PAPO DO 40º – Ronaldo Porto – 22.09.14

E NÃO É QUE O APAGÃO VOLTOU?

Depois de duas semanas subindo a ladeira, Paysandu e Remo voltaram a perder nas séries C e D do Brasileiro; pior para o Papão que perdeu dentro de casa, quando não poderia perder. Nesses altos e baixos o torcedor fica lambendo os beiços. Quem se salvou foi o Águia que empatou fora com o CRB e conquistou um pontinho fora de casa. O Paysandu saiu na frente dentro da Curuzú e acabou tomando a virada, o mesmo acontecendo com o Remo aqui em São Luís, de onde escrevo a coluna. Depois de fazer 1×0 no Moto, o Leão Azul parece que se esqueceu de jogar futebol e tomou a virada, muito mais pela parcimônia do time remista do que por méritos do time maranhense. O Paysandu não poderia tomar essa virada do time cuiabano dentro da Curuzú, mas o pior aconteceu e agora a classificação ficou mais difícil, mas não impossível. Nos dois casos, Paysandu e Remo voltaram a cometer os mesmos vacilos de outros carnavais.Bom papel fez o Águia do João Bocão Galvão, que foi buscar um empate contra o CRB lá dentro, quem diria!

ALTA TEMPERATURA

Como já escrevi, o melhor resultado de todos foi o do Águia, que além de empatar fora de casa contra o CRB-AL, conseguiu ficar fora da zona de rebaixamento. O Paysandu com a derrota voltou a cair para a sétima colocação, lugar perigoso para quem quer classificação. Se tivesse feito o dever de casa, estaria a um pontinho do G4 e não teria deixado o Cuiabá lhe ultrapassar. O Remo, mesmo com a derrota, se classificou para o primeiro mata mata.

BAIXA TEMPERATURA

O que será que aconteceu com o Remo, que começou tão bem o 1º tempo, marcando um golaço aos 6 minutos e depois se entregou para o adversário? Um dos grandes problemas foi a zaga, claudicante demais; o outro grande problema os laterais, que não defendiam bem, principalmente Alex Juan. Talvez por isso o presidente Zeca Pirão no final do jogo tenha dito que o Leão vai contratar para as duas posições.

NO TERMÔMETRO

Como dói e estressa fazer um jogo no estádio Castelão em São Luis. As emissoras de fora penam esperando os técnicos da Oi, as cabines ficam trancadas até às 15 horas e as dificuldades aumentam porque as linhas ficam de um lado e os túneis do outros. Assim é difícil. /// Talvez o público de ontem tenha diminuído no Castelão por causa de um tumulto no presídio de São Luis, que acabou resvalando para o transporte público. Os ônibus só circularam normalmente depois das 16 horas. /// Mazola Jr tentou explicar mais não conseguiu dizer por que o seu time tomou a virada dentro da Curuzú. Agora o Papão precisa de duas vitórias seguidas para chegar ao G4. /// Por outro lado, Roberto Fernandes declarou ao final da virada em São Luis que não mandou seu time recuar e que o Remo se encolheu e ficou em dificuldades quando passou a ser atacado. Segundo ele o time se desorganizou depois dos 15 minutos. /// Brasiliense deverá ser o adversário do Remo na próxima fase, conforme os critérios da CBF, porém surgiu ontem no Hotel onde o Remo estava hospedado uma discursão de que o adversário do Leão seria o Brasil de Pelotas-RS, por uma resolução emitida pela mesma CBF na quinta passada. No site da CBF ontem, por volta das 22 horas, quando fechava a coluna, o adversário do Remo era o Brasil mesmo e o clube de melhor campanha era o Rio Branco-AC. O desportista Júlio Martins, um paraense remista que vive no Acre, fez o cálculo no seu computador dos critérios da CBF e afirmava que a melhor campanha era do Tombense-MG, porém o Confiança era quem pintava com a melhor campanha, segundo informações do companheiro Guilherme Guerreiro, da Rádio Clube, pessoa que nunca erra nesses cálculos. /// Quase no fechamento da coluna fui informado que a CBF tinha feito “lambança” no seu próprio site e que o Remo jogaria mesmo com o Brasiliense no dia 28 no Mangueirão. Vamos esperar pra ver no que vai dar. /// Uma boa semana a todos e viva Jesus!

E-mails: rporto@supridados.com.br

22 de setembro de 2014 at 11:55 am Deixe um comentário

Coluna do Gerson Nogueira – 22.09.14

Tropeço fora de hora

Nenhum torcedor aceita tomar dois gols em cada tempo, permitindo a virada em jogo realizado em casa. Mas, de certa maneira, apesar dos protestos de praxe, a torcida do Papão até que reagiu de maneira contida, sábado à noite, na Curuzu, depois da derrota para o Cuiabá-MT. Mais de 12 mil espectadores pagaram ingressos e, pelo menos, não se viu o tradicional espetáculo de mau comportamento com objetos atirados no gramado. Só esse pequeno detalhe já merece registro.

A reação mais serena do torcedor talvez signifique que todos no Papão reconhecem que a permanência na Série C deve ser considerada uma conquista na temporada de tão poucos triunfos. E nem mesmo os equívocos cometidos ontem, na escalação e nas alterações, podem tornar o técnico Mazola Junior um vilão.

Errou como qualquer técnico pode errar, mas a verdade é que o Papão sofreu as agruras das limitações do elenco. Contava com um Éverton Silva dinâmico e participativo no primeiro tempo, mas acabou penando quando o ala cansou e teve que sair. Ao mesmo, seguiu prejudicado pela ausência de um jogador de criação. Sem Héverton (que é improvisado na função), restou a Mazola escalar Rafael Tavares, com as consequências previsíveis.

Pode-se dizer que ele poderia ter lançado Djalma ali no meio, afinal o volante tem vocações ofensivas e faz boa dupla com Pikachu. O técnico optou por lançá-lo pelo lado direito para substituir Éverton, contrariando a opinião de quase todo mundo. É chato, mas acontece, faz parte do negócio.

A postura quase passiva no segundo tempo, permitindo o amplo domínio dos visitantes, é algo que confirma o baixo nível técnico da equipe. Contra adversários bem posicionados, essas fragilidades saltam aos olhos. A falta de Augusto Recife, melhor passador do time e ponto de equilíbrio da marcação, também foi muito sentida. Certamente a presença dele faria com que grande parte dos problemas fosse pelo menos neutralizada.

Mazola merece aplausos por ter evitado o rebaixamento iminente e não pode ser torpedeado agora porque o time fraquejou dentro de casa. Claro que todos queriam a vitória, que alimentaria as chances de classificação à próxima fase e ao acesso. As possibilidades ficaram mais remotas, embora não impossíveis, mas o torcedor intimamente sabe que o treinador está tirando leite de pedra com o time atual.

Com os resultados da rodada, o Papão precisa vencer seus dois jogos e torcer para que Salgueiro, Botafogo e CRB não pontuem. Tem que rezar também para que Cuiabá e ASA não avancem mais. Em resumo, é muita torcida e reza para pouco campeonato que resta, mas a esperança – como diz o outro – é a última que morre.

Dewson sofre crítica injusta e preconceituosa

Vanderlei Luxemburgo é célebre pelo comportamento errático na análise de produção de seus times. É acostumado a endeusar jogadores de quinta categoria para destacar seus próprios méritos como técnico e a valorizar adversários que não merecem nem menção honrosa para justificar seus tropeços.

Contra o Fluminense ontem, o Flamengo jogou o de sempre, embora com bem mais esforço que o oponente. Foi o bastante para que Luxa, ao final da partida, lamentasse o empate e aproveitasse para destilar preconceito na crítica “ao árbitro do Pará, que não está habituado ao futebol que se pratica aqui”. Ora, ora.

Dewson Freitas fez arbitragem correta, acima da média do que se tem visto em jogos importantes neste Campeonato Brasileiro. Pode ter cometido um ou dois pecadilhos, o que é absolutamente normal. Antes de tentar atribuir a Dewson eventual prejuízo ao Rubro-Negro ou tentar posar de vítima, Luxa deveria por a mão na consciência e lembrar da dezena de pênaltis marcados para o seu time tanto na Série A quanto na Copa do Brasil.

Leão perde liderança e ganha encrenca

Até a metade do segundo tempo o Remo tinha a liderança do grupo A2 da Série D, para provavelmente enfrentar o Santos-AP no mata-mata. O gol de Fernandes, aos 28 minutos, mudou todos os planos e fez o time azulino ganhar uma senhora encrenca na próxima fase. Ao invés de um adversário regional e mais modesto, o Leão deverá terçar armas com o Brasiliense, time bem montado e que tem muita força nos bastidores.

A derrota para o Moto Clube, em São Luís, começou a se desenhar bem antes, ainda no primeiro tempo. Depois de abrir o placar com bonito gol de Danilo Rios logo aos 6 minutos, o time foi se apagando em campo e permitiu a recuperação motense antes do intervalo. O empate nasceu de jogada muito contestada pelos azulinos, aos 44 minutos. Alex Ruan teria sofrido falta antes da finalização de Gabriel.

Pelas reclamações, o técnico Roberto Fernandes acabou excluído, o que terminou por desnortear ainda mais o já desarvorado time remista. Na segunda etapa, Roni perdeu o que seria a bola do jogo, errando no arremate final. A partir daí, começou a derrocada.

Com o preparo físico em frangalhos e sem render o esperado no aspecto técnico, o time logo sucumbiu à pressão do Moto, que chegou ao desempate com Fernando aos 22 minutos.

A primeira batalha com o Brasiliense será domingo, 28, no estádio Evandro Almeida, pois não haverá tempo hábil para realizar o jogo no estádio Jornalista Edgar Proença, ainda em obras.

Mais do que a força do adversário o que preocupa a essa altura é a queda de rendimento do Remo na segunda metade dos jogos. Tem sido assim em praticamente toda a campanha. Sinais de alerta ligados no Baenão.

Águia mantém série invicta

E o Águia acabou salvando a participação paraense no final de semana, evitando o prejuízo total. Empatou com o CRB em Maceió, por 1 a 1, e se manteve fora da zona de rebaixamento. Mesmo depois de sofrer o primeiro gol no primeiro tempo, o Águia não se abateu e empatou no segundo tempo, com Aleílson. João Galvão coleciona duas vitórias e dois empates em quatro jogos. É uma boa reação, mas a situação do Azulão continua periclitante. Tem 16 pontos, está em oitavo lugar e precisa que o Treze perca hoje para preservar essa posição.

22 de setembro de 2014 at 11:52 am Deixe um comentário

A Bola no Bola – Giuseppe Tommaso – 21.09.14

BOLA NA TORRE

Deste Domingão logo após o “Pânico na Band”, na RBATV –
Canal 13.  As presenças de Paysandu e Águia e seus jogos
no Brasileiro da Série C e ainda o Jogo entre Moto Clube  e
Remo em São Luis pela Série D. Guerreirão no Comando,
estarei com Gerson Nogueira  e  Rui Guimarães. Tem
Prêmios para a Galera. Partícipe pelo Twitter @bolanatorre

NO  FLA-FLU…

Considerado o Clássico Vovô no Rio de Janeiro, além da rivalidade centenária, hoje no Maracanã o registro da arbitragem paraense do Dewson Freitas da Silva. É considerado pela Comissão de Arbitragem da CBF como um dos melhores em atividade e por merecimento e competência deverá em breve receber o “Escudeto Fifa”. Sucesso ao Dewson…

FESTA…

Para comemorar os 41 anos de Atividades no Boxe do Treinador Zezé ( Zezé do Boxe ), lutando pelo esporte e formando campeões. Próximo sábado na casa Show Mormaço um almoço festivo com direto show musical com Nelsinho Rodrigues. O lado social é que os convidados irão contribuir com presentes para o Natal de Crianças Carentes. Parabéns ao Zezé!!!

NO  TATOO…

O Tatoo Park como sempre faz todos os anos em Outubro, trouxe um brinquedo genial para o mês das crianças o “Footbolha”, um brinquedo inventado na Noruega e que as crianças jogam futebol dando cambalhotas e encontrões sem perigo nenhum de se machucarem, tudo com padrão de segurança Tatoo Buffet Park! Convite do Tio Chico Salomão!!!

GRÊMIO LITERÁRIO…

Como parte dos festejos dos 147 anos do Grêmio Literário Português, o clube social mais antigo do norte do Brasil no próximo sábado tem Show com o cantor Leonardo no Salão de Festas da Sede Campestre. De parabéns o presidente Alírio Gonçalves e toda sua diretoria.

CURIOSIDADES BY
DIEGO BECKMAN…

- Última vez que o Remo atuou no estádio Castelão, em São Luis, foi em 2001 e na oportunidade, acabou derrotado por 2 a 1, pelo Sampaio Correa, pela Série B do Campeonato Brasileiro.
– Um ano depois, o Remo venceu o Moto Clube, por 1 a 0, porém a partida foi válida pela Copa Norte. Duelo entre Leão e Moto aconteceu no estádio Nhozinho Santos, o Gigante da Vila Passos.
– CRB X Águia realizaram três partidas, com duas vitórias alagoanas e uma paraense. Neste ano, Galo da Pajuçara venceu o Azulão por 2 a 0, em Marabá, com direito a gol do ex-meia do Paysandu, Alex Williams.
– Treze-PB traz boas recordações ao Paysandu pela Série C. Em 2012, Papão goleou o time paraibano por 5 a 1, no estádio Mangueirão e arrancou sua classificação para o mata-mata da Terceirona e que depois, conseguiu o acesso para a Série B.
– Se o Paysandu se classificar para o mata-mata e o Remo passar a terceira fase da Série D, dupla Re-Pa poderá conseguir o acesso nas suas divisões, no dia 19 de outubro, domingo após o Círio de Nazaré.

21 de setembro de 2014 at 5:36 pm Deixe um comentário

Coluna do Gerson Nogueira – 21.09.14

Um herói por acaso

Racismo é um problema que o Brasil há séculos se recusa a enfrentar. Governo e sociedade nunca deram muita bola para o problema, preferindo sempre o caminho do maneirismo, da falsa confraternização entre as raças, para seguir em frente. Historicamente, o caminho para enfrentar esse desvio de comportamento é reconhecer sua existência.

O show de intolerância visto no estádio do Grêmio há algumas semanas ajudou a jogar luz sobre essa terrível chaga brasileira. O episódio exibiu em sons e cores vibrantes o tamanho da encrenca. As reações indignadas até deram a impressão de que ia se achar um jeito de finalmente expor as vísceras do sentimento racista no Brasil.

As atitudes de dirigentes, do técnico Felipão, jornalistas e até de jogadores do Grêmio se encarregaram de derrubar as ilusões. Infelizmente, acabar com a prática nefasta não parece estar entre as prioridades da agremiação. O clube não age muito diferente de um sem-número de instituições e pessoas confrontadas com o monstro do racismo.

Quase todos preferem esconder a sujeira sob o tapete e isso costuma atiçar ainda mais os radicais. Os insultos proferidos no jogo da última quinta-feira lá no mesmo estádio atestam que os torcedores revelam o nível de repulsa pelo goleiro do Santos.

Símbolo involuntário da mobilização nacional que surgiu em consequência daquela fatídica noite no Olímpico, o jogador passou de repente a alvo dos ataques de todos que alimentam preconceitos raciais e não tinham coragem de exprimir abertamente.

Nas redes sociais, arena de todas as batalhas modernas, o debate está posto e Aranha divide opiniões. Sua posição firme na condenação ao crime de que foi vítima ganha credibilidade porque não vem embalada em discurso pré-fabricado, tão ao gosto de debatedores e polemistas profissionais.

O que desarma os detratores de Aranha é sua maneira franca de abordar o tema, expondo livremente seu desconforto com as agressões sofridas no estádio gremista. Com simplicidade, sustenta uma corajosa argumentação de repúdio ao comportamento medieval que ameaça se espalhar por outras praças esportivas do país. De fazer corar de vergonha tantos ídolos do esporte no Brasil, de Pelé a Ronaldo, passando por Joaquim Cruz e Romário. Todos unidos pela prática de tangenciar o problema.

Nas entrevistas, sempre muito sério, Aranha exprime sincera indignação com o ocorrido. Por mais que alguns recorram ao velho mantra de que “são coisas do futebol”, ele resiste bravamente. Até colegas da crônica muitas vezes aderem a essa pífia e preguiçosa maneira de ver o problema.

O goleiro santista faz bem em botar o dedo no suspiro e lembrar que a explosão racista no estádio gaúcho não foi banal, nem pode ser esquecida. A coragem de Aranha é um bom ponto de partida na luta contra essa vergonha nacional.

Tsunâmi pode ser a grande novidade

O Remo desembarca em São Luís para enfrentar o Moto Clube com uma zaga reserva e um meio-de-campo recauchutado. Roberto Fernandes fez vários treinos, testou várias formações e não revelou exatamente qual a escalação para o jogo. Está em disputa o importante primeiro lugar na classificação do grupo.

É provável que a zaga seja comandada por Negretti e Rubran, com Levy e Alex Ruan nas laterais. Na marcação, devem entrar Ilaílson e Michel, mas a possibilidade de estreia de Tsunâmi não está descartada compondo um trio de volantes. Polivalente, o jovem que brilhou na recente Copa Norte pode ser escalado na lateral ou como jogador de meio.

Fernandes faria um bem danado ao Remo se apostasse mais nos valores caseiros. Tsunâmi é apenas o mais destacado deles.

Sesi tem decisão na Cidade Nova

Acontece hoje a grande final dos Jogos Municipais do Sesi 2014, na modalidade de futebol de campo, entre Sinobras e L.C. Oliveira. A partida começa ás 9h, no campinho do Sesi, na avenida Tocantins, núcleo Cidade Nova. Na disputa do terceiro lugar, o time B da Sinobras enfrenta o Dínamo.

Bola na Torre

Guilherme Guerreiro volta a comandar o programa. Começa depois do “Pânico”, por volta de 00h15. Com Giuseppe Tommaso, Rui Guimarães e este escriba baionense na bancada.

Na falta de cão, caça-se com gato

É fato que o futebol paraense anda meio distante da ribalta já há alguns anos, mas o melhor árbitro regional vai estar no centro dos acontecimentos da Série A hoje à tarde. Caberá a Dewson Freitas apitar o Fla-Flu no Maracanã com uma tremenda responsabilidade sobre os ombros.

Diante de 60 mil torcedores, Dewson terá a missão de controlar pressões e catimbas próprias do grande clássico. Para nós, é um orgulho ver o conterrâneo pontificar no principal estádio do país para comandar jogo tão emblemático, que Nelson Rodrigues dizia ter sido inventado 40 minutos antes do nada.

Poucas vezes a arbitragem brasileira foi tão questionada como neste Brasileiro, depois de seguidas barbeiragens cometidas por árbitros da nova geração e até por alguns profissionais mais experientes, como Sandro Meira Ricci, que representou o Brasil na Copa e andou fazendo das suas no recente Flamengo x Corinthians.
A prova é de fogo, mas Dewson tem condições de fazer boa figura.

21 de setembro de 2014 at 5:33 pm Deixe um comentário

BOLA PRA FRENTE – Cláudio Guimarães – 16.9.14

POSITIVO – Vitorioso: técnico Roberto Fernandes devolveu ao Remo a hegemonia do futebol paraense depois de 6 anos (título estadual de 2014) e classificou clube à 2ª fase da Série C. É muita coisa e pinta título!

NEGATIVO – Torcidas de Remo e Paysandu procritas desde 2003 se infiltraram às do River e Ceará e barbarizaram em Bragança e Fortaleza. Estado precisa agir e bola agora com a Meritíssima juiza Marisa Belinni.

Lá e Cá

Já classificados à 2ª fase da Série D: Remo, Brasiliense, Londrina, Rio Branco-AC, Jacuipense-BA, Confiança-SE, Anapolina, Ituano e Brasil de Pelotas.

Remo poderá pegar no 1º mata-mata o Princesa-AM e, se for o campeão do grupo A2, no Mangueirão, dia 4.10. Sendo segundo dar-se-á um jeitinho para 28.9 (previsão de entrega 29.9). Ingressos 60 e 30 reais.

Jogos faltantes a Botafogo-PB, CRB, Paysandu, Cuiabá e ASA que deverão brigar por 3 vagas no G4 da Série C, considerando-se posição consolidada do Fortaleza. Botafogo: ASA e Fortaleza (casa) e Águia (fora).

CRB: Águia (c), Salgueiro (f) e Cuiabá (c); Salgueiro: CRAC (f), CRB (c) e Treze (f); PSC: Cuiabá e Treze (c), CRAC (f); Cuiabá: PSC (f), Águia (c) e CRB (f); ASA: Botafogo (f), CRAC (c) e Fortaleza (f).

Águia para escapar do rebaixamento poderá até ajudar de novo o Paysandu, de vez que enfrentará só concorrente direto do Papão: CRB (fora), Cuiabá (fora) e Botafogo (casa).

Dia 30.11 a quarta e última regata do Campeonato, liderado pelo Paysandu (17), seguido do Remo (13). Leão tem o seu Usain Bolt das águas: remador Michel Soares.

Amanhã paraense Dewson Freitas no seu 11º jogo da Série A, Coritiba x São Paulo, com os auxiliares FIFA Alessandro Rocha Matos-BA e Fábio Pereira-TO. Árbitro adicional 1, o também paraense Andrey Silva.

Paysandu se punido na quinta no caso da garrafa pet contra o Salgueiro não atingirá realização da partida frente ao Cuiabá, sábado, 18:30, na Curuzu. Ingressos a 80 e 30 reais.

Bicolores não aceitam trocar Charles pelo retrno de Lima (Ceará) e nem 100 mil reais do Pameiras para liberação do zagueiro; AugustoRecife fará falta no sábado, pois tem sido o mais regular jogador do Papão na Série C.

HOMENAGEM – Antonio Marçal de Souza, o Marçal, ex- pivô e ala do basquetebol do Remo (2 títulos), Paysandu (1 título), Seleção Paraense e Brasileira Juvenil (60-70). É economista e aposentado da antiga Telepará.

16 de setembro de 2014 at 11:40 am Deixe um comentário

PAPO DO 40º – Ronaldo Porto – 15.09.14

OUTRO FINAL DE SEMANA PROVEITOSO

E mais uma vez os nossos clubes marcaram pontos dentro e fora de casa nas séries C e D. O Remo conquistou sua segunda vitória dentro de “casa”, mesmo na agonia, vencendo o River-PI por 3×2, com Val Barreto marcando o gol dos três pontos aos 46 minutos do 2º tempo. Essa vitória deu ao Leão Azul a liderança da chave e a classificação antecipada à próxima fase da série D, deixando a outra vaga para ser disputada entre Moto-MA e River-PI. O Águia de Marabá saiu da zona de rebaixamento com a vitória em Marabá sobre o CRAC-GO por 2X1, fazendo com que o técnico João Galvão acredite que jogará a série C em 2015. Já o Paysandu, depois da bela vitória contra o Botafogo-PB lá dentro, acabou conquistando mais um pontinho lá fora, jogando contra o Fortaleza-CE, que é o líder isolado e tranquilo dessa chave. Com esse empate, que bem poderia ser vitória, o Papão chegou ao 5º lugar com 20 pontos, coladinho no Salgueiro que tem 21 pontos e está no G4. Mais uma vitória contra o Cuiabá-MT no sábado agora e o Paysandu entra na zona de classificação. Lembrando que o Remo joga pelo empate para ter vantagem na segunda fase da série D. Outro bom final de semana.

ALTA TEMPERATURA

Como é bom viver só de vitórias em casa e empates fora, quando não for possível vencer. Por duas semanas seguidas os nossos times conquistaram pontos importantes dentro e fora, tanto que o Remo conseguiu se classificar com uma rodada de antecipação. O Paysandu que chegou ao oitavo lugar, já está em quinto e pode entrar no G4 jogando na Curuzú. Pior estava o Águia, segurando a lanterna por várias semanas e agora deu uma respirada. Tinha que ser sempre assim.

BAIXA TEMPERATURA

Uma vergonha o que está acontecendo no caso Paysandu x Brasília no STJD da CBF. Depois de ganhar em uma das Turmas, houve recurso do time candango e o julgamento foi na semana passada. Depois de discursões entre alguns auditores, quando o “placar” estava 1×1, houve suspensão para vistas e mesmo assim o auditor afirmou que o seu voto seria a favor do Papão. Agora, sabe Deus quando a Copa Verde será decidida nos Tribunais. Parece que o peso do Brasilia é maior.

NO TERMÔMETRO

O repórter Welinton Campos do timão, que estava ao vivo cobrindo o julgamento, se espantou com a ausência do presidente Antônio Carlos Nunes da FPF. Enquanto isso, toda a cúpula da Federação Brasiliense estava lá para apoiar o time do Distrito Federal. /// Quero aqui também parabenizar os advogados do Papão, à frente o incansável Alberto Maia, que não mediram esforços para o Paysandu ganhar. Vão trabalhar mais ainda com o adiamento. /// O Fortaleza, já classificado para a próxima fase da série C, levou 22 mil torcedores ao Castelão à noite de ontem. O Paysandu não levou nada, a não ser o pontinho conquistado. /// O Águia saiu da Zona, mas poderá voltar, caso o Treze empate ou vença o CRB no jogo de hoje. Para o Águia o melhor seria vitória do CRB; para o Paysandu seria interessante a vitória do Treze; o empate ajuda o Paysandu, mas coloca o time marabaense na zona de novo. /// Mazola Jr elogiou seus atletas pelos quatro pontos conquistados fora de casa, lastimando que os seis pontos não tenham sido conseguidos por falta de sorte. /// Roberto Fernandes, que pulou uma fogueira em Bragança, fez questão de lembrar para alguns de seus algozes, que fazia tempos que a torcida não tinha tantos motivos para comemorar, pois com ele no comando o Leão ganhou o Parazão e agora já garantiu classificação à próxima fase da série D. Na verdade, faltam poucos jogos para a série C chegar pelas bandas do Baenão. /// O Remo sofreu para vencer o River e não ficar dependendo do último jogo fora para se classificar. Fez 1×0, tomou o empate, fez 2×0 e levou o empate de novo e Val Barreto saiu do banco para dar os três pontos para o Leão, já nos acréscimos. Tinha que ser assim? /// Depois de jogar em São Luis no próximo domingo, o Remo finalmente vai poder atuar no Baenão na próxima fase, isso se não tivermos nenhuma surpresa pelo caminho. Essa mesma surpresa poderá pegar o Paysandu novamente, depois da garrafa pet jogada para dentro do gramado. /// Uma boa semana a todos e viva Jesus!

E-mails: rporto@supridados.com.br

15 de setembro de 2014 at 3:09 pm Deixe um comentário

Coluna do Gerson Nogueira – 15.09.14

Susto e redenção em Bragança

O Remo buscou o gol ao longo de toda a partida, até conseguiu fazer, mas tomou também, permitindo o empate de maneira quase infantil. No segundo tempo, açoitado por contra-ataques perigosos do River, deu uma tremenda sorte de achar o gol nos acréscimos. Como jogo, foi um exercício de emoção para os torcedores. Como resultado, excelente vitória, que assegura antecipadamente a classificação à fase de mata-mata da Série D.

A estratégia esboçada pelo técnico Roberto Fernandes foi correta, botando o time para jogar do jeito que todos vivem pedindo. No ataque, com ousadia. O problema é que o meio-de-campo ficou vulnerável demais, pois atacar se tornou prioridade absoluta no jogo.

O mais interessante é que a tarde começou perfeita, com um gol logo de cara. Reis, de cabeça, aproveitou a chance entre os zagueiros piauienses. Ao invés de se organizar e esperar o adversário, o Remo se lançou em busca de mais gols, afoitamente. Quase conseguiu fazer, mas abriu demais seu setor defensivo, cedendo o empate ainda na metade da primeira etapa. Os contornos dramáticos da tarde foram coroados com a penalidade, que o River terminou desperdiçando.

Para o segundo tempo, o Remo voltou novamente agressivo e chegou ao gol muito cedo, com o volante Michel. Mas Negreti falhou e Warley igualou tudo de novo. Aí o jogo virou roleta russa. Para substituir Dadá, lesionado, Fernandes optou por Val Barreto. Com isso, tornou o ataque mais poderoso, porém abriu de vez sua retaguarda, que era acossada o tempo todo pelos contragolpes do River.

Com a força ofensiva, impulsionada por Levy e Roni na direita, o Remo era incansável na perseguição ao gol, mas falhava no arremate final. E justo quando os sustos na zaga começavam a indicar que o técnico havia errado em botar Val Barreto na vaga de um volante, eis que o centroavante irrompe na área e faz o gol libertador, aos 47 minutos.

Caprichos do futebol. De suas incertezas e imperfeições nasce o encanto.

Competitivo, Papão traz empate precioso

O jogo valeu pelo segundo tempo na Arena Castelão, tanto pela maneira mais decidida do Fortaleza em procurar o gol quanto pelo empenho do Papão em assegurar o bom empate. No fim das contas, prevaleceu a firme disposição do time paraense, que não repetiu a boa atuação do jogo com o Botafogo em João Pessoa, mas foi resoluto em se resguardar nos momentos mais complicados.

Diferentemente do alvinegro paraibano, o Fortaleza preferiu esperar pela iniciativa do Papão no primeiro tempo, embora desfrutando de chances para abrir o marcador. Seguiu assim no restante da partida, arriscando-se um pouco mais apenas nos minutos finais. Não dava campo aos bicolores, mas também não tomava conta do jogo.

No Papão, um sintoma das dificuldades foi a baixa produtividade do ataque. Pikachu deu o primeiro chute a gol aos 37 minutos de partida. Aliás, quando Djalma saiu na etapa final, Pikachu perdeu sua escolta e o time ficou sem a velocidade de que tanto precisava nos contra-ataques.

Sem chances de matar o jogo, o Papão optou por segurar o 0 a 0. Fez bem essa tarefa, até pela belíssima atuação do zagueiro Charles, o melhor da equipe. Além dele, Ricardo Capanema e Augusto Recife (antes da expulsão) deram conta das peças mais perigosas do adversário, como Robert, Marcelinho Paraíba e o paraense Tiago Cametá.

O giro não terminou 100%, mas o Papão traz quatro pontos preciosos desses dois compromissos fora de casa, exibindo um sentido competitivo que não tinha antes do retorno de Mazola Jr. Volta a brigar diretamente pelo G4 e tem boas chances de obter a classificação nas partidas que fará na Curuzu.

Remo pode enfrentar amazonenses

O cruzamento na segunda fase da Série D pode colocar frente a frente o Remo e o Princesa do Solimões (AM). Pela classificação atual do torneio, os confrontos seriam os seguintes:

1-Confiança x 16 Central

2- Londrina x 15 Penapolense

3- Tombense x 14 Estrela do Norte

4- Remo x 13 Princesa do Solimões

5- Rio Branco x 12 Moto

6- Jacuipense x 11 Brasil-RS

7- Ituano x 10 Luziânia

8- Brasiliense x 9 Porto

Direto do blog

“Bando de vagabundos que se vestem de homem quando estão no meio dos outros marginais, mas, quando acuados, ficam que nem uma galinha. Esses são os culpados pelo fracasso do futebol paraense. Esses marginais são responsáveis por fazer com que o verdadeiro torcedor se distancie do estádio, com medo de brigas.”

Do Anderson, torcedor do Remo, injuriado com os baderneiros que conspiram contra o futebol do Pará há anos e que voltaram a aprontar em Bragança, ontem.

Águia abandona a zona maldita

Em sua desesperada batalha contra o rebaixamento, o Águia conseguiu um grande feito ontem. Derrotou o Crac por 2 a 1, em Marabá, e saiu da zona. A três rodadas do fim da primeira fase, o Azulão chegou aos 15 pontos e precisa de pelo menos duas vitórias para permanecer na Série C. Apesar disso, o Treze joga hoje e pode recuperar a oitava posição.

O gol de Charles logo aos 5 minutos abriu o caminho para a vitória, mas as falhas de marcação acabaram dando brecha para o Crac empatar ainda no primeiro tempo. Disposto a tudo para vencer, o Águia voltou para o tempo final atacando, mas aí passou a enfrentar outro adversário: a falta de pontaria de seus atacantes. Até Palhinha, o melhor do time, errava nas finalizações.

O gol salvador só veio aos 42 minutos, quando o volante Esdras apareceu na área e desviou do goleiro Donizetti.

15 de setembro de 2014 at 3:01 pm Deixe um comentário

Posts mais antigos


Clube no Twitter

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.