Coluna do Gerson Nogueira – 19.04.17

19 de abril de 2017 at 10:50 am Deixe um comentário

Na base da superação

 

O placar final transmite a falsa impressão de uma vitória tranquila do Papão, por 3 a 1. Passou longe disso. O jogo só se descomplicou nos 30 minutos finais. O início foi controlado pelo Santos-AP, que fez seu gol e foi mais organizado. Foi dominado quando cansou e ficou com dez em campo, após a expulsão de Balão Marabá.

Os méritos do Papão se concentraram na 2ª etapa. Aguerrido e disposto a recuperar terreno, o atual campeão da Copa Verde avançou suas linhas e impôs pressão na saída de bola. O empate veio logo e a virada ocorreu aos 14 minutos, o que pavimentou a caminhada para a vitória.

A história talvez tivesse sido outra se o Papão tivesse entrado com a mesma intensidade e afinco dos 45 minutos finais. A timidez do meio-de-campo, que distribuía passes laterais sem agredir o sistema defensivo do Santos, irritava a torcida e deixava a equipe ainda mais intranquila.

Alfredo e Bergson não eram acionados, Diogo Oliveira pouco se envolvia na transição e os laterais se preocupavam em vigiar Fabinho, Rafinha e Luciano. Quando fez 1 a 0, com Fabinho cobrando pênalti cometido por Gilvan, o Santos já era melhor. Sua postura compactada, sempre trocando passes rápidos, envolvia com facilidade o time de Marcelo Chamusca.

Além do gol, o Santos teve outra boa chegada com o próprio Fabinho. O Papão desperdiçou dois cruzamentos de Alfredo para o interior da área. A partida se desenrolava mais no meio, com poucas chances de gol.

Depois do intervalo, sob o risco de ser eliminado dentro de casa, Chamusca lançou o time à frente, pressionando os zagueiros do Santos com Ayrton e Jonathan bem adiantados na direita, Hayner subindo pela esquerda e Alfredo mais próximo de Bergson. Essa configuração simples intimidou o Santos, que passou a ter dificuldades para sair de seu campo.

O gol de empate, aos 6 minutos, em lance rápido de Hayner na área, incendiou a torcida. Mas, revelando a instabilidade do Papão, dois minutos depois a casa quase caiu: Emerson foi obrigado a defender com os pés. Em seguida, mais dois cruzamentos rasantes, que assustaram a zaga bicolor.

Só aos 14 minutos, o Papão voltou a botar a bola no chão e alcançou a virada. Jonathan recebeu no bico direito da grande área, ligeiramente à frente, e cruzou rasteiro para Diogo Oliveira escorar para as redes, antecipando-se à chegada do goleiro Axel.

Não apenas pelo gol marcado, Oliveira teve desempenho na etapa final completamente diferente do que havia exibido na primeira parte. Mais adiantado, quase como um terceiro atacante, rendeu mais para o time e foi decisivo no lance do terceiro gol, que tranquilizou de vez as coisas.

Aos 24 minutos, ele venceu a disputa na área e cruzou com categoria para Alfredo desviar de cabeça, fazendo 3 a 1 e definindo o placar. Por reclamação, o meia Balão Marabá foi expulso, dificultando ainda mais qualquer tentativa de reação do Santos no jogo.

Apesar do cansaço, aos 39 minutos, uma bola desviada em cobrança de falta sobrou livre para Fabinho. Emerson fechou a passagem e impediu o segundo gol amapaense. Foi a chamada bola do jogo, pois um gol àquela altura iria tornar dramático o final da partida.

O Papão controlou as ações (já com Willian e Will na equipe, substituindo a Hayner e Alfredo), sem dar maiores chances ao bravo Peixe da Amazônia e assegurando classificação à terceira final de Copa Verde.

Depois da vitória, o técnico Marcelo Chamusca fez leitura espantosa do jogo. Considerou que o Papão mandou nos dois tempos. Análise preocupante. O time paraense só jogou direito no segundo tempo, quando superou a apatia inicial e se impôs pelas peças individuais.

 

 

Lances polêmicos e arbitragem confusa

 

As reclamações em torno do pênalti favorável ao Santos parecem ter desestabilizado o árbitro, que economizou cartões e, quando aplicou, acabou se equivocando. Havia advertido Hayner na hora do penal e depois deu novo amarelo ao jogador, mas refugou, mandando dizer que o cartão havia sido para Gilvan. As imagens mostraram que o juiz se equivocou.

O penal chamou atenção para o estranho hábito dos zagueiros do Papão, que vivem metendo a mão na bola. Contra o Águia, Lombardi tocou duas vezes, mas os árbitros não viram. E, no gol marcado contra o time marabaense no Mangueirão, Gilvan também deu uma cortada de vôlei antes da finalização do próprio Lombardi. Moda mais esquisita.

Entry filed under: Uncategorized.

Bola Pra Frente – Cláudio Guimarães – 18.04.17 BOLA PRA FRENTE – Cláudio Guimarães – 19.04.17

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Clube no Twitter

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.


%d blogueiros gostam disto: