Archive for agosto, 2015

BOLA PRA FRENTE – Cláudio Guimarães – 27.8.15

POSITIVO – Recomendo olheiros dos nossos clubes avaliarem hoje no jogo contra a Tuna, 16h, no Souza, da Copa Norte Sub 20, o atacante Jack Chang, do Fast Clube-AM. Artilheiro nato!

NEGATIVO – Foi sobre-humano o esforço dos Agentes de Trânsito e da PM para tentar controlar a situação. Dificuldade de ontem provou que problema de saída e chegada do Mangueirão é a falta de acessos.

Lá e Cá

Paysandu e Fluminense gastaram duas horas para chegar ontem ao Mangueirão. Ainda bem que houve aconselhamento prévio da PM sobre as dificuldades que encontrariam.

Papão não resistiu por plantel limitado para Copa do Brasil e Flu 2×1 (classificado). Não entendi a opção de Dado pelo estabanado Betinho quando tinho o garoto Leandro Carvalho no banco. Gualberto não vem saindo do chão. É duro!

Lecheva deverá ser anunciado hoje como novo técnico do São Raimundo de Santarem para Segundinha.

Do zagueiro Henrique, do Remo, sobre defesa tomar 5 gols nos últimos dois jogos: “no sistema defensivo não somos apenas eu e Max. Falta ajuste”.

Remo confirmou amistoso domingo, 10h da manhã, no Mangueirão, a 20 reais arquibancada. Não seria melhor contra a Tuna, no Souza, no mesmo horário? Cada um sabe o que faz!

Folha mensal do Remo alcança atualmente 405 mil, 303 mil da CT e jogadores, 37 mil de ajuda moradia e 65 mil de funcionários.

Rafael Andrade, ex-zagueiro do Remo, no banco se classificou para próxima fase da Sul-Americana pelo Brasília; atacante Wellington Jr (Paysandu) trabalhou com Enderson Moreira (Flu) no Goiás em 2013.

Rosivaldo Souza (correspondente da Rádio Clube em Castanhal) revela que em 2009 o lateral Pikachu disputou Copa SP pelo Castanhal, quando tinha 17 anos, cedido pelo Paysandu. Palmeiras eliminou o Japiim.

Giovanni, 42anos, ex-craque do futebol paraense, brasileiro e mundial (inclui-se aí a Seleção Canarinho) ontem no Mangueirão mais uma vez. Passou no bicolor em 1994. Gente de melhor qualidade!

HOMENAGEM – Ronaldo Wilson Ferreira Vulcão, o Vulcão, ex-Penta Campeão de Regata pela Tuna com 1º centro do oito gigante e ex-Vice Brasileiro, tudo nos anos 70. Aposentado do BACEN.

Anúncios

27 de agosto de 2015 at 11:03 am Deixe um comentário

Coluna do Gerson Nogueira – 26.08.15

Novo desafio para o Papão

Depois de fazer um gol fora de casa no primeiro jogo, ao Papão cabe vencer o Fluminense hoje à noite para seguir na Copa do Brasil, situando-se entre os oito melhores do país na competição. Jornada dificílima por todas as razões técnicas conhecidas e, mais ainda, pelo fato de o time carioca ter vindo a Belém com um time quase todo formado por reservas.
Explicando melhor: as regras não escritas do futebol mostram que todo time badalado que escala reservas costuma ter um aproveitamento acima da média. E é fácil entender os motivos. Os caras que ficam na suplência vivem à espera de oportunidades – sempre raras – de mostrar seu valor.
Num clube que tem folha salarial na faixa de R$ 20 milhões e estrelas do porte de Ronaldinho Gaúcho e Fred dá para imaginar a gana com que reservas se lançam ao jogo quando têm a chance de mostrar suas qualidades.
No jogo de ida, semana passada, uma das principais figuras em campo foi justamente um reserva, o goleiro Júlio César. Ele é apenas o terceiro goleiro na hierarquia da posição nas Laranjeiras. Nem torcedores mais fanáticos do Flu lembravam dele. Agarrou muito, fazendo com que ninguém sentisse falta do titular Diego Cavalieri.
Por tudo isso, o Papão precisa se cercar de cuidados para não ser envolvido pelo jogo de velocidade da garotada que o Fluminense vai utilizar. Um dos caminhos a serem seguidos pelo técnico Dado Cavalcanti deve ser o de estabelecer média pressão na saída de jogo dos tricolores.
No Maracanã, essa estratégia funcionou em certos momentos da partida, quando Aylon e Leandro Cearense conseguiram encaixar boa marcação nos volantes do Flu, principalmente Jean. No Mangueirão, a tática deve ser explorada com mais intensidade. Não há meio mais fácil de enervar e desestabilizar um time visitante do que fechar suas saídas de bola.
Contra o América-MG, há duas semanas, o Papão agiu assim e matou no nascedouro todos os planos de vitória de Givanildo Oliveira e seus comandados. Naquela noite, Dado Cavalcanti lançou mão pela primeira vez de três atacantes – Misael, Cearense e Welinton Jr.
Como o Papão voltou a usar contra Fluminense e Botafogo a formação que conquistou o maior número de pontos na Série B, é quase certo que Dado mantenha a escalação com Capanema, Recife e Jonathan, o que permitirá exercer pressão sobre os volantes do Flu adiantando o primeiro combate, função que pode ser exercida por Jonathan, com a ajuda dos atacantes Cearense e Aylon.
O fato é que as perspectivas são bastante positivas para o Papão. O time atravessa momento de alto astral, quase em estado de graça depois da categórica vitória sobre o Botafogo no último domingo, e jogando com aplicação e objetividade como não fazia desde o começo da Série B.
Além da força de conjunto, não se pode esquecer o tremendo trunfo representado pelo talento de Pikachu para decidir jogos. Em grande fase, não por coincidência atuando de novo ao lado de Jonathan, Pikachu terá a missão de furar o bloqueio defensivo dos visitantes. Mesmo sendo cada vez mais vigiado pelos marcadores, o ala já mostrou ser imune a pressões, costumando brilhar em momentos decisivos. Hoje tem nova oportunidade de mostrar essas qualidades para todo o Brasil.

Gestão azulina dá exemplo de transparência

Em comunicado público, liberado ontem, o Remo presta contas do dinheiro recebido pela venda de Warian Santos, o Ameixa, ao Corinthians em transação efetivada no dia 31 de julho deste ano. O clube formador recebeu R$ 340 mil, quantia usada para pagar a folha do elenco referente a maio, salários de funcionários, parcela de acordo com o jogador George Lucas, devolução de empréstimos, repasse a base e ao próprio Ameixa, além de honorários dos advogados André Meira e Oswaldo Sestário.
Um procedimento exemplar, que permite acreditar em gestão mais transparente no clube. Segundo os dirigentes, a prestação pública de contas passará a ser uma prática rotineira. A conferir.

Direto do blog

“Saindo diretamente aqui do Pará eu acho difícil o Pikachu conseguir a convocação, ou, em conseguindo, lograr se firmar no escrete. Menos pelo futebol, pois isso ele tem de sobra, superando, inclusive, a maioria dos concorrentes. Sem contar que aparenta ter sobriedade suficiente para suportar as ‘pressões’ que normalmente levam ao deslumbramento e daí ao fracasso. Na realidade, segundo meu ponto de vista, nas atuais circunstâncias do futebol brasileiro, para ter a convocação como certa e depois conseguir se firmar, é preciso ter toda uma retaguarda mercadológica, uma estrutura capaz e direcionada para vender o produto Pikachu para o exterior, tendo a Seleção como trampolim. E isso, quero crer, é algo que é multifacilitado a partir dos clubes de Rio, S. Paulo, Minas, Rio Grande do Sul. Mas, quem sabe, com esta onda de pretensa higienização do futebol brasileiro, de CPI de CBF, de Bom Senso etc., não prevaleça como pré requisito apenas o futebol, o talento, o futebol carismático e irreverente do Pikachu e ele não consiga queimar esta etapa e ir daqui direto pra Seleção. Oxalá!”.

Antonio Oliveira, com os pés no chão quanto à possibilidade de convocação de Pikachu para a Seleção

A eterna ciranda financeira do futebol

O Manchester United decidiu abrir o cofre e aumentou a oferta por Neymar. Botou na mesa R$ 1,3 bilhão, mas o Barcelona faz pouco caso. É claro que as somas que movimentam o mercado boleiro na Europa estão diretamente atreladas à capacidade de faturamento e à liquidez dos clubes, mas não dá para ignorar o lado insano desses valores. Ninguém vale tudo isso, nem mesmo o infernal Messi.

26 de agosto de 2015 at 1:07 pm Deixe um comentário

BOLA PRA FRENTE – Cláudio Guimarães – 26.8.15

POSITIVO – Mosaico dos torcedores (Fiel-Paysandu-1914) hoje no Mangueirão promete ser o maior e mais bonito do futebol brasileiro. Haverá ruas de fogo na chegada do time.

NEGATIVO – Tivessem nossa Federação e Clubes o peso de outros tempos, dada a carência de lateral direito, Pikachu já estaria na Seleção. Basta lembrar Manuel Maria e Rosemiro nos anos 60-70.

Lá e Cá

Paysandu e Remo pela grandeza de suas torcidas precisam de estádio de maior capacidade (50 mil pelo menos). Pior é que não se fala nem na ampliação do Mangueirão, quanto mais construção de outro. É duro!

Guerrero, do Flamengo, cravando 3×0 para o Mengo e 1×0 Paysandu. Não acredita em Vasco e Fluminense; ingressos de hoje esgotados e Flu orientado a deixar o hotel 16h (PM), mas só sairá 16:50h. Terá problema!

Papão em 15 jogos no Mangueirão este ano, 9 vitórias, 3 derrotas e 3 empates. Na Copa do Brasil, 66 partidas, 27 vitórias (80 gols),25 derrotas (levou 87 tentos) e 14 empates (Fonte: Saulo Zaire).

Remo precisa desse jogo contra o Vilhena, dia 13.9, no Mangueirão, para faturar. Última vez que teve boa grana foi no 4×1 no Cuiabá, Copa Verde, 30.4, públio pagante de 34.760 e arrecadação de R$ 976.056,00.

Venda de Ameixa (só 340 mil) pela prestação de contas do futebol do Remo quitou pendências com jogadores e advogados. Sempre a base ajudando! Mandado de segurança para sustar leilão do Carrossel.

Remo tem Executivo de Futebol, Gerente de Futebol e Secretário de Futebol. O que especificadamente cada um faz? Amistoso contra o Izabelense gorou; jovem atacante Moreno mais um fazendo teste.

Goiano Eduardo Valadão de volta ao Pará para apitar Paysandu x Bragantino, sábado, Mangueirão. Esteve no Remo 3×2 Nacional-AM, em Paragominas. Já apareceu em 8 jogos das competições da CBF este ano.

Maratona bicolor de 5 jogos em 12 dias, desde o Flu no RJ até o Ceará, dia 1.9, em Fortaleza (Série B); Fox Sports e Futebolinterior insistem que Pikachu tem pré-contrato com o Fla; Leandro Carvalho relacionado hoje.

Bragantino chegará na quinta à noite sem problemas e já escalado: Douglas, Alemão, Leandro Silva (ex-bicolor), Luan e Moisés, Renan, Edson Citta, Jocinei e Alan Mineiro, Rodolfo e Lincon (é escrito assim mesmo).

Técnico é Wagner Lopes e novo diretor de futebol o ex-jogador Alex Afonso. Do jogo de ida (Braga 1×0), dia 16.5, remanescentes Douglas, Alemão, Leandro Silva, Moisés, Alan Mineiro e Rodolfo.

HOMENAGEM – Luiz Alberto Souza Moreira, o Moreira, nos anos 80-90 foi Tri Baiano de Boxe meio pesado pelo Bahia, bi NN pela Seleção Baiana, Bi Paraense no Paysandu e Vice Brasileiro pelo Pará (1992). É autônomo.

26 de agosto de 2015 at 1:04 pm Deixe um comentário

BOLA PRA FRENTE – Cláudio Guimarães – 25.8.15

POSITIVO – Sou fã do zagueiro bicolor Pablo, discreto, humilde e sempre que chamado dá conta do recado; cobramos Edicleber e Sílvio e corresponderam no Remo. Ainda faltam Nadson e Tsunami, Cacaio!

NEGATIVO – Federação Paraense de Ciclismo se julgando prejudicada na Copa Norte-Nordeste no Piauí e culpa a promotora de maracutaias; Águia eliminada até na Copa Sub 16 de Marabá. Tá feia a coisa para o Azulão!

Lá e Cá

Paysandu está 100% na Copa Brasil em casa e sem levar gols: 2×0 no Águia Negra-MS, 1×0 no ABC-RN e 3×0 no Bahia. Qualquer desses escore interessa amanhã.

Fluminense para amanhã: J.Cesar, Renato, Gum, Marlon e Scarpa, Edson, Jean e Cícero, Lucas Gomes (paraense), Magno Alves e Marco Jr. Traz outro paraense, o Victor Oliveira. Treino, hoje, 10:30h, Mangueirão.

Confrontos da Série D, hoje: Remo x Coruripe, CRAC x River, Lajeadense-RS x Ypiranga-RS, Estanciano x Central, Campinense x Caldense, Palmas x Rio Branco-AC, Rio Branco-ES x Gama e Operário-PR x S.Caetano.

Goleiro Paulo Ricardo e atacante Leandro Carvalho mais uma vez se destacando na Copa Norte Sub 20. Só que os olhos bicolores não largam o Lucas Giovanne, 17 anos anos, que brilha no Sub 20 desde os 16 anos.

Remo x Izabelense amistoso na sexta, 16h, no Baenão; com iminente corte de Daniel Alves da Seleção Brasileira não é chegada a hora do Pikachu? Alô, Dunga, Rinaldi (chegou a pedir informações ao Chares Guerreiro).

Dos 6 gols do Remo e Paysandu no final de semana, 67% (4) de pratas da casa: Edicleber e Sílvio (Leão), Pikachu e Jonathan (Papão); “Pikashow” já é cadeira cativa na Seleção da Rodadada Série B. Entrou de novo!

Curiosamente os jogadores mais badalados no momento no futebol brasileiro são paraenses: Pikachu (Paysandu) e Erik (Goiás); Vilhena-RO à deriva, sem presidente e diretor de futebol. É bom não confiar nisso!

Campeão da Copa Norte Sub 20 que se realiza em Belém vai direto para o Brasileiro da categoria e pegará de saída o Cruzeiro-MG, dos paraenses Rony (ex-Remo) e Ânderson Pará (ex-Bahia e oriundo de Capanema).

Dia 20.9 a 6ª Edição da Corrida do Engenheiro (este ano sem Caminhada) e na João Paulo II, à frente Daniel Sobrinho. Informações http://www.clubedeengenharia dopara.com.br

Dia 30.8 Torneio Society e muitas atrações na Arena DUBARKA, em Barcarena, à frente os ex-atletas de futsal Nenem e Curimim.

HOMENAGEM – Roberto Luiz de Freitas Campos, o Roberto Campos, ex-tri campeão mineiro de judô médio ligeiro, ex-campeão de torneios militares de judô e natação pela Academia Militar-MG. Comandante Geral PM-PA.

25 de agosto de 2015 at 12:04 pm Deixe um comentário

Papo do 40° – Ronaldo Porto – 24.08.15

PAPÃO BRILHOU E O LEÃO VENCEU

Jogo emocionante pela Série B no Estádio Nilton Santos na manhã de ontem. Pikachu fez 1×0, Tiago Martins aumentou, o Botafogo descontou e o Papão não deu nem tempo para o Fogão comemorar. O 3×1 estava de bom tamanho, mas o time cansou, cochilou na marcação e o Botafogo diminuiu para 3×2. Teve até pênalti marcado contra o Paysandu, mas o juiz voltou atrás atendendo a marcação de impedimento pelo bandeira. Fiquei com receio da “síndrome dos acréscimos”, mas o Papão controlou o cansaço e o jogo e trouxe três pontos do Rio de Janeiro, voltando a jogar em casa contra o Bragantino dia 29. No sábado, cumprindo seu último castigo, o Remo abriu 3×0 contra o Nacional pela Série D e acabou cedendo espaço no final e o Naça chegou aos 3×2, mas o que interessou foi a vitória e a liderança isolada. Agora o Remo sairá para jogar diante do Rio Branco-AC e depois finaliza a 1ª fase em casa diante do Vilhena no Mangueirão com casa cheia. O Leão voltou a liderar toda a Série D com seus 13 pontos, o mesmo que o CRAC-GO, mas vence no saldo de gols o time de Catalão.

ALTA TEMPERATURA

Sem dúvida alguma o Paysandu foi bem melhor que o Fluminense na partida de ida da 4ª fase da Copa do Brasil, mas a “síndrome dos acréscimos” mais uma vez ditou o resultado do jogo e o Papão saiu derrotado por 2×1, nada que meta medo no jogo de volta no meio de semana, onde o Paysandu vencendo por 1×0 levará a vaga para a 5ª fase. O golaço de falta do Pikachu foi assunto em todas as redes de televisão, mas aquele gol aos 47 do 2º tempo do Fluzão tirou o brilho do melhor time em campo. A bola pune, e foi punir justamente o Pikachu que cortou o escanteio e acabou dando um passe para o gol do adversário.

BAIXA TEMPERATURA

E o Águia, meu Deus, não consegue vencer ninguém nem dentro de casa. Ontem, mais uma derrota dentro de Marabá diante do Confiança-SE por 2×1 e essa, parece, é a pior campanha do time de João Galvão na Série C em todos os tempos. Sempre achei que a vitória viria e com ela a recuperação e a fuga do descenso, mas não acredito mais. O que será que está acontecendo com o velho Águia de guerra?

NO TERMÔMETRO

Nas duas partidas no Rio de Janeiro a torcida do Paysandu lotou o espaço dos visitantes, tanto no Maracanã como no Engenhão, o que prova que a galera joga junto com o time, dentro ou fora de casa. /// Era nítido o cansaço do time do Paysandu no 2º tempo depois das duas batalhas no Rio, mas dessa vez a sorte se aliou à competência e o time conquistou uma grande vitória contra o Botafogo. Nada contra o preparo físico do time, mas jogar naquela canícula pra fazer bem somente à CBF é dose. /// Com a vitória, o Paysandu subiu para a 6ª colocação na Série B, coladinho nos times que estão no G4 e agora troca o “chip” na quarta para tentar a inédita classificação as quartas de finais da Copa do Brasil. /// Hoje o Remo pegaria o Colo Colo-BA na próxima fase da Série D, time desconhecido do público paraense, mas uma equipe que sempre apronta no Campeonato Baiano. Importante o Remo vencer os dois jogos que faltam na 1ª fase, Rio Branco-AC fora e Vilhena-RO no Mangueirão, para pegar um adversário mais fraco, digamos assim. /// Pikachu não deve ficar mesmo no Paysandu depois dessas duas partidas no Rio de Janeiro. O jogador está sendo procurado por várias equipes do Brasil e, segundo uma fonte de primeira, até por uma equipe do exterior, mais precisamente de Portugal. Realmente Pikachu é um jogador diferenciado, goleador nato e menos de três milhões é pouca coisa para o potencial do lateral. O problema é que a divisão do dinheiro será fatiada em várias partes. /// E o Leandrão, aquele que passou no Clube do Remo? É artilheiro da Série C. Parece que a coisa é só aqui em Belém. /// Remo venceu sete páreos na regata de ontem e está com as mãos no título. /// Uma boa semana a todos e viva Jesus!

E-mails: rporto@supridados.com.br

24 de agosto de 2015 at 1:39 pm Deixe um comentário

Coluna do Gerson Nogueira – 24.08.15

Brilha a estrela do Papão

Depois de sua fulgurante passagem pelos gramados da Maravilhosa, Pikachu faz por merecer a divertida homenagem que lhe fez Dinho Menezes, repórter da Rádio Clube, chamando-o de “menino do Rio” depois da partida contra o Fluminense na quinta-feira. Ontem, na manhã de sol a pino, a estrela do ala do Papão brilhou mais do que a do Botafogo em pleno estádio Nilton Santos.

Desempenhos em alto nível num espaço de apenas quatro dias. Não há mais dúvida – se é que houve algum dia – das qualidades de Pikachu, a justificar o declarado interesse de vários grandes clubes brasileiros e a atenção da comissão técnica da Seleção Brasileira. Ontem, se a Estrela Solitária esperava brilhar, acabou tendo que assistir a brilhante atuação do jovem lateral paraense.

O giro que o Papão fez pelo Rio de Janeiro, teve saldo extremamente positivo. É verdade que perdeu na Copa do Brasil, mas com gol marcado na casa do adversário. Estreou com o pé direito no returno da Série B, encostando novamente no G4. E, de quebra, aproveitou para se mostrar ao país como o time vencedor e aguerrido, reacendendo o prestígio conquistado na Libertadores 2003.

Acima de todos, porém, pairou a figura de Pikachu. Em grande fase técnica, exibiu aos cariocas e ao país a capacidade de finalização que nenhum lateral direito da Seleção Brasileira tem. Atuou contra equipes de nível razoável e levou a melhor sobre seus sistemas de defesa, marcando gols importantes nos dois confrontos.

Contra o Flu marcou cobrando falta, uma de suas especialidades. Ontem, diante do Botafogo, exibiu a conhecida velocidade nos últimos 20 metros e a pontaria mortal. Ao receber o passe dentro da pequena área, esperou a saída de Jefferson e meteu rasteiro no canto esquerdo da meta alvinegra. Proezas de quem realmente sabe jogar.

Ocorre que o Papão não foi apenas Pikachu no Niltão. Foi um time bem armado e ciente de seus limites. Aceitou a pressão inicial do Botafogo, que marcava a saída de Fahel e Jonathan, atrapalhando a chegada do Papão ao ataque. Por cerca de 20 minutos os donos da casa cercaram a área e tiveram pelo menos duas chances, uma delas terminou nas mãos de Emerson e outra passou rente à trave.

Curiosamente, na parada técnica o jogo começou a mudar. O Papão voltou mais aceso e determinado, com Valdívia se movimentando mais e Pikachu aparecendo nas ações ofensivas. Aos 26 minutos, o ala recebeu dentro da área, limpou a jogada e disparou, rasteiro, para o barbante, vencendo ao goleiro Jefferson, que não conseguiu abafar o chute.

O apagão botafoguense se completaria um minuto depois. Em novo cochilo dos zagueiros, foi a vez de Tiago Martins definir, após receber livre pelo lado direito do ataque. Bateu forte e cruzado para estufar as redes.

Até sofrer os gols o Botafogo tinha se apresentado bem, atacando mais e retendo a posse da bola, embora sem competência para marcar. Com 2 a 0 no placar, o Papão passou a dar as cartas, controlando bem a movimentação no meio-de-campo e explorando os contra-ataques em cima do desespero dos botafoguenses.

Depois do intervalo, Neilton e Daniel Carvalho criaram várias situações de perigo, mas o Papão também dava suas estocadas, principalmente com Aylon, que se deslocava muito e confundia os marcadores. Aos 18 minutos, Daniel Carvalho descontou depois de troca de passes que mobilizou todos os atacantes alvinegros.

A torcida que enchia as arquibancadas do Niltão não teve nem tempo de festejar. Contra-ataque mortal iniciado por Valdívia e finalizado magistralmente por Jonathan resultou no terceiro gol bicolor, aos 20. A reação fulminante conteve o ímpeto do Botafogo em momento crucial do jogo. A partir daí, já com Dão em campo e Carlinhos no meio, o Papão se dedicou a defender a vantagem, recuando e correndo muitos riscos.

O Botafogo aumentou o cerco e sufocou nos minutos finais, aproveitando o espaço existente na intermediária do Papão. Chegou ao segundo gol com Sassá, aos 36, mas não teve força para ameaçar mais porque Ricardo Gomes prestou um serviço a Dado Cavalcanti tirando seu melhor atacante, Neilton, e deixando o apagado Luís Henrique em campo.

Papão mereceu a vitória porque soube neutralizar a armadilha inicial do Botafogo e teve aplicação e frieza, mostrando objetividade para aproveitar todas as chances que teve na partida.

Triunfo teve cinco grandes destaques

Pelo lado do Papão, atuação quase impecável de Pikachu, que provou mais uma vez sua utilidade como falso atacante e categoria nos momentos decisivos. Destacaram-se também os zagueiros Tiago Martins e Pablo, o meio-campista Jonathan, que marcou seu primeiro gol pelo Papão, e o goleiro Emerson, responsável por três difíceis defesas.

Leão vence, mas permite sufoco no final

A vitória foi importante, deixando o Remo quase classificado no grupo A1 da Série D, mas o comportamento da equipe voltou a ser claudicante. Marcou logo no começo, em disparo caprichado de Edcléber no ângulo. O Nacional pouco incomodava e permitia chances seguidas.

No etapa final, o gol de Sílvio logo aos 7 minutos após grande arrancada serviu para tranquilizar o time, que ainda assim continuava a errando muito. O Naça se defendia, distribuindo chutões a torto e a direito. Aos 28, Henrique marcou o terceiro gol e tudo parecia sacramentado. Só que não.

Felipe aproveitou bobeira geral da zaga e diminuiu aos 31 minutos. O próprio Felipe foi expulso logo a seguir, mas o Remo entrou em parafuso nos minutos finais, abrindo espaço para que o Naça buscasse a reação.

Aos 43, Junior Paraíba fez o segundo se valendo de uma bobeira do volante Felipe Macena. E o que era para ser um jogo tranquilo terminou em drama na Arena Verde.

Os mesmos erros mostrados contra o Náutico-RR apareceram em vários momentos da partida, principalmente pelo desequilíbrio no meio-de-campo, onde Eduardo Ramos não atuou bem.

A entrada dos garotos Edcléber e Sílvio contribuiu para dar mais vivacidade ofensiva ao time, mas Cacaio errou feio ao optar novamente pela cautela exagerada. Botar Felipe Macena em campo quando o Remo tinha chances de disparar uma goleada foi um equívoco quase fatal.

24 de agosto de 2015 at 1:28 pm Deixe um comentário

BOLA PRA FRENTE – Cláudio Guimarães – 23.8.15

Entrevista com o ex-atacante do Paysandu Carlos Alberto (Urubu), que matava o Leão em cima da hora e ganhou apelido pelo jeito de andar.

Começou onde?
No Aguia do Telégrafo, passei pelo Dramático da Praça Brasil, Ex- Combatentes (com Armando Monteiro) até chegar ao Paysandu.

Quem o levou ao Papão, quantos anos lá, títulos e gols?
Fui levado, a exemplo do Quarentinha, pelo massagista bicolor Carnaval. Fiquei 8 anos, 5 titulos e 130 gols (4º maior artilheiro do clube).

Tinha fama de matar o Remo em cima da hora. Quantas vezes?
Pelo menos umas quatro. Lembro bem do campeonato 1957, terminado em 1958 e o de 1962 (neste ano no último jogo fiz 2 e um bem no final).

Defendeu a Seleção Paraense?
Duas vezes. Em 1960 com Arleto Guedes fomos até Pernambuco onde caímos. Em 1962, com Gentil Carodoso, ficamos no Maranhão.

Como escalaria o melhor Paysandu dos anos que jogou no clube?
Asas, Fiúza e Gilvandro, Pau Preto, Maurício e Salazar, Meia Noite, Natividade, Luciano, Quarentinha e Eu.

Melhores jogadores do Pará na sua época?
Quarentinha (Paysandu), China (Tuna) e Quiba (Remo).

Técnicos que influenciaram sua carreira?
Rafael Bria, Arleto Guedes e Gentil Cardoso.

Jogo e gol inesquecíveis?
O Rex PA do campeonato de 1957, jogado em 16.3.58, que terminou 3×3. Fiz o gol do empate em cima da hora e fomos bi.

Maior craque brasileiro de todos os tempos?
Garrincha.

E agora no Pará e Brasil afora?
Pikachu e Neymar.

Que fez depois de parar com o futebol?
Tornei-me bancário trabalhando 23 anos no BANPARÁ de onde sou aposentado.

Sua famíia?
Minha querida esposa Maria da Paz já partiu e está com Deus. Meus filhos são Carlos Alberto Jr e Carlos Otávio, netos Yan Carlos (também neto do falecido ex-zagueiro remista Ribeiro) e Carla Juliana. Todos Papão.

Para que tira o chapéu no futebol paraense?
Paulo Benedito Braga, o Quarentinha.

23 de agosto de 2015 at 2:00 pm Deixe um comentário

Posts antigos Posts mais recentes


Clube no Twitter

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.