Archive for abril, 2016

Coluna do Gerson Nogueira – 13.04.16

A grande chance

O Remo, ainda estremecido com sua torcida pela desastrosa campanha no Parazão, tem hoje à noite nova chance de remissão dos pecados. O adversário não podia ser mais desafiador neste momento. O jogo com o Vasco de Nenê, invicto há 19 jogos e líder do Campeonato Carioca, pode marcar o começo de uma nova era para os azulinos.

Caso consiga jogar em velocidade, caprichando na marcação e reduzindo espaços, o time de Marcelo Veiga tem alguma possibilidade de surpreender o visitante. Jorginho arma seu time mais ou menos dessa forma, com um meio-campo brigador e apostando nas manobras de Nenê no setor de criação.

O ataque abusa dos chuveirinhos, raramente arriscando jogadas mais tramadas. Como se vê, o Vasco é um bom time, mas não apresenta nenhuma novidade em relação ao que fazem 9 entre 10 times nacionais.

Acompanhei o jogo Vasco x Madureira no fim de semana. Apesar da vitória, o time teve muitas dificuldades para dobrar o Madureira, que começou cauteloso e muito recuado, mas aos poucos foi se soltando e no final quase complicou as coisas dentro de São Januário. O placar mais justo teria sido o empate.

É improvável que a estratégia vascaína de agredir o Madureira se repita em Belém. De perfil conservador, Jorginho dificilmente vai partir para o ataque logo de cara. Veiga deve mesmo se precaver em relação aos contragolpes, muito mais pelas deficiências de seu time do que pelas poucas virtudes do visitante.

A improvisação de Ítalo na lateral esquerda expõe novamente o setor de marcação remista, que já vinha apresentando problemas com a presença de Murilo por ali. Com Ítalo, o Remo vai apenas se defender pelo lado esquerdo, perdendo importante saída para o ataque.

Mais do que nunca, o lado direito, com Levy e Eduardo Ramos, que costuma jogar por esse setor, terá que funcionar muito bem. Sem isso, os atacantes Ciro e Luiz Carlos ficarão isolados, como no jogo contra o Nacional, dependendo de rebotes na área.

Ciro, aliás, é peça fundamental no confronto com a forte zaga vascaína. Pela habilidade e rapidez dentro da área, pode ser decisivo no jogo, mas Veiga não pode submetê-lo novamente ao castigo de voltar para fechar a marcação na lateral-esquerda.

Ao Remo cabe, principalmente, jogar com disposição e entusiasmo, aproveitando a presença do torcedor e sufocando o adversário sempre que for possível. É um jogo difícil, contra um Vasco favorito pelo elenco mais qualificado e o histórico de boas partidas em Belém. Apesar disso, o Leão tem lá seu quinhão de chances de êxito.

Remo lança o projeto #SouBaenão

Será hoje o lançamento do projeto de revitalização do estádio Evandro Almeida, com previsão de inauguração a 15 de agosto, quando o Baenão completa 99 anos de existência. O plano #SouBaenão é arrojado. Prevê capacidade de 13.400 espectadores logo na reabertura, a partir de esforço concentrado que une a diretoria e um grupo de apoiadores.

A ideia é massificar as vendas de unidades personalizadas de porcelanato para o revestimento do Baenão, sendo que as placas terão os nomes de seus compradores. Além de adquirir o porcelanato no estádio, o público também poderá comprar através do site clubedoremooficial.com.br/soubaenao, a partir da segunda-feira, dia 18.

Ao todo, serão 6.000 peças, com valores divididos em três lotes, com preços de R$ 150,00, R$ 200,00 e R$ 250,00. O total arrecadado será usado no reforço estrutural, piso e pintura das arquibancadas, além de reforma dos vestiários e construção do muro de alvenaria em torno do campo.

Os muros do Baenão terão produto anti-grafite e monitoramento CFTV 24 horas, com sensores de aproximação com refletores, para impedir ação de vândalos. O contrato será de dois anos.

Excelente iniciativa, que merece o apoio da grande torcida remista.

Sobre a origem da Estrela Solitária

Recebi do leitor Raimundo Castro a mensagem abaixo, fazendo referência à informação da coluna sobre a origem da Estrela Solitária como símbolo do Botafogo. Segundo o amigo Paulo André Barata, a escolha decorreu de uma homenagem ao Pará e à estrela (Spica) que o representa, acima da faixa Ordem e Progresso da bandeira brasileira.

Castro cita sites do próprio clube que contradizem a versão passada pelo inspirado autor de “Foi Assim”. Vamos ao seu relato:

“Segundo Cláudio Gomes, do Papo do Maneco, a Estrela Solitária surgiu pelo horário em que os praticantes de remo treinavam, para ser mais exato, às 5h da manhã. E nesse horário a estrela Dalva, única estrela vista a olho nu pela sua intensidade, acompanhava os remadores. Com a frequência de treinamentos, todos os dias no mesmo horário, o símbolo acabou sendo adotado pela instituição que o levou para o escudo.

Segundo Fernando Fernandes, do site Constelar, a estrela pertencia ao Clube de Regatas que se fundiu ao outro Botafogo. O primeiro nome do Botafogo foi Eletro Club.As cores adotadas foram o preto e o branco. O preto tem relação com Saturno, planeta que estaria na casa 1 em oposição ao Sol (o branco, no sentido de luz). O ascendente nos primeiros graus de Aquário deixaria o Meio-Céu em Libra, com Vênus ocupando o último grau de Leão em conjunção com a estrela Regulus. É um posicionamento adequado para um clube que, desde 1910, é conhecido como o Glorioso. O Botafogo, em função de seu escudo, é conhecido também como o clube da Estrela Solitária (na verdade, a estrela vem do escudo do clube de regatas, que só se fundiu com o de futebol em 1942).
Por fim, na página oficial do Fogão: ‘Com a fusão foram feitas apenas três alterações: a bandeira perdeu o escudo das letras entrelaçadas do BFC e ganhou a estrela solitária do Clube de Regatas Botafogo; a equipe passou a usar calções pretos e a bandeira ganhou um retângulo preto, com uma estrela branca ao alto. Nos anos 30, durante a cisão entre amadores e profissionais, o Botafogo conquistou o único tetra do Campeonato Carioca, representado por quatro estrelas acima do escudo na camisa. Atualmente, porém, o Botafogo não utiliza mais essas estrelas complementares, deixando apenas a do escudo e fazendo valer o apelido de Estrela Solitária’.

Um abraço de seu leitor Raimundo Castro, bicolor e botafoguense”.

Anúncios

13 de abril de 2016 at 1:25 pm Deixe um comentário

BOLA PRA FRENTE – Cláudio Guimarães – 13.4.16

POSITIVO – Torcedômetro atesta que o Remo já tem 16.477 sócios torcedores cadastrados e o site do Paysandu confirma 19.916. Beleza. Projeto chegou para ficar!

NEGATIVO – Como Marco Polo Del Nero reassumiu a presidência da CBF o nortista coronel Nunes voltou a ser vice, só que da região Sudeste, para qual foi eleito. Cada uma!

Lá e Cá

Remo e Vasco se enfrentaram em todos os tempos por 20 vezes (12 oficiais), 11 vitórias do Bacalhau (31 gols), 2 do Leão (13 tentos) e 7 empates. Muita gente só lembrava de um triunfo azulino e são dois.
2×0 na Série A de 1975, no Baenão, gols de Ivanir e, 4×2 no amistoso no Mangueirão, dia 27.5.80, tentos de Paulinho, Bebeto, Marcelino e Darinta, descontando Roberto Dinamte com 2 gols. (Fonte: Jorginho Neves)

Em termos de classificação na Copa BR será o desempate, pois os azulinos eliminaram cariocas em 1991 e estes deram o troco em 1993. Hoje, Leão estreando o volante Lucas Garcia e colocando Ítalo de lateral esquerdo.

Remo e Gama jogarão em casa segunda partida da 3ª fase da CV; horários definidos para semifinais do Parazão: sábado, 19:30h, S. Francisco x Paragominas e, domingo, 18:00h, São Raimundo x Cametá.

Rio Branco e Paysandu farão amanhã 13º jogo da história. Até agora 7 vitórias bicolores (24 gols), 4 do Estrelão (18 tentos) e 1 empate.

John Cesar, Velber, Bruno Smith e Rodrigo Andrade ganhando prorrogação de contrato no Paysandu.

Aliás, Fernando Garcia, dono da Elenko Sports, empresário que tira e põe jogador no Paysandu é também do ramo de farmácia e distribuição de medicamentos.

Papão viajando hoje 19:30h para o Acre. Se passar no Rio Branco poderá pegar o Remo na 3ª fase da CV, na Curuzu, com torcida única, desejo da PM. Volta no Mangueirão só com torcedores azulinos.

Esporte perdeu João Antonio Nunes Caetano, engenheiro, 83 anos, ex-atleta de voleibol do Remo e que era pai do Caetaninho, presidente da Federação Paraense de Basquetebol. Sentimentos à família!

Novo presidente da Liga de Breves, Edmir Lopes, o Mica, confirma sua Seleção da Copa do Marajó, no meio do ano, em Melgaço.

HOMENAGEM – Antonio dos Santos Pinheiro, o Pinheiro, nos anos 70 foi ala do handebol do SESI e ex-integrante de marcha atlética pelo Paysandu, Yamada e Seleção Paraense. Gerente no BASA e presidente do Bancrévea.

13 de abril de 2016 at 1:18 pm Deixe um comentário

BOLA PRA FRENTE – Cláudio Guimarães – 12.4.16

POSITIVO – Canal fechado ESPN fazendo matéria especial sobre o Fenômeno Azul (Remo) e entre os entrevistados o setorista da Rádio Clube, Paulo Caxiado, o repórter que conversa com o Leão. Ótimo!

NEGATIVO – Arbitragem teve contestações na rodada anterior. Nadilson Santos, em Marabá, deu um pênalti que não foi contra o Paysandu e deixou de marcar um claro no toque de mão de Lombardi.

Lá e Cá

Se os vitoriosos técnicos Lecheva e Sinomar Naves não foram bem no Parazão, estão em alta os semifinalistas do returno Everton Goiano, Walter Lima, Euclides Magno e Samuel Cândido.

Terceira fase da Copa Verde já terá sorteio dos locais dos jogos hoje; diretor de competições e o presidente da FPF, além do presidente do Paysandu em curso de Gestão Esportiva na CBF, de amanhã a sábado.

Remo listou 33 jogadores indicados por Marcelo Veiga para 11 contratações de todas as posições. Lucas Garcia (já treinou) e Fabiano (chegando hoje) fazem parte desse contexto.

Remo no 3-5-2 amanhã contra o Vasco, voltando Max ao time ao lado de Ítalo e Henrique. Marco Goiano na ala esquerda. Se hover necessidade de mudar para 4-4-2, Whelton e Sílvio à disposição.

Projeto do novo Baenão deverá ser lançado dia 18.4 e conclusão das obras de revitalização previstas para 15.8, no aniversário de reorganização do clube e 99 anos do próprio estádio.

Pelo menos lateral Raí e meia Rafael Luz deverão integrar delegação do Paysandu que viajará amanhã para Rio Branco-AC (jogo da CV quinta). Quanto a Celsinho está na média de um jogo no campo e quatro no DM!

Águia anunciando 7 contratações para Série D, inclusive com apoio do poder municipal. Uma base bem selecionada do atual elenco será mantida. Aliás, Tiago Mandí e Eric Lima duas revelações.

Tentos do aguiano Flamel (o de letra) e Romário (Paragominas) na última rodada do 2º turno, candidatos a Gol Placa 13 do Campeonato.

Curiosidades do Parazão: dos rebaixados, Parauapebas nunca perdeu do Paysandu e Tapajós para o Remo; caso o Paysandu se classificasse no 2º turno estaria a dois jogos do título. Eliminado está a apenas um.

Santarém poderá ter de forma inédita decisão local de turno do campeonato, caso a dupla RAI-FRAN chege à final do 2º turno.

HOMENAGEM – Manoel Natalino Souza Costa, o Nata ou Manolo, ex-lateral do futsal do Imperial e S. Domingos nos anos 80. É funcionário do Banco da Amazônia.

12 de abril de 2016 at 1:58 pm Deixe um comentário

A Bola no Bola – Giuseppe Tommaso – 09.04.16

BOLA NA TORRE

Neste Domingão na RBATV – Canal 13 o Bola na Torre vai
ao Ar Logo após o Pânico da Band. O Parazão será destaque
com a Ultima Rodada da Fase Classificatória e a definição dos
jogos Semifinais e os Gols do Domingo. Guerreirão no
comando estarei na bancada com o companheiros Gerson
Nogueira e o companheiro Peninha Povão da RBA de
Santarém. Participe pelo @bolanatorre (Twitter e Instagran )

BASQUETE

Promovido pela Associação Paraense de Basquetebol Master – APBM, começa hoje no Ginásio Moura Carvalho, o Returno do Torneio Cidade de Belém de Basquetebol Master “Emerson Dias – Mamute “. Rodada de hoje começa as 9 e meia da manhã com os confrontos entre Zaire Filho x Edson Matoso e Tommaso x Sergio Noronha. Na virada do Turno a Eqyuipe Sergio Noronha vai liderando a competição.

RODADA DE FOGO…

Um domingo de emoções nesta última rodada da fase classificatória do Returno na Taça Estado do Pará. Com o Remo fora e o São Raimundo já classificado, poderemos ter dois clubes Santarenos nas semifinais, São Francisco quer buscar a classificação em Tucuruí contra o Independente. Jogos como Parauapebas e Tapajós e Cametá terão caráter decisivo, assim como o Águia que briga para se salvar diante do Paysandu ainda com chances de chegar as semifinais. Radio Clube vai cobrir toda a rodada.

ESTRANHA…

A decisão tomada pelo Executivo de Futebol do Paysandu Alex Brasil em proibir a entrada do quarto arbitro e representantes nos vestiários para colher assinaturas em dia de jogos. Comissão de Arbitragem vai questionar via Federação oficialmente ao Paysandu.

 

FUTSAL – SUB 9…

No último domingo (03), o futsal do Clube do Remo, categoria Sub9, conquistou mais um título na modalidade. O Torneio Início “Aílton Ferreira” – preparatório ao Campeonato Paraense – vitória contra rival o Paysandu aplicando a goleada de 8×2. Com gols de Eduardinho Falesi (4), João Pedro (2), Rikelme (1) e Castorzinho (1). A campanha foi invicta e destaque-se que é atual Tetracampeã Paraense na modalidade. Eduardinho Falesi, capitão da equipe, foi o artilheiro com 06 (seis) gols.Essa equipe azulina Sub9 irá disputar novamente a Copa Sul América a ser realizada em Balneário Camboriú/SC (julho), tendo sido 3ª colocada na competição em 2015. Só Ferinha…

10 de abril de 2016 at 2:18 pm Deixe um comentário

Coluna do Gerson Nogueira – 09.04.16

O enigma Quarentinha

Geovani não foi o único craque paraense vitimado pela politicagem na Seleção Brasileira. Bem antes das arapucas armadas contra o meia-atacante por Zagallo na Copa do Mundo de 1998, outro jogador papachibé sofreu já havia sofrido nas mãos dos poderosos de plantão na antiga CBD (hoje CBF). Quarentinha, de temperamento idêntico ao do ex-craque do Barcelona, foi preterido por Vicente Feola na lista final de convocados para a Copa de 1958, abrindo caminho para Vavá.

Na época, Quarentinha era indiscutivelmente o melhor camisa 9 em atividade no país, segundo a opinião dos principais analistas esportivos da época, como Nelson Rodrigues e Armando Nogueira. Provocou surpresa a exclusão do goleador botafoguense

Pelo que se deduz dos registros da época e de comentários de seus companheiros de Botafogo, o problema que travou a caminhada de Quarentinha na Seleção Brasileira foi mesmo a terrível timidez. Introvertido e calado na maior parte do tempo, o centroavante não exprimia emoção nem mesmo quando marcava um gol.

Nos célebres embates entre Botafogo e Santos na década de 60, Quarentinha ganhou destaque pelo chute temível e certeiro, que só encontrava rival nos arremates do santista Pepe. Curiosamente, não sorria ou saía pulando ao anotar mais um gol com a camisa da Estrela Solitária. Tal característica causava estranheza num futebol sempre marcado por jogadores excessivamente teatrais nas comemorações de gols.

“Quarentinha jamais celebrou um gol, fosse dele ou de quem fosse. Disparava um morteiro, via a rede estufar, dava as costas e tornava ao centro do campo, desanimado como se tivesse perdido o gol”, escreveu sobre ele o imortal cronista de Xapuri. Na verdade, Quarentinha entendia que fazer gol era sua obrigação.

Todas essas reminiscências brotaram em conversa por telefone com o grande benemérito bicolor Antonio Couceiro, na última quinta-feira. Caprichoso colecionador de histórias do nosso futebol, ele se interessou pelo relato que fiz da influência paraense sobre a escolha da Estrela Solitária como símbolo maior do Botafogo.

Segundo o amigo Paulo André Barata, a estrela botafoguense nada mais é do que uma referência à Spica, a estrela que representa o Pará e que se localiza acima da faixa Ordem e Progresso da bandeira nacional. E o responsável pela homenagem teria sido Benjamin Sodré.

Couceiro faz um pequeno adendo à informação de Paulo André: o filho de Lauro Sodré que ajudou a fundar o Botafogo em 1907 foi, na verdade, Emanuel. Benjamin (Mimi) jogou pelo clube, marcou muitos gols e chegou à Seleção Brasileira.

Como o tema era o Botafogo, Couceiro lembrou de Waldir Cardoso Lebrêgo (Quarentinha), o ilustre paraense que é até hoje o maior artilheiro da história alvinegra. Marcou 313 gols em 442 partidas. Foi revelado pelo Papão, defendeu o Vitória e depois se consagrou em General Severiano.

Honrou a Estrela Solitária por 10 anos (54 a 64) e ainda teve pernas para sair encantando as torcidas colombianas do Unión Magdalena, Deportivo Cáli, Junior Barranquilla e América. Pouco lembrado, ele merece todas as reverências como um dos maiores futebolistas que o Pará já produziu.

Papão e Águia na hora da agonia

Depois de atuações decepcionantes na Copa Verde e no Campeonato Paraense, o Papão tem novo desafio neste domingo, em Marabá, quando enfrenta o Águia em busca de uma vitória que lhe assegure participação na semifinal do returno. O time conquistou o primeiro turno e tem lugar assegurado na final, mas na Curuzu todos sonham em levantar o título estadual de maneira antecipada.

O problema é que o Águia corre desesperadamente atrás dos três pontos que lhe permitirão escapar do rebaixamento. Sem conseguir repetir no returno a boa campanha do turno, a equipe marabaense encara o jogo de hoje como a partida mais importante da temporada.

Do lado alviceleste, a preocupação é não deixar que o mau rendimento dos últimos jogos se transforme em rotina. A fraca atuação da quinta-feira contra o Rio Branco pela Copa Verde deixou patente que a reação deve ser buscada o quanto antes, sem que a ausência de Celsinho se transforme num fardo incômodo.

Bola na Torre

O programa tem apresentação de Guilherme Guerreiro, com as participações de Giuseppe Tommaso e deste escriba de Baião. O repórter santareno Peninha Povão é o convidado da noite. Começa logo depois do Pânico, por volta de 00h20.

A valsa do adeus

Quando o Campeonato Paraense começou, o Remo era um dos cotados para o título. Bicampeão estadual, mesmo sem grandes investimentos, o time impunha respeito pela força da tradição e a paixão de sua imensa torcida. Foi a bola rolar e os problemas começaram a aparecer.

Sem convencer, chegou à decisão do turno, mas afundou de vez no segundo turno. Em quatro partidas, só marcou três pontos, expondo o pouco caso com que o projeto do tricampeonato foi tocado no clube.

Hoje, contra o classificado (e favorito) S. Raimundo, mudanças radicais. O técnico Marcelo Veiga aposta numa escalação inédita, recheada de jogadores pouco aproveitados ao longo da competição. A grande novidade está no ataque, formado pelos garotos João Victor e Sílvio.

É sempre interessante que os jovens sejam utilizados, mas soa a recurso de fim de festa a oportunidade dada aos enjeitados. De qualquer forma, é uma chance para que todos mostrem serviço e se habilitem a um lugar no time titular.

10 de abril de 2016 at 2:01 pm Deixe um comentário

BOLA PRA FRENTE – Cláudio Guimarães – 5.4.16

POSITIVO – Gostei da segura atuação do jovem árbitro Gustavo Ramos Melo no RE-PA; paraense Naiane, do Camponesa-MG, convocada para Seleção Brasileira de Voleibol com vista à Olimpiada do RJ. Valeu!

NEGATIVO – RE-PA definhando de presença de público historicamente e colaboram para isso má qualidade dos times, a crise, TV ao vivo, violência, falta de conforto e de mobilidade urbana para chegar ao Mangueirão.

Lá e Cá

RE-PA de domingo (1×1) sem novidade: Leão Azul de Marcelo Veiga parecia o do Leston e Papão continua do mesmo jeito com Dado há 1 ano e 2 meses; Léo Paraiba liberado pelo Remo e de volta ao Nacional-AM.

Em 4 jogos no comando do Remo o treinador Marcelo Veiga experimentou 2 eliminações (2012 na Série D e agora no Parazão). Todo cuidado amanhã na Copa Verde. Ingressos a 20 e 40 reais no Mangueirão.

Auxiliar técnico do Naça Ramon Carvalho veio assistir o RE-PA. Time baré para amanhã: Roberto Gomes, Osvaldir, Roberto Dias, Fabiano e Rodrigo Fernandes, Cal, Osmar, Nego e Álvaro, Tressor e Tiago Verçosa.

Provavel Rio Branco-AC para pegar o Paysandu, na quinta: Fernando Pompeu, Ley, Cássio, Tiago Índio e Cristian, Paulinho Pitbul, Tárta, Emerson e Neném, Romarinho e Rafael Tanque. Técnico J.C. Cavalo.

Hoje, 18h, na igreja de Fátima, missa de 7º pelo sufrágio da alma do desportista Alberto Sozinho; hoje, cedo, 2ª parcial do Trofeu Camisa 13 e, 18h, 2º Debate Bola, sobre esporte olímpico, no auditório Amaral Costa.

Condutor da tocha olímpica, dia 15.6, em Belém, será o ex-atleta de voleibol, Marcelo Lobato, o Pará, ex-Tuna, Remo, Minas Tênis, São Caetano e Seleção Brasileira. Boa escolha!

Paysandu não perde há 16 jogos oficiais (Parazão e CV), embora possa até ficar fora do 2º turno do estadual; ótima a campanha dos santarenos S. Raimundo e S. Francisco. E Jeferson Monte Alegre continua brilhando!

Potita, Michel, Ítalo, Murilo, Rai, Wanderson, John Cesar, Bruno Smith, Flávio, que fase de contratações da dupla RE-PA. Festa de empresários com aceitação de técnicos, executivos e dirigentes. É duro!

Independente poderá ter desfalques na última rodada do 2º turno: hoje no TJD julgamento de Jaquinha, Cristóvão e técnico Sinomar Naves; PSC x América-MG, Copa BR Sub 17, amanhã, apito feminino: Elane Melo.

HOMENAGEM – Everaldo da Silva Ribeiro, o Cara de Jia, ex-tricampeão paraense da boxe na antiga categoria meio médio pela Academia Estrela do Norte nos anos 80. É fiscal da SECOM.

5 de abril de 2016 at 2:17 pm Deixe um comentário

PAPO DO 40º – Ronaldo Porto – 04.04.16

DIA DE RE X PA, DIA DE DECISÃO!

A 4ª rodada do 2º turno do Parazão 2016 começou no sábado pegando fogo e energizou mais ainda o clássico RE x PA de nº 735. O Cametá derrubou o Independente por 1×0 em casa e assumiu temporariamente a liderança da sua chave; o São Raimundo venceu o Parauapebas, 1×0, na casa do adversário e chegou também na liderança com nove pontos, bem próximo das semifinais; enquanto isso o Paragominas bateu o falecido Águia, 2×0, subindo para a vice-liderança do A2, também chegando perto das semifinais. E aí chegou a hora do RE x PA, onde o Remo teria que vencer e o Paysandu com a mesma obrigação de vitória, para selar a classificação na última rodada, com mais facilidade que o maior rival. O empate tiraria praticamente o Remo e deixaria o Papão precisando de si e dos outros. E a rodada ainda teria Tapajós x São Francisco, ambos com chances de brigar por vagas nas semifinais.  Por essas e por outras, é que o clássico virou um divisor de águas para ambos e para todos os outros também, à exceção do Águia, para a decisão do 2º turno. Muita emoção em jogo, literalmente.

ALTA TEMPERATURA
E no clássico o Remo saiu na frente fazendo 1×0 com Eduardo Ramos, numa tabela com Luis Carlos Imperador com o Paysandu meio perdido em campo no 1º tempo. Na 2ª etapa, o Papão precisava reagir para chegar ao empate e o técnico Dado mudou a forma de jogar da sua equipe, conseguindo o empate já aos 34’ com Betinho, em outra falha do goleiro Fernando Henrique. O Remo ficou com três pontos e precisando de um milagre; já o Paysandu subiu para seis, ficando na espera do jogo Tapajós x São Francisco, torcendo pelo São Francisco, claro.

BAIXA TEMPERATURA

Tal e qual a Tuna, que já foi a 3ª força, o Águia, que assumiu essa posição com a derrocada da Elite do Norte, terá que vencer o Paysandu na última rodada para se sustentar na 1ª divisão de 2017. Vai ter que vencer e torcer contra Parauapebas e Tapajós, para que não pontuem e ultrapassem o time marabaense. O que houve com o velho e aguerrido Águia, que já caiu para a série D, podendo disputar a Segundinha do Paraense e fora da Copa Verde? Quem te viu quem te vê.

NO TERMÔMETRO

Onde cabiam 65 mil torcedores anos atrás, com apenas uma banda e um pedaço, hoje só cabem 25 mil com o estádio Edgar Proença concluído. O espirito do RE x PA fez o total de público aumentar para 35 mil espectadores no jogo de ontem, evitando maiores prejuízos para os dois maiores rivais. Situações extra campo ou estrutura deteriorada? O que está acontecendo com o velho Mangueirão? /// As três estruturas móveis que protegem os túneis dos clubes e dos árbitros no Mangueirão, patrocinadas por um banco, estão se acabando porque ninguém até agora teve a ideia de montar e desmontar. É mais fácil deixar lá estragando e queimando o dinheiro público. /// Torcedor é torcedor, marginal é marginal. Ontem, antes do RE x PA, tivemos um confronto de “torcidas” na BR-316, antes da barreira da PRF. Cerca de 150 jovens foram encaminhados à Seccional de Ananindeua, alguns com artefatos explosivos. A maioria, com idade abaixo dos 18 anos. Só seriam liberados após o clássico e os que tivessem passagem pela Polícia permaneceriam na Seccional. /// Amanhã, motivação em dose dupla no Troféu Camisa 13 na sua RBATV, com a divulgação da 2ª parcial da votação. Se ligue bem cedo no Canal 13; e às 18 horas, o 2º Bate Bola/Debate, discutindo o esporte olímpico do Pará no auditório do Laboratório Amaral Costa na Antônio Barreto. Entrada franca. /// E o São Francisco fechou o caixão do Remo no 2º turno, vencendo o Tapajós em Santarém por 2×0, retirando o tubo que dava sobrevida ao Leão. Agora o Leão Santareno entrou na briga também pelas semifinais do 2º turno. /// Uma boa semana a todos e viva Jesus!

E-mails: rporto@supridados.com.br

4 de abril de 2016 at 4:58 pm Deixe um comentário

Posts antigos Posts mais recentes


Clube no Twitter

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.