Archive for maio, 2017

Coluna do Gerson Nogueira – 24.05.17

Retorno para ser festejado

 

A volta de Leandro Carvalho é o principal trunfo do Papão para o confronto com o Inter, sábado, no Mangueirão. Desde que virou titular, Leandro tem sido peça decisiva no ataque alviceleste. Foi assim na Copa Verde e no Estadual. E, na Série B, nenhum dos novos contratados tem o mesmo potencial de explosão, dribles e chutes surpreendentes.

A importância de Leandro cresce ainda mais de envergadura com a anunciada ausência de Bergson (lesionado desde a final da Copa Verde). Sem o artilheiro, o técnico Marcelo Chamusca precisa dar ao ataque bicolor um mínimo de consistência e conjunto com o time.

É fato que, com Marcão e Wellington Jr. nas posições de frente, o time ainda não perdeu e se mantém no pelotão da frente na Série B. Ocorre que, mesmo com a movimentação que os dois tentam fazer, o ataque tem sido nulo. A não ser boa oportunidade contra o Paraná Clube, desperdiçada por Wellington, nada foi produzido pela linha ofensiva alviceleste até agora.

Esse detalhe não deve passar despercebido a Chamusca, que já se viu forçado a manter o discreto Alfredo no Parazão e na CV por absoluta falta de alternativas. Mesmo com o fraco rendimento de Alfredo, a dupla Bergson-Leandro Carvalho deu conta do recado e não permitiu que o Papão chegasse a sofrer por falta de gols.

A Série B, com seu profundo equilíbrio e imensas dificuldades, desafia a argúcia dos técnicos para solucionar problemas de elenco. A competição mais espinhosa do ano vai exigir de Chamusca análise rigorosa para descobrir os parceiros mais adaptáveis a Leandro no ataque. Contra o Inter, provavelmente, Marcão será o escolhido. A conferir.

 

 

Ramos pode voltar, mas será cobrado em dobro

 

Quando todos já aguardavam um desfecho nos tribunais, a novela Eduardo Ramos volta à baila de maneira até inesperada. Gestões do lado do atleta teriam levado a diretoria a passar uma borracha no passado recente e aceitá-lo de volta no Evandro Almeida.

A ação impetrada por Ramos na Justiça do Trabalho, cobrando mais de R$ 3 milhões em salários atrasados e acordo descumprido, é o principal obstáculo à celebração de um acordo. Até o técnico Josué Teixeira teria concedido o perdão, desde que o meia se desculpe publicamente e se comporte como um profissional.

Para o momento atual do Remo, com um time em busca de conjunto e peças que não se encaixaram no setor de criação, Ramos seria a chamada sopa no mel. De qualidades inquestionáveis, com ampla aceitação junto à torcida, ele só é contestado no âmbito disciplinar.

Até isso, porém, parece estar sendo relativizado diante das evidentes necessidades que a equipe tem no meio-campo. Do pouco que se viu de Mikael, Rony, Danilo Caçador e Kaio Wilker é possível concluir que dificilmente um deles será capaz de exercer a função de armador e condutor da transição.

Caso realmente sacramente o seu reingresso no time, Ramos terá o peso redobrado de cobranças e responsabilidades. Não poderá mais vacilar como antes em momentos cruciais para o time, pois até o torcedor – que hoje o apoia – não terá mais paciência para novos pecados.

 

 

Pratas da casa ganham destaque – lá fora

 

Betinho, Cicinho e Raul, todos revelados nas divisões de base do Remo, aparecem em destaque no noticiário deste começo de semana. Betinho trocou o Atlético-GO pelo Guarani. Cicinho é cobiçado pelo Corinthians. Raul foi apresentado como reforço do Braga para o certame português.

O curioso é que o Remo, como clube formador, só ganhou algum dinheiro com a transferência de Cicinho. Os demais deixaram o Baenão sob queixas da torcida e sem o devido reconhecimento.

Até um outro ex-azulino, também desacreditado por aqui, ganha espaço importante no novo São Paulo de Rogério Ceni. É Marcinho, que disputou a Série C 2016, tentou permanecer, mas não houve interesse em sua contratação. Não serviu para o Remo, mas serve para o S. Paulo.

24 de maio de 2017 at 7:11 pm Deixe um comentário

BOLA PRA FRENTE – Cláudio Guimarães – 23.5.17

PITACO – Árbitras paraenses Elaine Melo e Jackeline Portilho (foto), selecionadas pela CNA da CBF, estão em Praga-Rep. Checa para atuar desde hoje no Mundial Feminino Estudantil. Sucesso!

Lá e Cá

Falar em CBF, meu agradecimento ao coronel Nunes pelo agasalho da Seleção Brasileira e outros brindes, ele que não esquece este amigo de 52 anos.

Era cogitado time alternativo do Inter-RS contra o Paysandu, face jogo decisivo da Copa BR frente ao Palmeiras, 31.5. Contudo, mau resultado com ABC mudou tudo. Vem de vôo fretado.

Colorado: Daniel, Willian, Léo Ortiz,Cuesta (argentino) e Uendel, Rodrigo Dourado, Gutiérrez (chileno) e D’Alessandro (argentino), Marcelo Cirino, William Pottker e Nico López (uruguaio).

Técnicos Antonio Carlos Zago (Inter) e Marcelo Chamusca (PSC) têm algo em comum: ainda não agradaram seus torcedores.

Torcedores do Inter serão recebidos calorosamente em Belém e cumprirão programação elaborada pelo diretor do Consulado Colorado aqui, Vanderlei Pontes.

Paraenses Tiago Cametá (Ceará) e Perema (Paysandu), na Seleção da 2ª rodada da Série B do Brasileirão.

Leandro Carvalho e Bérgson (PSC) ainda fora no sábado; Daniel Amorim legalizado e Will viajou para o São Raimundo.

Souza em 2015 e Alexandro ano passado chegaram ao Lobo como solução de gols e cada só fez unzinho. Agora, Marcão Santana (precisa de lançador) passando em branco. Égua!

Agora CONMEBOL (101 anos) especula para 2020, nos 70 anos do 1º Mundialito e 60 da 1ª Libertadores aquele torneio de ranqueados da competição continental e o Paysandu lá. Sairá?

No Remo, Gerson trocou de posição com Tsunami no jogo contra o ASA e Josué Teixeira confirmou que não havia autorizado, mas até gostou. Cada uma!

Era suicídio para o Remo jogar 10h da manhã contra o Cuiabá, com esse time fraco e mal fisicamente. Ficou 19h mesmo!

Cuiabá: Henal, Bruno Moura, Douglas, Héverton e Hinestroza (colombiano), Carlão, Dakcson e Tiago, Bruno Veiga, Cristiano e Juba. Leão e Dourado sem titulares remanescentes  de 2015.

Por sinal, torcidas organizadas azulinas anunciando protesto para amanhã, 19h, na sede, com o mote: “acabou a paciência”.

Esse RE-PA em Manaus não está cheirando bem; Fast x São Raimundo, lá, domingo, portões fechados na Arena (laudo).

Remo estará na Copa SURGIU de Voleibol, em Paraiso do Tocantins-TO, de 26 a 28.5, com times adultos masculino e feminino. Prêmio de 7 mil ao campeão de cada categoria.

23 de maio de 2017 at 12:00 pm Deixe um comentário

Coluna do Gerson Nogueira – 22.05.17

Sinal de alerta ligado

 

A opção de remontar radicalmente o time do Remo cobra um preço alto neste começo de Série C. Depois de um primeiro tempo de boa movimentação e tentativas agudas (com duas chances de gol), a equipe sucumbiu ao cansaço e aos muitos erros, deixando três pontos em Arapiraca, no sábado à tarde. A continuar nessa toada, candidata-se a ser (de novo) mero figurante na competição. Ocupa o 4º lugar, mas o time não passa confiabilidade.

O apenas esforçado ASA pouco arriscou inicialmente, respeitando o time azulino. Quando percebeu o cansaço e a desarrumação, botou pressão e achou facilidades pelos lados do campo. Insistiu com bolas cruzadas até que o gol saiu num lance curioso, que teve um quase milagre do goleiro Vinícius e a total inércia do sistema defensivo do Remo.

A derrota se consolidou porque o Remo não teve forças para manter a transição rápida que fazia no 1º tempo, quando o estreante Gerson apareceu bem no apoio ao ataque. Edgar e João Paulo tiveram oportunidades, mas o goleiro Carlão fez grandes defesas, evitando o gol.

Até a conhecida limitação criativa do meio-de-campo foi um pouco disfarçada pela velocidade com que o Remo conseguia sair de seu campo. Em várias situações ficou patente a fragilidade defensiva do ASA, condição que os remistas não souberam explorar nos 45 minutos finais.

Para piorar, o precário condicionamento físico de boa parte da equipe, principalmente dos novos jogadores, comprometeu a cobertura defensiva e limitou as iniciativas do ataque. Edgar, o melhor do time, foi esquecido no lado esquerdo, sem receber bolas para investir em jogadas rumo ao gol.

Com o Remo escalado no sistema 3-5-2, os volantes tinham papel decisivo na partida, mas na segunda etapa abusaram da burocracia, trocando (e errando) passes no meio, justamente o setor mais povoado pelo ASA. Mikael, peça nula, foi substituído por Rony, que nada acrescentou.

Quando Gabriel Lima entrou, substituindo a João Paulo, o ASA já havia chegado ao gol, em lance que confirmou a excelente atuação do goleiro Vinícius e desnudou em todas as cores a incrível lentidão da zaga remista. Em cruzamento de Everton, o goleiro se desdobrou defendendo um cabeceio e um chute à queima-roupa, mas não evitou o disparo de Leandro Kível, aos 12 minutos. Estava sozinho contra o ataque inimigo, pois os zagueiros do Remo não se mexeram para pelo menos atrapalhar a jogada.

Em desvantagem, o Remo buscou forças para reagir, mas em nenhum momento conseguiu dar o bote sobre a defesa do ASA. Gabriel correu, lutou, mas foi atrapalhado pelos erros de posicionamento e passe de Damião e na falta de entendimento com Nino Guerreiro e Rony. O melhor momento foi uma tentativa de Tsunami, mas a bola saiu sobre a trave.

Os manuais ensinam que, em situações de aperreio, o jeito é apelar para a bola alçada na área, o popular muricybol. Nem isso o Remo fez. Estranhamente, ficou cozinhando o galo em seu campo, sem arriscar chutes de fora da área e deixando de incomodar a defesa do ASA.

O mau resultado acende o sinal de alerta quanto às deficiências do time, já expostas na vitória sobre o Fortaleza. O fato mais desconcertante é que o time que disputou o Parazão, reconhecidamente limitado, conseguia ser superior ao amontoado de jogadores escalados neste começo de Série C.

A opção de desmontar o time e prestigiar os novatos até agora não se mostrou a mais acertada. Quase todos os contratados desembarcaram em Belém longe das condições ideais, sendo que alguns denotam sérias limitações técnicas – casos de Damião, João Paulo, Labarthe, Mikael e Danilinho (que não jogou em Arapiraca). Gerson, Nino Guerreiro e Bruno Costa, mesmo sem maior brilho, são as exceções até agora.

Em meio às dificuldades, Josué pode substituir os “importados” que não se encaixaram por Gabriel, Jayme, Léo Rosa e até Rodrigo, que apareceu bem na final do campeonato e que pode cuidar da armação até Flamel voltar – há previsão de que possa jogar domingo contra o Cuiabá. Insistir com os novatos à espera de entrosamento é um risco que o Remo não pode correr.

23 de maio de 2017 at 11:58 am Deixe um comentário

Papo do 40º – Ronaldo Porto – 22.05.17

PAPÃO E LEÃO SEM VITÓRIAS

Paysandu e Remo saíram de casa pela primeira vez nas suas competições e não conseguiram vitórias. Melhor um pouco para o Papão, que segurou um empate em 0x0 diante do Paraná-PR, somando um ponto e tirando dois do adversário. Ambos tiveram a oportunidade da vitória, mas as chances não foram aproveitadas. O Paysandu com os demais resultados saiu do G4, ficando na 5ª colocação, colado no Internacional-RS, com quem jogará no sábado aqui no Mangueirão às 16:30 horas. Já o Remo na série C jogou em Arapiraca contra o ASA-AL e perdeu por 1×0, apresentando vários erros, de um plantel formado em cima da hora e que não rendeu o que Josué Teixeira esperava. O Leão Azul manteve a 3ª posição, porém ficou esperando os resultados de Salgueiro-PE x Moto Clube-MA e Cuiabá-MT x Confiança-SE; dois empates seriam excelentes para o Leão. O Remo receberá o Cuiabá-MT em casa no domingo próximo.

ALTA TEMPERATURA

Odilardo Silva Filho, ex-presidente da ATAR, formada por sócios azulinos, e hoje conselheiro do Remo está pedindo no grupo de Facebook “O Remo é Nosso”, R$8,00 (oito reais) de cada integrante dos 65 mil apaixonados que lá estão, que totalizaria R$520.000,00 (quinhentos e vinte mil reais), o suficiente para reabrir o Baenão sem precisar da diretoria. Ele diz que se prontifica a acompanhar os depósitos e como serão usados, na maior transparência possível. O e-mail dele é odilardo@nazcon.com.br. Trato do assunto Baenão na “Baixa Temperatura”. Louvável a tomada de posição.

BAIXA TEMPERATURA

Vez por outra se ouve falar em “recuperação do Baenão”, mas as coisas não saem do lugar. A bola da vez agora é outro abnegado, chamado Sodré, que se juntou a alguns remistas abnegados, entre eles Odilardo Silva, que querem reerguer o próprio azulino. Os anos vão passando e ninguém chama o responsável (sic) por isso, pela destruição de parte do estádio, o ex-presidente Zeca Pirão. Isso requer uma ação mais enérgica do Conselho Deliberativo. Aliás que esse assunto sempre é tratado no CD, sem avanços na cobrança.

NO TERMÔMETRO

Chamusca conseguiu um bom resultado fora de casa, empatando em 0x0 com o Paraná-PR, que vinha de um belo resultado. Agora é esperar o Inter de Porto Alegre para vencer ou vencer, caso contrário sua batata vai assar. /// No outro lado da rua a coisa está quase a mesma coisa; após vencer o Fortaleza por 1×0, Josué mexeu no time e perdeu para o ASA, 1×0 e mais do que nunca precisa derrotar o Cuiabá em casa, senão sua batata também irá ao forno. Sempre foi assim, o sacrificado sempre é o chefe. /// Flamel vai trabalhar hoje e amanhã e se não sentir nada deverá voltar a ser titular para tentar organizar o meio de campo azulino. /// E como ficou o caso do Pimentinha, vem ou não vem? Um diretor do Leão esteve em São Luiz tratando do assunto. Esse assunto nasceu na semana retrasada, quando Magnata dizia que não sabia de nada e o técnico azulino falava que seria uma boa. /// E começou o Brasileiro da Série D para os clubes santarenos. O São Raimundo largou bem, vencendo em casa o Gurupi-TO por 2×0, gols de Tiago e Dedeco. O Pantera corre atrás do bicampeonato. O Mundicão agora vai sair para enfrentar o Fast Clube-AM, domingo que vem em Manaus. No outro jogo em Porto Velho, o São Francisco pegou o Genus-RO e fez 1×0 no início do 2º tempo, mas cedeu o empate no final da partida. De qualquer maneira o empate fora de casa foi bom. O Leão Santareno vai receber domingo em Santarém, no Barbalhão, a equipe do Rio Branco-AC.  /// Semana que vem trago aqui os resultados do 2º Arrancadão da Motonáutica, provas realizadas na Marina Miriti. /// Uma boa semana a todos e viva Jesus!

E-mails: rporto@supridados.com.br

22 de maio de 2017 at 11:57 am Deixe um comentário

Coluna do Gerson Nogueira – 21.05.17

Defesa como ponto alto

 

Com várias mudanças na equipe, o Papão conseguiu na sexta-feira o ponto que buscava no Paraná. Jogou com excessiva cautela no primeiro tempo, fechando o meio-de-campo, sem criar incômodos aos donos da casa. Na etapa final, o time adiantou a marcação e teve duas boas chances logo no começo. Depois, recuou e tratou de se defender para garantir o empate. Nas circunstâncias, um resultado interessante, mantendo a invencibilidade (sem sofrer gol) na Série B.

A partida teve  evidenciou a principal vulnerabilidade e a maior virtude do time bicolor na competição: a falta de vida inteligente no meio e a confiabilidade do setor defensivo, liderado pelo seguro Perema.

O adversário merecia respeito, pois está invicto na Série B com 6 pontos ganhos, mas o comportamento do Papão foi adequado para quem buscava empatar. O técnico Marcelo Chamusca manteve Marcão e Wellington Jr. no ataque, mas a incapacidade de criação segue a atormentar o time. Fernando Gabriel foi burocrático, tocando para os lados e cobrando escanteios, deixando os atacantes desconectados do resto da equipe.

As únicas jogadas ofensivas eram tentadas com Ayrton e Rodrigo de Andrade, sem efeito prático. A situação se modificou no 2º tempo, quando a marcação foi adiantada e criou uma aproximação entre meio e ataque.

Não por coincidência foi o melhor momento do Papão na partida, com Wellington Junior perdendo chance clara e Wesley cabeceando com perigo, forçando grande defesa do goleiro Léo. Pena que esse esforço tenha durado somente dez minutos.

O Paraná passou a explorar mais as jogadas com Renatinho, Daniel Moraes, Robson e Guilherme Biteco. Não chegou a criar oportunidades muito claras, mas forçou o Papão a voltar a pensar exclusivamente na defesa. Aí brilhou a postura de Perema, sempre altivo no primeiro combate no chão e ganhando todas as jogadas pelo alto. Foi indiscutivelmente a grande figura da partida, sem cometer erros e dando tranquilidade ao time nos momentos de maior pressão adversária.

Ajustar a defesa é um trunfo importante para encarar a Série B, competição difícil e extenuante, que exige regularidade dos times. Com o setor defensivo bem arrumado, o Papão inicia bem o campeonato com possibilidades de sonhar mais alto – se conseguir achar um camisa 10 de verdade.

 

 

Bola na Torre

 

Guilherme Guerreiro apresenta, com as participações de Valmir Rodrigues e este escriba de Baião. Programa começa às 21h, na RBATV.

 

 

Os vícios do melhor técnico do país

 

Tite é uma das poucas unanimidades nacionais nos dias de hoje. Ninguém discute seus méritos na ressurreição do futebol brasileiro depois da catástrofe na Copa do Mundo de 2014 e no período tenebroso sob o comando de Dunga.

É admirável a capacidade demonstrada por Tite de formatar uma Seleção Brasileira competitiva, sem abdicar do futebol vistoso e que encanta plateias. O êxito nas Eliminatórias fez com que em pouquíssimo tempo o torcedor trocasse a desesperança pela certeza de que é possível sonhar com o topo outra vez.

Apesar de todo o sucesso justamente desfrutado, Tite repete no escrete um velho vício dos treinadores da Seleção: a mania de escolher nomes duvidosos para compor o elenco. Fagner, Gil, Rodriguinho, Taison e Giuliano. Não por acaso, os três primeiros de origem corintiana.

21 de maio de 2017 at 11:56 am Deixe um comentário

A Bola no Bola – Giuseppe Tommaso – 20.05.17

BOLA NA TORRE

 

Neste Domingão na RBATV – Canal 13 o Bola na

Torre vai ao Ar no Horário de 21:00 horas, agora antes do

Pânico na Band. Com a Cobertura dos jogos de Paysandu e

Remo no Brasiliero nas Séries B e C e as estréias de São

Raimundo e São Francisco na Serie D. Guerreirão no

Comando na Bancada Os companheiros Gerson Nogueira e

Valmir Rodrigues. Mande a sua pergunta Antecipadamente

Participe pelo @bolanatorre ( Twitter e Instaram ) e

Pelo ZAP 984752441

PARASOCCER… Vem aí a 6° Edição do maior e melhor Campeonato de Futebol Amador do Pará, Parazão da Pelada 2017 serão 24 equipes do nosso fantástico mundo peladeiro em busca desse grandioso título, de agosto a dezembro tem o melhor do futebol pelada, não fique de fora faça já sua pré-inscrição aqui:  www.parazaodapelada.com.br
Na ordem desde sua primeira edição que iniciou em 2012 os Campeões, Badalados da Cidade Nova, Enéas Pinheiro do Marco, Furacão da Marambaia ( BI ) e o atual Campeão Estrela Porto do Una. Valeu Luiz Claudio e equipe…    MAIS UM… Que faz sucesso no Futebol Europeu. O Zagueiro Paraense Raul Silva, foi base do Remo e também jogou no Paysandu, terminou a temporada 2016/2017 pelo Marítimo Portugal, com 7 gols em 32 jogos, sendo o artilheiro da equipe, ficando atrás do outro zagueiro espanhol Sérgio Ramos (Real Madrid), com 10 gols em 40 jogos, na temporada européia. Raul está sendo negociado com o Sporting Braga por 2 milhões de Euros. Remo como Clube formador se fosse organizado eria seus direitos. E tome prejuízo…     CERTIDÃO… Negativa de Débito (CND) expedida pela Receita Federal concedida a Confederação Brasileira de Basquete – CBB. Mais um passo dado pela Transparência. Com isso Presidente Guy Peixoto vai pleitear o repasse de verba do COB de 4 milhões anuais e outros 5 milhões em verbas de Projetos e incentivo ao esporte. Gestão de responsabilidade!!!

20 de maio de 2017 at 11:56 am Deixe um comentário

BOLA PRA FRENTE – Cláudio Guimarães – 19.5.17

PITACO – Nas mãos do goleiro Marcão Milanezzi, pés e cabeça do atacante Marcão Santana (foto), as esperanças do desfalcado Paysandu, hoje, em Curitiba.

Lá e Cá

Paraná e Paysandu têm 15 jogos na história, 7 triunfos paranistas (22 gols), 4 bicolores (19 tentos) e 4 empates.

Previsão de chuva hoje na capital paranaense e na hora do jogo temperatura de 13 a 16 graus.

Estádio Durival de Brito, local da partida, tem 70 anos, passou por reformas e serviu de palco à Copa de 50 nos jogos Espanha 3×1 EUA e Suécia 2×2 Paraguai. Abriga, agora, 20 mil pessoas.

Paraná  (invicto este ano em casa) na Série B de 2016 ficou em 15º, uma posição atrás do Lobo. No Paranazão recente saiu nas quartas de final eliminado pelo Atlético-PR.

Lider Paraná (desta Série B) tem média de público em casa de 3 mil torcedores e, ingressos nesta sexta a 40 e 20 reais, até 15h, passando depois para 60 e 30 reais.

ASA e Remo têm só dois jogos entre si, ambos ano passado na Série C, 2×2 no Fumeirão e, 1×0 pra eles, no Mangueirão.

ASA na competição de 2016 somou 26 pontos, um a mais que o Remo e foi para o 1º mata-mata, sendo elminado pelo Guarani-SP, que era treinado pelo Marcelo Chamusca.

Estádio Coaracy Fonseca-Fumeirão, palco do jogo do Leão amanhã, tem 64 anos de inaugurado e apanha 15 mil torcedores.

Fora de propósito o empréstimo de Will (Paysandu) para o São Raimundo. Teria muita utilidade no bicola!

Cansativa a viagem do São Francisco para chegar a Rondônia: sai hoje, 16h, de Santarém-Manaus-Brasilia, Rio Branco e Porto Velho, chegando na madrugada. Fora a demora nos aeroportos.

Zagueito paraense Raul, 27 anos,  ex-Remo e Paysandu, deixando o Marítimo rumo ao Braga, ambos de Portugal.

Começando esta noite a fase classificatória do Baixo Tocantins do Campeonato Adulto de Futsal, atuando em Baião, Corinthians local x CRA-Tailândia e NAEC-Baião x Skilândia-Mocajuba.

Treinador do Gênus-RO (adversário do S. Francisco) é Mirandinha, o cearense ex-jogador do Palmeiras, Botafogo, New Castle-Inglaterra e Sel. Brasileira (tempo de Charles Guerreiro).

Por outro lado, o Gurupi-TO, que enfrentará o S. Raimundo, tudo pela Série D, tem como reforço Wellington Cabeça, ex-Independente-PA.

Cruz Azul, surpreendentemente, desistiu do Sub 15 da FPF.

19 de maio de 2017 at 11:53 am Deixe um comentário

BOLA PRA FRENTE – Cláudio Guimarães – 18.05.17

PITACO – Gérson , que se chama Wangerson Ramos dos Santos, de Valenca-RJ, 31 anos, a  estreia confirmada no Remo sábado, na lateral esquerda. Que supra essa necessidade!

Lá e Cá

Da turma da casa, Igor João, Tsunami, Jeferson, Gabriel Lima e Jayme, na delegação remista que viajará hoje para AL.

Josué Teixeira pensa num 3-5-2: Vinícius, Henrique, Bruno Costa e Tsunami, Daniel Damião, João Paulo, Labarthe, Mikael e Gérson, Nino Guerreiro e Edgar. Acho boa essa escalação!

Campinense-PB segurou Reinaldo Alagoano, sonho de consumo do Remo, que deve se contentar com o polêmico Pimentinha.

Mais um injustiçado no futebol paraense: Sérgio Dias (Remo).

Quem mais lamentou perda do título da CV pelo Paysandu foi o São Raimundo, que perdeu vaga na Copa BR 2018; Luverdense nas oitavas e 2 milhões até lá no cofre.

Paysandu desfruta de boa situação financeira, mas continua contratando mal, a exemplo do Remo, que não tem dinheiro.

Duro é o Chamusca lamentar que CV foi perdida no jogo de ida, quando ele próprio escalou time reserva. E ainda elogiou a “entrega” dos atletas no jogo do Mangueirão. Égua. Não vi isso!

Aliás, dependendo dos resultados contra o Paraná e Inter-RS a situação do técnico poderá “chamnuscar”de vez na Curuzu.

Paysandu viajou pra Curitiba sem Emerson, Diogo Oliveira, Leandro Carvalho e Bérgson. Apenas uma meia de ofício, o Fernando Gabriel.

Time provável – Marcão Milanezi, Airton, Gilvan, Perema e Pery, Recife, Rodrigo Andrade, Wesley e Fernando Gabriel, Wellington Jr  e Marcão Santana. Equipe mesclada!

Alguém já ouviu falar do Renato Augusto genérico (Renatinho) e Daniel Amorim? São reforços bicolores visando Série A.

Nas 4 oportunidade que fizemos a festa e o adversário valseou no Mangueirão, Remo em 1984 e 1997 e, Paysandu, 2014 e anteontem, público total foi de 130.771 e média de 32.693.

Fernando Carioca (será gestor e técnico) comandará o Pedreira de Mosqueiro na próxima Segundinha do Parazão.

Buracos no Manguerão são em razão da infestação de paquinhas ou grilos toupeiras, ortopteros da subordem Ensifera, familia Gryllotalpidae. Falta recurso para combate adequado.

Para alegria do mineirinho Ronaldo Almeida, o Clube Atlético Patrocinense, de Patrocínio-MG, sua terra natal, subiu à elite mineira e vai ter “clássico” com o seu amado  Atlético Mineiro.

 

18 de maio de 2017 at 4:54 pm Deixe um comentário

Coluna do Gerson Nogueira – 17.05.17

Um legítimo campeão

 

O Luverdense veio, viu e venceu. Na verdade, só empatou, mas foi suficiente para conquistar a Copa Verde dentro do Mangueirão, pois levou a melhor no placar agregado (4 a 2). Título merecido e inquestionável pelo desempenho superior nos 180 minutos da decisão.

O LEC foi absoluto no jogo de ida, quando estabeleceu a vantagem, e equilibrou a partida de ontem, mesmo tendo levado um tremendo susto logo aos 3 minutos. Em chute seco da entrada da área, aparando de primeira um rebote da defesa, Leandro Carvalho justificou plenamente a escalação mesmo sem estar na melhor forma física.

Um golaço que desestruturou o Luverdense e abriu a perspectiva de uma noite festiva para a nação alviceleste. Nos minutos seguintes, o Papão manteve o embalo inicial. Adiantou a marcação, com Wesley e Rodrigo Andrade à frente, e confundiu o bloqueio adversário. Deu as cartas até os 15 minutos. A partir daí, o gás murchou e a vigilância se desfez.

Sem pressa, o Luverdense se posicionou melhor em campo. Os erros na saída de bola foram corrigidos e o jogo ficou parelho. À medida que o time mato-grossense se tranquilizava, o Papão perdia o rumo.

Boa parte desse mérito teve a ver com a iniciativa do quinteto mais experiente da equipe – Marcos Aurélio, Rafael Silva, Douglas Baggio, Ricardo e Macena –, que tomou as rédeas da reação, fazendo uso da aproximação dos setores e da troca de passes curtos em velocidade.

Do lado bicolor, peças importantes, como Diogo Oliveira e Bergson, pareciam fora de jogo e a defesa se atrapalhava com a movimentação do ataque do LEC. Nos instantes finais do primeiro tempo, a pressão mudou de lado e o perigo rondou o gol de Emerson em chutes de Macena e Ricardo da linha da grande área.

Logo aos 9’ do segundo tempo, Marcos Aurélio mandou uma bola na trave esquerda de Marcão, que havia substituído Emerson (lesionado). Eric desperdiçou o rebote, mas o Papão já evidenciava claros sinais de desarrumação em todos os setores.

Minutos depois, Ayrton foi lançado na área por Leandro Carvalho e quase ampliou. A bola passou à frente do gol sem que ninguém surgisse para finalizar. Outra boa chance veio em falta cobrada por Ayrton, mas Wesley desviou à direita da trave.

O LEC, sem esboçar nervosismo, ia tocando o seu projeto de jogo. Bola sempre rasteira, de pé em pé, aguardando uma brecha na marcação. Foi assim que, aos 24’, Marcos Aurélio surgiu livre na intermediária e mandou um chute rasteiro que quase surpreendeu Marcão.

Sem alternativas para retomar o controle das ações, Marcelo Chamusca trocou Bergson por Will e Simões por Sobralense, mas o time seguiu desconectado no meio-campo e inofensivo no ataque. As ligações diretas se repetiam, dando mais musculatura à estratégia do LEC, que sempre recuperava a posse de bola e partia em contragolpes agudos.

Mais lúcido e inventivo, o LEC chegou ao empate aos 33 minutos. Chute forte de Eric desviou na zaga. Fumaça não desistiu do lance e dividiu com Marcão, que se precipitou e derrubou o atacante. Rafael Silva cobrou o penal, estabeleceu a justiça no placar e garantiu a taça. Conquista merecida.

 

 

Belém assiste à quarta derrota em finais desde 1984

 

Com a perda da CV pelo Papão já são quatro as grandes frustrações da torcida paraense por títulos que escaparam em finais disputadas em Belém. O Remo perdeu a Taça de Prata, em 1984, para o Uberlândia, e a Copa Norte, em 1997, para o Rio Branco-AC. Já o PSC foi derrotado na Série C 2014, pelo Macaé de Josué Teixeira, e agora, pelo Luverdense.

17 de maio de 2017 at 11:15 am Deixe um comentário

BOLA PRA FRENTE – Cláudio Guimarães – 17.05.17

PITACO – Merecida a festa dos jogadores, dirigentes e CT do Luverdense na conquista invicta da CV, ontem. Aplausos!

Lá e Cá

Felipe, Rodrigo e Nano Krigger têm contrato encerrando com o Remo. Aposta para se saber  quem fica. Ou nenhum?

Roni, meia atacante do Remo, quer emplacar aqui seu 3º acesso. Já subiu para Série B com o Criciúma e Série A pelo Palmeiras.

Ex-volante azulino Michel Scmoller fechando com CSA e deverá vir aí, dia 10.6, enfrentar o Leão.

Maico Gaúcho (executivo e auxiliar técnico do LEC), no retorno ao Baenão se emocionou, mais pelo abandono do estádio.

Sodré Jr é um abnegado associado azulino que está empenhado com outros a dar novo visual à terra arrazada e tapumes do Baenão, para evitar imagens horrorosas nos programas de TV.

Só Jaquinha e Flamel no DM remista, que se reestrutura. Ótimo!

Denys Tavares (Paysandu) e Aluísio Arruda (Remo), do Sub 17, a nova safra de treinadores de basquete. Papão ganhou 1º turno.

Radamés Lattari, diretor da CBV que veio tratar do jogo da Seleção Brasilera Feminina contra a Rep. Dominicana (1.6), foi vice presidente e diretor de futebol do Flamengo.

Também foi técnico da Seleção Brasileira (masculina e feminina), ganhando 27 títulos. Ingressos, no Mangueirinho, para o jogo internacional do começo de junho, a 40 e 80 reais.

AASFAM a grande campeã do do 33º Torneio Elmo Vieira de Judô no Ginásio de Marituba, faturando 19 medalhas de ouro.

Atacante Daniel Amorim, 27 anos, era dado como certo no CSA, mas a imprensa de AL diz que o Paysandu atravessou e ganhou; Raí, ex-Papão, agora no Moto-MA..

Ministro Sarney Filho (MA) não veio e Taça ao campeão da CV (protótipo de um novo brinquedo de miriti que será vendido no Círio) entregue pelo Sec. Exec. Marcelo Cruz e Coronel Nunes.

Só que a Copa foi confecionada em madeira (árvore derrubada) e mereceu criticas da imprensa de MT; foi a 1ª CV sem RE-PA.

Enfrentaram-se Paysandu (103 anos e 52 títulos na história) e, Luverdense (13 anos e 7 conquistas). LEC (1×1) no seu 8º.título.

Perda da CV em casa serviu para constatar que o Paysandu não tem time para chegar à Série A. Muda muito ou a luta é para não cair. E contra o Paraná vai hoje sem Bérgson e Emerson.

Nosso torcedor é 1.000. Ontem, 28.853 pessoas no Mangueirão.

17 de maio de 2017 at 11:14 am Deixe um comentário

Posts antigos Posts mais recentes


Clube no Twitter

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.