Archive for agosto, 2015

Coluna do Gerson Nogueira – 31.08.15

Uma reação fulminante

Foi a transformação da água pro vinho. Depois de primeiro tempo paupérrimo, que só não foi desastroso por pura sorte, o Papão começou a etapa final em ritmo acelerado. Um jogador conduziu a mudança de atitude. Welinton Jr., que substituiu ao inoperante Edinho, entrou com a corda toda e foi responsável pela postura mais agressiva diante do perigoso Bragantino. Com a vitória, o Papão subiu para a vice-liderança da Série B com 100% de aproveitamento no início do returno, justamente o oposto do que aconteceu no turno.
Sobre o personagem da tarde, é preciso descrever o que fez logo a um minuto do segundo tempo. Welinton foi ao ataque, roubou do zagueiro uma bola praticamente perdida e disparou um chute forte, defendido com dificuldades pelo bom goleiro Douglas. Foi a senha para a torcida acordar nas arquibancadas. Os mais de 12 mil pagantes que foram ao Mangueirão haviam passado os primeiros 45 minutos levando sustos.
O fato é que o Bragantino mandou na primeira etapa. Enquanto o Papão batia cabeça, sem conseguir sair jogando com volantes e meias, o técnico Wagner Lopes posicionou sua marcação para povoar a intermediária alviceleste. Criou uma confusão dos diabos. Além de não permitir que os laterais Pikachu e João Lucas avançassem, deixou o Papão sem qualquer articulação no meio.
Dado Cavalcanti havia escalado Edinho e Valdívia para criarem jogadas. O primeiro era afoito demais e errou pelo menos quatro passes, armando contragolpes do Braga. Valdívia não se apresentava para receber, rendendo-se à boa marcação do adversário.
Desse pandemônio no campo de defesa do Papão resultaram várias situações perigosas produzidas pelo trio de meiocampistas do Bragantino – Edson, Alan Mineiro e Jocinei. Alan perdeu o gol mais feito da tarde aos 31 minutos, batendo forte da entrada da área, rasteiro, à direita de Emerson. Como não havia nada a fazer, o goleiro ficou apenas torcendo para a bola não entrar.
Jocinei disparou um tiro forte logo em seguida. Emerson fez grande defesa. Pikachu só foi notado em campo ao bater falta com muito perigo. Chute estourou na trave de Douglas, saindo pelo lado sem que aparecesse ninguém para aproveitar o rebote.
Quem chegasse naquela hora ao estádio iria certamente pensar que as camisas estavam trocadas, tal a pressão empregada pelos alvinegros sobre os bicolores, mas por deficiências destes do que por virtudes daqueles.
A tal segunda bola, que todo técnico gosta de valorizar, pertenceu inteiramente ao Bragantino. O Papão não ganhava uma. Enquanto isso, a torcida se impacientava com Edinho e gritava por Djalma. Fahel e Recife se atrapalhavam com o bloqueio. Leandro Cearense e Aylon ficavam esquecidos lá na frente.
Quando o primeiro tempo acabou em 0 a 0, foi um alívio geral. O Papão saíra no lucro e ganhava tempo para rearrumar suas linhas, para buscar a vitória. Foi exatamente o que aconteceu.
Welinton entrou, empurrou o time à frente movimentando-se pela direita e chutando sempre. Até então, o Papão economizava arremates. O atacante quase marcou num tiro forte de fora da área, que raspou a trave. Em seguida, chutou e a bola desviou na zaga, provocando o escanteio que resultou no gol de abertura, com Fahel, de peixinho, aos 23 minutos.
Depois disso, sempre tentando o drible em velocidade, confundiu a marcação do Braga, que se viu obrigado a recuar muito, acusando o desgaste do corrido primeiro tempo. Até o centroavante Lincoln virou marcador no meio. Com isso, Pikachu passou a ter espaço para correr pelos lados. Misael, que substituiu Aylon, entrou com o mesmo espírito, puxando jogadas rápidas pela direita.
Pode-se dizer que a correria imposta pelo Papão no segundo tempo fez com que as expectativas se invertessem, pois desgastou ainda mais o adversário. O segundo gol veio já aos 43 minutos, com o Braga já de gravata de fora. Novamente Fahel em outro escanteio, desviando no primeiro pau.
Objetividade e arrojos premiados. Dado, de novo, acertou a mão na mudança pontual, tendo ainda a bem-aventurança de contar com um jogador em tarde inspirada. Fahel foi o artilheiro, mas Welinton foi o cara do jogo.

Quase classificado, Leão treina em amistoso

À espera de empate ou vitória do Rio Branco hoje à noite contra o Nacional para se classificar antecipadamente no grupo A1 da Série D, o Remo fez amistoso com o Izabelense, ontem, no Mangueirão. O jogo refletiu a instabilidade que tanto tem castigado o time na competição. Os jogadores utilizados por Cacaio eram suplentes, candidatos à titularidade, mas renderam pouco no primeiro tempo contra o limitado time interiorano.
O placar foi construído no segundo tempo, quando o adversário cansou e alguns jogadores entraram na equipe azulina. O time ficou mais agressivo e ganhou em velocidade. Logo aos 5 minutos, gol contra marcado por Cleissinho, defensor do Izabelense. Aos 35 minutos, sob sol torturante, Edcléber deixou o seu. E, aos 43, Welton, de cabeça, fechou o marcador.
Cacaio deve ter gostado da movimentação de alguns atletas, Ciro Sena e Edcléber, principalmente, mas Ratinho ainda está longe daquele jogador dinâmico e ousado de antigamente. Welton fez gol, mas continua pesado e precisando arriscar mais, como gostava de fazer no Tapajós.

Um sinal de ressurreição do Azulão

Pode até não ser suficiente para evitar o rebaixamento, mas o Águia deu ontem uma prova de que não perdeu a velha fibra. Depois de estar perdendo por 1 a 0 até os 34 minutos do segundo tempo, empreendeu uma virada sobre o Botafogo-PB digna dos velhos tempos.
Danúbio empatou e três minutos depois Flamel marcou o segundo gol, cobrando pênalti. Registre-se que, como em vários outros confrontos desta Série C, o Águia foi superior ao adversário na maior parte do tempo, embora falhando muito nas finalizações.
Foi a primeira vitória da equipe marabaense no torneio e pode ser o empurrão que faltava para ir em busca da salvação. Faltam quatro jogos e o time ficou a 5 pontos do Cuiabá, o primeiro fora da zona de rebaixamento.

31 de agosto de 2015 at 12:38 pm Deixe um comentário

PAPO DO 40º – Ronaldo Porto – 31.08.15

PAPÃO DE VOLTA AO G4

Depois da saída da Copa do Brasil na semana passada, quando perdeu em casa para o Fluminense-RJ, o Paysandu voltou a campo no sábado e se reabilitou, vencendo o Bragantino-SP por 2×0, ganhando três pontos, somando mais uma vitória e o melhor de tudo, voltando ao G4 com 36 pontos, colado no líder Vitória-BA que soma 38 pontos. Atrás do Papão estão o Botafogo-RJ com os mesmos 36 pontos, seguido do América-MG com 35. Esse é o G4. Fahel foi o herói do jogo, fazendo os dois gols bicolores, ao seu estilo, aparecendo sempre de surpresa e colocando a bola pra dentro. O time bicolor tem tudo para assumir a cabeça do G4, se conseguir vencer lá fora no dia 01 de setembro o lanterna Ceará-CE e depois bater o Boa Esporte-MG em casa no dia 05. Mas é sempre bom lembrar que o time cearense, apesar da lanterna, vem subindo tecnicamente e vai querer aprontar pra cima do Papão, sem contar que a rivalidade entre paraenses e cearenses é grande demais. Agora que a Copa do Brasil foi embora, o foco bicolor é apenas a Série A em 2016.

ALTA TEMPERATURA

Bem colocado na Série D, o Remo realizou amistoso ontem e goleou o Isabelense por 3×0, gols de Gleissinho (contra), Edcleber e Léo Paraíba. O 1º tempo foi sofrível, mas no segundo o técnico Cacaio voltou com Levi na lateral, além de Elton e Léo Paraíba na frente. Edcleber foi fazer outra função e marcou até gol, provando que uma vaga no time é dele. O Remo se prepara para o próximo compromisso na Série D, contra o Rio Branco-AC lá na Arena da Floresta. Um empate é bom demais para o Leão.

BAIXA TEMPERATURA

E o Papãozinho se atrapalhou na decisão da Copa Norte Sub-20, entregando o ouro dentro de casa. Quem levantou o título foi o Fast Clube-AM, que venceu o Paysandu por 2×1 com muito tumulto no final da partida. O Fast agora vai fazer duas partidas contra o Cruzeiro-MG, dia 23 em Belo Horizonte e dia 30 em Manaus. Leandro Carvalho do Papão foi herói e bandido ontem, depois de fazer o gol do Papão e perder um pênalti para empatar a partida, aos 44 do 2º tempo, e decidir nos tiros livres a Copa Norte. Uma bela campanha, mas ficou para a próxima.

NO TERMÔMETRO

Fechando a coluna e esperando o resultado do Águia de Marabá diante do Botafogo-PB. Se tiver vencido, continuará respirando por aparelhos, se empatar ou perder, pode providenciar a Série D em 2016. /// Hoje o Clube do Remo ficará de camarote esperando o resultado do jogo Nacional-AM x Rio Branco-AC pelo seu grupo na Série D. O Leão, claro, torcerá pela vitória do time amazonense, mas o empate já será bom resultado. Ao Naça, resta vencer hoje e torcer pelo Remo contra o time acreano, para continuar lutando pela sua classificação. /// Aliás, pelo grupo remista, o Náutico-RR, que aprontou em cima do Leão em Boa Vista, empatou contra o Vilhena-RO e os dois morreram abraçados. Na verdade o time roraimense já estava morto. /// Com a contusão grave do grande Ricardo Capanema, o Paysandu continua correndo atrás de um volante com suas características, que poderia ser Ilaílson do Remo. Acontece que o volante remista ainda não se decidiu e se isso não acontecer até às 16 horas de hoje, outro nome será buscado. /// Parece sina do time do Paysandu, mas o time não consegue ganhar um título no seu centenário. Ontem contra o Fast pelo Sub-20, mais um vice, depois de uma bela campanha na competição. /// Paysandu viajando hoje para o jogo diante do Ceará pela Série B, uma partida pra chegar ao topo; o Leão Azul viajará no sábado para o Acre onde também defenderá a liderança no seu Grupo na Série D. Deveria ser sempre assim. /// Uma boa semana a todos e viva Jesus!

E-mails: rporto@supridados.com.br

31 de agosto de 2015 at 12:37 pm Deixe um comentário

BOLA PRA FRENTE – Cláudio Guimarães – 30.8.15

Entrevista com Prócion Klautau, o maior artilheiro do Pará do antigo futebol de salão ou futebol da bola pesada, hoje futsal, nos anos 50-60.

Quantos anos jogou futebol de salão e em que clubes passou?
Nove anos (1956-1965): Bancrévea, Tuna, Paysandu e Landi.

Quantos títulos conquistados?
Cinco campeonatos seguidos pelo Bancrévea, dois pelo Paysandu, um no Landi e um vice-campeonato pela Tuna. Além de vários torneios.

Jogou na Seleção Paraense? Quantos títulos também?
Joguei na Seleção Paraense nos nove anos que atuei nos clubes, mas não conquistamos títulos.

O que mudou do futebol de salão do seu tempo para o futsal de hoje?
Dribles (jogadas individuais). Hoje é mais mecanizado (acho feio).

Jogo mais importante da carreira e gol inesquecível?
Todos os jogos foram importantes. Gol inesquecível foi numa decisão Bancrévea x Tuna (1960). Marquei o primeiro gol do Bancrévea aos cinco segundos de jogo e fomos campeões. E a jogada foi combinada antes da partida por mim, Jaime Pereira e Sucupira. Deu certo!

Qual o melhor quinteto que formou e de que clube?
Cito três quintetos: no Bancrévea, Passarinho, Jaime, Odir, Sucupira e Eu. No Paysandu, Zacca, Maneca, Dedé, Sirotheau e Eu. No Landi,
Nelson, Marcílio, Nelson Chaves, Jaiminho e Eu.

Que artilheiros rivalizavam com você?
Nunca me preocupei com artilheiro, pois virou rotina ser o Prócion o maior goleador das competições. Claro que tinha o Sálvio Miranda (Paysandu), mas ele mesmo dizia que infelizmento jogou no meu tempo.

Cite 3 craques da bola pesada do seu tempo?
Jaiminho, Jaime Pereira e Sirotheau.

Lembra dos nomes das quadras ou ginásios que jogava?
Lembro dos Ginásios do Remo (Serra Freire), Paysandu (Moura Carvalho) e quadras do SESI, da FEIJ, São Domingos (Davino Carvalho) e Caixaparah (na frente da Praça da República).

Quais o melhor técnico daquela época?
Jaime Pereira. Antes atleta e depois técnico.

Lembra quantos gols marcou?
Média de 60 por temporada nos nove anos que competi. E eram menos jogos que hoje.

É concenituaso médico. Qual sua especialidade?
Sou médico anestesiologista em atividade.

Ainda pratica esporte?
Sim. Continuo fazendos meus golzinhos no futebol de campo na Assembléia Paraense disputando Super Sênior (tem gente invejosa que chama Sub 100). Fui campeão ano passado na Portuguesa e agora estou no Marajoara. Como tenho 74 anos anos levo a vantagem de só sair de campo se quiser. É do regulamento para quem tem mais de 70.

Para quem tira o chapéu do futebol de salão da sua geração?
Tiro o chapéu para o saudoso Jaime Pereira. Também para o Jaiminho, que formou uma dupla infernal comigo no Landi.

30 de agosto de 2015 at 9:19 am Deixe um comentário

A Bola no Bola – Giuseppe Tommaso – 30.08.15

BOLA NA TORRE

Deste Domingão logo após o “Pânico na Band”, na RBATV –
Canal 13. Vamos falar de Paysandu e Bragantino na Série B,
o Águia na Serie C e do amistoso do Remo contra o
Izabelense. Guerreirão no comando, Estarei na bancada com
o companheiro Gerson Nogueira e o Nosso Convidado
Especial será o Técnico do Paysandu Dado Cavalcante.
Participe pelo @bolanatorre.
MUITO JUSTA…

A homenagem que será prestada pela Diretoria do Paysandu que vai “Imortalizar” a Camisa de número 7 do Basquete do Paysandu, que por muitos anos foi usada por Guy Peixoto considerado o maior Jogador de Basquete do Papão. Reconhecimento por sua dedicação como atleta e pelos relevantes serviços prestados ao Paysandu nestes últimos anos como grande parceiro com sua empresa o Grupo Horizonte. O Guy Peixoto é merecedor!!!

CIA ATHLÉTICA…

Bola rolando e com muitos gols no Campeonato de Futebol Society “Brasileirão” da Cia Athlética. Destaques para as goleadas do Grêmio sobre o São Paulo 12 a 3, Atlético-MG 7 a 3 no Internacional e Palmeiras 7 a 3 no Cruzeiro. O Cruzeiro continua como líder com 18 pontos e o artilheiro é Marcelo Garcia com 16 gols. Três jogos na rodada desta terça dia 1º de Agosto – Palmeiras x Fluminense, Corinthians x São Paulo e Internacional x Vasco.

AVANT PREMIERE…

Neste domingo em uma das Salas de Cinemas Cinépolis do Shopping Boulevard as 10 da manhã será feita a “Avant Premiere” do Filme Documentários do “Paysandu – 100 Anos de Paixão”. Quase um ano de pesquisas para pré-produção, entrevistas. O Grupo RBA de Comunicação de apoio total inclusive cedendo imagens de arquivo da história bicolor. Produção Leonardo Edde e Co-produção e criação de Marco André. Vai ser uma autêntica Festa Bicolor. A Estréia ao publico será dia 10 de setembro com ingressos vendidos antecipadamente a partir de 3 de setembro. Show!!!

FERIADÃO NO “TATOO”

Tio Chico Salomão comunicando que na próxima Sexta, Sábado, Domingo e Segunda-feira dia 7 de Setembro o “Tatoo Park” abrirá ao público de 15 às 21 horas, com muita brincadeira, diversão, arte e torneios esportivos!!! Aliás, falando em Tatoo Park, as datas de Outubro para Festa Escola já estão quase todas preenchidas, diversão garantida!!!

30 de agosto de 2015 at 9:17 am Deixe um comentário

Coluna do Gerson Nogueira – 28.08.15

A Copa do Brasil existe para dar ao futebol brasileiro um mínimo de emoção anual. Se o torneio não existisse, ficaríamos reféns do modelito comportado, bacaninha e justo dos pontos corridos nos campeonatos das séries A e B. Cada vez que vejo os jogos de mata-mata da Copa BR sinto saudades imensas daqueles tempos de finais eletrizantes nos certames nacionais, quando dois times chegavam ao jogo decisivo com chances de levantar a taça.
Nada substitui essa emoção que só as incertezas do futebol podem proporcionar ao torcedor. Nenhum outro esporte permite tamanha amplitude de possibilidades num simples jogo. A torcida paraense, ou parte dela, esteve até anteontem envolvida nesse roteiro imprevisível, por obra da boa campanha do Papão, que alcançou as oitavas-de-final da Copa.
Tarefa, diga-se, das mais difíceis desde que a competição passou a ter a participação dos clubes vindos da Taça Libertadores em flagrante prejuízo dos deserdados do mercado boleiro no país. Explico: antigamente, era possível que o Criciúma, o Juventude, Sport e o Paulista conquistassem o título. Hoje, com os grandões de volta, ficou complicado, daí a façanha alviceleste de chegar à quarta fase do torneio.
Mas o que me chamou atenção na super rodada de quarta-feira à noite foi a quase equânime redistribuição de lugares entre os menos aquinhoados da Série A. Não que eu esteja duvidando da veracidade dos jogos, todos disputados de maneira empedernida pelos times.
É que, por vias do acaso, o cambaleante Vasco viu-se triunfante sobre o Flamengo, o semi-emergente Palmeiras despachou o Cruzeiro, o Figueirense superou o Atlético-MG e o Santos passou pelo hiper mega poderoso Corinthians. Só não se fez justiça “social” com o Papão e o Ceará, garfado dentro de casa, mas aí já são outros quinhentos mil réis.
O desfecho da rodada ficou para a noite de ontem, quando o Internacional tinha tudo para confirmar a vaga diante do modesto Ituano, mas o fato indiscutível é que a Copa do Brasil já serviu pelo menos a um propósito: alegrar algumas torcidas que iriam passar os próximos meses apenas se lamuriando pelas desditas de seus clubes na Série A. Com alguma sorte, podem ter até mais emoções do que muitos medalhados que estão melhor posicionados no campeonato de pontos corridos.

Outro azulino ameaça atravessar a avenida

Depois de Jonathan e Leandro Cearense, outra proposta tentadora por parte do Papão pode fazer um outro azulino trocar o Baenão pela Curuzu. A bola da vez é o volante Ilaílson Aguiar. O jogador foi procurado por dirigentes do Papão, compareceu a uma reunião e recebeu uma oferta salarial que gira em torno de R$ 30 mil, segundo fontes próximas ao atleta. Um dos diretores do Remo soube da história e contatou Ilaílson, que teria confirmado o encontro e a negociação com os bicolores.
O fato é que o jogador está desmotivado no Baenão, por conta dos atrasos salariais e pela constante improvisação na lateral-direita pelo técnico Cacaio. Ilaílson ficou bastante interessado na proposta do Papão, embora não esconda a preocupação em não se indispor com os azulinos.
No Papão, o negócio não é confirmado oficialmente, mas nos bastidores comenta-se que Ilaílson entrou na alça de mira depois da lesão sofrida por Ricardo Capanema no jogo contra o Fluminense, afastando-o por pelo menos dois meses da disputa da Série B. Sem um volante pegador para substituir Capanema, Dado Cavalcanti teria aprovado a iniciativa.
No Remo, a diretoria deve se reunir hoje para discutir o que fazer, até porque Ilaílson tem contrato em vigor com o clube. A dúvida é se ele não está com os salários em atraso, o que poderia permitir o desligamento, como aconteceu com Jonathan. Um detalhe em particular irrita os azulinos; Ilaílson é representado por Hércules, o mesmo procurador que foi animador de torcida no Papão e que tirou o atacante Roni do Baenão.

Ranking dos maiores públicos e rendas do ano

Levantamento do produtor Adilson Brasil, do Banco de Informações da Rádio Clube do Pará, confirma mais uma vez a ampla hegemonia da dupla Re-Pa no futebol nortista. Os dois titãs respondem pelos 10 maiores públicos da temporada na região, tendo arrastado ao estádio Jornalista Edgar Proença um total de 238.264 pagantes. Não é para qualquer um.
Abaixo, a lista completa:
1° Remo 4×1 Cuiabá (Copa Verde) – 34.780
2° Remo 2×0 Independente (Estadual) – 34.773
3° Paysandu 1×2 Fluminense (C. do Brasil) – 31.418
4° Paysandu 2×1 Atlético-GO (Série B) – 30.201
5° Remo 2×1 Paysandu (Estadual) – 26.416
6° Remo 2×0 Paysandu (Copa Verde) – 21.861
7° Paysandu 1×1 S. Corrêa (Série B) – 21.509
8° Remo 1×0 Paragominas (Estadual) – 21.096
9° Paysandu 2×1 Vitória (Série B) – 19.293
10° Paysandu 1×1 Mogi Mirim (Série B) – 18.426

(Atualizado em 27/08/2015)

Sobre livros, exemplos e jornalistas

Registro, agradecido, o recebimento de dois livros recém-lançados e que muito dignificam qualquer biblioteca, mesmo aquelas mixurucas, como a minha. O primeiro é “Golpe de Estado” (Ed. Geração), de Palmério Dória e Mylton Severiano. O subtítulo explica a obra: “O espírito e a herança de 1964 ainda ameaçam o Brasil”. O outro é “A Vida sem Crachá” (Ed. Agir), de Claudia Giudice. Um relato pungente e muitíssimo bem escrito sobre “a dor de perder um emprego e a experiência de dar a volta por cima com um plano B”.
O prazer maior vem do fato de que são livros escritos por jornalistas. Bons jornalistas, diga-se. “Golpe…” tem um tom engajado e até carbonário, com o qual muito me identifico. O de Claudia é sobre a faina diária, as agruras, os ‘sapos’ e a pauleira de um ofício que poucas vezes glorifica méritos, mas está sempre à espreita para nos dar rasteiras. Profissão, porém, que amamos tanto.
As duas obras, tão diferentes entre si, são úteis e atualíssimas. Ambas provocam inveja branca neste caboclo baionense e fizeram com que mergulhasse ainda mais no meu próprio livro, com a certeza de que não tenho como nem chegar perto. Vale a tentativa, e isso já é meritório, como bem nos ensina Claudia.

28 de agosto de 2015 at 5:46 pm Deixe um comentário

BOLA PRA FRENTE – Cláudio Guimarães – 28.8.15

POSITIVO – Nos 204 jogos oficiais Pikachu (Paysandu) tem 59 gols, sendo 22 de bola parada (8 de falta, 13 de pênalti e 1 olímpico). Na temporada já soma 17. É o maior lateral-artilheiro do Pará em todos os tempos!

NEGATIVO – A ameaça do Vilhena-RO de desistir da Série D prejudicaria sobremaneira o Remo que aposta fichas na arrecadação do dia 13.9. Caberia um pedido de indenização com base na estimativa de receita.

Lá e Cá

Prócion Klautau, maior artilheiro do futebol de salão dos anos 50-60, hoje futsal, meu entrevistado Bola Pra Frente de domingo.

Avisei! Jack Chang (Fast-AM) fez mais uma vítima e quase tira a Tuna. Pinta final da Copa Norte Sub 20, Paysandu x Fast, Curuzu, domingo de amanhã.

Remo sem três titulares no amistoso de domingo contra o Izabelense, 10h da manhã, no Mangueirão: Leandro Santos, Max e Henrique, todos no DM. Ingressos a 20 reais a direção do ex-árbitro Vilmar Polar.

SEEL não cobrará taxa alguma e estarão disponibiizadas para o Fenômeno Azul cinco mil cadeiras nos lados A e B. Arquibancadas não receberão torcedores. Remo tem média de público no ano no Mangueirão de 27.785.

Pablo, Recife, Djalma deverão começar jogo de amanhã pelo Paysandu. Bragantino um perigo aos bicolores. Já os jogou para Série C em 1999 e 2013, sempre num sábado à tarde no Mangueirão e por 1×0.

No confronto direto, 7 partidas, 5 triunfos do “Massa Bruta” (9 gols), 2 empates e 2 tentos do Papão. Partida deste sábado com cara de contas a ajustar!
Paysandu tem média de público no ano de 13.046, nos jogos no Mangueirão de 24.160 e, na Série B, 16.383, perdendo apenas para o Bahia (19.001). Ingressos para amanhã 10, 20 e 40 reais. Bem populares!

Artilheiro remista na temporada é Paty (10 gols). Neste domingo torcedor do Leão matará saudade de Val Barreto e Mateus Muller estreará. Goleiro Fernando Henrique fará primeiro jogo em Belém.

Victor Oliveira, do Fluminense, paraense de Conceição do Araguaia, só agora conheceu Belém. Saiu com menos de um ano com a família pelo sul do Estado para SP, GO e agora começa a despontar no Tricolor Carioca.

Participe da campanha “Chutou, Acertou, Ganhou!”, hoje, 19 até 21h, no sub solo do IT Center e ganhe ingresso para Paysandu x Bragantino.

HOMENAGEM – Zenilda Marcelino Neves, a Nilda, primeira mulher campeã de boxe no Pará (peso leve), conquistando o título feminino de 1982 pelo Paysandu. A ex-atleta tem de empresa de segurança de eventos.

28 de agosto de 2015 at 5:39 pm Deixe um comentário

Coluna do Gerson Nogueira – 27.08.15

Da euforia ao desencanto

Antes de qualquer consideração sobre o jogo, é preciso destacar a boa campanha do Papão na Copa do Brasil. Foi seu melhor desempenho na competição, chegando à fase do confronto com os clubes oriundos da Libertadores. Não é pouca coisa neste futebol brasileiro tão desigual quanto a orçamentos e privilégios.
O jogo foi duro e disputado palmo a palmo, exatamente como se previa. O Papão não conseguiu repetir a grande atuação da partida de ida no Maracanã, em grande parte porque teve que ir ao ataque, abrindo mão de cuidados que não precisou ter no Rio.
Atuações individuais muito abaixo do esperado deixaram a equipe fragilizada no começo do confronto, justamente quando era maior a expectativa por um posicionamento forte e convincente do time mandante.
Fahel e Carlinhos, praticamente andando em campo e errando muitos passes, tornaram vulnerável o setor defensivo do Papão contra um Fluminense aplicado e que respeitou bastante a equipe paraense. Mas, quando as chances se apresentaram, o tricolor carioca não negou fogo.
O primeiro gol saiu logo aos 16 minutos. Cruzamento da esquerda que foi na direção de Magno Alves, mas acabou aproveitado por Cícero, que se livrou da marcação de João Lucas e mandou no canto direito de Emerson.
Aos poucos, empurrado pela massa que lotava o Mangueirão, o Papão foi se estabilizando em campo e conseguiu sair da cautela inicial. Os problemas continuavam, mas o time foi à frente na base do entusiasmo.
Na primeira boa investida pelo lado direito e nas costas dos zagueiros, o atacante Aylon ia disparar para o gol quando foi deslocado na área por Vítor Oliveira. Pikachu bateu o pênalti e empatou a partida aos 40 minutos.
O gol reacendeu esperanças nas arquibancadas, apesar do forte bloqueio de meio-campo imposto pelo técnico Enderson Moreira. O Fluminense pouco arriscava, preferindo matreiramente esperar que o Papão se adiantasse e permitisse espaços.
Para piorar as coisas, o segundo gol tricolor surgiu logo aos 8 minutos do segundo tempo, quando os times ainda se estudavam. Uma bola roubada pelos volantes do Flu foi endereçada para o lado esquerdo do ataque, nas costas de Pikachu, encontrando Magno Alves livre para escolher entre finalizar e cruzar. O veterano atacante optou por passar a bola para Marcos Júnior, que só fez tocar diante do goleiro Emerson.
Foi como uma ducha de água fria no entusiasmo que o Papão trouxe do intervalo. Com 2 a 1 no placar, a tarefa de conseguir a classificação ficava quase inatingível. O Papão precisaria marcar três gols para eliminar o Tricolor.
Apesar do esforço de Aylon e Leandro Cearense na frente, o resto da equipe não conseguia trabalhar a bola e recorria aos cruzamentos para a área, sempre anulados pela linha de zagueiros do Flu. A entrada de Misael no lugar de Capanema nada acrescentou. Todos esperavam que Carlinhos fosse sacado, mas ele permaneceu ainda por um bom tempo, invisível, em campo.
Betinho entrou para reforçar o ataque, mas só foi notado ao dar uma cotovelada criminosa no volante Edson, que fraturou o nariz e foi levado a uma clínica para atendimento. O bicolor foi expulso e o jogo praticamente acabou ali, embora os tricolores ainda tivessem duas chances para ampliar.
De positivo, ficou a certeza de que o Papão chegou até onde poderia chegar. Com um elenco razoável para a Série B, o representante paraense não tem como encarar os times da Série A em igualdade plena de condições. O papel desempenhado até ontem, atingindo as semifinais, foi mais do que satisfatório.
Além do trabalho de Dado Cavalcanti e da habilidade de Pikachu, o Papão sai referendado pelo espetáculo belíssimo proporcionado por seus apaixonados torcedores no Mangueirão. O criativo mosaico, com a palavra “Fiel”, simboliza o amor incondicional da massa bicolor. O saldo, no fim das contas, foi altamente positivo.

—————————————————————–

Direto do blog

“Papão muito mal hoje. Time aparentemente cansado e mal escalado por Dado, que teima com Fahel e Carlinhos Mascareira. Mas sigamos na luta. Quanto aos indigentes, deixem que gozem. Afinal, veem seus jogos por twittcam, jogam contra times de pelada e em campos esburacados e com bandeira de escanteio de saco plástico. É pior… Perdem! Rsrsrs. Aos insignificantes a insignificância”

Daniel Malcher, aproveitando para devolver as gozações dos rivais.

———————————————————————-

Leão confirma amistoso para o Mangueirão

O Remo ficou num vaivém danado para oficializar um amistoso no fim de semana em que folga na Série D. Primeiro, foi anunciada a partida com o Izabelense para o estádio Evandro Almeida na sexta-feira à tarde. Dois dias depois, os dirigentes decidiram mudar os planos e confirmaram o jogo para o Mangueirão, no domingo pela manhã, com ingressos a R$ 20,00.
É compreensível o esforço para tentar arrecadar dinheiro, afinal o clube tem muitas despesas e sofre com o prejuízo acumulado pelos três jogos fora de Belém nesta primeira fase da competição. Por outro lado, alguém precisa alertar os executivos do futebol azulino que existem outras alternativas mais rentáveis a serem consideradas.
Um amistoso com a Tuna no estádio do Souza, na mesma data, seria muito mais rentável e interessante para o torcedor. Reviveria um clássico histórico do nosso futebol, evitando ainda que o torcedor seja obrigado a se deslocar para o Mangueirão.
Complicar as coisas simples parece ser uma sina da atual gestão remista.

27 de agosto de 2015 at 11:05 am Deixe um comentário

BOLA PRA FRENTE – Cláudio Guimarães – 27.8.15

POSITIVO – Recomendo olheiros dos nossos clubes avaliarem hoje no jogo contra a Tuna, 16h, no Souza, da Copa Norte Sub 20, o atacante Jack Chang, do Fast Clube-AM. Artilheiro nato!

NEGATIVO – Foi sobre-humano o esforço dos Agentes de Trânsito e da PM para tentar controlar a situação. Dificuldade de ontem provou que problema de saída e chegada do Mangueirão é a falta de acessos.

Lá e Cá

Paysandu e Fluminense gastaram duas horas para chegar ontem ao Mangueirão. Ainda bem que houve aconselhamento prévio da PM sobre as dificuldades que encontrariam.

Papão não resistiu por plantel limitado para Copa do Brasil e Flu 2×1 (classificado). Não entendi a opção de Dado pelo estabanado Betinho quando tinho o garoto Leandro Carvalho no banco. Gualberto não vem saindo do chão. É duro!

Lecheva deverá ser anunciado hoje como novo técnico do São Raimundo de Santarem para Segundinha.

Do zagueiro Henrique, do Remo, sobre defesa tomar 5 gols nos últimos dois jogos: “no sistema defensivo não somos apenas eu e Max. Falta ajuste”.

Remo confirmou amistoso domingo, 10h da manhã, no Mangueirão, a 20 reais arquibancada. Não seria melhor contra a Tuna, no Souza, no mesmo horário? Cada um sabe o que faz!

Folha mensal do Remo alcança atualmente 405 mil, 303 mil da CT e jogadores, 37 mil de ajuda moradia e 65 mil de funcionários.

Rafael Andrade, ex-zagueiro do Remo, no banco se classificou para próxima fase da Sul-Americana pelo Brasília; atacante Wellington Jr (Paysandu) trabalhou com Enderson Moreira (Flu) no Goiás em 2013.

Rosivaldo Souza (correspondente da Rádio Clube em Castanhal) revela que em 2009 o lateral Pikachu disputou Copa SP pelo Castanhal, quando tinha 17 anos, cedido pelo Paysandu. Palmeiras eliminou o Japiim.

Giovanni, 42anos, ex-craque do futebol paraense, brasileiro e mundial (inclui-se aí a Seleção Canarinho) ontem no Mangueirão mais uma vez. Passou no bicolor em 1994. Gente de melhor qualidade!

HOMENAGEM – Ronaldo Wilson Ferreira Vulcão, o Vulcão, ex-Penta Campeão de Regata pela Tuna com 1º centro do oito gigante e ex-Vice Brasileiro, tudo nos anos 70. Aposentado do BACEN.

27 de agosto de 2015 at 11:03 am Deixe um comentário

Coluna do Gerson Nogueira – 26.08.15

Novo desafio para o Papão

Depois de fazer um gol fora de casa no primeiro jogo, ao Papão cabe vencer o Fluminense hoje à noite para seguir na Copa do Brasil, situando-se entre os oito melhores do país na competição. Jornada dificílima por todas as razões técnicas conhecidas e, mais ainda, pelo fato de o time carioca ter vindo a Belém com um time quase todo formado por reservas.
Explicando melhor: as regras não escritas do futebol mostram que todo time badalado que escala reservas costuma ter um aproveitamento acima da média. E é fácil entender os motivos. Os caras que ficam na suplência vivem à espera de oportunidades – sempre raras – de mostrar seu valor.
Num clube que tem folha salarial na faixa de R$ 20 milhões e estrelas do porte de Ronaldinho Gaúcho e Fred dá para imaginar a gana com que reservas se lançam ao jogo quando têm a chance de mostrar suas qualidades.
No jogo de ida, semana passada, uma das principais figuras em campo foi justamente um reserva, o goleiro Júlio César. Ele é apenas o terceiro goleiro na hierarquia da posição nas Laranjeiras. Nem torcedores mais fanáticos do Flu lembravam dele. Agarrou muito, fazendo com que ninguém sentisse falta do titular Diego Cavalieri.
Por tudo isso, o Papão precisa se cercar de cuidados para não ser envolvido pelo jogo de velocidade da garotada que o Fluminense vai utilizar. Um dos caminhos a serem seguidos pelo técnico Dado Cavalcanti deve ser o de estabelecer média pressão na saída de jogo dos tricolores.
No Maracanã, essa estratégia funcionou em certos momentos da partida, quando Aylon e Leandro Cearense conseguiram encaixar boa marcação nos volantes do Flu, principalmente Jean. No Mangueirão, a tática deve ser explorada com mais intensidade. Não há meio mais fácil de enervar e desestabilizar um time visitante do que fechar suas saídas de bola.
Contra o América-MG, há duas semanas, o Papão agiu assim e matou no nascedouro todos os planos de vitória de Givanildo Oliveira e seus comandados. Naquela noite, Dado Cavalcanti lançou mão pela primeira vez de três atacantes – Misael, Cearense e Welinton Jr.
Como o Papão voltou a usar contra Fluminense e Botafogo a formação que conquistou o maior número de pontos na Série B, é quase certo que Dado mantenha a escalação com Capanema, Recife e Jonathan, o que permitirá exercer pressão sobre os volantes do Flu adiantando o primeiro combate, função que pode ser exercida por Jonathan, com a ajuda dos atacantes Cearense e Aylon.
O fato é que as perspectivas são bastante positivas para o Papão. O time atravessa momento de alto astral, quase em estado de graça depois da categórica vitória sobre o Botafogo no último domingo, e jogando com aplicação e objetividade como não fazia desde o começo da Série B.
Além da força de conjunto, não se pode esquecer o tremendo trunfo representado pelo talento de Pikachu para decidir jogos. Em grande fase, não por coincidência atuando de novo ao lado de Jonathan, Pikachu terá a missão de furar o bloqueio defensivo dos visitantes. Mesmo sendo cada vez mais vigiado pelos marcadores, o ala já mostrou ser imune a pressões, costumando brilhar em momentos decisivos. Hoje tem nova oportunidade de mostrar essas qualidades para todo o Brasil.

Gestão azulina dá exemplo de transparência

Em comunicado público, liberado ontem, o Remo presta contas do dinheiro recebido pela venda de Warian Santos, o Ameixa, ao Corinthians em transação efetivada no dia 31 de julho deste ano. O clube formador recebeu R$ 340 mil, quantia usada para pagar a folha do elenco referente a maio, salários de funcionários, parcela de acordo com o jogador George Lucas, devolução de empréstimos, repasse a base e ao próprio Ameixa, além de honorários dos advogados André Meira e Oswaldo Sestário.
Um procedimento exemplar, que permite acreditar em gestão mais transparente no clube. Segundo os dirigentes, a prestação pública de contas passará a ser uma prática rotineira. A conferir.

Direto do blog

“Saindo diretamente aqui do Pará eu acho difícil o Pikachu conseguir a convocação, ou, em conseguindo, lograr se firmar no escrete. Menos pelo futebol, pois isso ele tem de sobra, superando, inclusive, a maioria dos concorrentes. Sem contar que aparenta ter sobriedade suficiente para suportar as ‘pressões’ que normalmente levam ao deslumbramento e daí ao fracasso. Na realidade, segundo meu ponto de vista, nas atuais circunstâncias do futebol brasileiro, para ter a convocação como certa e depois conseguir se firmar, é preciso ter toda uma retaguarda mercadológica, uma estrutura capaz e direcionada para vender o produto Pikachu para o exterior, tendo a Seleção como trampolim. E isso, quero crer, é algo que é multifacilitado a partir dos clubes de Rio, S. Paulo, Minas, Rio Grande do Sul. Mas, quem sabe, com esta onda de pretensa higienização do futebol brasileiro, de CPI de CBF, de Bom Senso etc., não prevaleça como pré requisito apenas o futebol, o talento, o futebol carismático e irreverente do Pikachu e ele não consiga queimar esta etapa e ir daqui direto pra Seleção. Oxalá!”.

Antonio Oliveira, com os pés no chão quanto à possibilidade de convocação de Pikachu para a Seleção

A eterna ciranda financeira do futebol

O Manchester United decidiu abrir o cofre e aumentou a oferta por Neymar. Botou na mesa R$ 1,3 bilhão, mas o Barcelona faz pouco caso. É claro que as somas que movimentam o mercado boleiro na Europa estão diretamente atreladas à capacidade de faturamento e à liquidez dos clubes, mas não dá para ignorar o lado insano desses valores. Ninguém vale tudo isso, nem mesmo o infernal Messi.

26 de agosto de 2015 at 1:07 pm Deixe um comentário

BOLA PRA FRENTE – Cláudio Guimarães – 26.8.15

POSITIVO – Mosaico dos torcedores (Fiel-Paysandu-1914) hoje no Mangueirão promete ser o maior e mais bonito do futebol brasileiro. Haverá ruas de fogo na chegada do time.

NEGATIVO – Tivessem nossa Federação e Clubes o peso de outros tempos, dada a carência de lateral direito, Pikachu já estaria na Seleção. Basta lembrar Manuel Maria e Rosemiro nos anos 60-70.

Lá e Cá

Paysandu e Remo pela grandeza de suas torcidas precisam de estádio de maior capacidade (50 mil pelo menos). Pior é que não se fala nem na ampliação do Mangueirão, quanto mais construção de outro. É duro!

Guerrero, do Flamengo, cravando 3×0 para o Mengo e 1×0 Paysandu. Não acredita em Vasco e Fluminense; ingressos de hoje esgotados e Flu orientado a deixar o hotel 16h (PM), mas só sairá 16:50h. Terá problema!

Papão em 15 jogos no Mangueirão este ano, 9 vitórias, 3 derrotas e 3 empates. Na Copa do Brasil, 66 partidas, 27 vitórias (80 gols),25 derrotas (levou 87 tentos) e 14 empates (Fonte: Saulo Zaire).

Remo precisa desse jogo contra o Vilhena, dia 13.9, no Mangueirão, para faturar. Última vez que teve boa grana foi no 4×1 no Cuiabá, Copa Verde, 30.4, públio pagante de 34.760 e arrecadação de R$ 976.056,00.

Venda de Ameixa (só 340 mil) pela prestação de contas do futebol do Remo quitou pendências com jogadores e advogados. Sempre a base ajudando! Mandado de segurança para sustar leilão do Carrossel.

Remo tem Executivo de Futebol, Gerente de Futebol e Secretário de Futebol. O que especificadamente cada um faz? Amistoso contra o Izabelense gorou; jovem atacante Moreno mais um fazendo teste.

Goiano Eduardo Valadão de volta ao Pará para apitar Paysandu x Bragantino, sábado, Mangueirão. Esteve no Remo 3×2 Nacional-AM, em Paragominas. Já apareceu em 8 jogos das competições da CBF este ano.

Maratona bicolor de 5 jogos em 12 dias, desde o Flu no RJ até o Ceará, dia 1.9, em Fortaleza (Série B); Fox Sports e Futebolinterior insistem que Pikachu tem pré-contrato com o Fla; Leandro Carvalho relacionado hoje.

Bragantino chegará na quinta à noite sem problemas e já escalado: Douglas, Alemão, Leandro Silva (ex-bicolor), Luan e Moisés, Renan, Edson Citta, Jocinei e Alan Mineiro, Rodolfo e Lincon (é escrito assim mesmo).

Técnico é Wagner Lopes e novo diretor de futebol o ex-jogador Alex Afonso. Do jogo de ida (Braga 1×0), dia 16.5, remanescentes Douglas, Alemão, Leandro Silva, Moisés, Alan Mineiro e Rodolfo.

HOMENAGEM – Luiz Alberto Souza Moreira, o Moreira, nos anos 80-90 foi Tri Baiano de Boxe meio pesado pelo Bahia, bi NN pela Seleção Baiana, Bi Paraense no Paysandu e Vice Brasileiro pelo Pará (1992). É autônomo.

26 de agosto de 2015 at 1:04 pm Deixe um comentário

Posts antigos


Clube no Twitter

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.