Archive for dezembro, 2015

A Bola no Bola – Giuseppe Tommaso – 27.12.15

BOLA NA TORRE

Neste Domingão vai ao Logo após o Pânico na Band, na
RBATV – Canal 13. Vamos falar dos Projetos e Contratações
já anunciadas por remo e Paysandu. Guerreirão no comando
e na Bancada o companheiro Gerson Nogueira com os
Diretores de Futebol do Remo Dirso Medeiros e do Paysandu
Roger Aguillera. Participe pelo @bolanatorre
( Twitter e Instagran )

COPA SP

Por opção da Comissão Técnica do Papão Delegação Bicolor segue para São Paulo de Ônibus, enquanto a Desportiva irá de avião. Competição começa no próximo final de semana. O Paysandu faz sua estreia no sábado, dia 2, 18 horas, em Águas de Lindoia contra o Guarani de Campinas. Desportiva estréia no domingo, dia 3, 17 horas, em Bragança Paulista, contra o Araxá de Minas Gerais. Rádio Clube do Pará transmitirá os dois jogos com Maurício Camargo e Wladimir Henrique. Mais um show exclusivo de cobertura…

AGENDA DO VICE…

Como está tudo em recesso neste final de temporada, aqui na FPF e também na CBF. O presidente Antônio Carlos Nunes na função de Vice da CBF já tem na agenda, retorno programado para o dia 3 de janeiro, pois dia 4 já estará despachando na CBF. Dia 13 de janeiro virá a Belém para reunião com os Presidentes de Remo e Paysandu e diretores da CBF e Canal Interativo. Na pauta Copa Verde. Será que teremos novidades? Vamos aguardar…
OS CONTRATADOS…

Paysandu já contratou 12 jogadores para a temporada 2016. Nomes só serão oficialmente divulgados na data da apresentação do elenco. Alguns já vazaram como Rafael Luz e Raí. Outros são especulados, como Wanderson e Ilaílson. O Remo já anunciou 3, Iury, Álison e Marco Goiano. Mais 7 serão confirmados durante a semana. 10 no total. Temporada para a dupla RexPa começa dia 4 de janeiro. Pré-Temporada de ambos será mesmo em Belém
FELIZ ANO NOVO!
QUE VENHA 2016…

27 de dezembro de 2015 at 2:09 pm Deixe um comentário

Coluna do Gerson Nogueira – 20.12.15

A hora da reinvenção

Uma posição nova, jogando mais avançado, como falso meia-atacante ou ala ofensivo. Esta pode ser a porta para a consagração de Pikachu com a camisa do Vasco. Nem bem foi confirmado como jogador do Vasco para a Série B 2016, a imprensa carioca começou a especular onde ele se encaixaria no esquema de Jorginho.
A verdade é que só há um jeito de Pikachu ter um bom aproveitamento. Será necessário que ele se reinvente e assuma de vez sua óbvia aptidão para o ataque. Tem que esquecer a própria resistência e assumir que pode se adaptar a um papel mais avançado, como queriam os técnicos Lecheva e Mazola Junior.
Com posicionamentos diferentes, ambos tentaram fazer com que Pikachu participasse mais das ações ofensivas. Lecheva o utilizou como um falso ponta-direita, que tinha a escolta de Djalma quando ia à frente. Mazola preferia que atuasse pelo lado direito do meio-campo.
Apesar da insistência, o próprio Pikachu preferiu se manter como lateral-direito, com funções defensivas também. Com isso, desperdiçou boa parte de seu potencial como finalizador. Fazia muitos gols, mas poderia ter feito muito mais caso chegasse com mais fôlego e força à zona de chute.
Como lateral, tinha responsabilidades de marcar e não podia se dar ao luxo de subir sempre. E, mesmo indo à frente apenas de vez em quando, muitas vezes já extenuado, conseguiu se manter sempre como um dos artilheiros do Papão.
Essa facilidade para a finalização foi o que despertou a cobiça dos grandes clubes. Além de marcar gols com arremates da entrada da área, Pikachu é um especialista em cobranças de falta e pênalti. Ficou conhecido nacionalmente pelos muitos gols marcados. Caso dependesse exclusivamente do talento como marcador, dificilmente entraria no radar de outras equipes.
No Vasco de Jorginho, Pikachu será mais um no elenco e dificilmente terá a mesma liberdade para escolher o posicionamento que mais lhe agrada. Ao contrário do que ocorreu no Papão, terá que se adaptar à nova função a ser definida pelo técnico vascaíno, também conhecido pelo rigor e pela disciplina.
A reinvenção é plenamente possível porque não lhe faltam talento e inteligência tática. É provável que Jorginho delegue a Pikachu tarefas nos dois lados do campo, o que não será novidade, pois no Papão a inversão de posicionamento era mais ou menos constante.
Cuca transformou Luan em jogador multiuso no Atlético-MG. Sem vocação defensiva e pouco centrado para ocupar missão de meio-campista, Luan era uma espécie de enceradeira sem rumo. Só encontrou espaço em campo quando Cuca encontrou utilidade para a sua principal virtude: a velocidade.
A partir daí, com muito treinamento, Luan virou atacante rápido e driblador, tornando-se indispensável à equipe. É o que Jorginho, se for esperto, fará com Pikachu. Com a vantagem de contar com um jogador mais ágil, habilidoso e exímio chutador. Caso isso realmente ocorra, ganharão todos – o Vasco e, principalmente, Pikachu.

Candidaturas no Remo

Para um clube financeiramente em ruínas, com perspectivas pouco animadoras do ponto de vista de arrecadação e um estádio semidestruído, o Remo surpreende pela quantidade de pessoas interessadas em assumir um mero mandato-tampão de nove meses.
A importância política e social do clube é a pedra que move o processo sucessório. Quatro chapas estão postas na mesa e devem disputar a presidência na eleição do dia 23 de janeiro.
De todas as candidaturas, a mais inusitada é a do ex-presidente Zeca Pirão, cujas pretensões no clube pareciam definitivamente findas depois de fragorosa derrota para Pedro Minowa no ano passado. Além disso, citado em relatório que mapeou irregularidades nas últimas gestões, parecia naturalmente fora de jogo.
Ocorre que o apoio de um grupo de conselheiros deu ânimo a Pirão para voltar à ribalta e com desenvoltura para encampar a primeira candidatura lançada ao pleito, a de Helder Cabral. Após acordo firmado, Cabral aceitou a vice-presidência na chapa. Pesa contra Pirão a marca do estrago feito no Baenão – que ele agora promete reconstruir.
As outras três chapas são encabeçadas por nomes novos na história do clube. O advogado André Cavalcante, responsável pelo êxito do programa Nação Azul (sócio torcedor), é o mais conhecido. Além do trabalho no ST, André tem boa inserção entre os novos conselheiros.
Miléo Jr. é outro nome bem cotado. Jovem e ainda sem muita visibilidade, terá como parceiro de chapa o deputado Milton Campos, que integrou a diretoria de Futebol e vem participando ativamente da vida do clube.
Já o coronel Alcebíades Maroja surge como o grande azarão da disputa, lembrando até a trajetória vitoriosa de Minowa na última eleição.
Em enquete realizada no blog campeão, Maroja é a grande surpresa, disparando no primeiro lugar, com desempenho de 48,54% (615 votos). Miléo Jr. aparece em segundo, com 30,86% (391 votos). Pirão é o terceiro, com 11,44% (145). André é o último, com 9,16% (116).
São os números da última atualização, feita no começo da madrugada de sábado. O levantamento não tem metodologia científica, mas serve como sinalização sobre os humores de torcedores e sócios em relação ao pleito. A votação se encerrou na tarde deste sábado.
Da parte dos eleitores e torcedores, uma certa impaciência com a ausência de planos de governo por parte dos candidatos.

Bola na Torre

Sob o comando de Guilherme Guerreiro, o programa terá a participação de Valmir Rodrigues, João Cunha e Saulo Zaire. Começa logo depois do Pânico, por volta de 00h20.

Até 2016!

Esta é a última coluna do ano. Aos baluartes, desportistas, amigos e leitores em geral, o meu sincero agradecimento pela infinita paciência com meus rabiscos. Desejo de todo coração um 2016 mais generoso que 2015, com crítica séria e contribuição verdadeira, com menos golpismo (em todas as esferas) e mais lealdade. E que, acima de tudo, reserve boas notícias para todos.
Se o bom Deus permitir, volto na primeira semana de janeiro. Até lá, sigo presente no blog campeão de acessos, cada vez mais forte e questionador.
Feliz Natal e próspero ano novo!

20 de dezembro de 2015 at 6:36 pm Deixe um comentário

BOLA PRA FRENTE – Cláudio Guimarães – 20.12.15

Entrevista com o Coronel Maroja candidato a presidente do Remo, disposto a mudanças radicias se eleito para colocar o Leão nos eixos.

Ligação com o Remo?
Fui nadador e sou sócio desde 1970. Meu tio Rainero Maroja foi presidente, meu pai Adalberto Maroja Neto bi de basquete e avô Alcebiades Gama de Moraes octa de remo. DNA de família.

Funções ocupadas no esporte?
No Remo adjunto do Departamento de Futebol 3 vezes e ex-diretor de segurança. Na FPF, diretor técnico e presidente da CEAF.

Como surgiu sua candidatura?
Incentivado por muitos amigos que não aceitam como se brinca com um clube da grandeza do Remo. Topei a parada por gostar de desafios.

Quem lhe dá apoio?
Raimundo Conde, Sílvio Garrido, Rainero Maroja Filho, além de conselheiros, beneméritos e grandes beneméritos que prefiro não citar.

Pontos a colocar em prática imediatamente se eleito?
Sindicância onde necessário e auditoria geral (inclusive no tocante à derrubada de parte do Baenão), proprocionar benefícios imediatos aos sócios remidos e proprietários (não têm nada), tornar o sócio proprietário quite sorcio-torcedor gratuitamente e o remido também, mas com custo de 50% do ST.

Assustado com a dívida anunciada de 27 mihões?
Nem um pouco. Até porque sei que essa dívida é muito maior. Não há balanço há 10 anos. Mas o clube é grande, tem muito patrimônio, remistas inteligentes e bons gestores.

Como vê possíveis fusões de chapas?
Com estranheza pelo que ouvia de alguns cadidatos. Mas…

Que acha da idéia de Paulo Mota dos candidatos participarem da montagem do time já que um será o presidente?
Concordo. Agora, montagem tem de ser avaliada e conversada com candidatos a presidente, indicados ao Departamento de Futebol, executivo e técnico, ninguém mandando mais que outro.

Para ser presidente do Remo precisa ser rico?
Tem é de pensar no clube em primeiro lugar e não fazer dele trampolim político. Proporcionar ações de marketing, trazer marcas importantes e parcerias, além de colocar gestores de competência reconhecida.

Recado ao Fenômeno Azul?
Caso eleito com Cláudio Pontes planejar verdadeiramente o clube para tirá-lo do atraso que se encontra. Vou trabalhar para o Remo e pelo Remo.

20 de dezembro de 2015 at 6:33 pm Deixe um comentário

A Bola no Bola – Giuseppe Tommaso – 20.12.15

BOLA NA TORRE

Neste Domingão será exib ido em horário excepcional, vai ao
ar 19:50 h, na RBATV – Canal 13. Vamos falar das Chapas
que Irão concorrer as Eleições do Remo e as Novidades do
Paysandu. Guerreirão no comando e na Bancada os
companheiros Valmir Rodrigues, João Cunha e Saulo Zaire.
Participe pelo @bolanatorre ( Twitter e Instagran )
PIKACHU

Uma novela que durou pouco mais de 30 adias e que terminou com final feliz. Estava apalavrado com o Flamengo e a chegada de Muricy Ramalho e permanência do Pará e a contratação do Rodnei da Ponte esfriou a ida do paraense para Gávea. Chapecoense e Vasco na disputa e Yago Pikachu vai defender o clube da colina. Nunca foi cogitado pelo Fluminense. Nesta terça, dia 22, no Mangueirão o Jogo Festivo Dos Amigos do Pikachu e Convidados. Começa as 8 da noite e a entrada será 1 kg de Alimento. Todos lá…

A TORRES…

Na sexta-feira, foi no Bar The Beatles, lançamento do livro “Leão, Papão e Outros Bichos”, livro de charges do Atorres sobre Remo e Paysandu, publicadas no jornal Diário do Pará. Neste Domingo a Sessão de autógrafos do livro “Leão, papão e outros Bichos, será na Banca do Alvino na Praça da República na Av. Pres. Vargas esquina com a Rua Oswaldo Cruz. O Livro é simplesmente Fantástico!!!
TREINAMENTO DE GESTÃO

A Equipe da Academia Bodytech Nazaré participou do 1º Treinamento BT de Gestão de Carreira com Cris Parente, eleito o melhor Personal Trainer do Mundo em 2015. Os colaboradores da Academia atualizaram-se com novas fórmulas de Gestão e aprenderam a Planejar carreira. Bela Sacada…
ELEIÇÕES AZULINAS

Definida para o dia 23 de janeiro, os Grande Beneméritos, Beneméritos e Sócios em dia com suas obrigações poderão escolher o novo Presidente. Começamos com cinco Chapas e poderemos terminar com apenas duas em Disputa. Pode anotar: Coronel Maroja contra Zeca Pirão. Não me perguntem como? Se for para o bem do Remo que seja assim…

EM DIA…

Se pelo lado azulino diretoria esta com dificuldades para pagar os meses em atraso e o 13º salario de funcionários. Na sexta o Presidente Alberto Maia que tem os salários todos em dia, pagou 211 mil de encargos Federais e mais 44 mil de FGTS. Tudo no cronograma. Em Tempo: Amanhã o Paysandu bate o martelo e o atacante Leandro Carvalho deve consumar seu empréstimo a equipe da Penapolense que vai disputar i Paulista.

20 de dezembro de 2015 at 6:30 pm Deixe um comentário

BOLA PRA FRENTE – Cláudio Guimarães – 18.12.15

POSITIVO – Marabá amanhã (inauguração da Escola de Formação de Árbitros) e S. Domingos do Araguaia domingo (decisão da Copa Carajás) primeiros municipios paraenses a receber vice da CBF, Coronel Nunes.

NEGATIVO – Preocupa-me estado do gramado dos estádios de Cametá, Paragominas e Tucuruí no início da temporada com as chuvas chegando com tudo, até porque não foi feito nenhuma melhoria nesses pisos.

Lá e Cá

Coronel Maroja candidato a presidente do Remo, meu entrevistado Bola Pra Frente de domingo. O Bola na Torre será excepecionalmente, 19:50h (Belém), na RBA HDTV, face concurso de Miss Universo.

Por sinal, no blog do Gerson Nogueira, coronel Maroja lidera preferência de internautas remistas para presidente. Muita água ainda vai rolar!

Hoje do Dr. Robério D’Oliveira, presidente da AG do Leão Azul, publicará edital passando a correr prazo de 5 dias seguidos e não úteis a fim de que aconteçam inscrições de chapas.

Boa essa idéia do abnegado azulino Paulo Mota de todos os candidatos particparem da montagem do time já que um deles será o presidente tampão.

Fôlego financeiro imediato que precisa o Leão Azul é para quitar outubro, novembro, dezembro e 13º de funcionários e alguns jogadores.

Futsal poderá dar hoje primeiro título relevante à diretoria do Paysandu este ano, quando haverá decisão do adulto masculino, no Abacatão (Ananindeua), contra a ESMAC. Papão venceu a primeira por 4×1.

Depois de 36 anos poderão se tornar heróis dessa conquista diretor Ivan Corrêa, técnico Jean Carioca e atletas Cuia, Leonam, Diego Belém, William, Pedro, Mauricinho, Bruninho, Allyson, Fabrício, Danilo, Sadala, Paulo André, Neguinho e Robô.

Se presidente da CBF dá teco em convocação como foi denunciado chegada do Coronel Nunes ao poder abre perspectivas a Pikachu. Só que Nunes tem outro perfil. Com certeza!

Paysandu estreará e encerrará na 1ª fase do Parazão 2016 em casa (Paragominas 1.2 e Tapajós 21.2). Já o Remo começará em casa (Águia 31.1), mas fechará fora (Cametá 21.1). Semifinal 28.2 e final de turno 6.3.

Amanhã, 9h, no Estádio Abelardo Conduru-Icoaraci, o aguardado jogo beneficente Amigos do Marlon x Amigos do Jr Amorim. Imperdível!

HOMENAGEM – Sebastião Veras da Silva, o Sabá, ex-pião do futebol de salão (agora futsal) do Bom Jardim e Imperial do Jurunas e Remo (1 título) nos anos 70. É aposentado do INSS.

18 de dezembro de 2015 at 12:21 pm Deixe um comentário

Coluna do Gerson Nogueira – 17.12.15

E o coronel chegou lá

O rito foi cumprido à risca, como desenhado há dias pela própria cúpula da CBF. Sem atropelos, o coronel Antonio Carlos Nunes se elegeu vice-presidente e fica só a aguardar a anunciada renúncia de Marco Polo Del Nero para sentar no trono. A votação foi estrondosa, sem deixar margem a dúvida quanto à solidez do acordo amarrado com federações e clubes: 44 votos, 3 em branco, 3 contra e 5 abstenções – além de 12 ausências.
A quase unanimidade dá ao coronel certa tranquilidade para enfrentar as pancadas no front interno, tendo o suporte do grupo de Del Nero.
Os problemas que o esperam são muito mais de ordem externa. A mobilização do Bom Senso F.C., dos atletas profissionais, com o apoio de entidades representativas do esporte brasileiro talvez seja a mais sólida e organizada oposição que um presidente da CBF já enfrentou.
A mídia tende a ecoar com gosto as ações que o grupo de atletas produzir, principalmente se coincidirem com os resultados da CPI do Futebol no Senado, que ontem, por coincidência, interrogou Del Nero. Convenhamos, assunto negativo é o que não falta para envolver a entidade.
De maneira geral, Nunes só vai se defrontar com essa onda desfavorável ao assumir de fato a presidência. E não cabe ficar alardeando que as manifestações contrárias têm cunho bairrista ou discriminatório. Basta lembrar que todos os presidentes eleitos para a entidade sofreram cerrada marcação da imprensa esportiva do Sul e Sudeste, salvo exceções bem conhecidas e notórias.
No aspecto jurídico, o coronel deve se resguardar e ficar atento à pressão internacional, representada por organismos da Fifa e da Justiça norte-americana. São graves as acusações e suspeitas que pesam contra a CBF em relação às gestões de Ricardo Teixeira, José Maria Marin e Marco Polo Del Nero.
Nunes esteve sempre na condição de aliado incondicional de todas essas gestões – justamente por isso foi escolhido para suceder Del Nero – e poderá vir a sofrer as consequências diretas (e indiretas) dessa proximidade.
Aos que têm a mania de enxergar luz onde só há fumaça espessa, cabe alertar para os limites que Nunes terá se assumir a presidência. Imaginar que ele vai quebrar muralhas e mover moinhos pelo futebol do Pará é uma ingenuidade. Tirem o cavalinho da chuva. O coronel não foi eleito para representar exclusivamente os interesses regionais. De mais a mais, pouco há a fazer à frente de uma CBF esvaziada, desmoralizada e apodrecida por tantos escândalos recentes.
Um dos poucos beneficiários da ascensão do coronel pode ser Pikachu, agora no Vasco. É bem possível que ele passe a ser olhado com mais simpatia para convocações da Seleção Brasileira. Como é de conhecimento até do reino mineral, técnicos do escrete costumam ser bem solícitos com o síndico de plantão.

Papão investe em novo camisa 10

A notícia da contratação de Rafael Luz, meia que destroçou com o sistema defensivo do Remo no final da Copa Verde, vem confirmar uma velha tradição paraense: a busca por algozes de um dos rivais. Sempre que um jogador arrebenta em campo contra o Papão, a diretoria do Leão não sossega enquanto não o contrata, e vice-versa.
Desta vez, porém, a contratação vem recomendada pela excelente participação de Luz defendendo o Cuiabá na Copa Verde. É verdade também que na Série B, já com a camisa do Atlético-GO, seu desempenho foi apenas discreto.
De boa capacidade de finalização, Luz tem facilidade para lançamentos e é habilidoso. Pode ser o camisa 10 que o Papão tanto busca desde que Eduardo Ramos trocou a Curuzu pelo Evandro Almeida.
Além dos atributos naturais para a posição, Luz traz com ele a imagem viva de uma tragédia recente do grande rival. Só por isso seria recebido de braços abertos pela torcida Fiel.

Tempo de composições e algumas surpresas

O Remo definiu a data de sua eleição para o complemento do mandato de Pedro Minowa, que renunciou ao cargo. O pleito vai ocorrer a 23 de janeiro e, para surpresa geral, cinco chapas foram inscritas para disputar a presidência do clube.
De início, foram inscritas as chapas de Helder Cabral, Alcebíades Maroja e Miléo Junior. Depois da definição da data, surgiram mais dois postulantes: Zeca Pirão e André Cavalcante. A novidade foi o reaparecimento de Pirão, que havia perdido (em duas rodadas) a eleição para Pedro Minowa no final do ano passado.
Ontem, depois de muita negociação, duas chapas se fundiram. Zeca Pirão e Helder Cabral chegaram a um acordo e decidiram unir forças para encarar a batalha das urnas. Pirão encabeça a chapa, tendo Cabral como vice.
Não está descartada a possibilidade de uma nova recomposição de forças, envolvendo ainda a chapa de Pirão. Há adiantada conversação entre ele e um dos outros candidatos, com boa possibilidade de ser encampada mais uma chapa.
Se tal arranjo se concretizar, Pirão ganha a condição de favorito de maneira inusitada. Ao lado de Pedro Minowa, sua gestão foi uma das mais desastrosas dos últimos anos à frente do Remo. Responde como principal desatino de seu mandato a mal planejada demolição do setor de cadeiras do estádio Baenão.
A medida, acompanhada da venda antecipada de camarotes, deixou o clube com uma dívida extra a pender sobre o seu sucessor, Minowa. Até hoje o Remo paga o alto preço da derrubada de parte de suas arquibancadas, que reduziu o Baenão a um mero CT improvisado para o elenco profissional treinar durante a próxima temporada.
Como gancho de sua nova campanha, Pirão alardeia que quer voltar para completar o serviço inacabado. Os opositores ironizam dizendo que esse retorno pode significar o desmanche completo do Evandro Almeida.
O fato é que o ex-presidente, que foi alvo de investigação de uma comissão designada pelo Condel no primeiro semestre, juntamente com Minowa, surpreendeu a todos pelo desembaraço na apresentação de sua chapa, aparentemente sem sofrer nenhuma restrição por parte dos guardiões do estatuto do clube.
Independentemente de quem venha a ser eleito, a fartura de candidatos indica que o Remo continua politicamente forte, o que é sinal de vitalidade e importância. Resta saber se o novo comandante tem a exata noção da imensa responsabilidade que é administrar uma das paixões do povo paraense. E se está ciente dos inúmeros desafios contábeis e gerenciais que lhe esperam.

17 de dezembro de 2015 at 12:01 pm Deixe um comentário

BOLA PRA FRENTE – Cláudio Guimarães – 17.12.15

POSITIVO – Acho que Pikachu escolheu certo o Vasco. Terá segurança de 3 anos de contrato e seu valor foi reconhecido, tanto que Fluminense e Inter-RS chegaram atrasados para contratá-lo.

NEGATIVO – Questão de postura ética: enquanto um ex-presidente e vereador não aceitou concorrer no seu clube por ser 2016 ano eleitoral, de outro se lançou e se eleito usará outra vez a agremiação na política.

Lá e Cá
Engenheiro Paulo Cezar da Costa Alves, diretor de patrimônio do Remo confirma: Baenão só em 2017. Na próxima temprada apenas como CT; vistoria no Barbalhão (Santarém) para o campeonato será dia 8.1.

Primeira fusão de chapas para eleição do Remo: Zeca Pirão para presidente e Halder Cabral vice. Concorrentes: Coronel Maroja-Cláudio Pontes, André Cavalcanti-Fábio Bentes e Miléo Jr-Milton Campos.

Eleição do Coronel Nunes a vice da CBF fez o Pará retornar ao cargo depois de 46 anos (tempo ainda da CBD). Chegando a presidente será o primeiro conterrâneo a alcançar o posto. Fernando J.C Rodrigues e Antonio Cristino cotados a acompanhar o “Homem do Botão”.

Obrigatoriedade do PROFUT adiada para 1.1.17, salvando a participação de muitos clubes nas competições deste ano, inclusive o Paragominas.

Antes que apareçam outros “padrinhos”, Antonio Pompeu, Nad e Lecheva foram as pessoas que deram vida à carreira de Pikachu no futebol do Pará.

Paysandu promove hoje, 20h, no Crowne Plaza, palestra sobre “Os Desafios da Profissionalização em Clubes de Futebol”, tendo como palestrante o especialista Alexandre Bourgeois. Acesso liberado.

Sendo costurado para Adélson Torres abrir mão da vaga de Nunes na presdência da FPF em favor de Mauricio Bororó; de repente posso ter como vizinho em Mosqueiro o presidente da CBF. Aguardemos!

Associação Atlética Alcinda Cacela, tradicional agremiação da Cremação, realizará sábado festa dos seus 40 anos, no Bolero, com entrega de comendas a grandes baluartes. Evento promete!

A ainda deslumbrante Ana Paula Oliveira, ex-árbitra e o ex-árbitro Nilson Moção, ministrantes do evento de preparação aos apitadores paraenses, em Belém, de 23 a 26.1.

Marquinho (volante, meio campo e lateral, 20 anos), ex-Remo e Desportiva, Serafim (meio campo e lateral, 21 anos),ex-Ypiranga-AP e Bragantino-PA, novos reforços do Tapajós no Parazão 2016.

HOMENAGEM – Ronaldo Antonio Cordeiro de Araujo, o Cordeiro, ex-campeão de boxe peso médio pelo Paysandu e ex-treinador de boxe do PATAM (fez os campeões Rock e Sarges) e da Ulysses Pereira. É Coronel da PM.

17 de dezembro de 2015 at 11:59 am Deixe um comentário

BOLA PRA FRENTE – Cláudio Guimarães – 15.12.15

POSITIVO – Pessoal da APBM vai sugerir ao Governo do Estado nome de Edyr Goes, maior atleta de basquetebol do Remo, Seleção Paraense e chegou à Seleção Brasileira, para nome do Mangueirinho. Aprovo!

NEGATIVO – Gustavo Feijó, vice da CBF que se juntou a Delfim Peixoto contra Nunes, fez armação absurda para eleger seu filho Felie Feijó (24 anos) presidente da Federação Alagoana. Chegou a “concorrer” contra o rebento para tudo dar certo. Que moral tem?

Lá e Cá

Na confratenização da ABPM, na AP, tive o prazer de sentar ao lado de lendas do basquete como Sérgio Paiva, Galega, Nélson e Haroldo Maués. Bom papo! Festa impecável comandada por Paulo Seráfico e Alex Houat.

Eduardo Ramos substituto de Marcelo Toscano no América-MG? Se o Remo resolver a pendência ele vem é pro Baenão de novo!

Pikachu ao aceitar programação do Jogo de Com Seus Amigos (22.12), no Mangueirão, saindo no meio do segundo tempo e voltando com a camisa do clube que vai jogar em 2016 deu a senha. Alguém arrisca o clube?

Paysandu poderá conquistar na sexta o título do futsal adulto masculino depois de 36 anos, graças ao trabalho de Ivan Corrêa e equipe; no futebol o Papão já contratou 10 para próxima temporada. Filme conhecido!

Do presidente Paulo José (FEFUSPA) sobre seus algozes: “não preciso do futsal para viver. Preciso sim, para não morrer”; Minowa detonou CD Azul.

João Rodrigues toma posse na Tuna dia 5.1.16; na ASBEP venceu chapa 2, Marquinho novo presidente e vice Marco Antonio Gusmão; goleiro Paulo Rafael defenderá o São Francisco de Santarém no Parazão 2016.

Remo vai de 4 candidatos na eleição. Coronel Maroja não abre mão da sindicância do roubo da sede (já preso Marcelo Conde), dos camarotes e cadeiras do Baenão e auditoria geral para se saber o verdadeiro passivo.

Letícia, ex-jogadora do Pinheirense foi campeã brasileira de futebol feminino pelo Rio Preto-SP, enquanto a conhecida Formiga ficou com o vice no São José-SP; Pinheirense anunciado no Brasileiro de 2016.

CBF confirma eleição da vice-presidência para quinta (vai dar Nunes); hoje protesto pedindo a imediata renúncia de Del Nero em frente à sede da entdade, comandado por ex-jogadores como o ex-meia Alex.

Sub 17 do Tapajós ganhou a Copa Amazônia invicto, em Rio Preto da Eva-AM, derrotando na final o Holanda-AM, por 1×0, gol de Michael; Bangu foi o campeão da Liga Esportiva de Marabá depois de 18 anos.

HOMENAGEM – Solon Assef Tavares, o Solon, ex- bicampeão paraense de karatê e ex-campeão paraense de judô, peso leve, nos anos 90, pela APDK. É cantor.

15 de dezembro de 2015 at 11:47 am Deixe um comentário

Coluna do Gerson Nogueira – 14.12.15

Melhores & piores do ano

Organizar listas de final de ano é sempre uma tarefa instigante, pois permite exercitar memória, fazer comparações e testar a capacidade de reter informação. Há quem leve tão a sério essa história de listas que estende o hobby a outros temas, como cinema, livros e música, como aquele personagem famoso de Nick Hornby em “Alta Fidelidade”.
O futebol do Pará viveu um ano cheio, com os clubes disputando diversas competições. Minha seleção de melhores é centrada no desempenho de times e jogadores no Campeonato Estadual, na Copa Verde, na Copa do Brasil e nos Campeonatos Brasileiros (séries B, C e D).
A dos piores do ano não é propriamente uma seleção no sentido clássico. Elegi cinco “destaques” sem a preocupação de formar um time completo. No meu top 5, estão nomes óbvios como Souza, Flávio Caça-Rato, Carlos Alberto, Leandro Santos e Everaldo.
Por justiça, mais gente poderia estrelar o escrete dos pernas-de-pau da temporada, mas aí a lista se perderia por excesso de nomes.
Souza encabeça o pelotão pelo muito que deixou de fazer com a camisa do Papão. Cercado de expectativas e na condição de contratação mais dispendiosa do clube na temporada, passou quatro longos meses sem dizer a que veio.
Marcou um gol apenas com a camisa bicolor, assim mesmo na goleada de 9 a 1 sobre o São Francisco pelo Campeonato Paraense. Para dar uma ideia da garapa que foi o jogo, até Ricardo Capanema balançou as redes.
Depois disso, Souza só chegou perto do gol novamente contra o CRB, mas a arbitragem anulou a jogada, prejudicando o Papão e tirando do atacante seu único tento na Série B. Não por acaso, tendo Souza como titular na reta final do primeiro turno, o Papão viveu uma de suas piores fases na competição.
Flávio Caça-Rato foi outro engodo, embora ficando menos tempo em Belém. Jogou como titular, sob o comando de Zé Teodoro, mas não emplacou e saiu sem deixar saudades. Carlos Alberto, Leandro Santos e Everaldo completam o quinteto, embora sem provocar as mesmas decepções que os dois primeiros da lista.
Carlos Alberto jogou bem apenas contra o ABC pela Copa do Brasil e teve um lampejo diante do Paraná pela Série B. Leandro Santos foi trazido para o Remo como grande aposta para o setor de marcação e levou um passeio do ataque do Náutico na Série D. Everaldo foi o chamado gol contra, literalmente. Marcou sua passagem pelo Papão atentando contra as próprias redes em confronto com o Criciúma.
Já a seleção dos melhores vem na configuração clássica:
Emerson (PSC); Pikachu (PSC), Henrique (Remo), Gualberto (PSC) e João Lucas (PSC); Dadá (CR), Capanema (PSC), Eduardo Ramos (CR) e Flamel (Águia); Leandro Cearense (PSC) e Roni (CR). Técnico: Cacaio (CR). Revelação: Ameixa (CR). Destaques: Pikachu e Eduardo Ramos.
Alguns outros jogadores também tiveram momentos especiais na temporada, mas sem a regularidade da onzena titular aqui escalada.
Sobre o técnico da temporada, minha opção é por Cacaio pelo verdadeiro milagre que operou ao comando do Remo, vencendo o Parazão, decidindo a Copa Verde e garantindo o acesso à Série C. Seus resultados foram expressivos, levando em conta as delicadas condições em que assumiu o elenco azulino. Ameixa é a revelação pela belíssima participação no Parazão e na Copa Verde. E Pikachu e Ramos foram indiscutivelmente os melhores da temporada.

Blog fecha a temporada com 6 milhões de acesso

Pela intensa participação de comentaristas e baluartes, o blog campeão (www.blogdogersonnogueira.wordpress.com) alcançou no sábado à noite a marca de 6 milhões de acessos após cinco anos e meses no ar. O número revela a força da paixão que envolve o futebol no Pará, embora o espaço também seja dedicado a outros temas, como jornalismo, política, atualidades, cinema, HQ e rock.
Mais do que qualquer premiação, a satisfação está no exercício diário de alimentar um blog e interagir com leitores e torcedores. O futuro da mídia está desenhado nesta relação nem sempre pacífica, mas sempre saudavelmente crítica, entre o jornalista e o grande público. É o que fazemos há mais de cinco anos, ininterruptamente.
Obrigado, mais uma vez, a todos que participam desse projeto em contínua construção.

Sobre a despedida de um mito

Nunca fui fã de Rogério Ceni. Arrogante na maior parte das entrevistas da fase áurea de sua carreira e pouco dado a admitir suas próprias falhas, o ídolo do São Paulo sempre transmitiu uma excessiva preocupação com a imagem, quase beirando a soberba.
Pela incrível habilidade para cobrar faltas e pênaltis, brilhou mais como chutador do que como goleiro. Vem daí provavelmente sua dificuldade em abrir espaço na Seleção Brasileira.
Apesar disso, nunca deixei de reconhecer seus grandes méritos. Em campo, foi responsável por inúmeras vitórias tricolores. O título mundial de clubes sobre o Liverpool deveu-se 90% a suas incríveis defesas. Aquela foi, seguramente, sua mais brilhante atuação debaixo dos três paus. Como líder, ninguém pode lhe negar a importância dentro do São Paulo, servindo de exemplo para inúmeros jovens atletas.
Décimo artilheiro na história são-paulina e com uma extensa lista de conquistas pelo clube, Rogério ganhou na última sexta-feira uma festa emocionante, como poucas vezes se viu na história moderna do futebol no Brasil.
Mais de 60 mil torcedores se reuniram para cultuar, homenagear e agradecer por tudo que fez com a camisa 01 do São Paulo. Junto de antigos e novos companheiros, Rogério teve direito a uma celebração rara entre nós: a gratidão em forma de aplausos da multidão.
Não há preço para isso.
Para um atleta que sempre se pautou pelo cuidado extremo em planejar a carreira, ele sai pronto para assumir funções executivas ou mesmo de comando técnico. Acima de tudo, sai preparado para exercer dignamente a aposentadoria dos gramados, aquele período tão temido por todo boleiro.

14 de dezembro de 2015 at 2:47 pm Deixe um comentário

Coluna do Gerson Nogueira – 13.12.15

Fé e esperança no que virá

A centenária rivalidade entre Remo e Paysandu há muito que ultrapassou os limites do futebol. É bem mais que uma querela entre torcidas ou um simples gancho apelativo de locutores de aparelhagem aquecendo festas mixurucas. Tradição popular tão forte quanto o Círio de Nazaré na vida dos paraenses, a paixão pelos dois clubes divide o Estado ao meio, tornando-se cada vez mais forte, apesar dos muitos passos em falso ao longo das últimas décadas.
Por obra de reiterados desmandos de gestão, tanto Remo quanto Paysandu têm sido castigados duramente, deixando de transferir para os gramados o prestígio de que desfrutam nas arquibancadas. Na falta de conquistas expressivas em campo desde 2005, os titãs saboreiam a repercussão que a força de suas torcidas obtém pelo país afora.
Impressiona a todos a grandeza da rivalidade. Colegas de outros Estados, acostumados a estádios às moscas na maioria das capitais, mostram-se curiosos e impressionados com tamanha fidelidade do torcedor a times que nem sempre se mostram à altura dessa paixão.
No Campeonato Brasileiro da Série B deste ano, o Papão alcançou média de 13.737 pagantes por jogo, posicionando-se em terceiro lugar entre os 20 clubes disputantes da competição, perdendo somente para Bahia e Ceará, duas potências de popularidade no Nordeste.
O Remo, que chegou às semifinais do Campeonato Brasileiro da Série D, tem números igualmente significativos. Em sete partidas como mandante – sendo que somente quatro delas no estádio estadual Jornalista Edgar Proença -, obteve a média (por partida) de 15.394 pagantes, liderando com folga a batalha nas arquibancadas, bem à frente do River (PI), o segundo colocado.
Em termos de desempenho técnico nas duas competições nacionais, o Remo obteve o almejado acesso à Série C, justificando a euforia de seus torcedores em todo o Pará. Já o Paysandu, mesmo sem subir para a Primeira Divisão, teve também bons motivos para deixar sua fiel torcida satisfeita com a permanência na Série B, conseguida com uma campanha das mais regulares (30 pontos ganhos no primeiro turno e 30 no segundo).
Para o próximo ano, as perspectivas são excelentes, principalmente para o Papão, que terá na Segunda Divisão um incremento nas verbas garantidas pela CBF. Deverá receber perto de R$ 5 milhões para se estruturar, buscar reforços e cumprir uma boa participação no torneio.
Antes, terá pela frente o Campeonato Paraense, cujo título está longe da Curuzu há dois anos. Com a base remanescente de 2014 e novos reforços, o time deverá ser um dos favoritos na disputa. Há, ainda, a participação já assegurada (pelo ranking nacional de clubes) na Copa do Brasil e a possibilidade de um convite para a Copa Verde.
Além da questão técnica, as competições citadas deverão representar um novo estímulo para a agregação de sócios torcedores, cujo programa oficial do Papão já contabiliza mais de 17 mil associados, com nível de adimplência em torno de 60%.
O Remo terá um ano como não tinha há sete temporadas. Terá calendário completo – Campeonato Paraense, Copa Verde, Copa do Brasil e Brasileiro da Série C. É a oportunidade para tentar retornar à ribalta e brigar pela ascensão nas divisões nacionais, imitando a arrancada do Santa Cruz (PE), que em cinco anos saiu do limbo para a elite.
Com quatro competições asseguradas, o clube terá condições de se preparar ao longo do certame estadual, planificando o que deve ser sua presença no torneio mais importante, a Série C. Com técnico novo (Leston Junior), o Remo tem também a chance de aproveitar jovens talentos surgidos em suas divisões de base, o que pode significar lucros mais à frente com negociações para outras agremiações.
Como o rival, o Remo terá ao longo do ano a oportunidade de ampliar ainda mais seu programa de sócio torcedor, denominado Nação Azul, hoje com mais de 13 mil associados – cerca de 70% adimplentes. A renda mensal proporcionada pelo ST, em torno de 400 mil, já permite que o clube pague despesas gerais de funcionamento e parte da folha de salários.
Para não dizer que não falei de flores, apesar do cenário amplamente favorável, existem inquietações. O processo político segue indefinido depois da renúncia do presidente Pedro Minowa. É provável que a nova eleição só ocorra em janeiro, deixando o clube sem presidente até lá e travando providências executivas. Há, ainda, o impasse envolvendo o estádio Evandro Almeida, que teve as arquibancadas laterais desativadas na gestão do ex-presidente Zeca Pirão e agora serve como um CT provisório para o elenco de profissionais. Será necessário um esforço extra, em meio ao programa de atualização da dívida trabalhista, para salvar o Baenão.
No Papão, a situação é bem mais tranquila. O clube desfruta de estabilidade institucional e conta com a participação incansável de colaboradores comprometidos com o sucesso da gestão. A calmaria política é tanta que o próximo presidente já está definido, faltando um ano para o pleito. Será Sérgio Serra, atual vice-presidente.
Apesar das diferenças de cenário, tanto remistas quanto bicolores têm motivos fundamentados para esperar um 2016 ainda melhor do que foi 2015. Seus torcedores confiam nisso. Que assim seja.
(Este texto foi originalmente escrito para a recém-lançada Revista Bacana, de Marcelo Marques).

Sob o signo da eterna muvuca

A CBF não tem jeito. Fechou a semana com a decisão judicial de suspensão da eleição do dia 16, que vai escolher o novo vice-presidente. O coronel Antonio Carlos Nunes, favorito absoluto na disputa, tem como principal desafiante o catarinense Delfim Peixoto, notório desafeto da turma de Marin e Marco Polo Del Nero.
Foi Delfim que obteve uma liminar na Justiça do Rio suspendendo o pleito. Alega possíveis irregularidades no processo de convocação e suposto impedimento do presidente interino, deputado Marcus Vicente.
É improvável que o catarinense consiga impedir a eleição do coronel. A CBF já avisou que vai recorrer e, antes mesmo de derrubar a liminar, confirmou a realização da eleição. Confia bastante na velha força de pressão sobre juízes e desembargadores.
O risco que ronda o futuro mandatário da entidade é de outra natureza: a investigação movida pelo FBI sobre esquemas de corrupção na Fifa e as confederações nacionais. A recente prisão do presidente da Conmebol foi apenas mais um passo dentro da ampla devassa que Tio Sam opera no futebol mundial. Só os muito ingênuos podem acreditar que essa cruzada moralizadora irá parar em Ricardo Teixeira, Marin e Del Nero.
Nunes fez sua pré-despedida da FPF na sexta-feira, em concorrido café da manhã. Ao explanar sobre o ano futebolístico no Pará, revelou sua pouca familiaridade com as minúcias do Parazão: referiu-se aos 28 jogos do segundo turno como sendo o número total da competição, que teve o dobro de partidas. A gafe indica que o foco está mesmo no trono da CBF.

Bola na Torre

O programa deste domingo terá Giuseppe Tommaso na apresentação, com participações de Valmir Rodrigues, Alex Ferreira e deste escriba de Baião. Começa logo depois do Pânico, na RBATV, por volta de 00h20.

14 de dezembro de 2015 at 2:45 pm Deixe um comentário

Posts antigos


Clube no Twitter

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.