Coluna do Gerson Nogueira – 18.04.16

18 de abril de 2016 at 10:41 am Deixe um comentário

Essa tal liberdade

O futebol permite, vez por outra, algumas digressões existencialistas. Grandes escritores modernos, como Albert Camus, estiveram envolvidos com a bola durante suas vidas. De certa forma, algumas partidas também podem adquirir uma simbologia que espelha o mundo real.

Acompanhei o jogo entre Atlético de Madri e Barcelona e ficou evidente ali que o esforço coletivo ainda pode superar as valências individuais. Graças aos céus.

Com um trio ofensivo portentoso – o argentino Messi, o uruguaio Luiz Suarez e o brasileiro Neymar –, o Barça joga como se tudo fosse fácil, a ponto de enervar seus adversários com a incessante troca de passes que termina sempre com o arremate de um dos três citados.

Chega a ser irritante até para quem vê o jogo pela TV. A explosão individual, a serviço de um esquema meticulosamente montado, faz do clube catalão um dos mais admirados do planeta. A admiração das multidões também produz uma forte rejeição.

Vi gente festejando entusiasticamente a vitória do exército Brancaleone de Diego Simeone. Não celebravam a supremacia atleticana, mas o inferno astral do quase invencível Barcelona. Coisas da bola, e da vida.

Simeone como atleta foi um dos mais nefastos volantes que já vi atuar. Mirava a canela dos adversários e fazia disso sua principal missão ao longo dos 90 minutos. Pelo empenho e perícia, devia adorar a vocação carniceira.

Como técnico não é lá muito diferente. Organiza seu time para não permitir que o adversário crie ou avance. Não por acaso, o Atlético joga muito duro, gosta do confronto físico. Contra um oponente que prefere o toque de bola, as sutilezas do passe e a alegria do drible, Simeone libera seus gladiadores para tornar o jogo uma luta incessante, privilegiando o choque.

Na quinta-feira, seu estilo triunfou, como já ocorreu ao longo da temporada passada. Marcou muito bem, anulou Messi, controlou Suarez e cercou Neymar. Não é algo que vá se repetir sempre, mas funcionou. Pragmático, o Atlético aproveitou as oportunidades criadas e não deu espaços ao Barça.

É sempre gostoso ver o mais fraco ou inferior triunfar sobre o mais poderoso. Não há como negar que o Barcelona, por tudo que se sabe, é um dos times mais fortes do futebol, daí a legítima efusão dos que preferiram o triunfo do Atlético de Simeone.

Foi um show de disciplina tática sobre o esplendor do talento individual que dá brilho ao time catalão. Acontece que, apesar das marcações táticas próprias do futebol moderno, continuo fiel ao conceito libertário tão bem executado por Luis Henrique no Barcelona.

Herdeiro legítimo de Johan Cruyff e Pep Guardiola, o técnico atual concede aos seus craques o quinhão de liberdade necessário para que façam o que lhes der na telha a partir da linha de meia-cancha. Ancorado na articulação de Iniesta, o trio MSN faz misérias quando tem a posse da bola.

Exercita à exaustão o conceito libertário de jogar bola, tão caro nos campos quanto na vida. Enquanto o time catalão tiver essa voracidade, cultuando seus craques, terá minha sincera admiração. Mesmo quando não atua bem e se deixa vencer, como aconteceu duas vezes nesta semana – ontem novamente.

O consolo é que nas próximas jornadas triunfará porque o talento é sempre invencível – e a liberdade é um bem inalienável em qualquer área de atividade, e na vida.

O melhor técnico do campeonato

Pode ser que o São Francisco nem chegue à final do campeonato, mas não importa. Meu voto para técnico do campeonato é dele, desde já. Walter Lima. Pelo que fez ao longo da disputa, merece minha admiração e aplauso. Está à frente de um time que não tem opções no banco de reservas e, ainda assim, chega com justiça à semifinal do returno. E faz com que o São Francisco jogue bem, movimentando-se com agilidade e sem precisar recorrer ao tedioso recurso da retranca para garantir resultados.

Atrapalhou-se um pouco no sábado diante de um Paragominas que chegou a ameaçar a classificação à final do returno. O empate em 1 a 1 levou para a decisão em penais, vencida pelo São Francisco, que agora irá enfrentar o matreiro Cametá, que despachou o São Raimundo, ontem à noite, também na série de tiros livres da marca do pênalti.

É importante dizer que Waltinho vem se conduzindo de maneira exemplar há algum tempo. Desde os tempos em que apareceu nos campos de Santarém, primeiro como atleta, jogando como um meio-campista clássico. Camisa 10 de recursos que depois virou técnico.

Passou pelo Remo e montou o time que viria a ser campeão brasileiro da Série C em 2005, embora muitos esqueçam de reconhecer esse mérito. Em seguida, foi o mentor da estruturação que levou o São Raimundo ao título da Série D de 2009, o primeiro da competição.

Nos últimos anos, tem se dedicado a trabalhar com jovens atletas. Foi assim no Remo que alcançou as semifinais da Copa do Brasil sub-20 e, no ano passado, como orientador da Desportiva, que participou da Copa São Paulo de Juniores.

De estilo pouco convencional, Waltinho é uma espécie de missionário do futebol. Dedica-se a preparar e treinar jovens jogadores com a paciência que quase nenhum treinador costuma ter. Em geral, “professores” entendem que não precisam perder tempo ensinando fundamentos a seus atletas. Errado. Mestre Telê fazia isso sempre. Cilinho também.

Aqui, por sorte, temos Walter Lima, que insiste em nadar contra a corrente e ainda encontra tempo para pegar um atacante pelas mãos e ensiná-lo a correr com a bola dominada. Faz isso toda semana nos treinos do São Francisco. Só essa dedicação e visão tradicionalista do jogo explicam como o limitado elenco do Leão santareno se agigantou e chegou à fase decisiva do segundo turno, posicionando-se entre os três melhores na pontuação geral.

Continuo convencido de que o futebol precisa de mais Waltinhos.

Recado aos navegantes

Aos combatentes da liberdade que me acompanham por aqui e me seguem nas redes sociais quero dizer que nenhuma batalha é vã ou inútil. Certos percalços podem significar uma pausa a caminho de vitórias maiores. Resistir sempre, amofinar jamais. Vida que segue.

Anúncios

Entry filed under: Uncategorized.

PAPO DO 40º – Ronaldo Porto – 18.04.16 BOLA PRA FRENTE – Cláudio Guimarães – 19.4.16

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Clube no Twitter

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.


%d blogueiros gostam disto: