim sempre pode piorar. Em meio à turbulência ainda há dirigente falando em mais contratações!
Alguém precisa controlar os celerados que dominam o clube, fazer com que pelo menos cessem as sandices delirantes. E urge prestar contas também do dinheiro arrecadado, perto de R$ 2 milhões, nos jogos finais do Parazão e na decisão da Copa Verde no Mangueirão.
A essa altura, seria oportuno (e digno) que o presidente fizesse um exame de consciência ante o iminente colapso administrativo-financeiro. Se não há meios de gerir o clube que entregue o bastão pelo bem da instituição.
E que o Condel se mexa, chame para si a responsabilidade neste momento grave da vida do clube, convocando nova eleição ou empossando uma junta governativa – de preferência sem ninguém ligado às duas últimas gestões.

Em busca da quinta vitória consecutiva

Com o retorno de Carlos Alberto ao setor de organização no meio-de-campo, o Papão tem hoje à noite a missão de buscar a quinta vitória consecutiva na Série B, índice inédito nas competições nacionais disputadas até hoje pelo clube.
As condições são propícias, mesmo levando em conta o potencial do ABC como mandante. Ocorre que, ao longo do campeonato, o time alvinegro tem se mostrado mais pontuador fora de casa. Estreia o atacante Bismarck, que realizou excelente campeonato paraense pelo Remo e se notabiliza pela rapidez e habilidade. Tem ainda o atacante Caíque, seu principal goleador.
Um dos trunfos de Dado Cavalcanti é o fato de conhecer bem a maneira de jogar do ABC. Foi assim que conseguiu armar o Papão para a classificação na Copa do Brasil, derrotando o time potiguar dentro do Frasqueirão por 2 a 1, no mês passado.
De lá para cá, muita coisa mudou no ABC, a começar pelo técnico. Josué Teixeira saiu e Gilmar Dal Pozzo chegou. É um estilo diferente de comandar, mas o elenco sofreu poucas modificações. No geral, a equipe continua ágil ofensivamente, mas com sérias deficiências de cobertura no setor defensivo.
E este pode ser justamente o caminho das pedras para que o Papão tente arrancar um triunfo hoje à noite, em Natal.

A Seleção e a desesperança

A Seleção Brasileira chega desacreditada à Copa América no Chile. Nem é para menos. Carrega o fardo incômodo da decepção gerada na torcida com o vexame na Copa do Mundo. O trauma foi grande e a ferida não cicatrizou. Certas dores levam tempo para serem curadas.
Na estreia, hoje à noite, o Brasil de Dunga enfrenta o Peru de Paolo Guerrero. Em outros tempos, o fato de o time chegar sem maiores expectativas de êxito seria motivo de supersticiosa esperança. Hoje, ao contrário, é sinal de pessimismo mesmo.
Os últimos amistosos mostraram um time econômico na construção de vitórias e pouco inspirado nas articulações ofensivas. Anteontem, contra Honduras, a Seleção conseguiu errar mais passes que o modesto adversário. Alguns jogadores, como Fernandinho e Fabinho, erravam passes curtos.
O ataque vive exclusivamente da chama de talento de Neymar, cujos coadjuvantes são limitadíssimos, ao contrário dos parceiros que tem no Barcelona.
Para piorar as coisas, Copa América tem talvez sua maior quantidade de favoritos ao título. Argentina, Uruguai, Colômbia e Chile estão no páreo. Depois de anos de protagonismo, o Brasil chega desta vez como segunda força.

Sobre despedidas ilustres

Dois gênios de suas áreas, generosos na contribuição para tornar o mundo bem mais divertido, nos deixaram ontem. A coluna, humildemente, registra as perdas e homenageia Christopher Lee, ator de mil faces, e Ornette Coleman, lenda do jazz.

12 de junho de 2015 at 12:22 pm Deixe um comentário

BOLA PRA FRENTE – Cláudio Guimarães – 12.6.15

POSITIVO – Vinte e sete pilares concretados em 10 dias finalizando a primeira parte de revitalização do Baenão. No Remo é motivo de festa e com toda razão. Palmas para Aline Porto, Helder Cabral e colaboradores!

NEGATIVO – Nova greve dos jogadores do Remo por falta de salários chegou na pior hora; Dewson Freitas, CA e Sindicato dos Arbitros do Pará têm de processar Eurico Miranda, o tresloucado presidente do Vasco.

Lá e Cá

Grande benemérito do Paysandu Alacy Nahum meu entrevistado Bola Pra Frente de domingo. No Bola na Torre (RBA HDTV e Rádio Cube), Giuseppe Tomazo, Gérson Nogueira, Rui Guimarães e Saulo Zaire.

Lindomar de Jesus, presidente do Carajás (também é técnico do Sub 20 azulino) justificou veto do CT de Outeiro ao Leão por falta de manutenção, pagamento de funcionários e outras clásulas contratuais não cumpridas.

Jogos Abertos do Pará começaram na sede de Barcarena com presença da Secretária da SEEL Renilce Nicodemos. Evento-abertura se repetirá em outras 7 cidades-pólos.

XXI Campeonato de Integração Nacional de Aposentados do Banco do Brasil, em Belém, de amanhã a 20.6, nas competições de futebol, sinuca, tênis de mesa, tênis, buraco e voleibol. À frente Renê Nunes (CINFABB).

Paysandu hoje no seu jogo 4.123 na história, 2.142 vitórias, 944 empates, 1.036 derrotas, 8.413 gols a favor e 4.818 contra (Fonte: Jorginho Neves); repercutiu inclusão de Souza em detrimento a Bruno Veiga nessa viagem.

Papão terça-feira na 4ª arena da Copa, a de Pernambuco. Antes, Brasília, Cuiabá e Fortaleza. ASA-AL não liberará Didira ao bicolor e Heber Santos se foi.

Cláusula do contrato do goleiro Fernado Henrique com o Remo o libera para times do exterior, Séries A e B. Contudo, não aceitou convite do Macaé.

João batista Azevedo, da renomada empresa corretora de imóveis Azevedo Barbosa vai ter reunião com alto comando do Remo para tratar de parceria no Carrossel. Luz no fim do túnel!

Com nova derrota no STJD Remo terá de jogar sem público ou 100 km fora Belém dia 19.7 (2ª rodada) contra o representante do Acre; 2.8 (4ª), frente ao Náutico-RR; 23.8 (7ª), Nacional-AM. Aqui de novo só 13.9 (10ª), diante do Vilhena-RO.

HOMENAGEM – Anaírio Pessoa, o Anaírio, ex-pivô do basquetebol do Paysandu tetra campeão paraense no final dos anos 50 ao lado dos falecidos Evandro, Aranha, Artur, Mike, Chady e outros. Empresário de pesca.

12 de junho de 2015 at 12:10 pm Deixe um comentário

BOLA PRA FRENTE – Claudio Guimarães – 11.06.15

POSITIVO – Apresentação do elenco do Remo dia 20.6, no Baenão, com sorteio de camisas, feijoada e bônus de 50 reais dos torcedores apaixonados. Leão precisa de 150 mil urgentemete. Já é uma ajuda!

NEGATIVO – Leleu, William Alves, Érico Jr e Heber Santos só no come-e- dorme no Paysandu enquanto não aparece clube interessado. Treinando em separado e recebendo em dia até fim do ano. Erros do Parazão!

Lá e Cá

Jogo Remo x Cametá terá carátera beneficente, dia 23.6, em favor da família do ex-zagueiro Gil Cametá. Mesmo assim Leão receberá cota de 10 mil. Cacaio e Paty contra o ex-clube. Atração não faltará!

Esse negócio de Centro de Treinamento em nossos clubes parece praga: rompida a parceria Remo-Carajás. Base azulina agora no campo do Japonês; nenhum deslize encontrado na gestão de Minowa. E, agora?

Como antecipei ontem, Desembargadora do Trabalho Elizabete Mewman acatou mandado de gurança do advogado André Meira suspendendo leilão do Carrossel (Remo). Hora de pôr fim nesse vai-e-vem!

Aliás, enquanto os azulinos não entram em campo o advogado André Meira vem se mostrando o melhor atacante do clube. E tome gol do campo jurídico-trabalhista!

Zagueiro Raul visitou a Curuzu, está muito bem no Marítimo de Portugal, tem contrado por mais 18 meses e pretendido pelo Benfica; técnico Walter Lima, na Desportiva, vingado do Remo: meteu 3×0 no Sub 20.

Remo não terá cota no jogo festivo do dia 27.6, em Uberlânidia-MG; Léo Paraíba confirmou que se apresentará no Leão Azul após campeonato amazonense.

Base do Botafogo-PB, no caminho do Águia: Edson, Gustavo, Walter, André Lima e Alex Kazumba, Zaquel, Nata, Léo Henrique e Doda, João Paulo e o paraense Rafael Oliveira. Danilo Galvão ainda em recuperação.

Brilhante locutor esportivo da Rádio Educadora de Bragança e escritor Celso Leite, novo presidente da Academia de Letras e Artes de Bragança. Integro com orgulho esse silogeu.

Fahel foi a Salvador e Dão a Lucas do Rio Verde-MT para audiência contra o Bahia e Luverdense. Os dois se incorporarão à delegação do Paysandu em Natal. Da capital espacial Papão vai para Recife de ônibus.

HOMENAGEM – José Domingues do Vale Jr, o Zé Domingues, ex-jogador do infantl da Tuna (anos 60) e ex-chefe da torcida cruzmaltina de 1972 a 1986. É representante comercial.

11 de junho de 2015 at 12:39 pm Deixe um comentário

Coluna do Gerson Nogueira – 10.06.15

Na contramão da história

O presidente do São Paulo, em meio a uma série de ideias meio amalucadas, saiu-se ontem com uma análise certeira e lapidar sobre o futebol brasileiro. “Nós somos exportadores de atletas, mas quem forma treinadores é a Argentina”, disse Miguel Aidar.
Há tempos que a realidade está aí, à nossa frente, explicitando a supremacia dos técnicos argentinos sobre os nacionais. Os daqui cobram salários até mais vultosos, mas os resultados – em competições internacionais – indicam que a mão-de-obra dos hermanos é mais competente.
É bom considerar que a desvantagem não é apenas em relação aos profissionais argentinos. No seio da categoria, predomina a convicção arrogante de que são bons e até superiores aos gringos. Não se preocupam nem mesmo com reciclagem e revisão de métodos de treinamento.
Enquanto isso, os argentinos avançam. Diego Simeone e Marcelo Bielsa, para ficar em apenas dois casos, são técnicos respeitados no mundo inteiro. Jorge Sampaoli e José Pekerman estão no mesmo nível, comandando seleções importantes (Chile e Colômbia, respectivamente) no continente. Nem por sonho imagina-se hoje um brasileiro dirigindo equipes sul-americanas ou europeias.
No continente africano, ainda engatinhando em termos de futebol profissional, a preferência é por treinadores europeus. Carlos Alberto Parreira e Joel Santana foram os últimos a trabalhar no continente, comandando a África do Sul.
Até no imberbe futebol árabe, onde tempos atrás Zagallo e Abel marcaram presença, não há mais espaço para técnicos brasileiros. Resta de verdade apenas alguma brecha na Ásia, onde Cuca representa solitariamente a classe na primeira divisão chinesa.
Como explicar esse menosprezo generalizado aos “professores” brazucas, tão geniais e solenes nas entrevistas pós-jogo?
A resposta está na desatualização profissional. Os técnicos não saem do país, não se preocupam em aprender e se fecham no ambiente protetor e autoindulgente dos campeonatos nacionais. Impõem manias aos jogadores e executam táticas que destoam do que se faz lá fora. São responsáveis diretos pelo abismo em que o futebol do Brasil se encontra.
Quando Barcelona x Juventus se enfrentaram, no sábado passado, a maneira estudada e estratégica com que se lançaram ao jogo não pode nem de longe ser comparada à indigência tática dos times brasileiros, quase todos entregues a sistemas arcaicos e voltados exclusivamente para a destruição de jogadas adversárias.
Pep Guardiola disse, quando ainda treinava o Barcelona, que o segredo da qualidade do time estava no futebol refinado do Brasil de outrora. Sua frase foi como navalha na carne do orgulho nacional. Deveria servir para que todos entendessem que sempre é possível aprender com a própria história.

Planos na cabeça e calculadora na mão

O Papão tem 12 pontos, venceu seus quatro últimos jogos e está na quinta colocação da Série B. Posição privilegiada para um começo de caminhada no campeonato mais competitivo do país. Nas próximas rodadas, o time sai de casa para defender essa condição em duas partidas difíceis. Na sexta-feira, encara o ABC, em Natal, e logo em seguida vai ao Recife enfrentar o Náutico, vice-líder da competição.
Quando instado sobre a projeção que fazia para os dois próximos jogos, no programa Bola na Torre, o técnico Dado Cavalcanti desconversou, preferindo não revelar sua expectativa. É provável que esteja trabalhando com a hipótese de trazer quatro pontos, o que é uma pretensão aceitável.
Como o Papão começou a engrenar, jogando de forma mais compacta e mostrando capacidade de reação, é possível fazer planos de uma vitória sobre o ABC e um empate diante do Náutico. Quatro pontos colocariam o time seguramente no G4 e consolidaria a excepcional campanha neste começo de Série B.
Pelo que expôs durante o programa, Dado tem em mente fazer em Natal um jogo parecido com o de Varginha, quando se expôs a alguns riscos, mas ficou à espera de uma oportunidade para liquidar a fatura. Na ocasião, a equipe ainda demonstrava estar assimilando o esquema proposto pelo técnico. Agora, depois dos triunfos sobre Ceará, Santa Cruz e Paraná, espera-se que o Papão saia mais para o jogo e busque a vitória sem excesso de cautelas.
Com quatro atacantes à disposição, Dado pode avaliar bem as qualidades do adversário para utilizar sua dupla ofensiva mais adequada. Contra um ABC conhecido pela rapidez que emprega ao jogo do meio para a frente, mas com defesa hesitante, o mais provável é que Aylon e Leandro Cearense continuem como titulares.
Já contra o Náutico, dono da defesa mais sólida e entrosada da competição, é recomendável que o ataque seja rápido e ágil, surgindo a chance de que Aylon tenha Bruno Veiga (ou Edinho) como companheiro lá na frente.

Titanic azulino

O Remo tem se notabilizado por produzir notícias ruins nas últimas semanas. Depois da querela judicial envolvendo o presidente Pedro Minowa, eis que ressurge o drama da área do Carrossel. Com a proposta oficial de compra por R$ 7,6 milhões (acima da avaliação), apresentada por João Felizolla Bentes, torna-se iminente a perda do patrimônio.
Atento observador da cena azulina comparava ontem a gestão de Zeca Pirão e o começo da administração de Pedro Minowa com o segundo mandato de Raimundo Ribeiro no clube. Na ocasião, foi vendida a sede campestre também sob parcelamento, fato que não ajudou a resolver as pendências trabalhistas existentes pois inviabilizou descontos junto aos credores.
Há dois anos, o grande benemérito Ronaldo Passarinho vem alertando que, além dos bloqueios de renda, o clube corria o risco de perda de patrimônio. Em mensagem recente ao blog, ele comentou: “Estavam todos no salão de festas do Titanic, discutindo a qualidade do vinho, enquanto o iceberg se aproximava. Pobre Remo”.

10 de junho de 2015 at 1:21 pm Deixe um comentário

Posts antigos Posts mais recentes


Clube no Twitter

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.