Archive for agosto, 2015

BOLA PRA FRENTE – Cláudio Guimarães – 25.8.15

POSITIVO – Sou fã do zagueiro bicolor Pablo, discreto, humilde e sempre que chamado dá conta do recado; cobramos Edicleber e Sílvio e corresponderam no Remo. Ainda faltam Nadson e Tsunami, Cacaio!

NEGATIVO – Federação Paraense de Ciclismo se julgando prejudicada na Copa Norte-Nordeste no Piauí e culpa a promotora de maracutaias; Águia eliminada até na Copa Sub 16 de Marabá. Tá feia a coisa para o Azulão!

Lá e Cá

Paysandu está 100% na Copa Brasil em casa e sem levar gols: 2×0 no Águia Negra-MS, 1×0 no ABC-RN e 3×0 no Bahia. Qualquer desses escore interessa amanhã.

Fluminense para amanhã: J.Cesar, Renato, Gum, Marlon e Scarpa, Edson, Jean e Cícero, Lucas Gomes (paraense), Magno Alves e Marco Jr. Traz outro paraense, o Victor Oliveira. Treino, hoje, 10:30h, Mangueirão.

Confrontos da Série D, hoje: Remo x Coruripe, CRAC x River, Lajeadense-RS x Ypiranga-RS, Estanciano x Central, Campinense x Caldense, Palmas x Rio Branco-AC, Rio Branco-ES x Gama e Operário-PR x S.Caetano.

Goleiro Paulo Ricardo e atacante Leandro Carvalho mais uma vez se destacando na Copa Norte Sub 20. Só que os olhos bicolores não largam o Lucas Giovanne, 17 anos anos, que brilha no Sub 20 desde os 16 anos.

Remo x Izabelense amistoso na sexta, 16h, no Baenão; com iminente corte de Daniel Alves da Seleção Brasileira não é chegada a hora do Pikachu? Alô, Dunga, Rinaldi (chegou a pedir informações ao Chares Guerreiro).

Dos 6 gols do Remo e Paysandu no final de semana, 67% (4) de pratas da casa: Edicleber e Sílvio (Leão), Pikachu e Jonathan (Papão); “Pikashow” já é cadeira cativa na Seleção da Rodadada Série B. Entrou de novo!

Curiosamente os jogadores mais badalados no momento no futebol brasileiro são paraenses: Pikachu (Paysandu) e Erik (Goiás); Vilhena-RO à deriva, sem presidente e diretor de futebol. É bom não confiar nisso!

Campeão da Copa Norte Sub 20 que se realiza em Belém vai direto para o Brasileiro da categoria e pegará de saída o Cruzeiro-MG, dos paraenses Rony (ex-Remo) e Ânderson Pará (ex-Bahia e oriundo de Capanema).

Dia 20.9 a 6ª Edição da Corrida do Engenheiro (este ano sem Caminhada) e na João Paulo II, à frente Daniel Sobrinho. Informações http://www.clubedeengenharia dopara.com.br

Dia 30.8 Torneio Society e muitas atrações na Arena DUBARKA, em Barcarena, à frente os ex-atletas de futsal Nenem e Curimim.

HOMENAGEM – Roberto Luiz de Freitas Campos, o Roberto Campos, ex-tri campeão mineiro de judô médio ligeiro, ex-campeão de torneios militares de judô e natação pela Academia Militar-MG. Comandante Geral PM-PA.

25 de agosto de 2015 at 12:04 pm Deixe um comentário

Papo do 40° – Ronaldo Porto – 24.08.15

PAPÃO BRILHOU E O LEÃO VENCEU

Jogo emocionante pela Série B no Estádio Nilton Santos na manhã de ontem. Pikachu fez 1×0, Tiago Martins aumentou, o Botafogo descontou e o Papão não deu nem tempo para o Fogão comemorar. O 3×1 estava de bom tamanho, mas o time cansou, cochilou na marcação e o Botafogo diminuiu para 3×2. Teve até pênalti marcado contra o Paysandu, mas o juiz voltou atrás atendendo a marcação de impedimento pelo bandeira. Fiquei com receio da “síndrome dos acréscimos”, mas o Papão controlou o cansaço e o jogo e trouxe três pontos do Rio de Janeiro, voltando a jogar em casa contra o Bragantino dia 29. No sábado, cumprindo seu último castigo, o Remo abriu 3×0 contra o Nacional pela Série D e acabou cedendo espaço no final e o Naça chegou aos 3×2, mas o que interessou foi a vitória e a liderança isolada. Agora o Remo sairá para jogar diante do Rio Branco-AC e depois finaliza a 1ª fase em casa diante do Vilhena no Mangueirão com casa cheia. O Leão voltou a liderar toda a Série D com seus 13 pontos, o mesmo que o CRAC-GO, mas vence no saldo de gols o time de Catalão.

ALTA TEMPERATURA

Sem dúvida alguma o Paysandu foi bem melhor que o Fluminense na partida de ida da 4ª fase da Copa do Brasil, mas a “síndrome dos acréscimos” mais uma vez ditou o resultado do jogo e o Papão saiu derrotado por 2×1, nada que meta medo no jogo de volta no meio de semana, onde o Paysandu vencendo por 1×0 levará a vaga para a 5ª fase. O golaço de falta do Pikachu foi assunto em todas as redes de televisão, mas aquele gol aos 47 do 2º tempo do Fluzão tirou o brilho do melhor time em campo. A bola pune, e foi punir justamente o Pikachu que cortou o escanteio e acabou dando um passe para o gol do adversário.

BAIXA TEMPERATURA

E o Águia, meu Deus, não consegue vencer ninguém nem dentro de casa. Ontem, mais uma derrota dentro de Marabá diante do Confiança-SE por 2×1 e essa, parece, é a pior campanha do time de João Galvão na Série C em todos os tempos. Sempre achei que a vitória viria e com ela a recuperação e a fuga do descenso, mas não acredito mais. O que será que está acontecendo com o velho Águia de guerra?

NO TERMÔMETRO

Nas duas partidas no Rio de Janeiro a torcida do Paysandu lotou o espaço dos visitantes, tanto no Maracanã como no Engenhão, o que prova que a galera joga junto com o time, dentro ou fora de casa. /// Era nítido o cansaço do time do Paysandu no 2º tempo depois das duas batalhas no Rio, mas dessa vez a sorte se aliou à competência e o time conquistou uma grande vitória contra o Botafogo. Nada contra o preparo físico do time, mas jogar naquela canícula pra fazer bem somente à CBF é dose. /// Com a vitória, o Paysandu subiu para a 6ª colocação na Série B, coladinho nos times que estão no G4 e agora troca o “chip” na quarta para tentar a inédita classificação as quartas de finais da Copa do Brasil. /// Hoje o Remo pegaria o Colo Colo-BA na próxima fase da Série D, time desconhecido do público paraense, mas uma equipe que sempre apronta no Campeonato Baiano. Importante o Remo vencer os dois jogos que faltam na 1ª fase, Rio Branco-AC fora e Vilhena-RO no Mangueirão, para pegar um adversário mais fraco, digamos assim. /// Pikachu não deve ficar mesmo no Paysandu depois dessas duas partidas no Rio de Janeiro. O jogador está sendo procurado por várias equipes do Brasil e, segundo uma fonte de primeira, até por uma equipe do exterior, mais precisamente de Portugal. Realmente Pikachu é um jogador diferenciado, goleador nato e menos de três milhões é pouca coisa para o potencial do lateral. O problema é que a divisão do dinheiro será fatiada em várias partes. /// E o Leandrão, aquele que passou no Clube do Remo? É artilheiro da Série C. Parece que a coisa é só aqui em Belém. /// Remo venceu sete páreos na regata de ontem e está com as mãos no título. /// Uma boa semana a todos e viva Jesus!

E-mails: rporto@supridados.com.br

24 de agosto de 2015 at 1:39 pm Deixe um comentário

Coluna do Gerson Nogueira – 24.08.15

Brilha a estrela do Papão

Depois de sua fulgurante passagem pelos gramados da Maravilhosa, Pikachu faz por merecer a divertida homenagem que lhe fez Dinho Menezes, repórter da Rádio Clube, chamando-o de “menino do Rio” depois da partida contra o Fluminense na quinta-feira. Ontem, na manhã de sol a pino, a estrela do ala do Papão brilhou mais do que a do Botafogo em pleno estádio Nilton Santos.

Desempenhos em alto nível num espaço de apenas quatro dias. Não há mais dúvida – se é que houve algum dia – das qualidades de Pikachu, a justificar o declarado interesse de vários grandes clubes brasileiros e a atenção da comissão técnica da Seleção Brasileira. Ontem, se a Estrela Solitária esperava brilhar, acabou tendo que assistir a brilhante atuação do jovem lateral paraense.

O giro que o Papão fez pelo Rio de Janeiro, teve saldo extremamente positivo. É verdade que perdeu na Copa do Brasil, mas com gol marcado na casa do adversário. Estreou com o pé direito no returno da Série B, encostando novamente no G4. E, de quebra, aproveitou para se mostrar ao país como o time vencedor e aguerrido, reacendendo o prestígio conquistado na Libertadores 2003.

Acima de todos, porém, pairou a figura de Pikachu. Em grande fase técnica, exibiu aos cariocas e ao país a capacidade de finalização que nenhum lateral direito da Seleção Brasileira tem. Atuou contra equipes de nível razoável e levou a melhor sobre seus sistemas de defesa, marcando gols importantes nos dois confrontos.

Contra o Flu marcou cobrando falta, uma de suas especialidades. Ontem, diante do Botafogo, exibiu a conhecida velocidade nos últimos 20 metros e a pontaria mortal. Ao receber o passe dentro da pequena área, esperou a saída de Jefferson e meteu rasteiro no canto esquerdo da meta alvinegra. Proezas de quem realmente sabe jogar.

Ocorre que o Papão não foi apenas Pikachu no Niltão. Foi um time bem armado e ciente de seus limites. Aceitou a pressão inicial do Botafogo, que marcava a saída de Fahel e Jonathan, atrapalhando a chegada do Papão ao ataque. Por cerca de 20 minutos os donos da casa cercaram a área e tiveram pelo menos duas chances, uma delas terminou nas mãos de Emerson e outra passou rente à trave.

Curiosamente, na parada técnica o jogo começou a mudar. O Papão voltou mais aceso e determinado, com Valdívia se movimentando mais e Pikachu aparecendo nas ações ofensivas. Aos 26 minutos, o ala recebeu dentro da área, limpou a jogada e disparou, rasteiro, para o barbante, vencendo ao goleiro Jefferson, que não conseguiu abafar o chute.

O apagão botafoguense se completaria um minuto depois. Em novo cochilo dos zagueiros, foi a vez de Tiago Martins definir, após receber livre pelo lado direito do ataque. Bateu forte e cruzado para estufar as redes.

Até sofrer os gols o Botafogo tinha se apresentado bem, atacando mais e retendo a posse da bola, embora sem competência para marcar. Com 2 a 0 no placar, o Papão passou a dar as cartas, controlando bem a movimentação no meio-de-campo e explorando os contra-ataques em cima do desespero dos botafoguenses.

Depois do intervalo, Neilton e Daniel Carvalho criaram várias situações de perigo, mas o Papão também dava suas estocadas, principalmente com Aylon, que se deslocava muito e confundia os marcadores. Aos 18 minutos, Daniel Carvalho descontou depois de troca de passes que mobilizou todos os atacantes alvinegros.

A torcida que enchia as arquibancadas do Niltão não teve nem tempo de festejar. Contra-ataque mortal iniciado por Valdívia e finalizado magistralmente por Jonathan resultou no terceiro gol bicolor, aos 20. A reação fulminante conteve o ímpeto do Botafogo em momento crucial do jogo. A partir daí, já com Dão em campo e Carlinhos no meio, o Papão se dedicou a defender a vantagem, recuando e correndo muitos riscos.

O Botafogo aumentou o cerco e sufocou nos minutos finais, aproveitando o espaço existente na intermediária do Papão. Chegou ao segundo gol com Sassá, aos 36, mas não teve força para ameaçar mais porque Ricardo Gomes prestou um serviço a Dado Cavalcanti tirando seu melhor atacante, Neilton, e deixando o apagado Luís Henrique em campo.

Papão mereceu a vitória porque soube neutralizar a armadilha inicial do Botafogo e teve aplicação e frieza, mostrando objetividade para aproveitar todas as chances que teve na partida.

Triunfo teve cinco grandes destaques

Pelo lado do Papão, atuação quase impecável de Pikachu, que provou mais uma vez sua utilidade como falso atacante e categoria nos momentos decisivos. Destacaram-se também os zagueiros Tiago Martins e Pablo, o meio-campista Jonathan, que marcou seu primeiro gol pelo Papão, e o goleiro Emerson, responsável por três difíceis defesas.

Leão vence, mas permite sufoco no final

A vitória foi importante, deixando o Remo quase classificado no grupo A1 da Série D, mas o comportamento da equipe voltou a ser claudicante. Marcou logo no começo, em disparo caprichado de Edcléber no ângulo. O Nacional pouco incomodava e permitia chances seguidas.

No etapa final, o gol de Sílvio logo aos 7 minutos após grande arrancada serviu para tranquilizar o time, que ainda assim continuava a errando muito. O Naça se defendia, distribuindo chutões a torto e a direito. Aos 28, Henrique marcou o terceiro gol e tudo parecia sacramentado. Só que não.

Felipe aproveitou bobeira geral da zaga e diminuiu aos 31 minutos. O próprio Felipe foi expulso logo a seguir, mas o Remo entrou em parafuso nos minutos finais, abrindo espaço para que o Naça buscasse a reação.

Aos 43, Junior Paraíba fez o segundo se valendo de uma bobeira do volante Felipe Macena. E o que era para ser um jogo tranquilo terminou em drama na Arena Verde.

Os mesmos erros mostrados contra o Náutico-RR apareceram em vários momentos da partida, principalmente pelo desequilíbrio no meio-de-campo, onde Eduardo Ramos não atuou bem.

A entrada dos garotos Edcléber e Sílvio contribuiu para dar mais vivacidade ofensiva ao time, mas Cacaio errou feio ao optar novamente pela cautela exagerada. Botar Felipe Macena em campo quando o Remo tinha chances de disparar uma goleada foi um equívoco quase fatal.

24 de agosto de 2015 at 1:28 pm Deixe um comentário

BOLA PRA FRENTE – Cláudio Guimarães – 23.8.15

Entrevista com o ex-atacante do Paysandu Carlos Alberto (Urubu), que matava o Leão em cima da hora e ganhou apelido pelo jeito de andar.

Começou onde?
No Aguia do Telégrafo, passei pelo Dramático da Praça Brasil, Ex- Combatentes (com Armando Monteiro) até chegar ao Paysandu.

Quem o levou ao Papão, quantos anos lá, títulos e gols?
Fui levado, a exemplo do Quarentinha, pelo massagista bicolor Carnaval. Fiquei 8 anos, 5 titulos e 130 gols (4º maior artilheiro do clube).

Tinha fama de matar o Remo em cima da hora. Quantas vezes?
Pelo menos umas quatro. Lembro bem do campeonato 1957, terminado em 1958 e o de 1962 (neste ano no último jogo fiz 2 e um bem no final).

Defendeu a Seleção Paraense?
Duas vezes. Em 1960 com Arleto Guedes fomos até Pernambuco onde caímos. Em 1962, com Gentil Carodoso, ficamos no Maranhão.

Como escalaria o melhor Paysandu dos anos que jogou no clube?
Asas, Fiúza e Gilvandro, Pau Preto, Maurício e Salazar, Meia Noite, Natividade, Luciano, Quarentinha e Eu.

Melhores jogadores do Pará na sua época?
Quarentinha (Paysandu), China (Tuna) e Quiba (Remo).

Técnicos que influenciaram sua carreira?
Rafael Bria, Arleto Guedes e Gentil Cardoso.

Jogo e gol inesquecíveis?
O Rex PA do campeonato de 1957, jogado em 16.3.58, que terminou 3×3. Fiz o gol do empate em cima da hora e fomos bi.

Maior craque brasileiro de todos os tempos?
Garrincha.

E agora no Pará e Brasil afora?
Pikachu e Neymar.

Que fez depois de parar com o futebol?
Tornei-me bancário trabalhando 23 anos no BANPARÁ de onde sou aposentado.

Sua famíia?
Minha querida esposa Maria da Paz já partiu e está com Deus. Meus filhos são Carlos Alberto Jr e Carlos Otávio, netos Yan Carlos (também neto do falecido ex-zagueiro remista Ribeiro) e Carla Juliana. Todos Papão.

Para que tira o chapéu no futebol paraense?
Paulo Benedito Braga, o Quarentinha.

23 de agosto de 2015 at 2:00 pm Deixe um comentário

Coluna do Gerson Nogueira – 23.08.15

E o Brasil redescobre o Pará

A Copa do Brasil tem, entre outras virtudes, a de clarear as coisas quanto ao verdadeiro poder de fogo dos clubes brasileiros. A rodada desta semana expôs, em toda a sua intensidade, o surpreendente equilíbrio de forças entre equipes de divisões diferentes. O todo-poderoso São Paulo caiu do cavalo frente ao Ceará, lanterna da Série B. O Fluminense, integrante do G4 da Série A, passou maus pedaços e poderia até ter perdido para o Papão aqui do Norte se o futebol fosse mais justo. Venceu nos acréscimos, depois de tomar um sufoco nos 15 minutos finais.
É claro que o formato da competição privilegia a emoção e acaba dando lugar muitas vezes ao inusitado, a partir de um mau momento de uma equipe mais qualificada. No sistema de pontos corridos dos Brasileiros das Séries A e B, inexiste a possibilidade de surpresas na classificação final. Copas, ao contrário, sobrevivem justamente da sempre presente hipótese do inesperado.
Como nada tem a ver com isso, o Papão mostrou que tem condições de se entestar com um grande da Primeira Divisão sem precisar se retrancar ou apelar para o jogo mais ríspido. Atuou no mesmo nível do adversário e, em várias ocasiões, foi nitidamente superior. Por tudo isso, a rápida visita ao Rio de Janeiro pode se tornar extremamente lucrativa para o time e para um de seus mais importantes jogadores.
Mesmo com a derrota diante do Flu por 2 a 1, o Papão saiu engrandecido. Sim, parece estranho, afinal perder nunca é bom. Ocorre que, pelo sistema de disputa da Copa do Brasil, marcar gol em terreno inimigo representa um bom negócio. Tanto que na partida de volta, em Belém, um placar simples de 1 a 0 servirá para classificar os bicolores.
Acima de tudo, o bom jogo feito pelo Papão garantiu repercussão amplamente positiva nos meios de comunicação de Rio e São Paulo, jogando luz sobre o futebol que se pratica na parte de cima do mapa. Pode ser uma atenção passageira, mas ainda assim representa muito para quem vive normalmente segregado do resto do país.
Permitiu, inclusive, que algumas vozes de expressão voltassem a falar na bizarra discriminação que Belém sofreu por ocasião da Copa do Mundo de 2014, alijada de sediar jogos para que cidades sem qualquer tradição boleira pudessem participar do banquete.
Cuiabá e Manaus, para ficar só em dois casos, não tinham como vencer a capital paraense caso a seleção cumprisse normas claras e lógicas. Como dependeu dos humore$ de Ricardo Teixeira e sua gangue, a candidatura de Belém nem sequer foi considerada a sério.
Mas, além das loas ao Papão, a súbita descoberta do futebol do Pará levou ao reconhecimento de Pikachu, subitamente elevado à condição de astro da semana em programas de esportes da TV e manifestações na internet. Foi preciso que o camisa 2 bicolor mostrasse sua habilidade na cobrança de faltas para que obtivesse aplausos gerais e até um olhar mais atento por parte dos responsáveis pela Seleção Brasileira que vai disputar os Jogos Olímpicos do Rio.
Um telefonema de Gilmar Rinaldi a Charles Guerreiro, na tarde de sexta-feira, deu a entender que Pikachu pela primeira vez é considerado como possível nome para o escrete olímpico. Por aqui todos já sabiam de seus recursos como ala ofensivo, mas o Brasil só costuma ver o óbvio quando este passeia sob seus olhos em gramados cariocas e paulistas. Que Pikachu tenha a chance que já faz por merecer há pelo menos dois anos.

No templo da Enciclopédia do Futebol

No universo da Série B, jogar fora de casa significa iminência de derrota. Felizes aqueles que subvertem essa regra não escrita. Podem não alcançar o reino dos céus, mas é certo que disparam na tabela de classificação. O Papão tem a chance de cumprir esse rito, hoje pela manhã, no estádio Nilton Santos, frente ao vice-líder Botafogo.
Quis o destino que pela primeira vez nesta Série B o estádio esteja lotado de botafoguenses, ávidos por vibrar e celebrar com o time de Ricardo Gomes, que demonstra ter recuperado o apetite por vitórias depois de uma curva descendente que custou o emprego de Renê Simões.
O Papão chega credenciado pela atuação contra o Fluminense. A maneira destemida como se exibiu na quinta-feira faz com que seja olhado com respeito. Pelas palavras do técnico Dado Cavalcanti é provável que o meio-de-campo seja mantido com Capanema, Augusto Recife e Jonathan, com Fahel ficando no banco.
A única mudança no setor seria a inclusão de Valdívia, substituindo ao improdutivo Carlinhos com a missão de injetar dinamismo e criatividade ao setor. O ataque segue com Leandro Cearense e Aylon, dupla mais entrosada do Papão nesta Série B. Na defesa, Pablo é o mais provável substituto de Gualberto.
O teste de fogo no Maracanã mostrou que a equipe dispõe daquela força interior necessária para não se intimidar diante de adversários aparentemente superiores. No caso do Botafogo, nem há uma vantagem acentuada, pois tecnicamente os times se equivalem. O que pode fazer a diferença é o apoio da apaixonada torcida alvinegra, que parece disposta a dividir com o time as responsabilidades pelo acesso.

O clamor de Jóbson por justiça

Durante a semana, o atacante Jóbson esteve no Botafogo tratando de questões burocráticas e aproveitou para clamar de novo por justiça, aquela instância a que todos os homens recorrem quando se sentem prejudicados.
E se há alguém que pode bater no peito e reivindicar este é Jóbson, punido pelo tribunal da Fifa com quatro longos anos de suspensão, pena tão rara quanto draconiana, capaz de sepultar a carreira de qualquer futebolista.
Por mais que o atleta paraense tenha cometido irregularidades – e, de fato, cometeu – nada justifica uma sanção tão inclemente. De origem humilde, negro e com pouca instrução, Jóbson é alvo fácil para discriminações.
Tem direito, como todo homem, a uma nova oportunidade.

23 de agosto de 2015 at 1:55 pm Deixe um comentário

A Bola no Bola – Giuseppe Tommaso – 23.08.15

BOLA NA TORRE

Deste Domingão logo após o “Pânico na Band”, na RBATV –
Canal 13. Vamos falar do Paysandu na Série B, o Águia na
Serie C e do Remo na Série D. Guerreirão no comando,
Estarei na bancada com o companheiro Gerson Nogueira e o
Nosso Convidado Especial será o Craque Yago Pikachu do
Paysandu que completou no jogo de ontem contra o Oeste o
Seu jogo de número 200 com a Camisa do Papão. Participe
pelo @bolanatorre.
ENGENHEIRO

Promoção do Clube de Engenharia do Pará (CEP), à frente o presidente Daniel Sobrinho, a tradicional Corrida do Engenheiro será realizada no dia 20 de setembro, com uma novidade: em virtude das obras de revitalização do Parque Estadual do Utinga, local da programação há cinco anos, a sexta edição do evento não terá a caminhada. A largada e chegada será na área de entrada do parque, com o percurso de 7,7 quilômetros, sendo feito no entorno dessa área verde de Belém, na Avenida João Paulo II. As inscrições começaram no dia 20/08, através do site http://www.clubedeengenhariadopara.com.br
NO ENGENHÃO…

Neste novo horário para futebol o torcedor bicolor vai estar ligado na Rádio Clube e na Telinha para ver e ouvir Botafogo e Paysandu que se enfrentam as 11 da manhã de deste domingo no Estádio Nilton Santos (Engenhão). Depois da boa atuação contra o Fluminense, expectativa de bom resultado contra o Fogão. Rádio Clube ao vivo com Valmir Rodrigues e Dinho Menezes. Dá-lhe Papão!!!
LUTA…
A quarta edição do “Mr Prime Fighter Champion” vai acontecer no próximo dia 29 de agosto nas Academia Team Nogueira na em Ananindeua na região metropolitana de Belém com 08 Grandes Lutas de MMA e Uma Luta de K-1 Feminina para o publico paraense que é apaixonado pelo MMA. Evento terá as aguardadas lutas na categoria dos penas ate 66 Kg entre os atletas Wilker Pereira “Sapinho”(Lobato Team) contra Iuri Estevão (Roxo Striker), Jamesson Pantoja (Roxo Striker) contra Eder Jhouffer (Marajó Brothers). Já na categoria dos leves ate 70 Kg Bruno Henrique “Xinoco” (Xinoco MMA) encara Iago Lopes (Coalizão Fight) e na luta principal do evento pela categoria dos médios até 84 Kg, Adriano Sena (Hard Fight) encara Alberto Lima “Bolo” (Roxo Strike). Ingressos antecipados com valor de R$ 20,00 ja a venda na unidade da Team Nogueira Ananindeua que fica localizada na Avenida 3 Corações Nº 1001 (Prox. a Mario Covas)no bairro do Coqueiro em Ananindeua(Pa). Informações (91) 3346-3051.

ZICO 10…

Nesta terça em Vitória do Xingú, uma grande festa esportiva para inauguração da Arena Xingu, além de personalidades do Rádio e TV, a grande atração será ZICO, o Galinho de Quintino vai fazer a festa jogando com sua Equipe Zico 10 contra a Seleção Local.

23 de agosto de 2015 at 1:50 pm Deixe um comentário

Coluna do Gerson Nogueira – 21.08.15

Castigo cruel no final

Um gol com a marca do talento e da perícia de Pikachu, um dos melhores laterais direitos em atividade no país – se não for o melhor –, para o Maracanã aplaudir. A belíssima cobrança de falta, aos 26 minutos do segundo tempo, bem que podia ter garantido ao Papão um resultado mais justo na partida. Ainda assim, serviu para mostrar que o time paraense tem plenas condições de garantir a classificação às quartas de final da Copa do Brasil, semana que vem, no Mangueirão.
Exceto pela síndrome que acomete a equipe nos minutos finais das partidas (foi assim contra Macaé, Criciúma e Sampaio Corrêa), o jogo foi seguramente o melhor do Papão nesta temporada. A equipe sustentou um primeiro tempo com forte aplicação no bloqueio e posicionamento eficiente nos lados do campo, resistindo bem às poucas investidas perigosas do Fluminense. Ronaldinho Gaúcho apareceu discretamente e Fred não foi diferente lá no ataque.
À frente dos zagueiros, Ricardo Capanema se mostrou atento e certeiro nos botes, como sempre. Pikachu, talvez inspirado pelo palco grandioso da final da Copa do Mundo, saía com mais desenvoltura, aproveitando a presença de Jonathan como escolta. João Lucas destoava um pouco pelo lado esquerdo, mas sem comprometer.
O único ponto fraco se localizava no setor de criação, com Carlinhos atuando muito abaixo da velocidade que o jogo pedia. Sem inspiração, pouco confiante, limitava-se a passes curtos e algumas tentativas de dribles. Produção muito discreta para um camisa 10 e para a importância que a meia-cancha tinha para os rumos da partida.
No segundo tempo, o Papão voltou melhor, mais avançado e visivelmente confiante na possibilidade de alcançar a vitória. O Fluminense substituiu Fred, lesionado, por Magno Alves. E foi o veterano goleador que abriria o placar, aos 10 minutos, fazendo seu primeiro gol pelo clube desde 2002. Bola alta cruzada da esquerda e a zaga ficou olhando o atacante cabecear com liberdade.
Apesar do baque, o Papão continuou a cumprir seu papel de desafiante, arriscando até mais do que na primeira metade da partida. Leandro Cearense e Aylon, que tinham se empenhado em bloquear a saída de bola do Flu, apareciam mais nas ações ofensivas, criando várias situações de perigo.
Quando surgiu a chance para Pikachu, em falta na meia-lua da grande área, talvez o Maracanã não soubesse o que iria acontecer, mas o torcedor do Papão tinha a convicção de que o gol estava se desenhando. De curva, aos 26 minutos, como certa vez Petkovic fez numa decisão entre Flamengo e Vasco, a bola entrou no lado esquerdo da trave de Júlio César. Foi o 57º gol de Pikachu em 202 jogos com a camisa alviceleste.
O Flu, que já não vinha bem, se abateu com o empate e o Papão cresceu em entusiasmo e volume de jogo. Logo aos 33 minutos, Misael (que havia substituído Jonathan) perdeu excelente oportunidade para desempatar. Aos 42, Aylon também esteve a pique de virar o marcador, mas o goleiro Júlio César conseguiu defender.
Aí veio o castigo. Já nos acréscimos, aos 47 minutos, depois de escanteio cedido por Tiago Martins, a bola foi rebatida erradamente por Pikachu e Renato aparou de primeira. Na veia. Outro belíssimo gol. O Papão sentiu a dor da frustração, mas saiu de campo engrandecido pela bela atuação, merecedora de elogios gerais. De quebra, assegurou o direito de vencer por 1 a 0 em Belém para seguir na Copa do Brasil.

Portas se abrem para Pikachu

Depois do gol e da atuação convincente de ontem, Pikachu certamente irá ter mais caminhos a escolher a partir de hoje para quando encerrar seu contrato com o Papão. Empolgado com o ala bicolor, o repórter Igor Siqueira, da Lancenet, comentou no Twitter: “Dunga e Gilmar foram ao Maracanã no dia errado. Tinham que ter ido hoje ver o Pikachu”.

Remo obtém importante vitória na Justiça

O fato passou quase despercebido ao longo do dia de ontem, mas a decisão do juiz Marco Antonio Castelo Branco, da 8ª Vara Cível e Empresarial, devolvendo ao Remo o direito de explorar sua própria marca, é daquelas notícias que valem por uma conquista de campeonato.
A liminar despachada pelo juiz, acatando integralmente a solicitação de tutela antecipada feita pelo advogado Pablo Coimbra, restitui ao Remo um direito que havia sido perdido no ato de assinatura do contrato com a empresa Gol Store, ainda na gestão de Raimundo Ribeiro.
Pelo contrato, o acordo valeria até 2018, com sérios prejuízos ao clube, que recebia quantias irrisórias pela comercialização de camisas, copos, relógios, bandeiras e outros itens na butique da sede social. Para piorar, o Remo não podia fazer nenhum outro contrato de patrocínio. Na prática, a agremiação se tornou refém.
Até mesmo a parte que cabia à GS não era cumprida, como pagamentos proporcionais por despesas com luz e água na sede da avenida Nazaré. A ação vitoriosa ressalta e valoriza o bom trabalho de Pablo Coimbra, que começou auxiliando Ronaldo Passarinho no departamento jurídico do clube e que, inexplicavelmente, foi afastado dos casos na Justiça do Trabalho.

Direto do blog

“Papão teve tudo até pra vencer o jogo. Essa sina de levar gol nos acréscimos é uma praga do atual time. Faltou calma ao Thiago Martins, que deu o escanteio de graça ao Fluminense, e depois ao Yago, que jogou muito, mas errou ao tentar se livrar da bola de qualquer jeito”.

Por Charles Resende, resumindo bem o que foi o jogo no Maraca.

21 de agosto de 2015 at 11:45 am Deixe um comentário

BOLA PRA FRENTE – Cláudio Guimarães – 21.8.15

POSITIVO – Remo e Paysandu entrarão em campo amanhã e domingo, em Paragominas e Engenhão-RJ, de camisas vermelhas apoiando doação voluntária de sangue dentro da campanha Agosto Vermelho. Ótimo!

NEGATIVO – Frases ridículas e ultrapssadas do meio esportivo: “perdemos quando podíamos”, “querem tumultuar o ambiente”, “são 11 contra 11”. Chega!

Lá e Cá

Síndrome dos acréscimos mais uma vez derrubou o Paysandu (Flu 2×1) que fez uma bela partida e Pikachu se consagrou. Já havia acontecido diante do Macaé, Sampaio e Criciúma pela Série B. Até quando?

Carlos Alberto, o Urubu, matador de Leão em cima da hora pelo Paysandu por anos a fio, meu entrevistado Bola Pra Frente de domingo.

Dadá e Val Barreto em condições de jogo, contrato vigente com o Remo, encostados e sendo trazido cada figura para substituí-los. Só aqui!

Árbitro de Paysandu x Fluminense, jogo de volta da Copa BR, Luiz Teixeira Rocha-RS-CBF2, 35 anos, professor de Educação Física. Este ano dirigiu 4 partidas da Série B, 1 da C e nenhuma da A.

Será a vez dos garotos Sílvio e Edicleber, pelo Remo, amanhã contra o Nacional-AM, em Paragominas. Mas, que não se jogue toda a responsabilidade sobre eles. Precisam de apoio e incentivo!

Nacional-AM chegou ontem em Paragominas antes do Remo. Hoje o Leão Azul treinará 9h na Arena Verde e os amazonenses 16h. No time visitante atletas conhecidos do futebol paraense, Rafael Vieira e Tiago Floriano.

Leão Azul viajou definido: Fernando Henrique, Levy, Henrique, Max e Alex Ruan, Chicão, Leandro Santos e Eduardo Ramos, Sílvio, Aleílson e Edicleber.

Leilão do Carrossel confirmado para o dia 28.8 e o Jurídico azulino quebrando lanças para sustar pela 22ª. vez.
Bicolor Gualberto fora domingo contra o Botafogo-RJ, Série B, enquanto Fahel de volta contra seu ex-clube.

Nacional-AM jogou uma vez na Arena Verde e venceu o Paysandu, amistoso, 3×2, 15.5.12, gols de Leonardo, Carlos Henrique e Garanha, contra os de AdrianoMagrão e Zé Augusto.

Torcedores do Paysandu domingo no Engenhão ocuparão o setor Oeste Superior. Glorioso já vendeu 17 mil ingressos até ontem às 18 h. Pikachu prestigiado no RJ pelo pai, mãe, esposa e a filhinha.

HOMENAGEM – Saveney Maria Tavares, o Sabonete, ex-remador tri campeão no Paysandu nos anos 70 e na Tuna em 1982, como sota voga do dois com e dois sem. Foi da Seleção Paraense. É motorista particular.

21 de agosto de 2015 at 11:43 am Deixe um comentário

BOLA PRA FRENTE – Cláudio Guimarães – 20.8.15

POSITIVO – O Paysandu tem motivos de sobra para acreditar que possa eliminar o Fluminense na Copa BR. Já fizeram isso Linhares-ES, Criciúma, Ceará, Paraná, Juventude, Brasiliense e América-RN. Avante, Papão!

NEGATIVO – Como obras de reforma do estádio estadual Barbalhão em Santarém se arrastam e sem prazo de conclusão, S. Raimundo vai ser obrigado a jogar toda Segundinha na Capital amargado tremendo prejuízo.

Lá e Cá

4ª Edição do Mr Prime Fight Champion, dia 29.8, na Academia Team Nogueira-Ananindeua. Destaque para luta feminina Paula Bitencourt x Elizete Lemos e no card principal Adriana Sena x Alberto Lima (Bolo).

Desde ontem e até domingo em Marituba a 5ª Etapa dos Jogos Abertos do Pará, promoção da SEEL, à frente a Secretária Renilce Nicodemos.

Na Segundinha, de 27.9 a 11.11, para classificar dois ao Parazão 2016, entre os doze disputantes a agremiação mais antiga é a Tuna (112 anos) e a mais nova a SociedadeDesportiva Paraense (5 anos).

Não dá para entender restrições ao Val Barreto, no Remo, se ele fez 28 gols em 2,5 anos entrando sempre no meio do segundo tempo ou no finzinho. Será por que ele conhece o caminho do gol. Saiam os do contra!

Confrontos em todos os tempos: Remo x Nacional, 45 vezes, 23 vitórias azulinas (71 gols), 12 do Naça (45 tentos) e 10 empates; Águia x Confiança-SE, 3 vezes, 2 empates, 1 triunfo sergipano, 6×5 gols para eles.

Botafogo-RJ x Paysandu, 23 partidas, 15 vitórias do Glorioso (45 gols), 4 do Papão (27 tentos) e 4 empates. No começo do jogo de domingo de manhã no Engenhão a temperatura deverá estar nos 28 graus.

Fluminense, hoje, poderá jogar com seu 3º goleiro, o Júlio Cesar; Paulo Morgado (Nacional-AM) ensaiando para sábado sistema no 4-1-4-1; Remo trenará agora de manhã no Mangueirão e viajará à tarde a Paragominas.

Evox, do Hadson Nery, gerindo o Bragantino na Segundinha mais uma vez, pois contrato de pareria foi por duas temporadas; Aylon 5 e Leandro Cearense 7, já fizeram 12 gols pelo Paysandu nesta temporada.

Na véspera do jogo do Fluminense aqui mais uma edição do “Tricolor em Toda Terra”, no Dom Spetto, na 3 de Maio 1736-Fátima. 180 ingressos para partida e Talk Show com ex-jogadores Cadu e Romerito. Das 19-22 h.

O ingrato tem uma virtude: some e não aborrece mais. Para o bom entendedor poucas palavras bastam.

HOMENAGEM – Luiz Otávio Gabay, o Gabay, ex- ala do basquetebol do Remo do mirim (campeão), infantil (campeão) ao adulto nos anos 70. Jogou também na Seleção Paraense. É médico anestesista.

20 de agosto de 2015 at 4:53 pm Deixe um comentário

Coluna do Gerson Nogueira – 20.08.15

A primeira batalha

Será uma batalha, como toda disputa eliminatória, mas desta vez as diferenças não são tão acentuadas. O Fluminense, da Série A, recebe o Papão, da Série B, mas não se pode dar ao clube carioca amplo favoritismo, apesar de levar a vantagem natural por jogar diante de seus torcedores. O fato é que nas condições atuais a partida é mais equilibrada do que se poderia imaginar algumas semanas atrás.
Mesmo com seus medalhões Ronaldinho Gaúcho e Fred, o Fluminense tem pontos fracos e nos últimos jogos mostrou deficiências gritantes, principalmente no setor defensivo. Sofre com a entrada súbita de uma estrela no time, com o agravante de ser uma estrela que não marca ninguém e que só recebe as chamadas bolas boas.
Ao lado de Fred, Ronaldinho precisa que os demais companheiros corram e marquem por ele. Essa nova feição que o Flu adquiriu desde a sua chegada responde por alguns tropeços recentes e tornou o time menos ágil e vibrante como antes.
No fim de semana, contra o Figueirense, o Tricolor teve sérias dificuldades para chegar à vitória, de virada, por 2 a 1. Durante boa parte do jogo, o alvinegro catarinense foi superior, criando boas oportunidades.
Vem daí a expectativa positiva quanto ao comportamento do Papão na partida desta noite. Com a formação bem próxima daquela que empreendeu a sequência de oito jogos invictos no começo da Série B, o time tem condições de fazer uma apresentação convincente, sem se expor em demasia e procurando explorar os espaços que o Flu pode oferecer.
A opção por Leandro Cearense e Aylon, anunciada ontem pelo técnico Dado Cavalcanti, é a saída mais coerente que podia haver para a formação do ataque bicolor. Foram os atacantes que atuaram maior número de vezes, tendo naturalmente mais entrosamento que os demais.
Além disso, Cearense é o principal artilheiro do Papão na Série B, atravessando um bom momento depois dos gols marcados contra o Oeste no sábado passado. Boleiros precisam de confiança para render bem e, com o apoio dos torcedores depois da boa apresentação na última rodada, Cearense volta a se sentir importante para o time.
Quanto aos demais setores, Dado escala jogadores que já vinham atuando tanto na Copa BR quanto na Segunda Divisão, o que é garantia de entendimento entre os escalados. Na proteção à zaga, Capanema ganha a companhia de Augusto Recife, substituto de Fahel, suspenso, e de Jonathan. Particularmente, aprecio mais a leveza e o dinamismo desse trio de marcação, com a vantagem que a presença de Jonathan representa quanto ao apoio às subidas de Pikachu.
Carlinhos volta à meia-cancha em substituição a Valdívia, que não pode atuar porque já defendeu outro clube na competição. Dos armadores disponíveis na Curuzu, Carlinhos foi o mais utilizado até agora, embora sem ter mantido regularidade. Ganha nova chance em jogo de grande importância para o Papão.
Promessa de um bom espetáculo no Maraca e que o Papão não se deixe levar pela tentação do recuo excessivo, que normalmente é a porta de entrada para derrotas fora de casa.

A saga do renegado Val Barreto

Ninguém entendeu ainda, nem o clube se preocupou em explicar, a razão de tanta resistência à reintegração do jogador Val Barreto ao elenco do Remo. É como se o atacante tivesse cometido um crime imperdoável quando defendia a bandeira azulina, o que soa estranho porque, como atleta, ele sempre mostrou empenho e luta pelas cores do clube.
Agora, depois de decisão da Justiça Trabalhista obrigando o Remo a reintegrá-lo, surgem notícias quase diárias de dirigentes que até se recusam a cumprir a determinação judicial.
Com base em exemplos recentes, de jogadores que acintosamente desrespeitaram o clube e foram depois recontratados, soa no mínimo estranho que o centroavante não seja bem recebido na volta ao Baenão. O veto chama ainda mais atenção pela flagrante carência que o Remo tem de um jogador do perfil de Barreto, que sabe brigar dentro da área e é bom no cabeceio. Por sinal, Cacaio já teve até que adiantar Eduardo Ramos como forma de compensar as fragilidades ofensivas do time.
Fundamental na campanha remista no Parazão deste ano, cabe lembrar ainda que ele foi um dos poucos a se salvar do fiasco na final da Copa Verde, em Cuiabá. Entrou nos 15 minutos finais e marcou o único gol azulino naquela fatídica noite. Talvez por isso mesmo seja adorado pela torcida e hostilizado por parte da cartolagem.

Prêmio merecido a um grande baluarte

O amigo azulino Hélio Mairata, mestre e economista de grande prestígio, acaba de ser distinguido com mais uma justíssima homenagem pelos seus muitos predicados profissionais. Ele será homenageado com o título de Profissional Economista de 2015 no encerramento da sessão especial alusiva ao Dia do Economista, prevista para hoje, às 14h, na Assembleia Legislativa. A honraria será concedida ao professor pelo Sindicato dos Economistas do Pará. Além de grande desportista, sendo inclusive um dos fiéis 27 baluartes da coluna, Mairata é um incansável defensor das causas libertárias e dos pleitos democráticos. Parabéns.

Mudança de rumos e atitudes

A decisão que a direção da Rádio Clube do Pará oficializou ontem, determinando que os repórteres setoristas não mais utilizem as salas de imprensa dos clubes de Belém, pode ser o ponto de partida para tornar a cobertura esportiva ainda mais independente e transparente. Ao mesmo tempo, passa a priorizar informações referentes ao futebol, evitando citações e destaques a dirigentes. Providência salutar e condizente com os princípios do bom jornalismo. Melhor para todos.

20 de agosto de 2015 at 4:50 pm Deixe um comentário

Posts antigos Posts mais recentes


Clube no Twitter

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.