Coluna do Gerson Nogueira – 01.11.15

1 de novembro de 2015 at 2:09 pm Deixe um comentário

Com a cara e a coragem

Caso o futebol fosse uma ciência mais ou menos exata, bastaria ao Remo repetir o que foi feito no jogo contra o Palmas no estádio Jornalista Edgar Proença, quando precisava vencer por dois gols de diferença e conseguiu marcar três logo no primeiro tempo. Felizmente, para o encanto das multidões, o futebol não é tão previsível assim e cada jogo tem uma história completamente diferente.
Para começo de história, o Botafogo de Ribeirão Preto é um time muito mais forte e qualificado que o representante tocantinense. Já acumula êxitos nas fases anteriores da Série D defendendo como visitante a vantagem estabelecida dentro de casa. É, portanto, acostumado a administrar esse tipo de situação.
O trunfo azulino depende em boa medida da combinação normalmente poderosa entre a vibração e entusiasmo do time com o incentivo do torcedor nas arquibancadas. Essa força conjunta tem funcionado em todas as partidas realizadas pelo Remo em Belém, resultando em vitórias categóricas sobre Vilhena, Palmas e Operário, nas quais o ataque azulino marcou coincidentemente sempre três gols – escore que garante a classificação à final do campeonato.
É claro que tudo depende do bom funcionamento do time. Cacaio mostrou ao longo da temporada que evoluiu como técnico, deixando de ser apenas um motivador e passando a adotar estratégias adequadas a cada novo oponente. Tem tido mais triunfos do que perdas. Acertou em cheio no esquema pragmático utilizado fora de casa contra o Operário, mas não foi tão bem sucedido jogando diante do Botafogo, em Ribeirão Preto, quando deixou escapar o empate a poucos minutos do final.
Em casa, porém, seu time se transfigura. Ataca com a cara e a coragem. O desenho conservador, com três zagueiros, dois alas marcadores e dois volantes muda radicalmente. Continuam os três beques, mas os alas passam a funcionar como apoiadores, colaborando com o trabalho do meia-armador (Eduardo Ramos) e acionando os atacantes.
Os treinos da semana mostraram que Cacaio resolveu dar ao ataque a dose certa de força e facilidade no jogo aéreo, recolocando o centroavante Kiros na equipe. A dúvida permanece quanto ao atacante de lado – Welton ou Léo Paraíba. O técnico prefere o primeiro, talvez até por se identificar com o seu estilo. Não se pode esquecer que Cacaio foi um goleador que se caracterizava pela força e o oportunismo na área.
No fim das contas, o que importa mesmo é a postura do Remo no jogo. Em situação normal, mantendo a volúpia ofensiva e explorando a qualidade de seus homens de frente, sem se afobar, tem plenas condições de reverter a desvantagem e avançar à final da Série D.

E não é que a CBF lembrou de Belém?

Depois de muito esperar pela Seleção Brasileira principal antes da Copa do Mundo, Belém vai receber finalmente um amistoso do escrete canarinho. Pena que o jogo seja do time olímpico contra os Estados Unidos. Apesar de bons valores reunidos na equipe, como Gabriel Jesus e Gustavo Scarpa, é um selecionado ainda em testes, sem mostrar brilho nos outros amistosos disputados pelo país.
Mesmo que não seja o caso, a escolha de Belém assim repentinamente soa como uma espécie de consolo por tantas outras ocasiões nas quais a capital paraense foi preterida pela entidade.
Confirmado para domingo, 15 de novembro, às 17h, a preços populares – R$ 20,00 (arquibancada) -, o jogo não se constitui em grande atração e deve ter um público abaixo do esperado em função dos jogos de sexta, entre Papão e Luverdense, e a provável decisão da Série D no sábado, se o Leão vencer o Botafogo na semifinal de hoje.

Nervos de aço para encarar os desafios

O Remo terá um ano cheio em 2016, como não ocorria há algum tempo. Vai disputar Copa do Brasil, Copa Verde e Série C, além do Campeonato Paraense. Para corresponder aos anseios da torcida, precisará iniciar a temporada já com um elenco forte, a fim de brigar pelo tri estadual e tentar novamente levantar a taça na Copa Verde, que dá acesso à Copa Sul-Americana.
Além das preocupações com a formação do grupo de atletas para o começo do ano, a diretoria terá que lidar com questões políticas que não podem mais ser adiadas. Pedro Minowa, presidente eleito e ora cumprindo licença, já insinuou o desejo de voltar a comandar. A Assembleia Geral, convocada permanentemente, dificilmente permitirá isso.
Dois atos pesam contra sua gestão: o acordo assinado com o empresário Eduardo Guizzo dando a este 30% da arrecadação do programa sócio torcedor, o que resultaria em multa de R$ 500 mil para o clube, e a cessão contratual dos direitos sobre o atacante Roni ao procurador do atleta.
Há também o aspecto financeiro. O Remo terá uma ou duas rendas para tentar fechar 2015 sem dívidas salariais, mas a partir de janeiro os problemas irão se agigantar, pois o clube terá bloqueio total dos patrocínios de Banpará e Funtelpa por força de acordo com a Justiça do Trabalho. Como montar um time forte, como a torcida espera, com tantos aperreios? Um desafio que exigirá nervos de aço e muita criatividade por parte dos gestores.
Bola na Torre

O programa deste domingo terá o retorno de Guilherme Guerreiro, com participações de Giuseppe Tommaso, Valmir Rodrigues e deste escriba de Baião. Na RBATV, logo depois do Pânico, por volta de 00h15.

Entry filed under: Uncategorized.

BOLA PRA FRENTE – Cláudio Guimarães – 01.11.15 Papo do 40º – Ronaldo Porto – 02.11.15

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Clube no Twitter

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.


%d blogueiros gostam disto: